Warning: SimpleXMLElement::addChild(): unterminated entity reference WEBQUESTS in /home/wwwadepo/public_html/rss.php on line 59

Warning: SimpleXMLElement::addChild(): unterminated entity reference Innovation in /home/wwwadepo/public_html/rss.php on line 59

Warning: SimpleXMLElement::addChild(): unterminated entity reference Innovation in /home/wwwadepo/public_html/rss.php on line 59

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/wwwadepo/public_html/rss.php:59) in /home/wwwadepo/public_html/rss.php on line 70
ADEPORTOhttp://adeporto.eu/RSS ADEPORTOProjeto de Educação Ambiental Pzzim http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=466O Projeto de Educação Ambiental Pzzim (PEA Pzzim) promovido pela Biorumo – Consultoria Ambiental e Sustentabilidade em parceria com a ADEPORTO - Agência de Energia do Porto já se encontra na fase final . Este projeto inovador teve como objetivo, através de um processo artístico-musical, difundir e promover práticas de responsabilidade ambiental, junto da comunidade escolar do 1º ciclo do ensino básico.Tendo como base uma fantasia musical, o Pzzim pretende sensibilizar alunos, professores e auxiliares de educação para a adoção de comportamentos ambientalmente sustentáveis no que toca às temáticas da eficiência energética, valorização dos resíduos e valorização do património natural.O PEA Pzzim distribuiu a todos os professores do 1º ciclo das escolas dos Municípios Associados da AdEPorto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa, Valongo e Vila do Conde) um Kit pedagógico composto por um CD de música “Fantasia Pzzim”, um livro temático que inclui um guia de atividades e um jogo de tabuleiro “Ambiente e Sustentabilidade”. Uma equipa do projeto visitou todas as EB1 para uma breve Ação de Sensibilização e oferta dos Kits.Encontram-se, ainda, a decorrer os workshops dirigidos aos professores (ver em Eventos), coordenado por um formador especializado nas temáticas do Projeto de Educação Ambiental, bem como um concerto (ver em Eventos) com o Coro dos Pequenos Cantores da Maia. O PEA Pzzim é um projeto operacionalizado ao abrigo do programa “Portugal 2020 Fundo Ambiental – Incentivo ao desenvolvimento de programas, projetos e ações de educação ambiental.CONCERTOS PZZIM21 de Outubro (sábado) às 16h00 – Centro Cultural de Rio Tinto31 de Outubro (terça-feira) às 18h30 – EB1 Castêlo da Maia4 de Novembro (sábado) às 16h00 – Salão Nobre da CM Matosinhos11 de Novembro (sábado) às 10h30 – Auditório Municipal Póvoa de Varzim17 de Novembro (sexta-feira) às 18h30 - EB2/3 D. Pedro IV Mindelo24 de Novembro (sexta-feira) às 18h30 - Auditório do Fórum Tofa XXI 25 de Novembro (sábado) às 10h30- Colégio Casa Nossa Senhora da Conceição - Porto25 de Novembro (sábado) às 16h00 - Sala das Artes Forum Vallis LongusWORKSHOPS21 de Outubro (sábado) das 9h30 às 12h30 – CMIA Vila do Conde10 de Novembro (sexta-feira) das 9h30 às 12h30 – Quinta da Gruta - Maia10 de Novembro (sexta-feira) das 17h30 às 20h30 - CEA Quinta do Passal - Gondomar14 de Novembro (terça-feira) das 17h30 às 20h30 – Sala Polivalente Forum Cultural de Ermesinde17 de Novembro (sexta-feira) das 17h30 às 20h30 – EB 2/3 Cego do Maio - Póvoa de Varzim23 de Novembro (quinta-feira) das 15h às 18h – Colégio de Lourdes - Santo Tirso24 de Novembro (sexta-feira) das 14h30 às 27h30 - EB1/JI de Finzes - Trofa24 de Novembro (sexta-feira) das 17h30 às 20h30 – Parque Ambiental de São Brás - MatosinhosApoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas, nomeadamente nos edifícios públicos e no setor da habitaçãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=465AVISO Nº NORTE-03-2017-42 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas, nomeadamente nos edifícios públicos e no setor da habitaçãoO presente Aviso visa o apoio a projetos que contemplem a implementação de medidas de eficiência energética nas infraestruturas e equipamentos existentes da Administração Local, com recurso a apoio de subvenção reembolsável e subvenção não reembolsável, esta última, obrigatória para as auditorias e estudos.A receção de candidaturas decorrerá em três fases, nos períodos seguintes: 1ª Fase: De 15 de novembro de 2017 às 18:00h do dia 31 de dezembro de 2017; 2ª Fase: De 1 de janeiro de 2018 às 18:00h do dia 28 de fevereiro de 2018; 3ª Fase: De 1 de março de 2018 às 18:00h do dia 30 de abril de 2018.As candidaturas deverão ser submetidas exclusivamente através do Balcão 2020 através do preenchimento e submissão de formulário próprio.As entidades beneficiárias do presente Aviso são as Autarquias Locais, suas Associações e as empresas do setor empresarial local detidas a 100% por entidades públicas, enquadradas nas entidades previstas nas alíneas a) e b) do artigo 37º do RE SEUR, desde que identificadas no Pacto de Desenvolvimento e Coesão Territorial (PDCT).Dotação do fundo: Área Metropolitana do Porto 17.774.647,87 €.Aos valores acima indicados será deduzida da dotação associada às candidaturas submetidas ao Aviso NORTE 03-2016-26 - Eficiência Energética nas Infraestruturas Públicas da Administração Local que venham a ser aprovadas.Objetivo Temático: Apoiar a transição para uma economia de baixo teor de carbono em todos os setores.Prioridade de Investimento: Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas, nomeadamente nos edifícios públicos e no setor da habitação.Objetivos específicos: Aumentar a eficiência energética nas infraestruturas públicas da administração local, apoiando a implementação de medidas integradas de promoção da eficiência energética e racionalizando os consumos.Tipologia de Ações/Operações:i Realização de auditorias energéticas e apoio à elaboração de Planos de Racionalização dos Consumos de Energia, desde que sejam implementadas as medidas de eficiência energética decorrentes desses mesmos planos; ii Reabilitação energética dos edifícios e equipamentos da Administração Local e Sub-regional, através de realização de investimentos, como integração de água quente solar, incorporação de microgeração, sistemas de iluminação, aquecimentos, ventilação e ar condicionado (AVAC), intervenções nas fachadas e na cobertura dos edifícios;iii Criação de redes urbanas de energia térmica quando exclusivamente dirigidas ao abastecimento de conjuntos de edifícios públicos grandes consumidores de calor e de frio; iv Investimento em equipamento para a melhoria de eficiência energética da iluminação pública.O prazo máximo para conclusão das operações a candidatar no âmbito do Aviso é de 3 anos (36 meses) contados após a data de assinatura do Termo de AceitaçãoTipologias das Intervenções e Operações Abrangidas pelo presente Avisoa) Intervenções ao nível do aumento da eficiência energética dos edifícios e equipamentos públicos existentes da administração local: i. Intervenções na envolvente opaca dos edifícios, com o objetivo de proceder à instalação de isolamento térmico em paredes, pavimentos, coberturas e caixas de estore;ii. Intervenções na envolvente envidraçada dos edifícios, nomeadamente através da substituição de caixilharia com vidro simples e caixilharia com vidro duplo sem corte térmico, por caixilharia com vidro duplo e corte térmico, ou solução equivalente em termos de desempenho energético, e respetivos dispositivos de sombreamento;iii. Iluminação interior e intervenções nos sistemas técnicos instalados, através da substituição dos sistemas existentes por sistemas de elevada eficiência, ou através de intervençõesnos sistemas existentes que visem aumentar a sua eficiência energética, nomeadamente integração de água quente solar, incorporação de microgeração, sistemas de iluminação, aquecimento, ventilação e ar condicionado (AVAC); iv. Instalação de sistemas e equipamentos que permitam a gestão de consumos de energia, por forma a contabilizar e gerir os consumos de energia, gerando assim economias epossibilitando a sua transferência entre períodos tarifários.b) Intervenções ao nível da promoção de energias renováveis nos edifícios e equipamentos da administração local para autoconsumo desde que façam parte de soluções integradasque visem a eficiência energética: i. Instalação de painéis solares térmicos para produção de água quente sanitária e climatização; ii. Instalação de sistemas de produção de energia para autoconsumo a partir de fontes de energia renovável.c) Intervenções nos sistemas de iluminação pública, sistemas semafóricos e sistemas de iluminação decorativa, tais como monumentos, jardins, entre outros, com o objetivo de reduzir os consumos de energia, através da instalação de sistemas e tecnologias mais eficientes, assim como pela introdução de sistemas de gestão capazes de potenciar reduçõesdo consumo de energia elétrica associado a estes sistemas.d) Auditorias, diagnósticos e outros trabalhos necessários à realização de investimentos, bem como a avaliação «ex-post» independente que permita a avaliação e o acompanhamentodo desempenho e da eficiência energética do investimento.Para maior detalhe poderá ser consultado o aviso na página http://norte2020.pt/…/concur…/Aviso_NORTE2020_03_2017_42.pdfEletricidade de origem renovável em Portugal Continentalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=467Até ao fim de outubro de 2017, a quota da produção de eletricidade renovável em Portugal Continental situou-se nos 41,7 %. A comparação deste valor com o dos períodos homólogos de anos anteriores mostra que a produção renovável não atingia um valor tão baixo desde 2012. Esta inversão da tendência está a ser motivada pelas condições de recurso menos favoráveis, associadas a um abrandamento do investimento no setor renovável, divulgou a APREN. Ver boletim. Mais informação disponível em www.apren.pt. Projeto de Educação Ambiental PZZIM http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=464O Projeto de Educação Ambiental Pzzim (PEA Pzzim) promovido pela Biorumo – Consultoria Ambiental e Sustentabilidade em parceria com a ADEPORTO - Agência de Energia do Porto continua no terreno. Este projeto inovador tem como objetivo, através de um processo artístico-musical, difundir e promover práticas de responsabilidade ambiental, junto da comunidade escolar do 1º ciclo do ensino básico.Tendo como base uma fantasia musical, o Pzzim pretende sensibilizar alunos, professores e auxiliares de educação para a adoção de comportamentos ambientalmente sustentáveis no que toca às temáticas da eficiência energética, valorização dos resíduos e valorização do património natural.Até ao final de Novembro, o PEA Pzzim distribuirá a todos os professores do 1º ciclo um Kit pedagógico composto por um CD de música “Fantasia Pzzim”, um livro temático que inclui um guia de atividades e um jogo de tabuleiro “Ambiente e Sustentabilidade”. Uma equipa do projeto visitará todas as EB1 para uma breve Ação de Sensibilização e entrega dos Kits.Será, ainda, realizado em todos os municípios um workshop dirigido a todos os professores (Ver em Eventos), coordenado por um formador especializado nas temáticas do Projeto de Educação Ambiental, bem como um concerto (Ver em Eventos) com o Coro dos Pequenos Cantores da Maia. Posteriormente, no dia 27 de Novembro, em local a indicar, realizar-se-á uma Conferência PEA Pzzim dirigida a toda a comunidade.O PEA Pzzim é um projeto operacionalizado ao abrigo do programa “Portugal 2020 Fundo Ambiental – Incentivo ao desenvolvimento de programas, projetos e ações de educação ambiental.CONCERTOS PZZIM 21 de Outubro (sábado) às 16h00 – CM Gondomar: Centro Cultural de Rio Tinto 31 de Outubro (terça-feira) às 18h30 – CM Maia: EB1 Castêlo da Maia 4 de Novembro (sábado) às 16h00 – CM Matosinhos: Salão Nobre 11 de Novembro (sábado) às 10h30 – CM Póvoa de Varzim: Auditório Municipal 17 de Novembro (sexta-feira) às 18h30 - CM Vila do Conde: EB2/3 D. Pedro IV Mindelo 25 de Novembro (sábado) às 16h00 - CM Valongo: Sala das Artes Forum Vallis Longus WORKSHOPS 21 de Outubro (sábado) das 9h30 às 12h30 – CM Vila do Conde CMIA 10 de Novembro (sexta-feira) das 9h30 às 12h30 – CM Maia Quinta da Gruta 10 de Novembro (sexta-feira) das 17h30 às 20h30 - CM Gondomar CEA Quinta do Passal 14 de Novembro (terça-feira) das 17h30 às 20h30 – CM Valongo Sala Polivalente Forum Cultural de Ermesinde 17 de Novembro (sexta-feira) das 17h30 às 20h30 – CM Póvoa de Varzim EB 2/3 Cego do Maio 24 de Novembro (sexta-feira) das 17h30 às 20h30 – CM Matosinhos Parque Ambiental de São Brás Quinta Alteração ao Regulamento Específico para o Domínio da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos – SEURhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=463Foi publicada através da Portaria n.º 325/2017, Diário da República nº 208, Série I de 2017-10-27, do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, que se anexa, a quinta alteração à Portaria n.º 57 - B/2015, ou seja, o RE SEUR, Regulamento Específico para o Domínio da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos. Esta quinta alteração procede a alguns ajustamentos às regras de elegibilidade e formas de apoio das intervenções no domínio do apoio à eficiência energética na Administração Pública Central e Local com efeitos a partir de dia 28 de outubro de 2017.No âmbito do regime jurídico dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de programação 2014-2020, a Portaria n.º 57-B/2015, de 27 de fevereiro, alterada pelas Portarias n.os 404-A/2015, de 18 de novembro, 238/2016, de 31 de agosto, 124/2017, de 27 de março, e 260/2017, de 23 de agosto, adota o Regulamento Específico do Domínio da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos e estabelece as condições de acesso e as regras gerais de financiamento para as operações apresentadas ao abrigo das Prioridades de Investimento e Áreas de Intervenção no domínio da sustentabilidade e eficiência no uso de recursos.Na vigência da presente portaria foi identificada a necessidade de proceder a alguns ajustamentos às regras de elegibilidade e formas de apoio das intervenções no domínio do apoio à eficiência energética na Administração Pública central e local. Foi igualmente considerada a necessidade de acautelar a devida conformidade dos apoios às empresas abrangidos pelo Regulamento Geral de Isenção por Categoria (RGIC), concedidos ao abrigo do presente regulamento específico, com as disposições previstas na alínea a) do n.º 4 do artigo 1.º e no artigo 2.º do Regulamento (UE) n.º 651/2014 da Comissão, de 16 de junho.De acordo com o disposto na alínea c) do n.º 2 e no n.º 3 do artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 137/2014, de 12 de setembro, as alterações que se preconizam foram aprovadas pela Deliberação n.º 20/2017 da Comissão Interministerial de Coordenação do Acordo de Parceria (CIC Portugal 2020), de 11 de outubro, carecendo de ser adotadas por portaria do membro do Governo responsável pela área do desenvolvimento regional.Os artigos do Regulamento Específico do Domínio da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, aprovado em anexo à Portaria n.º 57 -B/2015, de 27 de Fevereiro (alterado pelas Portarias supra referenciadas) passam a ter diferente redação. Destacando-se nomeadamente: - Os critérios de elegibilidade dos beneficiários - Artigo 6.º;- Os critérios específicos de elegibilidade das operações - Artigo 31.º;- As despesas elegíveis - Artigo 32.º;- A forma dos apoios - Artigo 33.º;- As taxas de financiamento das despesas elegíveis - Artigo 34.º;- As tipologias das operações - Artigo 36.º;- Os critérios específicos de elegibilidade das operações - Artigo 38.º;- As despesas elegíveis - Artigo 39.º;- A forma dos apoios - Artigo 40.º;- As taxas de financiamento das despesas elegíveis - Artigo 41.º.A ADEPORTO – Agência de Energia do Porto mantém-se disponível para dar continuidade ao apoio dos seus Associados.Comissão investe 30 mil milhões de EUR em novas soluções para dar resposta aos desafios societais e à inovação de pontahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=462A Comissão Europeia anunciou o modo como irá investir 30 mil milhões de EUR do programa de financiamento da investigação e inovação Horizonte 2020 da UE durante o período de 2018-2020, incluindo 2,7 mil milhões de EUR para o arranque de um Conselho Europeu de Inovação. O Horizonte 2020, programa de financiamento da investigação e da inovação da UE com uma dotação de 77 mil milhões de EUR, apoia a excelência científica na Europa e tem contribuído para descobertas científicas de alto nível, como a descoberta de exoplanetas e ondas gravitacionais. Nos próximos três anos, a Comissão procurará obter um maior impacto do seu financiamento da investigação, centrando-se num menor número de temas, mas em temas sensíveis, como a migração, a segurança, as alterações climáticas, a energia limpa e a economia digital. O Horizonte 2020 será também mais orientado para novos mercados decorrentes de inovações de ponta. Nas palavras de Carlos Moedas, Comissário responsável pela Investigação, Ciência e Inovação: «Inteligência artificial, genética, blockchain: a ciência está no cerne das mais promissoras inovações dos nossos dias. A Europa é líder mundial em matéria de ciência e tecnologia e desempenhará um importante papel na promoção da inovação. A Comissão está a fazer um esforço concertado — incluindo com o Conselho Europeu da Inovação, o qual dá os seus primeiros passos hoje — para que os muitos inovadores da Europa tenham um trampolim para se tornarem empresas líderes a nível mundial.» Apoio aos mercados decorrentes de inovação de ponta Desde o início do seu mandato, a Comissão Juncker tem estado a trabalhar arduamente para dar aos muitos empresários inovadores da Europa todas as oportunidades para prosperar. Atualmente, a Comissão está a lançar a primeira fase do Conselho Europeu de Inovação. Entre 2018 e 2020, a Comissão irá mobilizar 2,7 mil milhões de EUR do Horizonte 2020 para apoiar a inovação de alto risco e elevados ganhos destinada a criar os mercados do futuro. Além disso, o Horizonte 2020 irá fazer melhor uso dos seus prémios «vencer o desafio», com vista a fornecer soluções tecnológicas de ponta para os problemas prementes enfrentados pelos nossos cidadãos. Concentrar esforços nas prioridades políticas O programa de trabalho para 2018-2020 irá concentrar esforços num menor número de temas com maiores orçamentos, apoiando diretamente as prioridades políticas da Comissão: · - Uma economia com baixas emissões de carbono, resiliente às alterações climáticas futuras: 3,3 mil milhões de EUR · - Economia circular: mil milhões de EUR · - Digitalizar e transformar a indústria e os serviços europeus: 1,7 mil milhões de EUR · - União da Segurança: mil milhões de EUR · - Migração: 200 milhões de EUR - 2,2 mil milhões de EUR serão canalizados para projetos de energia limpa em quatro domínios inter-relacionados: energias renováveis, eficiência energética dos edifícios, mobilidade elétrica e soluções de armazenamento, incluindo 200 milhões de EUR para apoiar o desenvolvimento e a produção na Europa da próxima geração de baterias elétricas. Estimular a investigação fundamental Ao mesmo tempo, o Horizonte 2020 continuará a financiar a «ciência estimulada pela curiosidade» (muitas vezes referida como «ciência fundamental» ou «investigação de fronteira»). O programa de trabalho anual do Conselho Europeu de Investigação para 2018, adotado em agosto, permitirá apoiar investigadores de nível excelente com cerca de 1,86 mil milhões de EUR. As ações Marie Sk?odowska-Curie, que financiam bolsas para investigadores em todas as fases das suas carreiras, recebem um apoio total de 2,9 mil milhões de EUR ao longo de três anos. Reforçar a cooperação internacional O novo programa de trabalho reforça igualmente a cooperação internacional no domínio da investigação e da inovação. Irá investir mais de mil milhões de EUR em 30 iniciativas emblemáticas em domínios de interesse mútuo. A título de exemplo, refira-se o trabalho com o Canadá sobre medicina personalizada, com os EUA, o Japão, Coreia do Sul, Singapura e a Austrália em matéria de automatização do transporte rodoviário, com a Índia sobre os desafios relacionados com a água e com os países africanos sobre segurança alimentar e energias renováveis. Disseminar a excelência Entre 2018 e 2 020, serão afetados 460 milhões de EUR no quadro do Horizonte 2020, especificamente para a apoiar os Estados-Membros e os países associados que ainda não participam plenamente no programa. O objetivo é aproveitar as bolsas de excelência inexploradas na Europa e fora dela. Além disso, o programa continua também a promover sinergias mais estreitas com os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento. Simplificar ainda mais as regras de participação Outra novidade é a introdução de projetos-piloto de montante fixo, uma nova abordagem mais simples para fornecer apoio financeiro aos participantes. Os controlos ex antedeixarão de incidir nos controlos financeiros para se centrar no conteúdo técnico e científico dos projetos. Ciência aberta O programa constitui uma mudança acentuada no que respeita à promoção da ciência aberta, passando da publicação de resultados de investigação em publicações científicas para uma partilha de conhecimentos numa fase mais precoce do processo de investigação. Serão canalizados 2 mil milhões de EUR para apoiar a ciência aberta, e serão consagrados 600 milhões de EUR à Nuvem Europeia para a Ciência Aberta, bem como à Infraestrutura de Dados Europeia e à computação de alto desempenho. AdEPorto A ADEPORTO – Agência de Energia do Porto está já a trabalhar em projetos nestes domínios e encontra-se disponível para apoiar os seus Associados em novos projetos. Antecedentes O Horizonte 2020 é o maior programa-quadro da UE de sempre em matéria de investigação e inovação, com um orçamento de 77 mil milhões de EUR ao longo de sete anos (2014-2020). Apesar de, na sua maioria, as atividades de investigação e inovação ainda estarem em curso ou ainda por iniciar, o programa está a produzir resultados concretos. Os investigadores do Horizonte 2020 contribuíram para importantes descobertas como os exoplanetas, o bosão de Higgs e as ondas gravitacionais, e pelo menos 19 laureados com o Prémio Nobel obtiveram apoio do Horizonte 2020, antes ou depois da sua consagração. Em outubro de 2017, o programa Horizonte 2020 terá financiado, no total, mais de 15 000 subvenções no montante de 26,65 mil milhões de EUR, dos quais cerca de 3,79 mil milhões foram atribuídos a PME. O programa permite também às empresas, em especial às PME, um acesso ao financiamento de risco no valor de 17 milhões de EUR ao abrigo do regime de financiamento da UE para inovadores (InnovFin). Acresce que 3 143 investigadores principais do CEI em organizações de acolhimento e 10 176 bolseiros no âmbito das ações Marie Sk?odowska-Curie receberam quase 4,87 mil milhões de EUR e 2,89 mil milhões de EUR, respetivamente. O programa de trabalho Euratom 2018 foi adotado em simultâneo com a adoção do programa de trabalho do Horizonte 2020 para 2018-2020, investindo 32 milhões de EUR em investigação em matéria de gestão e eliminação dos resíduos radioativos. Também irá desenvolver um roteiro de investigação sobre o desmantelamento seguro das centrais nucleares, a fim de reduzir o impacto ambiental e os custos. Mais informações MEMO: Programa de trabalho do Horizonte 2020 para 2018-2020 Ficha informativa: Conselho Europeu de Inovação Ficha informativa: investigação em matéria de migração Ficha informativa: projeto-piloto de montante fixo Fichas de informação por país: Sítio web do Horizonte 2020 e propostas Portal dos participantes https://ec.europa.eu/programmes/horizon2020/sites/horizon2020/files/eic_pilot_factsheet_2018-2020_0.pdf Inquérito à Mobilidade já se encontra onlinehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=457O INE – Instituto Nacional de Estatística, anunciou que já se encontra disponível, desde o passado dia 16 de outubro, o site para respostas online ao Inquérito à Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e de Lisboa (IMob).O IMob é dirigido a uma amostra de cerca de 200 mil alojamentos, localizados nos municípios que integram as duas áreas metropolitanas, sendo solicitada informação sobre as deslocações das pessoas que neles habitam. Os alojamentos selecionados são previamente contactados pelo INE, nomeadamente através de carta.Com este inquérito, pretende-se responder a algumas perguntas, como por exemplo: Como nos deslocamos? Quanto tempo demoramos? Que distâncias percorremos? Que custos temos? – assim como conhecer os padrões de mobilidade diária da população e a opinião dos utilizadores de transporte individual e coletivo. Segundo o INE, “os resultados do IMob serão relevantes para a definição fundamentada de políticas públicas de Mobilidade e Transportes, uma vez que no que se refere às Áreas Metropolitanas de Porto e Lisboa, em cujo meio urbano o universo de escolhas depende em grande medida da complementaridade de modos de transporte, os inquéritos à mobilidade constituem instrumentos fundamentais de suporte às decisões de política de transportes, dado o conhecimento que proporcionam sobre o padrão de deslocações dos residentes e as suas expectativas”.Responderá ao inquérito uma amostra representativa de alojamentos (cerca de 200 mil) localizados nos 35 municípios das duas Áreas Metropolitanas:Porto: Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Paredes, Porto, Póvoa de Varzim, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, São João da Madeira, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia.Lisboa: Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira.Nestes municípios, que representam apenas 5,5% do território nacional, reside 44% da população do território nacional, pelo que as estatísticas a disponibilizar pelo IMob serão extremamente. A divulgação dos resultados está prevista para o segundo trimestre de 2018.Para saber mais sobre o IMob, clique AQUIEletricidade de origem renovável em Portugal - Setembro de 2017http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=455Nos primeiros nove meses de 2017, a diminuição da produção de eletricidade renovável fez disparar o preço de mercado da eletricidade que se cifrou em 50,4 €/MWh, em contraste com o preço homólogo de 2016 que foi de 39,4 €/MWh. De facto, o ano de 2017 tem sido muito seco, o que se refletiu na baixa produção hidroelétrica e numa quota de eletricidade renovável, no total da produção de Portugal Continental, de apenas 42,3 % (17.666 GWh). Este valor contrasta com as quotas dos últimos anos em que as renováveis corresponderam a mais de 50 % da produção elétrica nacional.Mais informação no site da APREN.Projeto de Educação Ambiental Pzzim - PEA Pzzimhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=452O Projeto de Educação Ambiental Pzzim (PEA Pzzim) promovido pela Biorumo – Consultoria Ambiental e Sustentabilidade em parceria com a ADEPORTO - Agência de Energia do Porto já se encontra a decorrer nos municípios de Vila do Conde, Matosinhos, Maia e Gondomar. Este projeto inovador tem como objetivo, através de um processo artístico-musical, difundir e promover práticas de responsabilidade ambiental, junto da comunidade escolar do 1º ciclo do ensino básico.Tendo como base uma fantasia musical, o Pzzim pretende sensibilizar alunos, professores e auxiliares de educação para a adoção de comportamentos ambientalmente sustentáveis no que toca às temáticas da eficiência energética, valorização dos resíduos e valorização do património natural.Numa primeira fase, até 31 de outubro, o PEA Pzzim distribuirá a todos os professores do 1º ciclo um Kit pedagógico composto por um CD de música “Fantasia Pzzim”, um livro temático que inclui um guia de atividades e um jogo de tabuleiro “Ambiente e Sustentabilidade”. Uma equipa do projeto visitará todas as EB1 para uma breve Ação de Sensibilização e entrega dos Kits.Será, ainda, realizado em todos os municípios um workshop dirigido a todos os professores, coordenado por um formador especializado nas temáticas do Projeto de Educação Ambiental, bem como um concerto com o Coro dos Pequenos Cantores da Maia. Posteriormente, em data e local a indicar, realizar-se-á uma Conferência PEA Pzzim dirigida a toda a comunidade.O PEA Pzzim é um projeto operacionalizado ao abrigo do programa “Portugal 2020 Fundo Ambiental – Incentivo ao desenvolvimento de programas, projetos e ações de educação ambiental.Qualidade do Ar na Europahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=454A má qualidade do ar é causa de morte prematura de mais de 400.000 cidadãos da União Europeia (UE) por ano, alerta o último relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA) divulgado hoje.O documento “A qualidade do ar na Europa - Relatório de 2017” indica que a maior parte das pessoas que vivem nas cidades europeias está exposta a má qualidade do ar. O transporte rodoviário, a agricultura, a produção de energia, as indústrias e as famílias constituem os maiores emissores de poluentes.Os resultados do relatório assentam em dados oficiais de 2015 de mais de 2.500 estações de monitorização, indicando que houve uma ligeira melhoria da qualidade do ar resultado das políticas adoptadas pelos Estados e da introdução de novas tecnologias. De todo o modo, as altas concentrações de poluição atmosférica continuam a ter um impacto significativo na saúde dos europeus, como poluentes como as partículas em suspensão, o dióxido de azoto ou ozono a serem os mais preocupantes.A má qualidade do ar tem também impactos económicos significativos, aumentando os custos na área da saúde, reduzindo a produtividade dos trabalhadores e danificando os solos, as culturas, as florestas e os cursos de água.É possível melhorar a qualidade do ar com políticas ousadas e investimentos inteligentes em transportes não poluentes e energia e agricultura mais limpas.De acordo com o relatório, 7% da população urbana da UE foi, em 2015, exposta a níveis de partículas poluentes em suspensão acima do valor máximo. Se forem tidas em conta diretrizes mais restritivas da Organização Mundial de Saúde (OMS) foram expostos 82% dos habitantes das cidades.Mais informação poderá ser encontrada aqui.Aviso 23 – Prorrogação do Prazo: Eficiência Energética nas Infraestruturas de Transporteshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=446Recorda-se que através do Fundo de Eficiência Energética (FEE), se encontra a decorrer o AVISO 23 – EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTES 2017, que prevê a possibilidade de financiamento de candidaturas, em toda a extensão do território nacional, no sentido de diminuir o consumo energético neste setor.Neste contexto, são suscetíveis de financiamento os investimentos em medidas tangíveis que visem promover a melhoria do desempenho energético das infraestruturas de transportes, através da substituição dos equipamentos existentes por outros mais eficientes, da implementação de dispositivos de controlo e atuação que permitam otimizar as condições de uso e consumo de energia, que no seu conjunto apresentem um período de retorno simples inferior a 6 anos. O financiamento dos projetos assume a forma de subsídio não reembolsável, sendo a comparticipação, por candidatura, de despesas do FEE, indexada ao período de retorno do investimento (PRI). Assim, a taxa de comparticipação máxima, por candidatura, para entidades públicas, será de 45% e para entidades privadas de 15%, ambas até a um limite máximo de € 180.000,00. A dotação global do Aviso é de € 1.600.000,00. Entidades Beneficiárias: Podem apresentar candidaturas ao abrigo do presente Aviso todas as entidades gestoras de infraestruturas de transportes, dos setores rodoviário, ferroviário, marítimo-portuário, aéreo e aeroportuário. Duração das operações: As candidaturas no âmbito do concurso devem prever uma duração máxima de 18 (dezoito) meses entre a data de assinatura do contrato de financiamento (celebrado entre o FEE e o beneficiário) e a data de apresentação do pedido de pagamento do projeto. Submissão de candidaturas: As candidaturas são apresentadas ao FEE através do portal eletrónico do PNAEE na área de candidaturas FEE, onde deverão ser submetidos todos os documentos solicitados e devidamente preenchidos. O período de submissão de candidaturas estará disponível por 4 meses a contar da data de publicação do presente Aviso, de 29 de Maio até 13 de Novembro 2017. Mais informação poderá ser obtida em: http://www.pnaee.pt/avisos-fee/aviso-23NORTE 2020: PO SEUR – PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=447Relembramos que se encontram a decorrer as seguintes candidaturas:Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano: Promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios, nomeadamente as zonas urbanas, incluindo a promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação Prazo: de 1 de Junho de 2016 até às 17:59 de 31 de Dezembro de 2017. Beneficiários: Entidades públicas; empresas e concessionárias de transportes públicos de passageiros; outras pessoas coletivas de direito público e privado desde que envolvam a realização de parcerias entre agentes públicos e privados. Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis.Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 06-2016-19Alteração ao Aviso (17.05.2017)Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano: Adoção de medidas destinadas a melhorar o ambiente urbano, a revitalizar as cidades, recuperar e descontaminar zonas industriais abandonadas, incluindo zonas de reconversão, a reduzir a poluição do ar e a promover medidas de redução de ruídoPrazo: de 1 de Junho de 2016 até às 17:59 de 31 de Dezembro de 2017. Beneficiários: Organismos da administração direta e indireta do Estado; autarquias locais e suas associações; entidades do setor empresarial do Estado e do setor empresarial local; pessoas coletivas de direito privado sem fins lucrativos, que promovam projetos urbanos no âmbito do PAICD. Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis.Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 16-2016-17Alteração ao Aviso (17.05.2017)Reabilitação Urbana: Adoção de medidas destinadas a melhorar o ambiente urbano, a revitalizar as cidades, recuperar e descontaminar zonas industriais abandonadas, incluindo zonas de reconversão, a reduzir a poluição do ar e a promover medidas de redução de ruído (inclui reabilitação de edifícios)Prazo: de 1 de Junho de 2016 até às 17:59 de 31 de Dezembro de 2017.Beneficiários: Entidades da administração pública central; autarquias locais e suas associações; entidades do setor empresarial do Estado; entidades do setor empresarial local.Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis.Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 16-2016-16Alteração ao Aviso (17.05.2017)Mobilidade Urbana Sustentável: Promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios, nomeadamente as zonas urbanas, incluindo a promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação (inclui reabilitação de edifícios)Prazo: de 1 de Junho de 2016 até às 17:59 de 31 de Dezembro de 2017.Beneficiários: Entidades públicas; empresas e concessionárias de transportes públicos de passageiros; outras pessoas coletivas de direito público e privado desde que envolvam a realização de parcerias entre agentes públicos e privados. Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis. Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 06-2016-15Alteração ao Aviso (17.05.2017)A AdEPorto – Agência de Energia do Porto está disponível e empenhada em apoiar os Municípios seus Associados no âmbito destes Avisos.FORMAÇÂO: Energia para não-técnicoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=449FORMAÇÂO: Energia para não-técnicosACADEMIA LIPOR em parceria com a AdEPorto - Agência de Energia do Porto17 de Outubro de 2017OBJETIVOSO programa de formação pretende fornecer um conjunto de conhecimentos e ferramentas sobre as várias formas de Energia e a sua correta utilização, diagnosticando oportunidades de otimização nos processos energéticos das Organizações.COMPETÊNCIAS DOS FORMANDOS À SAÍDA DA FORMAÇÃONo final da ação de formação pretende-se que o formando esteja em condições de:- Identificar os principais conceitos das várias formas de energia;- Compreender os custos e contabilidade energética;- Conhecer as auditorias energéticas;- Entender os sistemas de gestão de energia;- Aplicar medidas de redução de energia.METODOLOGIA | TÉCNICAEsta ação realizar-se-á com componentes teóricas, onde serão ministrados os conceitos e a sua exemplificação, e com componentes práticas, em que os formandos terão oportunidade de realizar exercícios relativos às matérias lecionadas nas componentes teóricas, através dos métodos expositivo, ativo e demonstrativo.DESTINATÁRIOSTécnicos e gestores de áreas não diretamente relacionadas com energia, de ambiente ou gestão de projetos e outros profissionais com motivação e interesse nas áreas temáticas em foco.ESTRUTURA CURRICULAR- Conceitos básicos de energia- Serviços de energia- A nossa fatura energética- Diferentes formas de energia- Cálculo energético- Sistemas de gestão de energia- Auditorias energéticas- Determinação de consumos específicos- Conversão para TEP e KgCO2e- Grupo de trabalho vs Auditor interno- ISO50001- Medidas de redução de consumo de energiaDATA*17 de outubro*Sujeito a alteraçãoNº MIN. FORMANDOS8Nº MAX. FORMANDOS16CARGA HORÁRIA8 horasLOCALAcademia LiporRua Aldeia dos Lavradores, 244 - 5º Piso4445-690 ErmesindePREÇO50€* (Inclui almoço)(*Gratuito para técnicos dos Municípios Associados da Lipor)INSCRIÇÕES:http://www.lipor.pt/pt/servicos/academia-lipor/inscricoes-na-academia/Participação da ADEPORTO na Porto Water Innovation Week (PWIW)http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=444A convite da Águas do Porto, que organizou o evento, a ADEPORTO participou no espaço de exposição da PWIW. A iniciativa, promovida pelo Município entre os dias 24 e 30 de Setembro, teve lugar no Edifício da Alfândega e tornou a cidade na capital europeia da água e da inovação.O programa desta semana incluiu três grandes eventos: EIP Water Conference 2017 (27 e 28 Setembro), a Mayors & Water Conference 2017 (29 Setembro) e o Water Innovation Lab Europe Porto 2017 (de 24 a 29 de Setembro). Paralelamente a estes encontros, no espaço de exposição foram organizados Tech Talks destinados ao lançamento e apresentação de novos projectos, produtos ou serviços. Os expositores beneficiaram ainda de um programa de B2B matchmaking, através de reuniões presenciais, pré-agendadas com potenciais clientes e parceiros, no âmbito do Porto Water Match. A PWIW contou com a presença de líderes políticos, entidades gestoras, reguladores, associações, representantes da indústria, técnicos especializados, investigadores, empresas de tecnologia, start-ups, PMEs, financiadores e jovens estudantes e profissionais.A iniciativa transversal à PWIW, a Water & People foi constituída por várias actividades destinadas a envolver os cidadãos na temática da água e inovação, designadamente animação de rua e artes performativas na Baixa da cidade do Porto e a realização do AquaPorto – Water Festival 2017, durante o fim-de-semana, no Parque da Cidade.Organizada pelo Município do Porto, a PWIW teve o apoio institucional da Comissão Europeia e do Governo Português. Eurostat - Regras de contabilização dos contratos de desempenho energéticohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=445O Eurostat publicou uma nota de orientação (http://ec.europa.eu/…/Eurostat-Guidance-Note-Recording-Ene…/) que clarifica as regras de contabilização dos contratos de desempenho energético nas contas públicas. Esta clarificação permite a realização de contratos de desempenho energético que, em determinadas condições, não seriam considerados dívida pública, constituindo um passo para o desenvolvimento do mercado da eficiência energética no sector público europeu. Pode encontrar toda a informação aqui: http://europa.eu/rapid/press-release_IP-17-3268_en.htm Eletricidade de origem renovável - Agosto 2017http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=448Nos primeiros oito meses de 2017 a produção de eletricidade de origem renovável sofreu uma redução significativa de 34 %, face ao período homólogo do ano anterior. Esta redução percentual de renováveis no sistema eletroprodutor português fez com que o preço da eletricidade no mercado spot diário do MIBEL subisse para 50,46 €/MWh nos primeiros oito meses de 2017, quando comparado com o período homólogo do ano anterior, em que o preço foi mais baixo (32,46 €/MWh), devido a um maior contributo das renováveis (64 %). Este efeito positivo que a eletricidade renovável tem no preço do mercado grossista compensa largamente o diferencial de custo da tarifa com que é remunerada. Por seu lado, a elevada produção de origem fóssil registada nos meses de verão de 2017 levou, adicionalmente, a um aumento das emissões de gases poluentes e de efeito de estufa que se cifram em perto de 5,7 milhões de toneladas de CO2.Informação disponível no boletim APREN.Dez candeeiros valem por dez polícias?http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=443Em Portugal, “não há nenhuma legislação, não há nenhuma cidade que tenha limites à poluição luminosa”, diz Alberto van Zeller, que coordenou dois trabalhos sobre o assunto, o "Manual de boas práticas para cadastro da Iluminação Pública" e o "Manual da Poluição Luminosa", ambos elaborados pelo Centro Português de Iluminação (CPI). O que existe é uma recomendação, de 2011, que integra o Documento de Referência para a Eficiência Energética na Iluminação Pública, proposto pela RNAE – Associação das Agências de Energia e Ambiente (Rede Nacional), em parceria com o CPI, a Ordem dos Engenheiros, a Secretaria de Estado da Energia, entre outras entidades, e que aponta limitações à iluminação em “zonas críticas” como aeroportos, hospitais, parques naturais, observatórios, áreas de protecção especial, rede natura, ou outras indicadas no Plano Director de Iluminação Pública das autarquias. E que tende a tratar a iluminação pública pelo lado da eficiência energética, esquecendo os impactos que o desperdício de luz artificial durante a noite pode ter na saúde pública e na biodiversidade, explica o engenheiro. “Chegamos a este nível de poluição luminosa por decisões erradas”, atira Van Zeller. Como por exemplo o uso de luminárias esféricas em candeeiros de jardim, o que faz com que em que “50% da luz emitida se perca”. Para evitar o desperdício de luz para zonas que não necessitam de iluminação, a solução poderá passar por luminárias de controlo luminoso, que apontam exactamente para a área que se pretende iluminar, explica Alberto Van Zeller. Assim como em relação ao espectro da luz, devendo ser evitada a luz branca e fria (característica das lâmpadas LED), que se reflecte mais na atmosfera. Esse trabalho está agora a ser iniciado no Porto, com um projecto que prevê a “substituição [das luminárias públicas] para tecnologia LED”. Já terão sido substituídas cerca de mil, mas o projecto prevê a intervenção em mais dez mil, diz ao P2 Rui Pimenta, administrador executivo da Agência de Energia do Porto, que é responsável pela gestão municipal na área da energia. O objectivo é “reduzir a temperatura de cor” da luz pública e aproximá-la dos valores recomendados. Segundo os especialistas, não deve ser superior a 3000K. “Com a tecnologia actual e com temperatura de cor mais baixa, mais amarelada, não há tanta diferença em termos de eficiência energética como há uns anos. Já se conseguem eficiências muito interessantes com temperaturas de cor na faixa dos 3000K”, explicou Rui Pimenta. O responsável da agência, cuja actuação se estende também aos concelhos da Maia, Matosinhos, Gondomar, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Santo Tirso e Valongo, adianta ainda que está a ser elaborado um Plano Director de Iluminação Pública para o Porto, um documento que servirá para “adequar correctamente” a iluminação em cada espaço da cidade e que deverá estar concluído até ao final do ano. “Terá a mesma importância que um Plano Director Municipal”, considera, acrescentando que serão incluídas “recomendações para projectos de iluminação pública que a cidade pretenda implementar”. Numa curta resposta enviada ao P2, o departamento de comunicação da câmara de Lisboa refere que a autarquia “tem sempre o cuidado de utilizar luminárias que limitam a luz para o hemisfério inferior (controlando assim a difusão luminosa emanada directamente da luminária), nos projectos de remodelação ou substituição” dos candeeiros públicos, não referindo, contudo, a temperatura de cor das luminárias. A mesma fonte acrescentou ainda que relativamente a novos projectos de iluminação pública, “o impacto da luminosidade reduz-se à luz reflectida do pavimento e das fachadas dos edifícios iluminados”. O P2 tentou ainda, sem sucesso, contactar a câmara de Portel. O município alentejano, com Moura, Reguengos de Monsaraz, Mourão, Barrancos e Alandroal, têm no Alqueva um destino de referência para a observação astronómica, certificado, desde 2011, como Starlight Tourism Destination. (ver texto principal) Por outro lado, destaca Alberto Van Zeller, as pessoas estão pouco “alerta” para estas questões. O que se percebe quando são tomadas medidas para o aumento de luz nas ruas, que dá a “a sensação errada de segurança”, diz. “Não devemos querer mais luz. O que queremos é melhor luz. Mas há aquela questão política que dez candeeiros valem por dez polícias ou dão dez votos”, diz. Por isso, reitera o engenheiro, a poluição luminosa deve ser combatida “com métricas e com projectos”. Mas num país “onde não há formação em iluminação, onde não há ensino [oferta formativa nesta área], isto é complicado”, nota. Por isso, devem ser os “responsáveis pelos projectos” a aplicar estas recomendações que limitam a poluição luminosa em articulação com os planos de iluminação pública municipais. Mas a discussão não se esgota na iluminação pública, lembra, detalhando que a maior parte da "contaminação pública vem dos lasers das discotecas, da iluminação de fachadas, montras iluminadas, painéis publicitários, instalações desportivas”. E sugere que, no caso da iluminação pública, as luzes desses edifícios deveriam ser reduzidas ou mesmo apagadas.Fonte: https://www.publico.pt/2017/09/03/sociedade/noticia/dez-candeeiros-valem-por-dez-policias-17838612017: ANO COM MAIORES EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA DESTA DÉCADAhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=441A Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável, tendo por base dados da REN (Redes Energéticas Nacionais) analisou as diferentes tendências em termos de produção de eletricidade em Portugal Continental entre janeiro de julho de 2017 e as suas consequências para a sustentabilidade no uso de recursos e emissões de gases com efeito de estufa, causadoras das alterações climáticas. A seca que se verifica no Continente conduziu a uma diminuição dramática da produção de eletricidade através das grandes barragens (-60% entre janeiro e julho de 2017 e o mesmo período em 2016), e um aumento enorme do recurso às centrais térmicas (+80%). No que respeita ao total de contribuição de produção de eletricidade a partir de fontes renováveis, a mesma recuou 28,4%, ou seja, de 78,8% para 50,4%. Isto é, até ao final de julho só metade da eletricidade teve origem em fontes renováveis.6 milhões de toneladas a mais de dióxido de carbono emitidas este anoA frequência e a intensidade das secas estão relacionadas com as alterações climáticas, prevendo os modelos uma redução da precipitação da ordem dos 10% para o Norte de Portugal Continental e de 40% para o Sul. Depois de 2016 ter tido uma produtibilidade hidroelétrica 66% acima da média, 2017 está com valores 43% abaixo. As consequências em termos de emissões de gases de efeito de estufa são verdadeiramente dramáticas, já que a produção de eletricidade tem de ser garantida pela queima de combustíveis fósseis, em particular de centrais a carvão (Sines e Pego) (com um aumento de produção de 35%) e de ciclo combinado a gás natural (que quase triplicaram no total a sua produção: +275% em relação ao mesmo período de 2016).A Zero quantificou as emissões associadas à produção de eletricidade entre janeiro e julho de 2017, verificando-se um aumento de 5,3 milhões de toneladas de dióxido de carbono em relação ao mesmo período do ano passado (+42% em relação às emissões de 2016). Por comparação com 2016, os incêndios estão também a ter uma contribuição acrescida, já que (de acordo com dados fornecidos ao jornal “Expresso” pela Agência Portuguesa do Ambiente), no total ao ano passado se emitiram 2,3 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente e este ano até final de julho já se atingiu 2,9 milhões de toneladas, ou seja, um aumento de cerca de 600 mil toneladas de dióxido de carbono equivalente, atingindo-se um total de 5,9 milhões de toneladas (praticamente 6 milhões de toneladas). Em termos relativos para se ter uma ideia da dimensão, 6 milhões de toneladas representam cerca de 10% das emissões anuais verificadas em Portugal em 2015. Face aos dados finais e estimados para os anos de 2010 a 2016, tudo aponta para que 2017 venha a ser até agora, o ano com maiores emissões de gases com efeito de estufa da presente década em Portugal.Queima de carvão aumenta e solar cresceu pouco (5,6%)As centrais a carvão, por cada quilowatt-hora de eletricidade produzida (kWh), emitem 2,5 vezes mais dióxido de carbono equivalente que as centrais de ciclo combinado a gás natural. Estas centrais, emissoras também de outros poluentes atmosféricos que afetam a saúde humana e o ambiente, deverão ser progressivamente encerradas. Em Portugal, a associação ambientalista defende que esse deve ser o destino nos próximos anos da central termoelétrica de Sines, já com mais de 30 anos e com mecanismos de subsidiação que terminam este ano. Do aumento de 5,3 milhões de toneladas de emissões, 1,8 milhões foram da responsabilidade das centrais a carvão. Se todo o aumento de produção térmica tivesse sido assegurado por centrais de ciclo combinado a gás natural, o que é uma possibilidade do nosso parque térmico de centrais, ter-se-iam poupado 1,1 milhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono.Relativamente à produção de eletricidade através do recurso à energia solar fotovoltaica, os dados são uma desilusão, quer em termos de aumento em relação ao ano anterior (5,6%), quer pelo peso muito diminuto que o solar ainda representa (1,7% do consumo). Se por um lado é verdade que o regime em vigor relativo ao autoconsumo tem tido uma enorme expansão, reduzindo-se o consumo da rede, regime este que não é contabilizado / traduzido nos dados da REN, também é um facto que é indispensável a implementação de projetos de produção fotovoltaica sustentáveis em termos de dimensão e localização que injetem na rede uma quantidade cada vez maior de eletricidade renovável aproveitando o enorme potencial que temos em Portugal dado o elevadíssimo número de hora de sol.Lições para o futuroTendo em conta a continuação e agravamento da situação de seca e de incêndios desde o início de agosto, as emissões associadas a estas duas áreas que aliás estão relacionadas, tenderão a agravar-se. O ano de 2017 muito provavelmente será um dos mais elevados anos em termos de emissões de Portugal desde o início da década.De forma a aumentar a resiliência do país às próprias vulnerabilidades às alterações climáticas e aos impactes que presenciamos, a Zero considera que é indispensável:– Fortes apoios ao investimento em eficiência energética e em energias renováveis, em particular no solar fotovoltaico;– Implementação da reforma florestal, alocando verbas significativas para a melhoria da rede de vigilância e deteção de incêndios e para ações de silvicultura preventiva;– Fomento de políticas ativas, integradas e abrangentes que consigam lidar e, se possível inverter, o despovoamento do interior do país;– Promoção de um programa de reflorestação que favoreça a instalação de povoamentos de espécies autóctones e que preveja remunerações anuais para que os proprietários possam forneçam serviços ambientais à sociedade.Fonte: Ambiente MagazineSERVIÇOS AMBIENTAIS ADICIONAM MAIS DE 500 VEÍCULOS ELÉTRICOS ÀS FROTAS DE 2017http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=439O Fundo Ambiental recebeu pedidos de apoio para a aquisição de 155 novos veículos elétricos, por parte de 20 entidades gestoras de Sistemas Multimunicipais ou Intermunicipais de água e resíduos. Somando a estas viaturas as 360 financiadas através de concurso dirigido aos Serviços Urbanos Ambientais (cuja candidatura terminou em fevereiro), acrescentam-se mais de 500 veículos elétricos às frotas dos serviços ambientais, apenas durante o ano de 2017, revela uma nota divulgada hoje pelo Ministério do Ambiente.As candidaturas apresentadas pelos sistemas multimunicipais e intermunicipais (que terminaram a 31 de julho) preveem ainda a instalação de 153 pontos de carregamento. Esta nova rede ficará espalhada por todo o continente, densificando a já existente.O total de investimento alavancado, caso se verifique a elegibilidade de todas as candidaturas, é de cerca de 4,5 milhões de euros. Recorde-se que o Fundo Ambiental apoia com 10 mil euros, a fundo perdido, a aquisição de cada nova viatura, quer seja de passageiros ou de mercadorias.Segundo as regras do aviso, por cada carro novo financiado terá de ser abatido um carro a combustão à frota dos candidatos. Serão assim evitadas emissões de mais de 220 toneladas de gases com efeito de estufa por ano.O Fundo Ambiental é um instrumento de financiamento de políticas ambientais do Ministério do Ambiente. No final do primeiro semestre deste ano já estavam comprometidos ou executados 58 milhões de euros deste fundo, ou seja, 85% do total previsto para projetos, em 2017.Fonte: Ambiente MagazineEletricidade de origem renovável em Portugal Continental - Julho 2017http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=442Nos primeiros sete meses do ano, em resultado da situação de seca severa que o país atravessa e que faz reduzir a disponibilidade hídrica, a produção fóssil voltou a atingir uma produção significativa – 55,1 % , valor mais alto da última década. Esta maior produção termoelétrica tem como consequência o aumento do preço da eletricidade no mercado grossista que se situou no valor médio de 50,89 €/MWh, bem acima dos valores homólogos de anos anteriores quando a produção de eletricidade renovável é mais favorável. Por exemplo, em 2016 quando a produção renovável atingiu os 67 %, o preço médio do mercado grossista foi bem menor – 31,22 €/MWh.Consulte aqui o Boletim APREN.Humanidade atinge quarta-feira limite de recursos disponíveis no planeta Terrahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=440A associação ambientalista Zero revelou que a partir de quarta-feira a humanidade atinge o limite e recursos disponíveis para este ano, mais cedo do que em 2016, quando este marco foi ultrapassado a 8 de agosto.De acordo com a Zero, o último ano em que a humanidade respeitou o "orçamento natural anual", fazendo com que os recursos existentes no planeta chegassem para o ano inteiro, foi há quase 50 anos, em 1970.A Zero sublinha também o peso da pegada ecológica de Portugal, lembrando que eram precisos mais do que um planeta se todos os países atingissem os níveis portugueses."Se todos os países tivessem a mesma pegada ecológica do que nós, seriam necessários 2,3 planetas", lembra.Para os ambientalistas da Zero, o consumo de alimentos (32% da pegada global do país) e a mobilidade (18%) são as atividades humanas diárias que mais contribuem para a Pegada Ecológica de Portugal."Num mundo onde persiste uma enorme desigualdade em termos de distribuição de rendimentos e acesso a recursos naturais, estes dados são claros sobre a necessidade de se produzir e consumir de forma muito diferente", defendem.O chamado de Overshoot Day, quando os recursos se esgotam, "indica-nos que estamos a forçar os limites do planeta cada vez com maior intensidade, uma tendência que é urgente mudar para bem da Humanidade e da sua qualidade de vida", acrescenta.Entre as várias propostas da Zero para reduzir o défice ambiental está a aposta numa economia circular, onde "a utilização e reutilização de recursos é maximizada" e que segundo os ambientalistas deverá ser "uma prioridade transversal a todas as políticas públicas"."O ponto fulcral deverá ser a redução no uso de materiais, a promoção da reutilização e a extensão dos tempos de vida dos bens e equipamentos. Para ser eficaz, teremos que mudar o paradigma de 'usar e deitar fora', muito assente na reciclagem, incineração e deposição em aterro, para um paradigma de 'ter menos, mas de melhor qualidade'", defende a associação.A promoção de uma dieta alimentar saudável e sustentável, com a redução do consumo de proteína de origem animal e um aumento significativo do consumo de hortícolas, frutas e leguminosas secas, é outra das propostas da Zero."Trará enormes benefícios à saúde de todos e uma redução significativa do impacto ambiental associado à alimentação", sublinham os ambientalistas, lembrando que, em Portugal, tal significará uma aproximação da balança alimentar portuguesa com o que é defendido no padrão alimentar da roda dos alimentos.A Zero propõe ainda a promoção da mobilidade sustentável assente em diferentes estratégias, designadamente a melhoria do acesso e das condições em que operam os transportes públicos, a disponibilização de condições e infraestruturas que estimulem a "mobilidade suave" e a partilha do transporte ('car-sharing')."Evitar usar o cartão de crédito ambiental é um investimento no nosso bem-estar e qualidade de vida. Viver com pleno respeito pelos generosos limites do Planeta Terra é a única forma de garantirmos um melhor futuro para todos", defende a Zero.Metro cresce quase 5% e regista mais de 30 milhões de clientes no primeiro semestre do anohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=437O ano de 2017 registou um grande arranque para o Metro do Porto, com resultados nunca antes vistos em termos de procura. Entre janeiro e junho, inclusive, mais de 30,5 milhões de pessoas andaram de Metro, um acréscimo de 4,88% face ao ano anterior. A este nível, trata-se do melhor semestre de sempre para a empresa.Este foi o melhor primeiro semestre de sempre no Metro do Porto, superando, pela primeira vez, a barreira dos 30 milhões clientes. A análise mensal permite concluir que o mês de maio bateu o record absoluto de validações mensais, ultrapassando as 5,5 milhões. Ao longo dos primeiros seis meses do ano, o indicador de procura melhorou entre 2 a 12 por cento em quase todos os meses, com exceção para o mês de abril, no qual, devido ao período de férias da Páscoa, se denota um pequeno decréscimo face a 2016.Os resultados permitem ainda concluir que a Linha Amarela (D) se mantém no topo da procura, com mais de 9,2 milhões clientes transportados - mais 5,93% do que no período homólogo. Destaque também para a Linha Violeta (E), aquela que apresenta maior crescimento relativo, tendo em seis meses melhorado 17,57% comparativamente ao ano anterior. Esta linha, que serve o Aeroporto, registou mais de 470 mil validações no semestre e pesa actualmente 1,5% no conjunto da procura global da rede do Metro.MUNICÍPIO DE GONDOMAR CERTIFICA 222 ESTABELECIMENTOShttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=438No âmbito da 2ª fase da campanha “Aqui Separamos com o Coração” promovida pela Lipor, foram certificados 222 estabelecimentos no Município de Gondomar.Durante a passada semana, os técnicos de educação ambiental visitaram os estabelecimentos aderentes à campanha “Aqui Separamos com o Coração” e, fruto das boas práticas adotadas em termos de separação de resíduos, 222 estabelecimentos receberam o distintivo “Separamos com Sucesso” e um Certificado.O público-alvo da campanha é o Setor Não Residencial (restaurantes, hotéis, cafés, comércio e serviços) e o objetivo é “sensibilizar os mesmos, para a separação seletiva de resíduos orgânicos e multimaterial”, sublinham em comunicado.Esta campanha insere-se num conjunto de iniciativas promovidas pela Lipor e os seus Municípios associados, no intuito de atingir as metas estabelecidas para o sistema de gestão de resíduos e, consequentemente, aumentar as quantidades de resíduos de embalagem e orgânicos recolhidos e enviados para reciclagem e valorização.Fonte: Ambiente MagazineNORTE 2020: PO SEUR – PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=435Relembramos que se encontram a decorrer as seguintes candidaturas:1. Reabilitação nos Bairros Sociais (Eficiência Energética) Prazo: de 20 de Fevereiro até às 17:59 de 31 de Agosto de 2017.Beneficiários: Administração Pública Local e entidades públicas gestoras ou proprietárias de habitação social, enquadradas nas entidades previstas no artigo 50.º do RE SEUR.Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis.Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 04-2017-04 Alteração ao AvisoNota Interpretativa: beneficiários admissíveis ao concurso2. Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano: Promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios, nomeadamente as zonas urbanas, incluindo a promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação Prazo: de 1 de Junho de 2016 até às 17:59 de 31 de Dezembro de 2017. Beneficiários: Entidades públicas; empresas e concessionárias de transportes públicos de passageiros; outras pessoas coletivas de direito público e privado desde que envolvam a realização de parcerias entre agentes públicos e privados. Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis.Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 06-2016-19Alteração ao Aviso (17.05.2017)3. Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano: Adoção de medidas destinadas a melhorar o ambiente urbano, a revitalizar as cidades, recuperar e descontaminar zonas industriais abandonadas, incluindo zonas de reconversão, a reduzir a poluição do ar e a promover medidas de redução de ruídoPrazo: de 1 de Junho de 2016 até às 17:59 de 31 de Dezembro de 2017. Beneficiários: Organismos da administração direta e indireta do Estado; autarquias locais e suas associações; entidades do setor empresarial do Estado e do setor empresarial local; pessoas coletivas de direito privado sem fins lucrativos, que promovam projetos urbanos no âmbito do PAICD. Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis.Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 16-2016-17Alteração ao Aviso (17.05.2017)4. Reabilitação Urbana: Adoção de medidas destinadas a melhorar o ambiente urbano, a revitalizar as cidades, recuperar e descontaminar zonas industriais abandonadas, incluindo zonas de reconversão, a reduzir a poluição do ar e a promover medidas de redução de ruído (inclui reabilitação de edifícios)Prazo: de 1 de Junho de 2016 até às 17:59 de 31 de Dezembro de 2017.Beneficiários: Entidades da administração pública central; autarquias locais e suas associações; entidades do setor empresarial do Estado; entidades do setor empresarial local.Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis.Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 16-2016-16Alteração ao Aviso (17.05.2017)5. Mobilidade Urbana Sustentável: Promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios, nomeadamente as zonas urbanas, incluindo a promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação (inclui reabilitação de edifícios) Prazo: de 1 de Junho de 2016 até às 17:59 de 31 de Dezembro de 2017. Beneficiários: Entidades públicas; empresas e concessionárias de transportes públicos de passageiros; outras pessoas coletivas de direito público e privado desde que envolvam a realização de parcerias entre agentes públicos e privados. Co-financiamento: máximo de 85% das despesas elegíveis. Mais informação poderá ser consultada em:AVISO NORTE 06-2016-15Alteração ao Aviso (17.05.2017)A AdEPorto – Agência de Energia do Porto está disponível e empenhada em apoiar os Municípios seus Associados no âmbito destes Avisos.Aviso: Produção de informação e conhecimento (cartografia) e ações de comunicação e sensibilização sobre riscos associados às alterações climáticashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=436No âmbito do PO SEUR abriu o Aviso Concurso para Ações imateriais - Produção de informação e conhecimento (cartografia) e ações de comunicação e sensibilização sobre riscos associados às alterações climáticas: Eixo Prioritário 2: Promover a adaptação às alterações climáticas e a prevenção e gestão de riscos (Fundo de Coesão) Prioridade de Investimento: 5.1 | “Apoio ao investimento para a adaptação às alterações climáticas, incluindo abordagens baseadas nos ecossistemas” Objetivo Específico: 1 | Reforço das capacidades de adaptação às alterações climáticas pela adoção e articulação de medidas transversais, sectoriais e territoriais Tipologia de Intervenção: 08 | Adaptação às alterações climáticas Designação Sintética do Âmbito do Aviso: Ações imateriais - Produção de informação e conhecimento (cartografia) e ações de comunicação e sensibilização sobre riscos associados às alterações climáticas Prazo para submissão de candidaturas: de 10 de Julho até às 17:59 de 28 de Setembro de 2017. Beneficiários: Administração Pública Central; Municípios e suas Associações. As entidades referidas podem submeter operações em parceria entre si devendo, nesta situação, designar um líder que assumirá o estatuto de beneficiário, independentemente das relações que o mesmo estabelecer com os outros parceiros na operação. Tipologias de Operação: As tipologias de operação passíveis de apresentação de candidaturas, no âmbito do presente Aviso, são as que se encontram previstas nas seguintes alíneas do nº 1 do artigo 82º do RE SEUR: e) Produção de informação e conhecimento, nomeadamente estudos, análises e cartografia, apenas serão elegíveis operações destinadas à produção de cartografia sobre as seguintes vulnerabilidades ou riscos associados às alterações climáticas: ü Secas e escassez de água; ü Suscetibilidade à desertificação e erosão dos solos; ü Ondas de calor; ü Incêndios florestais; ü Fitossanidade e sanidade animal; ü Subida do nível médio do mar; ü Vetores transmissores de doenças humanas. i) i) Ações de comunicação, divulgação e sensibilização sobre riscos associados às alterações climáticas. Uma vez que os critérios de seleção aprovados pelo Comité de Acompanhamento do POSEUR relativos as estas tipologias são distintos, as candidaturas relativas a cada uma destas tipologias terão que ser obrigatoriamente submetidas de forma autónoma, pelo que não serão admitidas candidaturas que incluam investimentos ou ações enquadráveis simultaneamente nas tipologias e) e i). O incumprimento destas regras e a apresentação de candidatura que não respeitem as Tipologias de operação previstas no Aviso determina a não conformidade da candidatura com o Aviso e consequentemente a não aprovação da candidatura. Natureza do Financiamento: A forma do apoio a conceder às candidaturas a aprovar no âmbito do presente Aviso reveste a natureza de subvenções não reembolsáveis, nos termos do artigo 86.º do RE SEUR. Dotação financeira máxima e taxa máxima de cofinanciamento: A dotação máxima do Fundo de Coesão afeta ao presente Aviso é de 3 (três) milhões de euros. As candidaturas que, embora tenham uma pontuação de mérito igual ou superior a 2,5, mas que não tenham cabimento na dotação de Fundo de Coesão prevista no Aviso, não serão aprovadas. A taxa máxima de cofinanciamento do Fundo de Coesão a aplicar às operações a aprovar é de 75%, incindindo sobre o total das despesas elegíveis, de acordo com o nº 1 do artigo 8º do RE SEUR. A taxa máxima de cofinanciamento poderá aumentar até um máximo de 85% em 2018, caso a avaliação das condições de implementação da Deliberação nº 24/2016, de 28 de dezembro da CIC PT2020 (Comissão Interministerial de Coordenação do Portugal 2020), relativa à Operacionalização do Acelerador do Investimento – Eixo Prioritário 2, permitam o cumprimento da taxa máxima de cofinanciamento programada para o Eixo Prioritário 2 do POSEUR, nos termos previstos no nº 4 do Artigo 8º do RE SEUR aditado pela Portaria n.º 238/2016, de 31 de agosto. Mais informação poderá ser consultada em: Aviso POSEUR-08-2017-20 | Versão 01 | 2017.07.10 Documentos Anexos ao Aviso: Anexo I – Processo de decisão das candidaturas (formato .pdf) Anexo II - Parâmetros e Critérios de Seleção (formato .pdf) Anexo III - Indicadores de Realização e de Resultado (formato .pdf) Guião I a) - Nota Orientações Análise Financeira Guião I b) - Modelo Preenchimento EVF (em formato editável para preenchimento e submissão caso seja aplicável) Guião II – Preenchimento de Formulário no Balcão Único (formato .pdf) Guião III – Documentos a Incluir na Candidatura (formato excel com novas instruções de preenchimento) Guião IV – Minuta de Declaração de Compromisso (em formato pdf editável) Guião V – Simulador de Penalizações (para efetuar simulações mas não é para submissão) A AdEPorto – Agência de Energia do Porto está disponível e empenhada em apoiar os Municípios seus Associados no âmbito deste Aviso, devendo esta solicitação ser realizada até ao dia 1 de Agosto. FUNDO AMBIENTAL - Candidaturas a decorrerhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=433Relembramos que se encontram a decorrer as seguintes Candidaturas do Fundo Ambiental:1. Apoiar uma Nova Cultura Ambiental: Incentivos ao Desenvolvimento de Programas, Projetos e Ações de Educação AmbientalPrazo: de 30 de Junho até às 17:59 de 31 de Julho de 2017.Beneficiários: Administração pública central, associações e fundações, empresas independentemente da sua forma jurídica, estabelecimentos de ensino superior e não superior e organizações não-governamentais de Ambiente e equiparadas.Co-financiamento: 70-95% num máximo de 100.000 € por operação.Mais informação poderá ser consultada em: http://www.fundoambiental.pt/avisos/apoiar-uma-nova-cultura-ambiental.aspx2. Incentivo pela Introdução no Consumo de Veículos de Baixas EmissõesPrazo: de 17 de Fevereiro até às 23:59 de 30 de Novembro de 2017.Beneficiários: Pessoas singulares.Co-financiamento: máximo de 2.250 € por candidatura.Mais informação poderá ser consultada em: http://www.fundoambiental.pt/avisos/incentivo-pela-introducao-no-consumo-de-veiculos-de-baixas-emissoes.aspx3. Apoio às Entidades Gestoras de Sistemas Multimunicipais ou Intermunicipais: Apoio às entidades gestoras de sistemas multimunicipais ou intermunicipais para a introdução de veículos 100% elétricosPrazo: de 1 de Julho até às 23:59 de 31 de Julho de 2017.Beneficiários: Entidades gestoras de sistemas multimunicipais ou intermunicipais de abastecimento de água e/ou de saneamento de águas residuais, ou de parcerias entre o Estado e as autarquias locais, nos termos do Decreto-Lei n.º 90/2009, de 9 de abril.Entidades gestoras de sistemas multimunicipais ou intermunicipais de resíduos sólidos urbanos.Co-financiamento: máximo de 75.000 € por candidatura.Mais informação poderá ser consultada em: http://www.fundoambiental.pt/avisos/apoio-as-entidades-gestoras-de-sistemas-multimunicipais-ou-intermunicipais.aspx A AdEPorto – Agência de Energia do Porto está disponível e empenhada em apoiar os Municípios seus Associados no âmbito destes Avisos.FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - Candidaturas a decorrerhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=434Relembramos que se encontra a decorrer a seguinte Candidatura no âmbito do Fundo de Eficiência Energética:Aviso 23: Eficiência Energética nas Infraestruturas de TransportesPrazo: de 29 de Maio a 29 de Setembro de 2017.Beneficiários: Entidades gestoras de infraestruturas de transportes, dos setores rodoviário, ferroviário, marítimo-portuário, aéreo e aeroportuário.Co-financiamento: 15-45% até um limite de 180.000 € por operação.Mais informação poderá ser consultada em: http://www.pnaee.pt/avisos-fee/aviso-23A AdEPorto – Agência de Energia do Porto está disponível e empenhada em apoiar os seus Associados no âmbito deste Aviso..ENEA 2020 pretende estimular o desenvolvimento de uma política de Educação Ambientalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=432Foi publicada, na passada quarta-feira, em Diário da República a Resolução do Conselho de Ministros n.º 100/2017 que aprova a ENEA 2020 - Estratégia Nacional de Educação Ambiental para o período 2017-2020.A ENEA 2020 pretende ser um instrumento de mudanças de práticas sociais e de alteração de comportamentos individuais e coletivos com vista à sustentabilidade ambiental do país.A concretização da ENEA 2020 privilegia um trabalho temático e transversal capaz de garantir os compromissos nacionais e internacionais assumidos por Portugal no domínio da sustentabilidade, dos quais se destaca o Acordo de Paris e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030.As ações da Estratégia estão orientadas para três pilares essenciais:- Descarbonizar a sociedade – Clima | Eficiência Energética | Mobilidade Sustentável- Tornar a economia circular – Desmaterialização | Economia colaborativa e consumo sustentável | Conceção de produtos e Uso eficiente de recursos | Valorização de resíduos- Valorizar o território - Ordenamento do território | Mar e litoral | Água | Valores naturais | Paisagem | Ar e ruído As ações previstas na ENEA 2020 pretendem contribuir para uma cidadania ativa no domínio do desenvolvimento sustentável e para a construção de uma sociedade justa, inclusiva e de baixo carbono, racional e eficiente na utilização dos seus recursos, que conjugue a equidade entre gerações, a qualidade de vida dos cidadãos e o desenvolvimento económico.No que respeita às fontes de financiamento da ENEA 2020 deverão ser efetivas e diversificadas, partilhadas entre a administração direta, indireta e autónoma e entidades privadas.A área governativa do Ambiente tem previsto, já em 2017, uma dotação de 1 milhão e meio de euros do Fundo Ambiental para apoiar projetos e programas de Educação Ambiental.Nos anos subsequentes, a verba a disponibilizar nunca será inferior a 1 milhão de euros, garantindo assim uma rubrica de financiamento específica para o desenvolvimento da ENEA 2020.Complementarmente, o POSEUR - Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos garantirá a abertura de avisos específicos que visem o apoio de ações de educação e sensibilização ambiental previstas na ENEA 2020, com uma dotação total estimada de 13,7 milhões de euros.Eletricidade de origem renovável em Portugal Continental - 1º Semestre de 2017http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=431O primeiro semestre de 2017 terminou com uma contribuição da produção de eletricidade renovável de 46,9 % em termos acumulados, o que correspondeu a 12.992 GWh. Esta contribuição semestral contrasta com o período homólogo de 2016, quando o mix renovável representou 71 % do total da produção de Portugal Continental. No período em análise, a eólica foi a tecnologia renovável que mais eletricidade gerou, 23 %, seguido da hídrica, com 17,4 % de representatividade. A bioenergia e a solar tiveram uma quota da produção de 5,1 % e 1,4 %, respetivamente.Consulte o Boletim da APEN.Arquitectos Voluntários de Apoio a Emergênciashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=429As Secções Regionais Norte e Sul da Ordem dos Arquitectos encontram-se a preparar um programa que inclua medidas de auxílio às famílias e aos municípios afectados pela catástrofe.O objectivo é criar um serviço vocacionado para, no futuro, apoiar o processo de reconstrução de alojamento e de espaço público, sempre que aconteçam tragédias de inusitadas proporções.As medidas compreenderão, nomeadamente o lançamento de uma Bolsa de Arquitectos e uma Bolsa de Materiais de construção de apoio a emergências.A Bolsa de Arquitectos Voluntários, irá estruturar a disponibilidade demonstrada por profissionais para trabalhos de análise técnica das construções afectadas por calamidades, para o encontro de soluções técnicas que garantam o regresso das famílias às suas habitações e à apropriação do espaço público com segurança. A Bolsa de Materiais servirá para, junto de associações e empresas que pretendam associar-se, articular e promover a angariação de materiais de construção que auxiliem o processo de reconstrução das zonas atingidas.Os recursos técnicos e materiais gerados por estas iniciativas serão postos ao dispor dos municípios mais atingidos (neste caso já contactados), de forma a realizar um trabalho articulado e útil com estas entidades e que possa ter reflexos positivos no terreno.Contamos divulgar o programa e respectivo regulamento o mais breve possível.Entretanto, os arquitectos que queiram aderir à Bolsa de Voluntários "Arquitectos Voluntários de Apoio a Emergências - AVAE", poderão fazê-lo enviando um mail para: voluntarios.arquitectos@oasrn.org.No presente momento de dor e consternação, as Secções Regionais Norte e Sul da Ordem dos Arquitectos pretendem que esta acção seja um contributo de esperança e resiliência para o futuro das populações de Pedrógão Grande, de Figueiró dos Vinhos e de Castanheira de Pêra.“CIDADE+” CELEBRA A SUSTENTABILIDADE E O AMBIENTE NO PORTOhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=430De 6 a 9 de julho, o Porto será o palco de debate sobre a Sustentabilidade e o Ambiente, através da 4.ª edição do CIDADE+, que se realiza nos Jardins do Palácio de Cristal. Durante quatro dias, os visitantes poderão conhecer diferentes espaços do CIDADE+: as Oficinas, o Mercado, as Artes e Espetáculos, a Praça Empresarial e o Rossio, local onde decorrerá o Encontro Nacional de Veículos Elétricos, bem como assistir à Conferência.A 4ª edição da Conferência do CIDADE+ tem como tema '17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável – Inspiração, Ação e Concretização', apresentando Ações, Cidades e Pessoas que nos inspiram.Consulte o programa completo aqui.Eletricidade de origem renovável em Portugal Continental http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=428O mês de maio teve uma precipitação regular e apresentou temperaturas muito altas, em relação à média para a época do ano. Por seu lado, o consumo elétrico de Portugal Continental cresceu 3 %, quando comparado com o período homólogo do ano passado. Maio também se destacou por uma diminuição da disponibilidade do recurso renovável, em comparação com os meses anteriores, o que contribuiu para uma redução do peso das fontes de energia renovável (FER) na satisfação do consumo elétrico de Portugal Continental. No passado mês de maio as FER representaram 40,4 % (1.690 GWh) do consumo de energia elétrica em Portugal Continental, 4.181 GWh. É ainda de assinalar que durante o mês findo a produção elétrica nacional permitiu obter um saldo exportador de 174 GWh, apesar de condições de recurso renovável desfavoráveis.Consultar boletim APREN.NOS Primavera Sound com "Sê-lo Verde"http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=426NOS Primavera Sound regressa ao Parque da Cidade com mais uma mão cheia de medidas que prometem tornar o festival ainda mais verde e sustentável, tudo com vista a cuidar do ambiente e preservar o espaço que acolhe o evento. O 6.º NOS Primavera Sound, de regresso ao Parque da Cidade do Porto entre 8 e 10 de junho, é o primeiro festival em Portugal a ostentar o "Sê-lo Verde", um programa lançado pelo Ministério do Ambiente para apoiar e incentivar a adoção de medidas que tornem os festivais de música cada vez mais amigos do ambiente. Se no ano passado o NOS Primavera Sound foi pioneiro na disponibilização de copos reutilizáveis em todos os bares do recinto, este ano a organização introduz novo conjunto de medidas inovadoras para reduzir, de modo efetivo, o impacto do festival no Parque da Cidade. Serão igualmente realizadas várias ações de sensibilização ambiental junto do público nacional e internacional. Embalagens biodegradáveis e combate às beatasNuma ação consertada entre Pic-Nic, Câmara do Porto, Ecovisão e Lipor, a edição deste ano do NOS Primavera Sound fará um uso ainda mais eficiente dos recursos materiais, reduzindo o plástico e o papel com a utilização de embalagens biodegradáveis (100 por cento de origem vegetal) em toda a área da restauração. O destino final das embalagens será a compostagem industrial. A organização vai igualmente fazer um "combate às beatas" durante o festival, oferecendo cinzeiros portáteis a todos os fumadores, evitando assim a deposição pelo parque deste resíduo de difícil recolha e extremamente poluente. Paralelamente, serão oferecidos brindes que incentivam a reflorestação, como lápis de sementes e seed bombs (feitas de argila, composto e sementes), fáceis de semear em qualquer lugar. Menos visível, mas com um forte impacto na diminuição das emissões de CO2, será a ligação de todas as casas de banho à rede de saneamento público, evitando assim o consumo de produto químicos e o perigo de derrames associados à produção e armazenagem de águas residuais. Ações de formação e um guia de boas práticas ambientaisDurante os dias do festival, serão também dinamizadas várias ações de educação e sensibilização ambiental, alertando o público, nacional e internacional, para as problemáticas relacionadas com o ambiente e promovendo a adoção de boas práticas. Assim, para além da divulgação de vídeos informativos sobre a vida do festival e as boas práticas ambientais, serão realizadas ações de formação junto dos responsáveis das áreas de alimentação e das equipas de limpeza do parque. Estas ações estendem-se da montagem à desmontagem do festival.Será ainda promovido um concurso de fotografia baseado nas boas práticas ambientais e distinguido o operador de área da restauração com melhor desempenho ambiental. Durante o festival, haverá informação atualizada sobre as quantidades de resíduos produzidas e recolhidas. Por fim, será ainda elaborado um regulamento e guia de boas práticas ambientais que será distribuído por todos os fornecedores e parceiros do festival.Estratégia Nacional de Educação Ambiental aprovadahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=427Foi hoje aprovada, em conselho de ministros, a Estratégia Nacional de Educação Ambiental para o período 2017-2020 (ENEA 2020). A resolução determina, ainda, que a execução e acompanhamento desta Estratégia é assegurada pela Agência Portuguesa do Ambiente, em articulação com a Direção-Geral da Educação.A Estratégia Nacional de Educação Ambiental pretende estabelecer um compromisso colaborativo, estratégico e de coesão na construção da literacia ambiental em Portugal, através de uma cidadania inclusiva e visionária que conduza a uma mudança de paradigma civilizacional, traduzido em modelos de conduta sustentáveis em todas as dimensões da atividade humana.A concretização desta Estratégia prevê 16 medidas enquadradas por três objetivos estratégicos: Educação Ambiental + Transversal, Educação Ambiental + Aberta e Educação Ambiental + Participada.Fonte: Ambiente MagazineEstudo sobre eficiência: famílias gastam em média 112 euros por mêshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=425Os consumidores gastam em média cerca de 112 euros mensais com a energia e água utilizadas na habitação sendo a eletricidade a que implica maior despesa, seguindo-se, com pouca diferença entre si, o gás e a água. A energia elétrica, por ser considerada a mais cara é também aquela em que exige um maior esforço de poupança. Duas em cada três famílias mostra-se atento aos valores das suas faturas.Estes são alguns dos dados provenientes do “Estudo de mercado sobre a Eficiência Energética na Habitação Particular”, realizado no âmbito prévio à Campanha de Sensibilização e de Promoção da Eficiência Energética na Habitação, sendo a ADENE- Agência para a Energia a entidade responsável pela sua implementação decorrente do Programa Operacional Sustentabilidade Eficiência no uso de Recursos (PO SEUR), a iniciar em Outubro de 2017.Três em cada quatro dos inquiridos mostram também “preocupação com a temática da Eficiência Energética, ainda que na prática nem todos concretizem medidas efetivas para reduzir o consumo da forma mais racional”. Na base desta questão está a necessidade da redução das faturas de eletricidade, gás e água, sendo esta a principal motivação para 57% sentirem necessidade de alterar as suas práticas e rotinas de consumo energético e utilizarem a energia de uma forma mais eficiente e moderada.24% dos inquiridos mostra-se sensibilizado com o efeito negativo que um consumo ineficiente da energia tem sobre o ambiente, resultando na escassez dos recursos naturais e na reduzida utilização de recursos renováveis.“A implementação de soluções de eficiência energética na habitação, é também uma preocupação por parte de 19% dos inquiridos, no entanto, perante a necessidade de um investimento inicial elevado, não existe uma perceção imediata dos benefícios resultantes ao longo do tempo, não só no que respeita a uma poupança monetária, aumento do nível de conforto das casas e principalmente com os benefícios resultantes para a saúde dos seus ocupantes”, sublinha o comunicado.Entre as medidas de eficiência energética mais implementadas destacam-se: a utilização de lâmpadas LED, sendo que 68% refere que utiliza este tipo de lâmpadas; 43% compram eletrodomésticos mais eficientes; 28% optou pela substituição de equipamentos eficientes de produção de água quente e 20% substituiu as janelas por opções mais eficientes. Apenas 3% recorre às energias renováveis para produção de energia em casa.Este estudo foi realizado pela Consulmark no âmbito da Campanha de Sensibilização da Eficiência Energética para a Habitação Particular, financiada pelo POSEUR, que está a ser promovida pela ADENE.Fonte: Ambiente MagazinePÓVOA DE VARZIM APOSTA NA MOBILIDADE SUSTENTÁVELhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=424O Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, assinou, esta manhã, 23 de maio, o Contrato de Financiamento de Aquisição de Viaturas Elétricas de Serviços Urbanos Ambientais.A Cerimónia de Assinatura dos Contratos com mais de 100 autarquias do país decorreu no Cineteatro de Porto de Mós e contou com a presença do Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes.O Presidente da autarquia poveira explicou que “este financiamento que obtivemos através do Fundo Ambiental insere-se numa política municipal de substituição daquilo que são as nossas viaturas tradicionais de consumo de derivados de combustíveis fósseis (gasóleo e gasolina) por viaturas de mobilidade elétrica que são muito mais amigas do ambiente e mais silenciosas, para áreas urbanas e pedonais”.Aires Pereira transmitiu que se “trata da substituição de viaturas ligadas ao setor dos jardins e da limpeza”, acrescentando que “é um primeiro passo que o Fundo Ambiental permite avançar com vista à substituição global das viaturas do Município que não têm percursos diários superiores a 50 km/h onde a mobilidade elétrica é altamente competitiva para além de ser um contributo importante que o Município dá na redução da libertação dos gases com efeito de estufa, a pegada carbónica”.O edil revelou que “aproveitamos esta possibilidade, fomos contemplados com cinco viaturas (de serviço urbano ambiental: jardins e limpeza) para um investimento global na ordem dos 100 mil euros e vamos continuar com esta aposta na mobilidade sustentável”. A elaboração desta candidatura contou com o apoio da AdEPorto - Agência de Energia do Porto. O Fundo Ambiental tem por finalidade apoiar políticas ambientais para a prossecução dos objetivos do desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento dos objetivos e compromissos nacionais e internacionais, designadamente os relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos e à conservação da natureza e biodiversidade.O Contrato estabelecido com o Município tem como objeto o financiamento à substituição de veículos de serviços urbanos ambientais por veículos elétricos destinados à mesma utilização no âmbito das competências nas áreas de limpeza urbana, de jardins e na prestação de outros serviços ambientais, visando a redução dos consumos e das emissões poluentes e, consequentemente reduzir os custos diretos e indiretos na sua utilização.Eletricidade de origem renovável em Portugal Continentalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=423O passado mês de abril apresentou temperaturas elevadas e uma fraca pluviosidade, em relação à média para a época do ano. Esta redução da disponibilidade do recurso hídrico, quando comparado com o mês anterior, conduziu a uma redução do contributo percentual das fontes de energia renovável (FER) na satisfação consumo. Em abril as FER atingiram uma quota mensal de 48,5 % (1.946 GWh) em relação ao consumo de energia elétrica em Portugal Continental, 4.016 GWh. Não obstante, no mês findo, a eletricidade de origem renovável foi capaz de suprir completamente as necessidades elétricas num total acumulado de 20,75 horas. Deste período, destaca-se o intervalo ininterrupto entre as 3:30h e as 11:00h do dia 30 de abril, no qual a eólica, só por si, representou 89 % do consumo elétrico. +ver boletim Informação disponível em www.apren.pt. Manual da Etiqueta Energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=422A ADENE (Agência para a Energia) acaba de lançar o Manual da Etiqueta Energética, um guia de apoio a profissionais e consumidores sobre a etiquetagem energética de produtos e sistemas, no âmbito do projeto Label Pack A+, financiado pelo programa Horizonte 2020, para apoiar a implementação da etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento.Numa altura em que se prepara o novo enquadramento legal para a etiquetagem energética de produtos comercializados no Espaço Económico Europeu, este manual visa disponibilizar informação completa e acessível sobre as etiquetas energéticas em vigor, assegurando assim a implementação da legislação e contribuindo para uma melhor compreensão da transição para o reescalonamento da etiqueta.Atualmente, são abrangidas pela diretiva de etiquetagem energética 16 categorias de produtos, apresentadas no manual, com uma explicação pormenorizada das etiquetas energéticas que se aplicam a cada categoria de produtos, desde a apresentação da classe energética, o consumo energético associado e as características de cada produto que são destacadas na etiqueta, como o volume de armazenamento, os decibéis ou a fonte de energia.Esta publicação refere as responsabilidades das entidades nacionais que intervém no enquadramento legal da etiquetagem energética bem como as entidades que trabalham no tema e podem apoiar na boa implementação dos vários regulamentos. Apresenta, também, alguns dos sistemas de etiquetagem voluntários, que trabalham com produtos não regulados e que permitem ao consumidor considerar critérios de eficiência energética na sua decisão de aquisição de produtos, como é exemplo o Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos.Emissões de CO2 diminuem em 2016 em Portugal e na União Europeiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=421Através de dados do Eurostat, divulgados hoje, estima-se que em 2016, as emissões de dióxido de carbono (CO2) provenientes da combustão de combustíveis fósseis diminuíram 0,4% na União Europeia (UE), em comparação com o ano anterior. Portugal foi o terceiro país, que maior queda registou nas emissões.As emissões de CO2 são um dos principais contribuintes para o aquecimento global e representam cerca de 80% de todas as emissões de gases com efeito de estufa na UE. São influenciados por fatores como as alterações climáticas, o crescimento económico, o tamanho da população, transporte e atividades industriais.De acordo com as estimativas, as emissões de CO2 aumentaram em 2016 na maioria dos Estados-Membros da UE, registando-se um aumento mais significativo na Finlândia (+ 8,5%), seguinda do Chipre (+ 7,0%), Eslovénia (+5,8%) e Dinamarca (+ 5,7%).Em sentido oposto, registaram-se reduções em onze Estados-Membros, nomeadamente em Malta (-18,2%), Bulgária (-7,0%), Portugal (-5,7%) e Reino Unido (-4,8%).Fonte:Ambiente MagazinePortugal liderou consumo de eletricidade de origem eólica no domingohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=418No passado domingo, a produção de eletricidade de origem eólica atingiu os 85 Gigawatt-hora (GWh), o que representou 79% do consumo nacional e o melhor desempenho entre os países europeus, ultrapassando assim Irlanda (que representou 51% do consumo) e a Dinamarca (48% do consumo).De acordo os dados da Associação Europeia de Energia Eólica, a Alemanha, apesar de liderar a produção de energia eólica, com 389 GWh, surge em quinto lugar, uma vez que a produção de energia a partir do vento representou 36% do consumo de eletricidade germânico.Em quarto lugar, aparece a Espanha, com a produção de 271 GWh, que abasteceu 48% do consumo.fonte: Ambiente MagazineConsumo de eletricidade cai 6,6% em abril devido a temperaturas elevadashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=419O consumo de eletricidade caiu 6,6% em abril face ao mês homólogo do ano anterior, para 3.717 GWh, devido fundamentalmente aos efeitos da Páscoa e da temperatura, que esteve muito acima dos valores normais para este mês, noticia a agência Lusa.De acordo com dados da REN – Redes Energéticas Nacionais, com a correção do impacto da temperatura e do número de dias úteis (que influencia o consumo já que a indústria é a grande consumidora), a queda do consumo em abril reduziu-se para 1,6%, face ao mesmo mês do ano passado.No final de abril, o consumo acumulado recua 1,4% – para 16.702 GWh – face ao período homólogo e 0,2% com a correção de temperatura e dias úteis.A produção de eletricidade a partir de fontes renováveis abasteceu em abril 44% do consumo nacional, o que resultou em parte da reduzida produtibilidade hidroelétrica, justificada pelo regime seco que se prolonga nos últimos meses.Nos primeiros quatro meses do ano, entre janeiro e abril, a produção renovável abasteceu 50% do consumo, repartindo-se pela hidráulica com 17%, eólica 26%, biomassa 5% e fotovoltaica 1,3%. A produção não renovável abasteceu os restantes 50% do consumo, repartindo-se pelo carvão com 23% e pelo gás natural com 27%. O saldo exportador registado equivale a 8% do consumo nacional.Fonte: Ambiente MagazineA ENERGIA DE PORTUGAL NA PONTA DO SEU DEDO: REN LANÇA INOVADORA APP MÓVELhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=420A REN – Redes Energéticas Nacionais lançou uma nova ferramenta de comunicação, a aplicação REN Energia, já disponível na APP Store e Play Store. Com uma navegação fácil e intuitiva, a aplicação permite aceder a informação exclusiva sobre o sector energético em Portugal e sobre o trabalho da REN.A app REN Energia divide-se em cinco secções: Minhas Notícias, Eventos, Estatísticas, Oportunidades, e uma área sobre a empresa. Cada secção será personalizável, de acordo com os temas de maior interesse, de cada utilizador, sendo possível criar alertas e partilhar conteúdos.Nas Minhas Notícias serão publicados conteúdos sobre os temas de energia, ambiente, inovação, sustentabilidade e educação. Será também possível aos utilizadores enviarem à REN conteúdos originais para serem publicados nesta aplicação, tornando-a numa ferramenta participada e gerando interacção entre utilizadores.Na secção Estatísticas estará disponível toda a informação relevante sobre a produção e consumo de energia, a respectiva repartição por tipo de origem bem como o balanço de exportações e importações entre Portugal e Espanha. Gráficos de fácil leitura e compreensão, com informação actualizada constantemente, disponibilizando os dados diários e mensais, poderão ser facilmente consultados e partilhados.Nas áreas de Eventos e Oportunidades, os utilizadores poderão acompanhar de perto as datas mais importantes para a empresa e para o sector, criando alertas e mantendo-se a par de oportunidades de emprego existentes na REN.Com esta aplicação, aberta à participação de todos, a energia de Portugal e tudo aquilo que constitui o mundo REN está facilmente ao alcance dos utilizadores.Fonte: Green SaversIluminação eficiente recebe a maior fatia do Aviso 20 para edifícios de serviçoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=41656 candidaturas tiveram luz verde para receber o apoio previsto pelo Aviso 20 – Edifícios Eficientes. Os resultados preliminares foram publicados este mês de Abril no portal do Fundo de Eficiência Energética (FEE) e contemplam apenas as candidaturas submetidas pelo sector dos serviços (tipologia B), disponibilizando pouco mais de 107 mil euros para apoiar a implementação de medidas, como a instalação de sistemas de águas quentes mais eficientes, janelas eficientes, isolamento térmico ou iluminação eficiente. Com este investimento, a poupança em energia primária prevista deverá atingir os 118 tep/ano (toneladas equivalentes ao petróleo), estima o FEE, sendo que o maior contributo virá da instalação de iluminação eficiente. O Aviso 20 – Edifícios Eficientes, lançado em 2016, está dotado de 1,1 milhões de euros e destina-se a duas tipologias – edifícios residenciais e de serviços, excluindo Administração Pública. Cada uma tem atribuída uma parcela de apoio igual, ou seja, de 550 mil euros. No total, na tipologia B (serviços), entre Julho e Novembro do ano passado, o FEE registou 138 candidaturas a este incentivo, sendo que, dessas, 82 foram consideradas não elegíveis ou excluídas. O montante comparticipado pelo FEE, num valor de 107 012,77 euros, faz parte de um investimento total elegível de 395 299,53 euros. Das medidas contempladas no âmbito do Aviso 20 para os edifícios de serviços existentes privados, a fatia maior vai para a instalação de sistemas de iluminação eficiente, à qual serão atribuídos cerca de 86 mil euros. A substituição de janelas aparece logo de seguida, com uma comparticipação na ordem dos nove mil euros. Em conjunto, medidas para a instalação de sistemas AQS novos ou completos recebem um montante semelhante – 4 432,80 euros e 4 025,53 euros, respectivamente. Por último, o isolamento de coberturas vai contar com pouco mais de mil euros comparticipados pelo FEE. Apurada está também parte das candidaturas ao Aviso 21, por sua vez, dedicado a apoiar a eficiência energética na Administração Pública. Segundo o relatório do FEE, foram recebidas 124 candidaturas para a tipologia de beneficiário A (entidades e serviços da Administração Directa e Indirecta do Estado e da Administração Regional, incluindo as dos respectivos sectores empresariais). Dessas 124, 85 foram consideradas elegíveis, mas apenas 40 foram propostas para avançar. De forma a financiar estas acções, foi aprovado um reforço da dotação orçamental. Ou seja, o Aviso 21 vai atribuir 726 224,95 euros às medidas previstas para este tipo de beneficiário, mais 226 224,95 euros do que o inicialmente previsto. Recorde-se que, no total, o Aviso 21 dispõem de 1,5 milhões de euros com vista a apoiar financiar a implementação de soluções que promovam a melhoria do desempenho energético em edifícios existentes ocupados por entidades públicas, o que inclui a substituição de equipamentos por outros mais eficientes ou a implementação de dispositivos de controlo que permitam optimizar as condições de uso de energia. Segundo nota do FEE, estima-se que as medidas aprovadas neste pacote alcancem uma redução do uso de energia primária na ordem dos 638 tep por ano.Filipa Cardoso, Edifícios e EnergiaENERGIA SOLAR: A POUPANÇA PODE CHEGAR AOS 100%http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=417Portugal é um país beneficiado em termos de horas de sol, em algumas regiões atingimos as três mil por ano. Anualmente recebemos elevados índices de radiação solar por unidade de superfície, o que significa um enorme potencial de aproveitamento deste recurso inesgotável, limpo e sem impacto ambiental.A vantagem ambiental é evidente, mas também temos poupança económicas significativas, com reduções até 75% das despesas mensais em aquecimento de águas sanitárias. Esta poupança pode chegar mesmo aos 100% nos meses de maior exposição solar.Fonte: Green SaversPortugal é o país europeu com automóveis novos mais eficientes e com menos emissõeshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=411A Agência Europeia do Ambiente (AEA) divulgou ontem um conjunto de dados que mostram o regresso de Portugal ao primeiro lugar da Europa no que respeita à eficiência dos automóveis novos, de acordo com as vendas em 2016, seguido da Holanda, Dinamarca e Suécia.As emissões médias de dióxido de carbono, um importante indicador de eficiência e de impacte dos veículos no que respeita à mitigação das alterações climáticas, passaram em Portugal de 105,7 g/km para 104,7 g/km (uma melhoria de cerca de 1%), permitindo ao país ultrapassar a Holanda que em 2016 sofreu um considerável retrocesso nas emissões médias da sua nova frota automóvel.Considerando que o transporte rodoviário em Portugal é um dos principais setores responsáveis pela emissão de gases com efeito de estufa (cerca de 23%), a ZERO, membro da Federação Europeia de Transportes e Ambiente, considera que esta é um “boa novidade que tem de ser conjugada com medidas de promoção do transporte público e de penalização do transporte individual e de maior utilização de modos suaves como a bicicleta e uma maior motivação para andar a pé nos centros urbanos”.A massa de um veículo é um também fator chave que afeta as emissões, pois os veículos pesados tendem a emitir mais CO2/km. Em comparação com 2015, a massa média de veículos novos vendidos em 2016 na União Europeia aumentou ligeiramente para atingir 1 388 kg.Pelo segundo ano consecutivo, as vendas de veículos a gasóleo diminuiu e em 2016 caiu abaixo de 50% das novas vendas.As vendas de veículos elétricos apenas alimentados a bateria continuam a aumentar mas a uma taxa significativamente mais lenta do que nos anos anteriores (um aumento de 13%). Já no que respeita às vendas de veículos híbridos elétricos e plug-in houve um recuo de 1,2% para 1,1% do total das vendas.De acordo com os dados provisórios publicados, a eficiência energética dos veículos novos vendidos na União Europeia (UE) continuou a melhorar no ano passado, mas a um ritmo mais lento. De facto, a redução de 1,4 gramas de dióxido de carbono (CO2) por quilómetro (km) em relação a 2015 constitui a menor melhoria anual registada na última década.As emissões médias de CO2 de um carro novo vendido em 2016 foram 118,1 g CO2/km. Isto representa uma diminuição de 1,4 g CO2 / km (1,2%), em comparação com o ano anterior, de acordo com dados provisórios. Esta redução é a menor melhoria anual registada desde 2006 para os veículos novos vendidos na UE.No que respeita aos automóveis elétricos ligeiros de passageiros, em 2016 foram vendidos 716 veículos, representando apenas 0,4% do total de 207 mil. Já este ano, considerando os meses de janeiro e fevereiro, houve um aumento de 179%, passando-se de 74 para 207 veículos, pelo que a meta de mil veículos apoiados pelo Fundo Ambiental para 2017 deverá, na opinião da ZERO, ser aumentado.Fonte: Ambiente MagazineProdução total da EDP caiu 9% nos últimos 12 meseshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=412A capacidade instalada da EDP aumentou 5% nos últimos 12 meses para 25,9 gigawatts (GW), enquanto a produção total baixou 9% em igual período, segundo os dados operacionais previsionais divulgados ontem pela companhia energética, noticia a agência Lusa.A queda ao nível da produção total resultou, segundo a EDP, dos “menores recursos hídricos na Península Ibérica”, com os volumes hídricos em Portugal a ficarem 36% abaixo da média nos primeiros três meses do ano, quando no primeiro trimestre de 2016 tinham ficado 45% acima da média.Paralelamente, houve uma “maior produção eólica resultante da capacidade”, assinalou a EDP, revelando que a produção hídrica e eólica representou 63% da produção total no primeiro trimestre deste ano face a 76% em igual período do ano passado.Ao nível da distribuição de eletricidade e gás na Península Ibérica, houve um aumento de 0,4% no primeiro trimestre de 2017, enquanto no gás distribuído houve uma subida homóloga de 14%, “reflexo de um aumento de 17% do gás distribuído em Espanha, fruto de um aumento dos volumes tanto nos clientes industriais, no norte de Espanha, como nos clientes residenciais em resultado das baixas temperaturas durante o primeiro trimestre do ano face a igual período de 2016”.Na EDP Brasil, houve um crescimento de 0,2% da eletricidade distribuída resultante “da menor procura do setor industrial (-10%)”, que foi “mais que mitigado pelo aumento na procura em mercado livre (20%)”.A produção de eletricidade caiu 19% face ao período homólogo, devido à diminuição da produção hídrica e térmica.Quanto à EDP Renováveis, a produção eólica cresceu 2% nos primeiros três meses do ano devido a um aumento na capacidade instalada, “mitigando os menores recursos eólicos face ao período homólogo”, sublinhou a EDP (que controla a maioria do capital da EDP Renováveis, sobre quem lançou recentemente uma oferta pública de aquisição [OPA] para ficar com a totalidade do capital).Ao nível da comercialização de eletricidade e gás no mercado ibérico houve uma diminuição homóloga de 5% entre o primeiro trimestre deste ano e o de 2016, que é explicada em grande parte pela queda de 15% dos volumes em Espanha, especialmente no setor industrial.“A nossa carteira de comercialização em Portugal ficou perto dos 4,1 milhões de clientes em março de 2017 e os volumes fornecidos cresceram 7% decorrente do processo de liberalização do mercado em curso”, informou a EDP.Por seu turno, no negócio do gás, o volume comercializado recuou 19% no primeiro trimestre de 2017, refletindo uma redução dos volumes no mercado grossista.Fonte: Ambiente Magazine/#sthash.h6WgLshH.dpuf Porto quer renovar a paisagem urbana com coberturas verdeshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=414Praça de Lisboa e Estação da Trindade são exemplos daquilo que já se fez e indicadores daquilo que pode estar para vir. A cidade do Porto quer acompanhar a tendência global de instalação de coberturas verdes, criando as condições necessárias à proliferação destas soluções e contribuindo para a mudança da paisagem urbana, para a eficiência energética e para o aumento dos espaços verdes nas cidades. Entre os locais possíveis, está já prevista a implementação de uma cobertura verde no Terminal Intermodal de Campanhã. O Projecto Quinto Alçado do Porto (PQAP) teve início em Agosto de 2016, terá a duração de um ano, e vai promover a criação de um guia técnico com orientações e propostas de políticas municipais, ajustadas à realidade da cidade. Serão, para além disto, seleccionados três edifícios do município para receber coberturas verdes. Este projecto nasce de um desafio lançado por Paulo Palha, presidente da Associação Nacional de Coberturas Verdes (ANCV), à câmara municipal do Porto, que, segundo fonte da associação, “recebeu a proposta com muito entusiasmo, uma vez que estava em concordância com a sua visão e objectivos para a cidade do Porto”. Uma das maiores ambições do projecto é a inclusão das coberturas verdes na estratégia urbanística, ambiental e de espaços verdes da cidade. Cidades como Copenhaga e Toronto há muito que adoptaram medidas que impõem a instalação destas coberturas nos telhados de novas construções. Para o Projecto Quinto Alçado do Porto, foram estudados, detalhadamente, dois casos de cidades, Londres e Linz, que adoptaram diferentes medidas de incentivo à instalação de coberturas verdes, de modo a aprender com o que já foi feito, identificando possíveis barreiras e adequando contextualmente o planeamento de medidas a aplicar no caso português. No âmbito do projecto, a câmara municipal do Porto e a associação que promove este tipo de soluções em Portugal encontram-se, ainda, “numa fase de avaliação do modelo que melhor se adapta à cidade”. Mas dentro dos objectivos definidos pelo plano encontram-se a quantificação de coberturas verdes já existentes na cidade, a avaliação dos edifícios com potencial, a definição de áreas prioritárias para a definição de uma estratégia global e a selecção de três edifícios municipais para receber este tipo de solução, que, depois, serão edifícios modelo para a continuidade da estratégia. De entre as várias vantagens resultantes da instalação de coberturas verdes, contam-se a protecção da impermeabilização dos telhados, mas também o maior conforto térmico e maior eficiência energética, a melhoria da paisagem urbana, o aumento das áreas verdes e espaços de fruição pública e ainda ajudam na redução do risco de cheias.Fonte: Edifícios e EnergiaAprovado modelo do Título Único Ambientalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=413O procedimento de emissão do Título Único Ambiental (TUA) é regulado pelo Decreto-Lei nº 75/2015, que aprovou o Regime de Licenciamento Único de Ambiente (LUA). No entanto, só agora, com a aprovação da Portaria nº 137/2017, de 12 de abril, é aprovado o modelo do Título Único Ambiental (TUA).Segundo a legislação, o modelo integra as decisões, títulos ou autorizações emitidos nos termos do disposto no Decreto-Lei n.º 75/2015, de 11 de maio, de acordo com os diferentes regimes jurídicos de ambiente aplicáveis, incluindo os de controlo prévio ambiental. As condições e obrigações de licenciamento e autorização inscritas no título são estabelecidas por fase ou secção e por domínio de ambiente. Além disso, é atribuído ao TUA um número eletrónico de identificação que se mantém inalterado até ao encerramento da instalação, do estabelecimento ou do projeto. A assinatura do título é eletrónica, sendo o título emitido através do módulo LUA alojado no Sistema Integrado de Licenciamento do Ambiente (SILiAmb).Consulte a portaria, onde poderá verificar as especificidades do modelo: https://dre.pt/application/conteudo/106874599Renováveis representaram 57,4 por cento do consumo de eletricidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=410Renováveis representaram 57,4 por cento do consumo de eletricidade em Portugal Continental no primeiro trimestre, este valor é justificado pela reduzida pluviosidade e por uma eolicidade mediana que caracterizaram o primeiro trimestre do ano. Os índices acumulados de produtibilidade das tecnologias hídrica e eólica situaram-se em 0,64 e 1,0, respetivamente. Isto contribuiu para um menor contributo da produção elétrica a partir de fontes de energia renovável, comparativamente ao período homólogo do ano passado, tendo atingido 7.774 GWh, o que representa 57,4 por cento em relação ao consumo trimestral de energia elétrica em Portugal Continental, que foi de 13.539 GWh.Ainda assim, no primeiro trimestre as fontes de energia renováveis foram suficientes para satisfazer integralmente o consumo de eletricidade do continente do continente num conjunto acumulado de 100,5 horas, não consecutivas, equivalentes a mais de quatro dias.Neste período, o recurso renovável que mais contribuiu para a produção elétrica foi o vento, com 3,746 GWh, seguido da água, com 3,140 GWh. A biomassa contribuiu com 733 GWh e o solar com 155 GWh. A conversão de recursos fósseis em eletricidade produziu 6,961 GWh.Evolução do preçoNo primeiro trimestre de 2017, o preço da eletricidade em mercado atingiu os 55,77 eur/MWh, muito acima dos 30,47 verificados no período homólogo anterior, durante o qual a eletricidade renovável teve uma representatividade maior – 85 por cento do consumo elétrico de Portugal Continental.Mais informação: http://www.apren.pt/pt/21 candidaturas ao Programa “Sê-lo Verde”http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=409Foram recebidas 21 candidaturas ao Programa “Sê-lo Verde”, que apoia a sustentabilidade ambiental dos festivais de música realizados em Portugal. Até terça-feira, dia 4, último dia das candidaturas, o total de apoios solicitados atingiu o valor de 1,45 milhões de euros, para um programa com uma dotação máxima de 0,5 milhões de euros.O programa define também duas categorias de candidaturas: a dos festivais com um número entre 5 000 e 25 000 espetadores e a dos festivais com mais de 25 000 espetadores. A taxa de financiamento fixada nas candidaturas foi de 40% ou de 60%, respetivamente para medidas intangíveis (exemplos: ações de sensibilização ou de comunicação) e tangíveis (exemplos: promoção da reciclagem ou redução do consumo de água).As propostas serão agora avaliadas de acordo com os critérios pré-definidos, de que são exemplos a inovação e a relação custo/benefício. A decisão sobre as propostas apoiadas será conhecida na primeira quinzena de maio. O júri que as avaliará é presidido por Miguel Guedes (área Musical) e integra ainda Miguel Barbosa (área da Inovação) e Ângela Morgado (área do Ambiente).O “Programa Sê-lo Verde” 2017 tem em vista incentivar a adoção de boas-práticas ambientais, inovadoras e com impacte ambiental, social e económico nos grandes eventos de música.Fonte: www.ambientemagazine.comLipor integra 'Programa Hectare' e reabilita floresta na AMPhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=405A área metropolitana do Porto está a reabilitar as suas áreas de floresta nativa, através do recentemente criado “Programa Hectare”. O investimento anual será de 950 euros por hectare, sendo que as árvores nativas aí instaladas, devolvem à sociedade um valor anual 20 vezes superior. A LIPOR, ao abrigo deste programa, irá promover o investimento na reabilitação de 20 hectares de áreas públicas distribuídas pelos 8 Municípios da LIPOR.Com os trabalhos já em curso, está a ser dado início aos procedimentos técnicos de manutenção nos Municípios da Maia, Matosinhos e Valongo. Os próximos Municípios a receber o “Programa Hectare” serão Vila do Conde, Espinho e Gondomar.Este investimento está integrado no âmbito da Estratégia de Biodiversidade da LIPOR, cujo objetivo é o de “conhecer o impacto das suas atividades sobre a biodiversidade e desenvolver estratégias de minimização e/ou ações com vista à compensação desses mesmos impactos”.Com a participação da empresa no “Programa Hectare” será garantida a sobrevivência de mais de 8.500 árvores nativas recentemente instaladas no território. Estas plantas, além de aumentarem a biodiversidade, embelezam a paisagem e valorizam o território, regulam a água no solo, retêm poluentes atmosféricos e armazenam carbono.Fonte: Ambiente MagazineVítor Aleixo eleito presidente do Conselho Coordenador para a adaptação local às alterações climáticas http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=406O presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, foi eleito, na passada sexta-feira, dia 31 de março, presidente do Conselho Coordenador da Rede de Municípios para a Adaptação Local às Alterações Climáticas, durante a sua primeira reunião, que decorreu em Guimarães.O autarca louletano apresentou as principais motivações do Município para liderar a Rede, descrevendo as iniciativas relacionadas com a promoção da Adaptação às Alterações Climáticas que a Câmara irá promover até ao final do ano, com destaque para a Conferência Internacional sobre Alterações Climáticas, a realizar a 7 de abril, e o encontro com jornalistas nacionais e internacionais sobre esta matéria, em junho.Vítor Aleixo irá, assim, presidir a este Conselho Coordenador que é o órgão que constitui a estrutura executiva e tem como missão assegurar a representação externa da Rede e definir as melhores estratégias a prosseguir para a concretização da missão e dos objetivos. Este Conselho será ainda composto por dois vice-presidentes (Câmara Municipal de Tondela e Câmara Municipal do Barreiro).Durante esta reunião foi ainda eleito o Conselho Geral, presidido por Guimarães, e que terá os municípios do Funchal e Vila Franca do Campo como secretários. Já o Secretariado de Gestão irá integrar Loulé, Almada, Cascais, Sintra, CEDRU, WE e Quercus. Foi igualmente aprovado o primeiro Programa de Ação 2017-2019 e o regulamento de funcionamento da própria Rede.A próxima reunião da Rede decorre na cidade de Loulé, em novembro, altura em que terá lugar também o primeiro Seminário Anual de Adaptação Local às Alterações Climáticas.Criada a 9 de dezembro de 2016, pelos primeiros 30 municípios portugueses que elaboraram as suas Estratégias Municipais de Adaptação às Alterações Climáticas, 26 das quais desenvolvidas no âmbito do projeto ClimAdapt, entre as quais a de Loulé, a Rede tem como principal missão aumentar a capacidade dos municípios portugueses de incorporar a adaptação às alterações climáticas nas suas políticas, nos seus instrumentos de planeamento e nas suas intervenções locais.É ainda objetivo contribuir para a criação e implementação, por parte da administração central e regional, de políticas, programas e medidas que promovam a adaptação (em articulação com a Associação Nacional de Municípios Portugueses) e, por outro lado, contribuir para a disseminação de boas práticas de adaptação local e a sensibilização das comunidades locais para as questões de adaptação.Nesse sentido, foi assinada uma Carta de Compromisso onde os signatários se comprometem a promover o aumento da capacidade dos seus municípios em incorporar a adaptação às alterações climáticas nas políticas, nos instrumentos de planeamento e nas intervenções locais e contribuir ativamente para a concretização da missão e dos objetivos da rede.Fonte: Ambiente MagazineSchneider Electric e ENGIE parceiros na digitalização do Setor da Energia http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=407A Schneider Electric e a ENGIE assinaram um Memorando de Entendimento (MdE), com o objetivo de exploração e implementação de novas soluções digitais para a eficiência operacional de ativos renováveis (energia eólica e solar fotovoltaica), potenciando os Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados (SCADA), Historian e software de aplicações relacionadas suportados pela Schneider Electric.A gestão de ativos, a gestão de obsolescência do SCADA, a monitorização e diagnósticos remotos, bem como a cibersegurança num ecossistema complexo serão também áreas a potenciar, ao abrigo do acordo.“O objetivo da ENGIE centra-se no desenvolvimento de supervisão e controlo remoto dos seus ativos globais de produção de energias renováveis, e possivelmente de outros ativos energéticos, para otimizar o seu desempenho. Estamos a trabalhar em estreita colaboração com a Schneider Electric, partilhando uma visão dos desafios de um mundo energético descarbonizado, digitalizado e descentralizado,” explicou Didier Holleaux, Vice-presidente Executivo da ENGIE.Por seu lado, Philippe Delorme, Vice-Presidente Executivo de Building e IT, da Schneider Electric afirmou que a Schneider Electric “desenvolve soluções de software visando solucionar as necessidades dos consumidores de forma inovadora e eficiente, o que irá beneficiará a ENGIE”.“A nossa tecnologia integrada e vasto conhecimento da indústria podem ajudar a identificar novas oportunidades de como melhor servir o mercado energético, enquanto proporcionamos um maior acesso a energia de uma forma mais limpa e económica”, acrescentou.A Schneider Electric já é parceira estratégica da ENGIE para a monitorização e gestão em tempo real das suas instalações europeias de energia eólica e solar. Esta parceria demonstra a ambição da ENGIE em acelerar a sua digitalização a nível global para liderar a transição energética.Fonte: Ambiente MagazineMinistério do Ambiente recebeu candidaturas para aquisição de 337 veículos elétricos http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=408Ao todo, foram recebidas candidaturas provenientes de 91 entidades que respeitam a um total de 337 veículos, foi concluída na sexta-feira, dia 31 de março, a primeira fase da candidatura ao Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica da Administração Pública. Financiada pelo Fundo Ambiental, esta primeira fase apoia com 5,5 milhões de euros a aquisição de 170 veículos.Face à elevada adesão ao programa e porque se excedeu o número máximo de viaturas abrangidas, a Entidade dos Serviços Partilhados da Administração Pública procederá agora a uma avaliação das candidaturas.Recorde-se que o aviso do Fundo Ambiental relacionado com este concurso obriga as entidades concorrentes a darem para abate um veículo com mais de 10 anos e elevada quilometragem por cada veículo elétrico concedido. O apoio atribuído cobre a totalidade do custo das viaturas elétricas, que serão adquiridas em regime de aluguer operacional de veículos pelo prazo de quatro anos.O Fundo Ambiental tem como missão apoiar a transição para uma economia resiliente, competitiva e de baixo carbono, através do financiamento ou cofinanciamento de medidas que contribuam para o cumprimento dos compromissos do Estado Português no âmbito do Protocolo de Quioto e de outros compromissos internacionais e comunitários na área das alterações climáticas.Fonte: Ambiente MagazineSustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos: alterações ao regulamentohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=415A Portaria nº 124/2017, de 27 de março, vem alterar o Regulamento Específico do Domínio da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos. Com a alteração, os artigos 49.º, 51.º, 98.º, 100.º, 101.º e 121.º passam a ter nova redação.As alterações justificam-se pelo facto de ter sido identificada a necessidade de proceder a “ajustamentos às condições de acesso e às regras gerais de financiamento para as operações apresentadas ao abrigo das Prioridades de Investimento e Áreas de Intervenção do Domínio SEUR, a fim de permitir que entidades recentemente criadas no âmbito da Gestão Eficiente do Ciclo Urbano da Água, nomeadamente as que resultam de agregações de entidades gestoras de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais, possam beneficiar de apoios na referida tipologia de operações até que reúnam todos os critérios aplicáveis em matéria de elegibilidade dos beneficiários.”Foi também identificada a necessidade de clarificar regras de elegibilidade para intervenções no âmbito do apoio à eficiência energética na habitação social, bem como para o domínio das tipologias de operações previstas na Reabilitação e Qualidade do Ambiente Urbano.No que à habitação social diz respeito, e segundo a nova redação, “as operações abrangidas são as que se revelem indispensáveis para a realização das intervenções em edifícios de habitação social, que decorram da auditoria ou diagnóstico energético que demonstre os ganhos potencialmente resultantes das respetivas operações.”A nível de elegibilidade das despesas, deixam de ser elegíveis os apoios a intervenções em frações autónomas, de edifícios ou fogos de habitação que tenham sido alvo de apoios comunitários há menos de 10 anos, quando anteriormente não se estabelecia limite temporal.De acordo com a nova redação do artigo 100.º, os apoios a conceder revestem a natureza de subvenções não reembolsáveis para todas as operações realizadas na Região Autónoma da Madeira e no Continente (antigamente não se definia âmbito geográfico) para as operações que tenham como objetivo a garantia de cumprimento de normativo, nomeadamente as tipologias de operações relativas ao Abastecimento de Água previstas nas subalíneas iii), iv) e vi) da alínea a) do artigo 95.º e para as tipologias de operações relativas ao Saneamento de Águas Residuais previstas nas subalíneas i), iii), v) e vii) da alínea b) do mesmo artigo.Consulte o documento completo: https://dre.pt/application/conteudo/106657702ECOXXI 2017http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=399Relembramos que todos municípios que pretendam apresentar candidatura a município ECOXXI 2017 deverão enviar a ficha de inscrição para eco21@abae.pt até 31 de março.Depois de fazerem login na plataforma terão acesso a:- guia com os critérios de pontuação e notas explicativas- documento com todos os formulários que deverão ser preenchidos para a candidatura- formulários de candidatura Até 31 de maio de 2017 - submissão das Candidaturas ECOXXI 2017Qualquer dúvida contacte:Margarida Gomes | Tânia VicenteTM: 935373716 | 910502424Câmara do Porto vai poupar mais de meio milhão de euros por ano em combustível com nova frota elétricahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=400Apesar do aumento substancial do número de veículos para a polícia municipal, a Câmara do Porto vai poupar quase 600 mil euros por ano em combustível, graças à substituição da sua frota automóvel diesel por carros elétricos. A proposta, que será levada à próxima reunião de executivo que terça-feira se realiza, enfatiza também uma redução estimada de emissões de dióxido de carbono na ordem das 2,3 mil toneladas, no prazo de vigência do contrato. Em causa está a aquisição de 390 veículos, 241 dos quais destinados ao município e os restantes às empresas municipais de águas, de habitação, gestão de obras públicas, ambiente e lazer. Os veículos substituirão os atuais, em fim de contrato de locação, em áreas como limpeza urbana, obras municipais, policiamento, transporte de funcionários, etc. A nova frota municipal, que tem vindo já a receber experimentalmente alguns veículos elétricos, poupará, por ano, com o contrato de locação operacional que será realizado através de concurso público, cerca de 450 mil litros de combustíveis fosseis. Os custos da operação cifram-se para a Câmara do Porto um pouco acima de seis milhões de euros, crescendo para 10 milhões com as empresas municipais, mas poderão ficar substancialmente abaixo, dependendo das propostas que se apresentem a concurso. Estes valores a pagar pela Câmara do Porto, que incluem já seguros e manutenção programada, dividem-se anualmente, até 2022, ao em que termina o contrato.Etiqueta energética volta ao formato A a Ghttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=404Na semana passada, a Comissão Europeia, o Conselho e o Parlamento Europeus acordaram nas alterações a introduzir na etiqueta energética dos equipamentos. A etiqueta energética vai regressar à escala A-G, escala sempre defendida pelas organizações de defesa do ambiente, como sendo a mais eficiente. Agora, a ZERO e as suas congéneres europeias – EEB e ECOS – defendem que estas alterações devem ser introduzidas rapidamente no mercado para que os cidadãos possam alcançar as poupanças de energia esperadas, que esta revisão trará.As instituições europeias chegaram a um acordo em 21 de março para retomarem a escala original para a Etiqueta Energética da UE (A-G), eliminando a confusão com as classes posteriormente introduzidas (A +, A ++, A +++). No entanto, não se conseguiu estabelecer um prazo comum para a implementação da nova escala em todos os produtos e, por exemplo, para os produtos de aquecimento a aplicação da nova etiqueta poderá ocorrer apenas após 2030. No caso dos eletrodomésticos e televisores, as novas etiquetas devem ser introduzidas até 2020.As instituições anunciaram também o desenvolvimento de uma base de dados de produtos ao nível europeu, que deverá começar em 2019 e permitirá o acompanhamento eficaz e a futura alteração da etiqueta energética.Os Estados-Membros e as autoridades de fiscalização do mercado terão acesso a dados em tempo real e uma visão global do mercado, enquanto os consumidores beneficiarão de uma comparação mais fácil da eficiência energética dos diferentes produtos.Francisco Ferreira, presidente da ZERO, considera que “esta reformulação da etiqueta energética para a escala A-G vem clarificar junto dos consumidores europeus quais os equipamentos energeticamente eficientes, de modo a que estes possam fazer uma escolha informada e reduzir as suas faturas energéticas. A sua aplicação, o quanto antes, em todos os equipamentos que já têm etiqueta é fundamental para esclarecer de vez qualquer tipo de dúvidas que os consumidores possam ter.”Por sua vez, Pieter De Pous, diretor de Política do EEB, afirma que “esta nova e melhorada etiqueta energética irá promover os produtos mais eficientes para os consumidores, dando-lhes uma alternativa imparcial e confiável em relação à publicidade agressiva por empresas que se afirmam falsamente como verdes. Para que os consumidores possam realmente colher seus frutos, a etiqueta energética deve agora ser aplicada a mais produtos – começando com as TIC, equipamentos de escritório e pequenos aparelhos elétricos.O que ainda é preciso melhorarInfelizmente, o acordo agora alcançado não protege os direitos dos consumidores europeus no caso de produtos não conformes, indica a Zero, em comunicado. Os Estados-Membros combateram com êxito as alterações introduzidas pelo Parlamento Europeu que garantiriam um calendário mais ambicioso e uma compensação para os consumidores que adquiram produtos declarados não conforme, mesmo fora do período de garantia.A Zero espera que a nova etiqueta energética seja rapidamente adotada para todos os equipamentos que já estão abrangidos por ela, de modo a que os consumidores voltem a ter uma escala clara e direta de qual o nível máximo de eficiência energética que os equipamentos podem alcançar, contribuindo desta forma para que façam escolhas mais eficientes na aquisição dos equipamentos e reduzir os consumos de energia nas suas habitações.- Fonte: Ambiente Magazine- See more at: http://www.ambientemagazine.com/etiqueta-energetica-volta-ao-formato-a-a-g/#sthash.XaLe3qE8.dpufAviso para apresentação de candidaturas para reabilitação nos bairros sociais - Eficiência energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=401Relembramos que está a decorrer a apresentação de candidaturas ao Aviso NORTE-04-2017-04, cujo financiamento é não reembolsável, para Eficiência Energética na Reabilitação de Bairros Sociais. O Aviso original sofreu uma alteração publicada a 13 de Março à qual se refere a informação agora enviada.Fases de apresentação de candidaturas: Fase 1: até 15 de Abril de 2017Fase 2: 16 de Abril a 15 de Junho de 2017Fase 3: 16 de Junho a 31 de Agosto de 2017Entidades elegíveis: Administração Pública Local(incluindo entidades públicas gestoras ou proprietárias de habitação social) Tipo de subsídio: Não reembolsávelTaxas de cofinanciamento: 85% Dotação do fundo: 30.179.194,00 € (para a Região Norte)Exemplos de possíveis intervenções: - Aplicação de isolamento térmico da envolvente; - Alteração de envidraçados; - Alteração de sistemas de preparação de Água Quente Sanitária e outros; - Alteração da iluminação interior; - Instalação de sistemas de gestão de consumos; - Intervenções nos sistemas das zonas comuns dos edifícios;- Promoção de energias renováveis para auto-consumo;A AdEPorto poderá prestar todos os serviços associados às candidaturas, pelo que ficamos à disposição para qualquer esclarecimento.Para maior detalhe poderá ser consultada a página: http://norte2020.pt/concursos/concursos-abertos.Green Project Awards 2017 - Candidaturas até 31 de Maiohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=402A iniciativa para o reconhecimento das boas práticas em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável – Green Project Awards (GPA), desenvolvida pela Agência Portuguesa do Ambiente, GCI e Quercus ANCN – abriu hoje as candidaturas para aquela que será a 10ª Edição deste evento.Ao fim de nove anos a premiar a sustentabilidade em Portugal, o GPA apresenta, para esta edição, novas categorias, prémios especiais e um ciclo de conferências de âmbito nacional. A par disso, o GPA contará com o apoio dos Ministérios da Agricultura, do Ambiente, da Economia, da Educação e do Mar, da Presidência da República, da Comissão Europeia e da CPLP.Agricultura, Cidades e Mobilidade Sustentáveis, Gestão Eficiente de Recursos, Indústria 4.0 – Transformação Digital, Iniciativa Jovem, Iniciativa de Mobilização, Investigação & Desenvolvimento, Mar e Turismo são as categorias que fazem parte da décima edição do GPA, e que serão, posteriormente avaliadas pelo impacto do projeto, produto, iniciativa ou serviço nos pilares da sustentabilidade ambiental, económica e social.Em 2017 serão também atribuídos cinco Prémios, nomeadamente, o Prémio Investigação e Desenvolvimento Sustentável GPA – Jerónimo Martins, o Prémio Inovação Social GPA – Sociedade Ponto Verde, o Prémio Cooperação Internacional de Negócios e o Prémio Carreira pela Sustentabilidade, sendo este último atribuído no âmbito da 10ª Edição.Podem concorrer ao GPA empresas, Organizações Não Governamentais, estabelecimentos de ensino, centros de investigação, entidades públicas e/ou municipais, associações, investigadores e outros cidadãos a título individual com projetos, iniciativas, produtos ou serviços, que visem o desenvolvimento sustentável e que tenham sido implementados ou disponibilizados em Portugal nos últimos três anos.Desde 2008, a iniciativa já recebeu mais de 1200 candidaturas e distinguiu mais de 120 projetos, criando um movimento de desenvolvimento sustentável, reunindo jovens, empresas e sociedade civil em geral em torno de uma agenda de sustentabilidade.- Fonte: Ambiente Magazine- See more at: http://www.ambientemagazine.com/green-project-awards-2017-candidaturas-arrancam-hoje/#sthash.KEGn46s7.dpufAlargamento do Andante até à Trofahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=398A partir do próximo dia 20 de março de 2017, a linha da CP que serve as estações de Ermesinde até à Trofa estará abrangida pelo sistema intermodal Andante, servindo as populações dos municípios da Maia, Trofa e Valongo.A Área Metropolitana do Porto (AMP), a CP – Comboios de Portugal e o TIP – Transportes Intermodais do Porto, ACE, informam os seus clientes e o público em geral que, a partir do próximo dia 20 de março, o Andante será válido nos comboios urbanos do Porto até à Trofa.Este alargamento – que integra as estações da Trofa, Portela, S. Romão do Coronado, S. Frutuoso, Leandro e Travagem – representa mais uma etapa da estratégia da Área Metropolitana do Porto para o crescimento do transporte público, promoção da intermodalidade e da atração de um número cada vez maior de utilizadores de transportes públicos.Os ajustamentos efetuados, com a criação de mais uma zona (N18), tornam possível o alargamento do Andante à Trofa reforçando assim a ligação dos municípios da Trofa, Valongo e Maia à rede intermodal Andante, permitindo às populações a utilização de um único título de transporte nas suas deslocações.Para viajar entre o centro do Porto e a Trofa, os utilizadores devem adquirir um título de viagem Z6 (2,75 euros) ou uma assinatura mensal Z6 (assinatura normal – 66,90 euros).Regulador da energia lança campanha para combater mitos e defender consumidores http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=403O regulador da energia quer combater um conjunto de mitos existentes no setor sobre fidelização, serviços associados aos contratos de fornecimento de eletricidade e gás natural, tarifas transitórias, leituras e meios de pagamento da fatura para defender os consumidores. No folheto que a partir de hoje será distribuído por várias organizações de apoio ao consumidor, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) alerta que a fidelização no fornecimento de eletricidade e de gás natural não é proibida, mas que “se existir, deve ser explicada e demonstrada ao consumidor qual a vantagem associada”, indica a agência Lusa.Alertando que “o período de fidelização não se renova automaticamente”, a ERSE lembra que a existência de um período de obrigação de permanecer com o mesmo fornecedor durante um determinado período de tempo não impede os clientes de mudarem de fornecedor, mas que “o fim antecipado do contrato pode originar uma compensação ao fornecedor”.Um outro mito é que para ter um contrato de energia é necessário ter outros serviços: “O fornecimento de eletricidade e de gás natural não pode ser condicionado à subscrição de serviços e a existência de serviços adicionais não deve prejudicar o direito a mudar de fornecer”.A questão dos serviços adicionais associados ao fornecimento de eletricidade e de gás natural já tinha sido motivo de uma recomendação às empresas na semana passada, um tema que ainda deverá vir a ser debatido no parlamento, depois de terem sido noticiadas várias queixas de consumidores.“Os fornecedores que tenham ofertas comerciais com serviços adicionais devem disponibilizar uma oferta de fornecimento equivalente sem esses serviços”, realça o regulador, recomendando ao consumidor que solicite toda a informação para verificar “se a proposta de serviço adicional lhe é favorável e útil antes de se veicular”.Sobre a liberalização do mercado – cujo prazo foi recentemente alargado para os clientes domésticos até dezembro de 2020 -, a ERSE garante que quando acabarem as tarifas transitórias ninguém ficará sem energia: “Não existe risco de não ter escolha ou fornecedor disponível”.“Combata este mito não se deixando pressionar pela aproximação de uma data de extinção de tarifas reguladas”, adverte, sublinhando que “atualmente, a maioria das ofertas oferece condições de preço mais favoráveis que a tarifa transitória”.Sobre as leituras de consumos, o regulador realça que todos os consumidores podem comunicar a leitura e ter a faturação ajustada aos consumos reais, informando que a comunicação de leitura pelo consumidor tem o mesmo valor da leitura efetuada pela empresa.Ainda sobre o pagamento das faturas, o organismo que regula o setor acautela os consumidores que “os fornecedores de energia estão obrigados a disponibilizar vários meios de pagamento, incluindo pagamento em dinheiro”, rejeitando o mito de que os pagamentos das faturas tenham que ser por débito direto.Mas, admite, “pode acontecer que o fornecedor pratique um preço mais vantajoso se pagar as faturas por débito direto na conta bancária, mas, mesmo nestas situações, poderá a todo o tempo revogar a autorização de débito”, acrescenta.- Fonte: Ambiente Magazine- See more at: http://www.ambientemagazine.com/regulador-da-energia-lanca-campanha-para-combater-mitos-e-defender-consumidores/#sthash.VX1HSmHu.dpufADEPORTO e Ordem dos Engenheiros apresentam o projecto Habitação A+http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=397Foi ontem apresentado pela ADEPORTO o projecto Habitação A+ que resulta de uma parceira com a Ordem dos Engenheiros e que conta com o apoio da Domus Social. A apresentação destinou-se aos gestores de entrada do Agrupamento Habitacional de Santa Luzia que constituirá o universo piloto de implementação do projecto. O Habitação A+ pretende apoiar e sensibilizar os cidadãos para acções que visem a redução das necessidades efectivas e dos consumos de energia, através da utilização de equipamentos e de medidas de melhoria nas suas habitações, que permitam tornar mais eficientes os consumos sem prejuízo das condições de conforto. Curso de Auditores Energéticos em Edifícios Residenciaishttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=395A Academia ADENE organiza pela primeira vez o Curso de Formação de Auditores Energéticos em Edifícios Residenciais, em Lisboa e em Leça da Palmeira.Este curso surge na sequência do Projeto ENACT: cenários, competências e oportunidades no setor das auditorias energéticas 2014-2016, enquadrado na estratégia Europa 2020 e com o objetivo de aumentar a oferta formativa quantitativa e qualitativa na área da eficiência energética, nomeadamente na formação de auditores de energia.A ACADEMIA ADENE pretende dar resposta às necessidades de formação e reforço de competências aos técnicos do SCE, PQ-I, que irão adquirir conhecimentos de harmonização dos procedimentos de auditoria, identificação de oportunidades de melhoria de eficiência energética e de redução de consumo de energia. LISBOA: 18, 19 e 26 de abril de 2017 LEÇA DA PALMEIRA: 9, 10 e 16 de maio de 2017HORÁRIOS:DIA 1 9H-13H | 14:30H-18:30HDIA 2 9H-12H | 14:30H-18:30HDIA 3 9H-13H | 14:30H-17:30HFevereiro: Eletricidade de Origem Renovável em Portugalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=396O mês de fevereiro caracterizou-se por um aumento da disponibilidade dos recursos eólico e hídrico, quando comparado com janeiro, o que terá contribuído para elevar o índice de produtibilidade da tecnologia eólica e hídrica do mês passado, para 1,08 e 0,92, respetivamente.Em resultado, a produção a partir de fontes de energia renovável aumentou a sua quota mensal para 65 % (2.720 GWh) em relação ao consumo 1 de energia elétrica em Portugal Continental, 4.156 GWh.Adicionalmente, o mês de fevereiro ainda se destacou por um conjunto de 45 horas em que a produção renovável foi capaz de suprir completamente o consumo elétrico continental. Deste período salienta-se o intervalo ininterrupto entre as 21h:45 do dia 4 e as 15h:45 do dia 5 de fevereiro.Consulte aqui o boletim de Fevereiro da APREN: http://www.apren.pt/fotos/editor2/02_boletim_energias_renovaveis-fevereiro.pdfPrograma Casa Eficiente http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=392O programa Casa Eficiente deverá entrar em funcionamento até junho, revelou a CPCI, dinamizadora desta linha de financiamento.Manuel Reis Campos, presidente da Confederação, explicou à Lusa que esta linha vai disponibilizar «acesso a empréstimos em condições muito favoráveis para obras de melhoria do desempenho ambiental das casas e edifícios maioritariamente habitacionais». Podem ter este apoio todos os proprietários, «independentemente da sua dimensão ou localização geográfica», esclareceu o responsável.Numa primeira fase, o Casa Eficiente vai envolver cerca de 100.000 habitações e 200 milhões de euros. Juntamente com os ministérios envolvidos, a CPCI vai implementar este programa. Com o apoio de entidades como a ADENE, a APA ou a EPAL criará o Portal Casa Eficiente, um balcão virtual que vai receber as candidaturas ao programa e disponibilizar mais informação sobre o mesmo.Inicialmente previsto para o 1º trimestre deste ano, o programa aguarda aprovação do Banco Europeu de Investimento.http://www.vidaimobiliaria.com/noticia/casa-eficiente-entra-em-funcionamento-junhoComo funciona a primeira cooperativa de energias renováveis portuguesahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=393A Coopérnico, chegou aos 600 membros em Fevereiro, lançou um vídeo que explica como funciona a primeira cooperativa de energias renováveis portuguesa, que proporciona aos seus membros a possibilidade de investirem em projetos de produção de energia renovável e de serem donos da sua própria empresa de eletricidade.Juntos, os membros da Coopérnico garantem a produção de energia renovável equivalente ao consumo anual dos seus membros através dos seus projetos, originando benefícios ambientais, sociais e económicos para Portugal e também para o Planeta.A Coopérnico espera chegar ao final de 2017 com 1000 membros, ultrapassar os 500 mil euros de investimento direto dos cidadãos em energias renováveis, aumentando a produção e capacidade instalada de solar descentralizada em Portugal, para além de alargar os serviços de eficiência energética aos membros. Este é um passo importante rumo ao aumento da sua expressão e representatividade social e demonstra o interesse dos cidadãos em fazerem parte de um modelo de sociedade diferente, mais participado, mais democrático e mais transparente.Para perceber como funciona a primeira cooperativa de energias renováveis portuguesa assista ao vídeo da Coopérnico:http://www.ambientemagazine.com/coopernico-lanca-video-para-explicar-como-funciona-primeira-cooperativa-de-energias-renovaveis-do-pais/Aviso 22 - Eficiência Energética na Indústria, Agricultura, Floresta e Pesca - candidaturas até 27 de Abrilhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=394Foi lançado em dezembro de 2016, através do Fundo de Eficiência Energética (FEE), o Aviso 22 - Eficiência Energética na Indústria, Agricultura, Floresta e Pesca cujo prazo de candidatura termina a 27 de Abril. O objetivo geral é diminuir o consumo de energia através da modernização e incremento de competitividade destes setores.Como?A medida vai apoiar investimentos investimentos destinados a melhorar o desempenho energético das instalações, através da substituição dos equipamentos existentes por outros mais eficientes, a implementação de dispositivos de controlo e atuação que permitam otimizar as condições de uso e consumo de energia, e/ou a reformulação e integração de processos, que no seu conjunto apresentem um período de retorno simples inferior a sete anos. São elegíveis todos os projetos que conduzam ao aumento da eficiência energética por via da implementação de medidas tangíveis de eficiência energética.Qual o valor do apoio?O financiamento dos projetos assume a forma de subsídio não reembolsável, sendo a comparticipação, por candidatura, de despesas do FEE, de 30 por cento das despesas totais elegíveis até ao limite máximo de 80.000 euros. A dotação global do Aviso é de 1.350.000 euros.Quem beneficia?Podem candidatar-se todas as entidades não abrangidas pelo regime do comércio europeu de licenças de emissão (CELE), previsto no Decreto-Lei n.º 93/2010, de 27 de julho, e no Decreto-Lei n.º 38/2013, de 15 de março, e enquadradas nas seguintes tipologias de beneficiário:Beneficiário A: Operadores de instalações do setor da agricultura, floresta e pescas, com código CAE compreendido entre o 01 a 03. A dotação orçamental a atribuir é de 250.000 euros.Beneficiário B: Operadores de instalações industriais (código CAE 05 a 33) cujo consumo energético, no ano civil anterior, tenha sido inferior a 500 tep/ano, incluindo instalações com atividades nos domínios do abastecimento de água e do saneamento de águas residuais. A dotação orçamental é de 400.000 euros.Beneficiário C: Operadores de instalações a cumprir as disposições constantes do Decreto-Lei n.º 71/2008, de 15 de abril, Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia (SGCIE). A dotação orçamental é de 700.000 euros.As candidaturas no âmbito do concurso devem prever uma duração máxima de 12 (doze) meses entre a data de assinatura do contrato de financiamento (celebrado entre o FEE e o beneficiário) e a data de apresentação do pedido de pagamento do projeto. As candidaturas são apresentadas ao FEE através do portal eletrónico do PNAEE na área de candidaturas FEE.Para mais informação consulte: http://www.pnaee.pt/avisos-fee/aviso-22Incentivo pela Introdução no Consumo de Veículos de Baixas Emissõeshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=391Pretende-se dar continuidade à implementação de medidas de aceleração da apropriação de energias de tração alternativas e ambientalmente mais favoráveis, como a tração 100% elétrica, dado o seu claro contributo para a melhoria da qualidade do ar, redução de ruído e desaceleração do processo de alterações climáticas.O incentivo pela introdução no consumo de veículos de baixas emissões é traduzido na forma de atribuição de unidades de incentivo no valor de € 2.250 (dois mil duzentos e cinquenta euros), devido pela introdução no consumo de um veículo 100% elétrico novo, sem matrícula, a partir de 1 de Janeiro de 2017. O incentivo a atribuir é concedido, única e exclusivamente, mediante introdução no consumo de um veículo 100% elétrico novo sem matrícula, não podendo ser convertido em qualquer tipo de outras prestações ou pagamentos, em dinheiro ou espécie.Valor do incentivo: € 2 300 000 (dois milhões e trezentos mil euros).Beneficiários: São elegíveis, para atribuição do incentivo à introdução no consumo de veículos de baixas emissões, São elegíveis pessoas singulares, limitadas a um veículo cada, e pessoas coletivas, estando estas limitadas a um máximo de cinco veículos cada. Cada beneficiário, deverá apresentar tantas candidaturas quanto as viaturas objeto do pedido de incentivo.Tipologias: Por "veículo 100% elétrico novo" entende-se os veículos elétricos automóveis ligeiros de passageiros e mercadorias novos, sem matrícula, exclusivamente elétricos, das categorias M1 e N1, conforme a classificação do Instituto da Mobilidade e dos Transportes, IP (IMT), e devidamente homologados.Dotação máxima por candidatura: € 2 250,00 (dois mil duzentos e cinquenta euros).Documentos a apresentar com a candidatura: A submissão de candidaturas exige a apresentação de uma fatura proforma ou proposta de compra e venda do veículo a adquirir, em nome do beneficiário, em que conste o número do chassis ou, no caso de o veículo ser introduzido no consumo em regime de locação financeira, cópia da minuta de contrato em questão, assinada em nome do beneficiário e com duração mínima de 24 meses.Adicionalmente são necessários os seguintes documentos relativos ao beneficiário:Caso seja pessoa singular:Cópia do Cartão de Cidadão ou cópias do Bilhete de Identidade e do Cartão de Contribuinte;Caso seja pessoa coletiva:Certidão do registo comercial da empresa beneficiária ou Certidão de teor do pacto social da empresa;Cópia de documento de identificação do(s) representante(s) da sociedade com poderes para a obrigar (Cartão de Cidadão ou Bilhete de Identidade e Número de Identificação Fiscal);Em alternativa à cópia do documento de identificação é aceite o documento com os dados do Cartão de Cidadão - Dados de Identificação Civil e Nº de Identificação Fiscal -, exportado através da Aplicação do Cartão de Cidadão disponível em www.autenticacao.gov.pt/cc-aplicacao.Após o reconhecimento do direito ao incentivo, o beneficiário terá quatro meses (nunca excedendo o prazo limite de 30 de novembro de 2017) para apresentar os seguintes documentos finais:Fatura de aquisição do veículo, com data posterior a 1 de janeiro de 2017, em nome do beneficiário, em que conste o número de chassis, ou cópia do contrato de locação financeira, em nome do beneficiário, com duração mínima de 24 meses e com data posterior a 1 de janeiro de 2017.Certidão de não dívida do beneficiário perante a Autoridade Tributária e Aduaneira;Certidão de não dívida do beneficiário perante a Segurança Social;Os candidatos que já tenham adquirido o veículo elétrico entre 1 de janeiro de 2017 e esta data, podem submeter, desde logo, os documentos finais na altura da candidatura.Período para receção das candidaturas: Entre o dia 17 de fevereiro e o dia 30 de novembro de 2017, até às 23:59 horas.O prazo limite para a apresentação de candidaturas e para a apresentação de todos os documentos obrigatórios nunca poderá exceder o dia 30 de Novembro de 2017, sob pena de exclusão ou não aceitação da candidatura.O incentivo de 2017 cessará assim que forem atribuídas as primeiras mil unidades de incentivo.Modo de apresentação das candidaturas: A submissão do formulário de candidatura, bem como de todos os documentos relativos ao beneficiário e à operação, deverá ser efetuada através da seguinte aplicação: Formulário de Candidatura.Não são aceites candidaturas e respetivos documentos que sejam remetidos por outros meios.Nota: Não dispensa a consulta do Regulamento anexo ao Despacho n.º 1612-B/2017, de 9 de fevereiro, publicado no Diário da República, 2.ª Série, 1.º Suplemento, n.º 35, de 17 de fevereiro de 2017Décimo aniversário da AdEPorto - Agência de Energia do Porto http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=389A AdEPorto - Agência de Energia do Porto completa o seu décimo aniversário! Tendo sido criada em Março de 2007 como Agência de Energia do Município do Porto, vem, desde 2010, alargando o seu âmbito territorial de atuação, integrando, atualmente, um universo de nove municípios localizados a norte do Rio Douro: Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso, Valongo e Vila do Conde, entre os seus 29 Associados. A AdEPorto tem como missão promover a inovação, o exercício de boas práticas e de exemplos a seguir por parte dos responsáveis da gestão municipal e, em geral, junto de todos os agentes do mercado e dos cidadãos, contribuindo para o desenvolvimento sustentável através da utilização inteligente da energia e do seu interface com o ambiente. A AdEPorto assenta a sua estratégia em 4 pilares: Iluminação Pública, Eficiência Energética dos Edifícios, Mobilidade Sustentável e Monitorização, quer ao nível do planeamento energético, quer ao nível das emissões de GEE, centrando a sua ação naquilo que são em primeira análise as preocupações operacionais dos Municípios seus Associados. A filosofia inerente à nossa atividade pretende colocar a AdEPorto mais preparada, atenta e proativa no apoio a prestar aos Associados, assumindo sempre e tirando partido da sua dimensão Intermunicipal facilitadora da disseminação de boas práticas e afirmativa enquanto agregadora de interesses de nove municípios da Área Metropolitana do Porto.Candidaturas até 31 de Março: Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Públicahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=390Pretende-se contribuir para a redução de emissões de gases com efeito de estufa e, simultaneamente, contribuir para a redução de emissões poluentes e ruído em meio urbano.O Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública (AP), tal como previsto no ECO.mob, engloba o financiamento de veículos elétricos (VE) na AP, o apoio à aquisição de pontos de carregamento e os respetivos sistemas de georreferenciação e monitorização. Foi previsto o financiamento de 1200 VE e um montante global estimado de 23,34 M€ para a sua concretização.Inicia-se agora a 1.ª fase do Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na AP, a qual contempla, como previsto, o financiamento da aquisição de 170 VE, em regime de aluguer operacional de veículos (AOV) durante um período de 48 meses.Valor do incentivo para a 1.ª fase: 5.548.900,00€ (cinco milhões, quinhentos e quarenta e oito mil e novecentos euros).É financiada a totalidade da despesa (incluindo IVA) com as rendas dos veículos elétricos em regime de aluguer operacional de veículos. Limitada a 3 veículos por entidade, exceto quando os veículos sejam para alocar a serviços desconcentrados de determinada entidade, passando, o limite aplicável a ser de 3 veículos por NUT II em que essa entidade se localize.No caso dos organismos beneficiários da fase piloto do Programa, o n.º de veículos constantes da candidatura cumulativamente com o n.º de veículos anteriormente atribuído, não pode exceder o limite de veículos a atribuir imposto no regulamento.Podem concorrer os seguintes organismos da Administração Pública do Estado:Os organismos que se enquadrem na Administração Direta do Estado e os Institutos Públicos da Administração Indireta do Estado, sendo entidades que integrem o Parque de Veículos do Estado (PVE);Os organismos da Administração Regional dos Açores e Madeira, desde que, sejam entidades voluntárias aderentes ao PVE.Elegibilidade dos beneficiários:Devem dispor de um veículo para abate por cada veículo elétrico a que se candidatem;Os veículos a abater devem estar devidamente inscritos no Sistema de Gestão do Parque de Veículos do Estado (SGPVE) e terem os quilómetros registados em todos os meses de 2016, com exceção dos veículos a abater pelos organismos da Administração Regional;Os veículos a abater devem possuir:mais de 10 anos e mais de 200.000 quilómetros, ou mais de 15 anos e mais de 150.000 quilómetros, ou mais de 20 anos e mais de 100.000 quilómetros, no caso de veículos ligeiros de passageiros, oumais de 10 anos e mais de 250.000 quilómetros, ou mais de 15 anos e mais de 200.000 quilómetros, ou mais de 20 anos e mais de 150.000 quilómetros, no caso de veículos comerciais ligeiros.As candidaturas devem indicar o número de veículos elétricos, bem como, demonstrar o cumprimento dos critérios de elegibilidade definidos no ponto 4 do Regulamento. No caso, do candidato ser uma entidade com serviços desconcentrados e pretender alocar veículos elétricos a estes deve preencher um formulário do pedido de contratação do SGPVE para cada morada com o número de veículos a alocar.As candidaturas apresentadas pelas Entidades da Administração Regional dos Açores e da Madeira deverão incluir, relativamente aos veículos a abater:Comprovativo da idade do veículo, designadamente cópia do Título de registo de propriedade e livrete ou Certificado de Matrícula – DUA;Quilometragem do veículo em 2016;Só serão aceites as candidaturas com o formulário completo e que cumpram todas as exigências do regulamento.As candidaturas são apresentadas à ESPAP através da submissão de um pedido de contratação no SGPVE em https://sgpve.espap.pt.O prazo de candidaturas decorre de 1 a 31 de março de 2017.Consulte as regras de apoio à candidatura:Fundo Ambiental - Regulamento da 1.ª fase do Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública;ESPAP - Instruções para a submissão das candidaturas da 1.ª fase do Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública – 170 veículos elétricos.Consulte também, a seguinte legislação:RCM n.º 54/2015, de 28 de julho;Portaria 40/2017 – Autorização prévia para a assunção de encargos plurianuaisAviso para apresentação de candidaturas para reabilitação nos bairros sociais - Eficiência energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=388O Programa Operacional Regional do Norte – NORTE2020 prevê, no seu Eixo Prioritário 3 “Economia de Baixo Teor de Carbono”, o objetivo de apoiar a transição para uma economia de baixo teor de carbono em todos os setores, que inclui a Prioridade de Investimento (PI) 4.3 – “Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas, nomeadamente nos edifícios públicos e no setor da habitação”. No âmbito desta PI destaca-se o Objetivo Específico 3.2.2 – “Aumentar a eficiência energética no setor da habitação social, apoiando a implementação de medidas integradas de promoção da eficiência energética e racionalizando os consumos”, objeto do presente Aviso. O presente Aviso de Concurso destina-se ao apoio a projetos que contemplem a implementação de ações que visem aumentar a eficiência energética e a utilização de energias renováveis para autoconsumo em edifícios de habitação social. Neste sentido, a Comissão Diretiva do NORTE2020 entendeu proceder à abertura do presente Aviso de Concurso, o qual se encontra previsto no calendário de Avisos aprovado pela ComissãoInterministerial de Coordenação (CIC Portugal 2020) e é agora divulgado através do sítio da internet no Portal 2020, tendo obtido o parecer vinculativo favorável da Direção Geral da Energia e Geologia (DGEG). Tipologia de Ações/Operações: - realização de auditorias energéticas e apoio à elaboração de Planos de Racionalização dos Consumos de Energia, desde que sejam implementadas as medidas de eficiência energética decorrentes desses mesmos planos; - reabilitação energética dos edifícios e equipamentos da Administração Local e Sub-regional, através de realização de investimentos, como integração de água quente solar, incorporação de microgeração, sistemas de iluminação, aquecimentos, ventilação e ar condicionado (AVAC), intervenções nas fachadas e na cobertura dos edifícios; - criação de redes urbanas de energia térmica quando exclusivamente dirigidas ao abastecimento de conjuntos de edifícios públicos grandes consumidores de calor e de frio; - investimento em equipamento para a melhoria de eficiência energética da iluminação pública. Objetivo Aumentar a eficiência energética no setor da habitação social, apoiando a implementação de medidas integradas de promoção da eficiência energética e racionalizando os consumos. Âmbito geográfico Intervenções realizadas na Região do Norte (NUTS II - Nomenclatura de Unidades Territoriais para Fins Estatísticos), definida de acordo com o estabelecido no Decreto-Lei nº 244/2002, de 5 de novembro. Beneficiários elegíveis As entidades beneficiárias do presente Aviso-Concurso são a Administração Pública Local e entidades públicas gestoras ou proprietárias de habitação social, enquadradas nas entidades previstas no artigo 50.º do RE SEUR. Tipologia de operações elegíveis As operações passíveis de apresentação de candidaturas, no âmbito do presente Aviso de Concurso, são as que se revelem indispensáveis para a realização das intervenções em edifícios de habitação social, e que decorram de auditoria ou diagnóstico energético que demonstre os ganhos financeiros resultantes das respetivas operações, podendo assumir as tipologias se encontram previstas no artigo 49º do Regulamento Específico do Domínio da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (RE SEUR), aprovado pela Portaria n.º 57-B/2015, de 27 de fevereiro, e alterado pelas Portarias n.º 404-A/2015, de 18 de novembro, e n.º 238/2016, de 31 de agosto, retificada pela Declaração de Retificação n.º 17/2016 de 26 de setembro, nos seguintes termos: a) Intervenções na envolvente opaca dos edifícios, com o objetivo de proceder à instalação de isolamento térmico em paredes, pavimentos, coberturas e caixas de estore; b) Intervenções na envolvente envidraçada dos edifícios, nomeadamente através da substituição de caixilharia com vidro simples, e caixilharia com vidro duplo sem corte térmico, por caixilharia com vidro duplo e corte térmico, ou solução equivalente em termos de desempenho energético e respetivos dispositivos de sombreamento; c) Intervenções nos sistemas de produção de AQS sanitária e em outros sistemas técnicos, através otimização dos sistemas existentes ou da substituição dos sistemas existentes por sistemas de elevada eficiência; d) Iluminação interior; e) Instalação de sistemas e equipamentos que permitam a gestão de consumos de energia, por forma a contabilizar e gerir os consumos de energia, gerando assim economias e possibilitando a sua transferência entre períodos tarifários; f) Intervenções nos sistemas de ventilação, iluminação e outros sistemas energéticos das partes comuns dos edifícios, que permitam gerar economias de energia; g) Intervenções ao nível da promoção de energias renováveis na habitação social para autoconsumo desde que façam parte de soluções integradas que visem a eficiência energética, nas quais se inclui: - instalação de painéis solares térmicos para produção de água quente sanitária; - instalação de sistemas de produção de energia para autoconsumo a partir de fontes de energia renovável. h) Auditorias, estudos, diagnósticos e análises energéticas necessárias à realização dos investimentos bem como a avaliação “ex-post” independente que permita a avaliação e o acompanhamento do desempenho e da eficiência energética do investimento. As auditorias, estudos e análises energéticas previstas na alínea h) do número anterior, deverão obrigatoriamente incidir sobre as componentes comuns do edifício e as frações individuais, permitindo estruturar e elaborar o projeto que deverá concretizar as soluções apontadas, no todo ou pelo menos para um conjunto de medidas identificadas que resultem em melhoramentos significativos em eficiência energética, e que constituem soluções integradas no domínio da eficiência energética, incluindo a possível produção de energia a partir de fontes de energia renovável para autoconsumo. energéticas que permitam estruturar os projetos e efetuar as candidaturas finais de acordo com o princípio de requisitos mínimos de desempenho energético por tipologia de intervenção. No final, a melhoria do desempenho energético alcançado será aferida por recurso a avaliação “expost” independente que permita a avaliação e o acompanhamento da qualidade e da eficiência energática de cada projeto. Prazo para apresentação de candidaturas O prazo para apresentação de candidaturas decorre entre 20 de fevereiro e as 17:59:59 horas do dia 31 de agosto de 2017. A data e hora de entrada das candidaturas são as do registo que comprova a submissão do correspondente formulário no Balcão 2020. Pedidos de informação ou de esclarecimento podem ser obtidos: No Portal Portugal 2020 (https://www.portugal2020.pt/Balcao2020/), suporte técnico e assistência ao esclarecimento de dúvidas relativas ao Balcão 2020, da responsabilidade da Agência para o Desenvolvimento e Coesão (ex.: registo de beneficiários, formulário de candidatura, dificuldades de registo e submissão das candidaturas), através do menu “Contacte-nos”. No Site do NORTE 2020 (http://www.norte2020.pt/), através do menu “Sugestões e Dúvidas” (email norte2020@ccdr-n.pt). http://www.norte2020.pt/…/up…/concursos/aviso_04_2017_04.pdf “Programa Sê-lo Verde” 2017http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=387 O “Programa Sê-lo Verde” 2017 tem em vista incentivar a adoção de boas-práticas ambientais, inovadoras e com impacte ambiental, social, económico nos grandes eventos de música, através do financiamento de medidas verdes a adotar nesses festivais, tendo como principais objetivos:- Incentivar a adoção de critérios ambientais que contribuam para uma redução de impactes e promovam o uso eficiente de recursos materiais e energéticos;- Incentivar a adoção de abordagens inovadoras, como sejam, novas tecnologias, integração de renováveis, fomento à economia colaborativa, conceção ecológica;- Contribuir para a educação e sensibilização ambiental dos grupos de interesse envolvidos – promotores, marcas, municípios, espectadores e comércio local adjacente.Mais informações poderão ser obtidas no site do Fundo Ambiental.Qual o potencial de Portugal para produzir energia através do sol?http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=385Reduzir o consumo de energia produzida através de combustíveis fósseis é cada vez mais uma necessidade urgente nos dias que correm. Cientes desta situação, o Banco Mundial e a ISA (Solar International Alliance) criaram uma ferramenta que indica o potencial de produção com energia solar que cada país ou território tem.Disponível online e gratuitamente, a Global Solar Atlas identifica vários locais pelo mundo onde o uso de energia proveniente do sol pode ser mais rentável, tanto para a conversão em energia térmica como eléctrica.Em muitos aspectos idêntica ao Google Maps, esta ferramenta permite ao usuário investigar as potencialidades de vários pontos mundiais, chegando a zonas remotas, com a única limitação a estar na descoberta de locais situados no máximo a mil metros de altitude acima do solo.Mostrar aos investidores, mas também às autoridades locais, o potencial que determinada zona pode ter é o principal objectivo desta nova ferramenta online. Desmitificar esta fonte energética, mostrando aos interessados todos os benefícios de uma energia onde o investimento está apenas na aquisição e manutenção do equipamento, e não na fonte de energia em si, é um dos grandes objectivos da Global Solar Atlas.A nível mundial, locais como o Sahara, o Kalahari, o deserto australiano, a Ásia Central, a Baixa Califórnia, o Atacama e a Austrália – zonas desérticas, onde a precipitação atinge níveis muitos baixos – são as regiões de excelência para a produção de energia solar. Por cá, o Algarve, Alentejo Interior e Beira Baixa apresentam as melhores possibilidades para quem quer investir nesta fonte de “energia limpa”.fonte: Green SaversEstratégias Municipais de adaptação às alterações climáticas já estão disponíveishttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=386Já estão disponíveis para consulta e download as 27 Estratégias Municipais de Adaptação às Alterações Climáticas – EMAAC que foram apresentadas em dezembro de 2016, em Coimbra, durante o Seminário de Encerramento do Projeto ClimAdaPT.Local. Estes documentos, disponíveis no site do Projeto, representam o culminar de quase dois anos de trabalho, num projeto que foi pioneiro em Portugal na área da adaptação às alterações climáticas e que envolveu 26 municípios nacionais na criação destas estratégias, indica a Quercus, em comunicado.A elaboração das EMAAC resultou de um processo interativo entre os técnicos municipais e a equipa científica do projeto. Foi utilizada a metodologia ADAM (Apoio à Decisão em Adaptação Municipal), que serviu de guia à elaboração das estratégias ao longo de um conjunto de tarefas, que foram apresentadas em três workshops formativos, culminando na capacitação de 52 técnicos municipais, 2 por cada uma das 26 autarquias beneficiárias.Para além da formação presencial e de contexto, a equipa do projeto assegurou, para cada um dos 26 municípios:– a realização de fichas climáticas para cada um dos municípios, contendo um conjunto de indicadores de clima projetado para 2050 e 2100;– a avaliação da vulnerabilidade do parque residencial edificado face ao clima atual e futuro;– a promoção de workshops com envolvimento de atores-chave locais.Além do lançamento das EMAAC, durante o Seminário de Encerramento do projeto ClimAdaPT.Local foi também fundada a Rede de Municípios para a Adaptação às Alterações Climáticas, cuja missão é aumentar a capacidade dos municípios portugueses para incorporar a adaptação às alterações climáticas nas suas políticas, instrumentos de planeamento e intervenções.A Rede, fundada pelos 30 municípios portugueses que já dispõem de estratégias municipais de adaptação às alterações climáticas (26 municípios beneficiários + 3 municípios parceiros do projeto + 1 município que acompanhou o processo, embora não beneficiário do projeto), está aberta à participação dos restantes municípios, designadamente dos que desenvolvam os seus planos ou estratégias municipais de adaptação às alterações climáticas, bem como de outras entidades (empresas, universidades, ONG ou associações) que desenvolvam atividade neste domínio.Fonte: Ambiente MagazineEletricidade de origem renovável em Portugal Continental http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=383O ano de 2017 inicia-se com um índice de produtibilidade hidroelétrica baixo (0,36) e um índice de eolicidade próximo da média (0,92) o que se refletiu por uma menor contribuição da produção renovável no consumo elétrico de Portugal Continental...Consulte o Boletim da APREN de Janeiro de 2017http://www.apren.pt/…/01_boletim_energias_renovaveis-janeir…Apresentação do Plano de Mobilidade de Santo Tirsohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=384A Câmara Municipal de Santo Tirso apresentou esta terça-feira o plano de mobilidade sustentável que pretende reorganizar o centro da cidade em prol dos peões e das bicicletas. Entre os principais eixos encontram-se a construção de ciclovias, a reformulação das principais praças, a reorganização do estacionamento e a aposta nos transportes públicos intermunicipais. Um investimento na ordem dos oito milhões de euros.Leia a notícia completa.Eficiência energética e baixo carbono. Novos paradigmas ?http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=380Eficiência energética e baixo carbono. Novos paradigmas ?Quais são os requisitos de eficiência energética aos quais o Porto se deve adaptar? Como é que o Porto se está a adaptar aos requisitos de eficiência energética? O Porto aproxima-se das diretivas internacionais nesta matéria? Que transformações têm sido introduzidas no Porto a propósito da eficiência energética e das cidades de baixo carbono?Serão os temas da discussão aberta que estarão amanhã em destaque na 16ª Conversa no auditório do Porto Innovation Hub.Mais informações poderão ser obtidas em: http://portoinnovationhub.pt/pt/agendaEnergias renováveis no Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=382No próximo dia 9 de fevereiro, pelas 18 horas, realizar-se-á a 18ª Conversa do Porto Innovation Hub dedicada ao tema 'Energias renováveis no Porto'.Como é que a cidade se está a adaptar ao uso da energia renovável? Aumentando consideravelmente a capacidade de armazenamento de energia, o paradigma do consumo energético altera-se. Como utiliza o Porto a energia armazenada na rede? Que transformações se esperam na cidade por um maior recurso a energias renováveis?Oradores: Miguel Marques, Luís Seca e Pedro RuãoModerador: Adélio MendesLocal: Porto Innovation Hub, auditórioMais informações poderão ser obtidas em: http://portoinnovationhub.pt/pt/agendaTransição energética na Europa está “no bom caminho”http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=378O segundo relatório da Comissão Europeia sobre o estado da União da Energia revela que a modernização da economia da União Europeia e a transição para uma era hipocarbónica são uma realidade. Também em termos de emissões de gases com efeito de estufa, eficiência energética e energias renováveis, a Europa está no “bom caminho para atingir os seus objetivos para 2020”, anunciou hoje a Comissão.Segundo o vice-presidente e responsável pela União da Energia, “a União da Energia vai além da energia e do clima”, salientando que “visa acelerar a modernização fundamental da economia da Europa, tornando-a hipocarbónica e eficiente em termos de energia e recursos, de uma forma socialmente justa”. Maroš Šef?ovi? afirma ainda que, agora que “grande parte das propostas legislativas estão em cima da mesa, 2017 deveria ser o ano de implementação”.Por sua vez, Miguel Arias Cañete, comissário responsável pela pasta Ação Climática e Energia, referiu que “a Europa está no bom caminho para cumprir os seus objetivos de 2020 em matéria de alterações climáticas e energia”. “A Europa tem vindo a avançar com a transição para energias limpas”. E os factos falam por si: “As energias renováveis são já competitivas em termos de custos e, por vezes, menos onerosas do que os combustíveis fósseis, empregam mais de um milhão de pessoas na Europa, atraem mais investimentos do que muitos outros setores e reduziram a nossa fatura de importação de combustíveis fósseis em 16 mil milhões de euros”, aponta.Em 2016, a UE atingiu o seu objetivo de consumo final de energia em 2020 e o mesmo é válido para as emissões de gases com efeito de estufa. Em 2015, as emissões de gases com efeitos de estufa cifraram-se 22% abaixo do nível registado em 1990. No setor das energias renováveis, em que — com base nos dados de 2014 — a quota das energias renováveis atingiu 16% do consumo final bruto de energia da UE. Outra tendência importante é que a União Europeia continua a dissociar o seu crescimento económico das suas emissões de gases com efeito de estufa. Durante o período de 1990–2015, o produto interno bruto combinado da UE aumentou 50%, enquanto as emissões diminuíram 22%.Em 2016, a Comissão apresentou também uma Estratégia Europeia para a mobilidade com baixas emissões, com uma ambição clara: até meados do século, as emissões de gases com efeito de estufa provenientes dos transportes devem ser, pelo menos, 60% inferiores às de 1990 e estar seguramente a caminho de se tornarem nulas, assegurando, ao mesmo tempo, as necessidades de mobilidade de pessoas e bens, bem como a conectividade à escala mundial.Ambiente MagazinePortugueses dão nota acima da média aos veículos híbridos e 100% elétricoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=379Portugal, a quota de mercado dos veículos 100% elétricos já chega aos 0,7%, um valor bastante próximo de França (1%), país que se destaca na venda deste tipo de viaturas.No caso dos veículos híbridos, a quota de mercado em Portugal é de 1,3%. Estes valores vão ao encontro da opinião positiva que os portugueses têm destes dois tipos de motorização – híbridos (7.4/10) e 100% elétricos (7.1/10) – aos quais atribuem uma nota superior à média dos 15 países analisados no mais recente estudo do Observador Cetelem.Ainda assim, são os veículos com motor a diesel que reúnem a nota mais alta atribuída pelos automobilistas portugueses (7.8/10), um valor bastante superior ao da média dos 15 países que fazem parte do estudo (6.6/10).De acordo com o estudo, a questão da autonomia e as limitações das infraestruturas de carregamento são um dos principais motivos que impedem os modelos elétricos de ultrapassarem completamente as energias tradicionais (gasóleo e gasolina).Para os portugueses, os veículos a gasolina ocupam a quinta posição (6.3/10), atrás dos veículos movidos a biocombustível e flex-fuel (6.4/10), evidenciando como os condutores nacionais têm uma pior opinião dos automóveis a gasolina do que os restantes quinze países analisados (6.6/10). Por fim, posicionam-se os veículos a gás (GLP/GNV), aos quais os portugueses atribuem a classificação mais baixa (6.2/10).Segundo Pedro Ferreira, diretor da área automóvel do Cetelem, “as preferências em relação aos tipos de motorização amigos do ambiente já se começam a manifestar no crescimento das quotas de mercado dos veículos total ou parcialmente elétricos e tudo indica que estão a influenciar o futuro do parque automóvel nacional”. O que resulta numa “dupla vantagem”: por um lado, a poupança no consumo, por outro, os benefícios ambientais.As análises e previsões deste estudo foram realizadas em colaboração com a empresa de estudos e consultoria BIPE. Os inquéritos quantitativos aos consumidores foram conduzidos pela TNS Sofres, em junho de 2016, em quinze países – África do Sul, Alemanha, Bélgica, Brasil, China, Espanha, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão, México, Polónia, Portugal, Reino Unido e Turquia. No total, foram inquiridos mais de 8 500 proprietários de automóveis.Ambiente MagazineParabéns, Lipor! 1 de fevereiro de 2017http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=37735 anos de vida com o futuro nas mãosA Lipor e os seus Municípios Associados, com o ambiente no coração, pugnaram por envolver e consciencializar fortemente a comunidade para problemáticas importantes como a separação e a sua reciclagem, a adoção de boas práticas de consumo sustentável, de fomento da biodiversidade, da proteção do Planeta, entre muitas outras. Esse trabalho foi desenvolvido ao longo doS anos tendo em vista a garantia da satisfação e do bem-estar de todos os seus parceiros: Municípios Associados, População em Geral, Clientes, Fornecedores e todos quantos connosco se relacionam.35 anos de vida, em que o passado foi importante e no presente estamos a plantar as sementes do que será o projeto do Futuro.Celebrar 35 anos de sustentabilidade é um grande feito. É um caminho que se faz diariamente e cujos efeitos se irão refletir a longo prazo. Se a sustentabilidade é uma inevitabilidade da humanidade, cada ser humano e cada entidade tem a obrigação de fazer o que está ao seu alcance. Se o efeito é a longo prazo é para o Futuro que queremos olhar.Queremos pensar e levar todos também a pensar, o que individual e coletivamente pode ser feito pelo nosso Planeta e pela proteção dos seus recursos.35 Anos é sinónimo de amadurecimento, de consolidação e, ao mesmo tempo, de renovação e de perspetivar o Futuro.Citizenergy Project de 2016http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=381Plataforma de crowdfunding espanhola ECrowd e o projeto Mar de Fulles vencem com 79% dos votos o Citizenergy Project de 2016.A AdEPorto integra o 'validation board' desta rede de cidades.Informações mais detalhadas do projeto poderão ser obtidas em: https://www.citizenergy.eu/post/crowd-votes-best-contributor-sustainable-energy-futurePoderá assistir à apresentação do projeto aqui.BUILDING ENERGY SYMPOSIUMhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=373Foram mais de 160 os profissionais das áreas do imobiliário, construção ou energia que marcaram ontem presença no Building Energy Symposium, centrando as suas atenções na eficiência energética e nos novos paradigmas energéticos do imobiliário.O evento, organizado pela Vida Imobiliária e pela Promevi, decorreu no Hotel Dom Pedro, em Lisboa, e acolheu várias personalidades do setor, que aqui tiveram oportunidade de debater o futuro do setor em torno da energia. Entre os quais, de salientar a presença de Manuel Reis Campos, presidente da CPCI, segundo o qual «a reabilitação urbana associada à eficiência energética já é uma realidade incontornável».Num ano em que a reabilitação urbana volta a ser chave para a atividade do setor, «a valorização do património, das infraestruturas e as cidades inteligentes fazem parte das estratégias das nossas empresas. Portugal tem de apostar nas suas vantagens competitivas», considerando prioritária «a melhoria da eficiência e da sustentabilidade dos materiais», bem como a criação de emprego. É também um ano em alguns problemas de financiamento podem ser resolvidos, pois serão disponibilizados os fundos do IFRRU, ou lançado o programa Casa Eficiente, este último dinamizado pela CPCI, uma oportunidade de alcançar estes objetivos, preservando o parque edificado.«Sabemos que as nossas empresas estão à altura deste desafio, os investidores existem e estão à altura deste mercado, todos os fatores estão conjugados para consolidar este novo ciclo de investimento no nosso país, centrado na sustentabilidade», referiu na abertura do evento.Manuel Duarte Pinheiro, professor no Instituto Superior Técnico e responsável do sistema de certificação LiderA, também marcou presença, focando-se nos novos paradigmas da sustentabilidade do meio construído, numa altura em que a Comissão Europeia definiu que todos os edifícios novos deverão ter consumos energéticos perto de zero (“nearly zero) até 2020. Para este responsável, um dos desafios é «a transição para a economia circular», ao invés de um modelo "clássico" linear, bem como ultrapassar e melhorar «a questão do conforto» no parque habitacional português. Este responsável acredita que caminhar para o “nearly zero” «é incontornável», por razões óbvias, e que o facto de a definição da metaser “quase” «foi uma opção muito inteligente porque faz com que se continue a ter um custo ótimo e não se torne a operação inviável».O dia contou com a intervenção de vários outros oradores de renome do setor e com a apresentação de vários casos de estudo e de boas práticas, bons exemplos para o caminho que a indústria deve seguir nos próximos tempos, como o caso da Associação Passivhaus Portugal, do trabalho feito pela Domus Social, da Is Green, ou da Saint Gobain e da Schneider Electric, entre outros.A mobilidade elétrica enquanto oportunidade para os transportes e o armazenamento de energia estiveram também na agenda do debate. O Building Energy Symposium contou com o patrocínio master da Saint-Gobain e os patrocínios platina da Schmitt+Sohn Elevadores, da Caixa Geral de Depósitos e da EY. O evento reúne também o apoio das principais associações ligadas ao imobiliário e à área da energia.Ana Tavares, Vida ImobiliáriaCE quer criar “uma Europa ecológica, circular e competitiva”http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=376Um ano após ter adotado o Pacote «Economia Circular», a Comissão Europeia (CE) informa hoje sobre a execução e os progressos das iniciativas fundamentais do seu plano de ação de 2015. Juntamente com o relatório, a Comissão também tomou hoje outras medidas, criando, com o Banco Europeu de Investimento (BEI), uma plataforma de apoio financeiro à economia circular, a fim de aproximar investidores e inovadores. Além disso, emitiu orientações para os Estados-Membros sobre a conversão de resíduos em energia, e propôs um melhoramento específico da legislação relativa a certas substâncias perigosas nos equipamentos elétricos e eletrónicos.Frans Timmermans, Primeiro Vice-Presidente da Comissão e responsável pelo desenvolvimento sustentável, afirma que “construir uma economia circular para a Europa é uma prioridade fundamental para mim e para esta Comissão. Alcançámos bons progressos e estamos a planear novas iniciativas para 2017. Vamos fechar o ciclo «conceção, produção, consumo, gestão dos resíduos», criando assim uma Europa ecológica, circular e competitiva”.Por sua vez, o Vice-Presidente Jyrki Katainen, responsável pela pasta emprego, crescimento, investimento e competitividade, declarou que “aproveitando as realizações do Plano de Investimento Juncker, constato, com prazer, que podemos voltar a colaborar com o BEI a fim de aproximar os investidores dos inovadores. O nosso objetivo é intensificar o investimento, público e privado, na economia circular, o que, amiúde, significa um novo modelo de negócio, podendo exigir vias de financiamento inovadoras. Esta nova plataforma é um instrumento excelente para evidenciar o potencial imenso dos projetos de economia circular e, consequentemente, atrair mais fundos para o seu financiamento. A economia circular é um elemento importante para a modernização da economia europeia, e nós estamos na rota da concretização desta mudança sustentável”.Jonathan Taylor, Vice-Presidente do BEI e responsável pela pasta do financiamento, da ação climática e da economia circular, afirmou ainda que “o BEI tem a honra de juntar esforços com a Comissão Europeia para utilizar, de forma combinada, o nosso poder financeiro e a nossa perícia, no sentido de tornar as nossas economias mais circulares. Enquanto maior entidade de concessão de crédito à escala mundial no domínio da ação climática, com mais de 19 mil milhões de euros de financiamento específico no ano passado, encaramos a economia circular como a chave para reverter o rumo das alterações climáticas, fazendo uma utilização mais sustentável dos escassos recursos do nosso planeta e contribuindo para o crescimento da Europa. Para acelerar esta transição, vamos continuar a prestar consultoria e a investir cada vez mais em modelos inovadores de investimento circular e em novas tecnologias, bem como em projetos mais tradicionais mas eficientes em termos de recursos. A nova plataforma de apoio financeiro à economia circular será um instrumento essencial para aumentar a visibilidade e o financiamento dos projetos de economia circular”.Aproveitando o impulso do Plano de Investimento para a Europa, que até ao final de 2016 mobilizara já investimentos no valor de 164 mil milhões de euros, a plataforma de financiamento da economia circular vai reforçar a ligação entre os instrumentos existentes, como o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE) e a iniciativa InnovFin – Financiamento da UE para Inovadores, com o apoio do programa Horizonte 2020, e poderá desenvolver novos instrumentos financeiros para projetos de economia circular. A plataforma congregará a Comissão, o BEI, bancos de fomento nacionais, instituições de investimento e outras partes interessadas, alertando para oportunidades de investimento na economia circular e promovendo as melhores práticas entre promotores potenciais, analisando projetos e suas carências financeiras e prestando consultoria sobre estruturação e viabilidade financeira.A comunicação da Comissão sobre o papel dos processos de valorização energética de resíduos na economia circular, hoje publicada, vai maximizar os benefícios desta pequena mas inovadora parte do cabaz energético nacional. Dá orientações aos Estados-Membros na procura do equilíbrio desejável para a capacidade de valorização energética, realçando o papel da hierarquia dos resíduos, que ordena as opções de gestão dos resíduos segundo a sua sustentabilidade, atribuindo prioridade máxima à prevenção e à reciclagem. Ajuda a otimizar o contributo de cada Estado-Membro para a União da Energia e a aproveitar as oportunidades de parceria transfronteiriça onde esta se justifique, em linha com as nossas metas ambientais.O pacote hoje adotado pela Comissão contém também uma proposta de atualização da legislação tendente a restringir a utilização de certas substâncias perigosas nos equipamentos elétricos e eletrónicos (Diretiva RSP). A proposta promove a substituição de matérias perigosas, a fim de tornar mais rentável a reciclagem de componentes. As alterações propostas vão facilitar as operações de mercado de segunda mão (p. ex., revenda) e a reparação de equipamentos elétricos e eletrónicos. Calcula-se que as medidas evitarão mais de 3000 toneladas de resíduos perigosos por ano na UE e permitirão economizar energia e matérias primas. Só no setor dos cuidados de saúde, poderão poupar-se 170 milhões de euros em custos.Por último, no seu relatório sobre os progressos desde o ano passado, a Comissão enumera as medidas decisivas tomadas em domínios como os resíduos, a conceção ecológica, os desperdícios alimentares, os fertilizantes orgânicos, as garantias dos bens de consumo, a inovação e o investimento. Integraram-se gradualmente os princípios da economia circular nas melhores práticas industriais, nos contratos públicos ecológicos e na utilização dos fundos da política de coesão, bem como através de novas iniciativas nos setores da construção e da água. Para que a transição para a economia circular seja uma realidade, a Comissão exorta também o Parlamento Europeu e o Conselho a avançarem com a adoção das propostas de legislação sobre os resíduos, em linha com a declaração conjunta sobre as prioridades legislativas da UE para 2017. Para o próximo ano, a Comissão está empenhada em apresentar mais resultados quanto ao plano de ação relativo à economia circular, nomeadamente com uma estratégia para os plásticos, um quadro de monitorização da economia circular e uma proposta para promover a reutilização da água.Ambiente MagazineCerimónia de Entrega de Prémios do GPAhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=371Serralves acolheu a Cerimónia de Entrega de Prémios do GPA, que contou com intervenções do Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, do Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, do Secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, e do Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira.Conheça os Vencedores em http://bit.ly/2jYOmaS .Porto é a única cidade portuguesa certificada na área da gestão urbana sustentávelhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=372O município do Porto é a única cidade portuguesa certificada pela norma ISSO 37120, uma certificação recente e pioneira a nível mundial na área da gestão urbana e que visa ajudar as comunidades a colocarem em prática uma estratégia de desenvolvimento sustentável, tendo em conta o seu contexto económico, social e ambiental.Publicada recentemente, em meados de 2016, até à data esta certificação foi atribuída apenas a 35 cidades em todo o mundo, entre as quais o Porto, Mas, deverá estar para breve a entrada de novas cidades lusas neste restrito grupo, revela a Winning Scientific Management, que tem trabalhado na linha da frente da implementação deste tipo de normas com vários municípios portugueses.“A gestão de áreas urbanas tornou-se um dos mais importantes desafios de desenvolvimento do século XXI. As informações e os dados recolhidos pelos municípios são vitais para a definição de prioridades políticas de forma a promover um desenvolvimento inclusivo, equitativo e sustentável tanto para as zonas urbanas como as rurais”, comenta Vera Santos, responsável pelo centro de competência de Gestão da Inovação da Winning. Posto isto, explica, “as normas ISSO 37120 e ISSO 37121 têm por base o ciclo de melhoria contínua: Planear-Fazer-Verificar-Atuar e incentivam as comunidades a tornarem-se mais pró-ativas, garantindo que as partes interessadas desenvolvem e implementam um sistema de gestão adequado para o local em causa”.Em função da quantidade de informação recolhida poderão ser obtidos diferentes níveis de certificação para as cidades, sendo o World Council on City Data (WCCD) o organismo internacional responsável por este processo. “Independentemente do nível alcançado, este reconhecimento é benéfico para os municípios pois expõe a sua aposta numa estratégia de maior transparência e melhoria contínua através do city-to-city learning. Daí existirem já 35 cidades certificadas pela ISO 37120 a nível global, sendo o município do Porto a única cidade portuguesa certificada até à data. Estamos a colaborar com outros municípios em Portugal e vamos, seguramente, ter mais cidades portuguesas no mapa desta importante certificação, ainda em 2017”, remata Vera Santos.Segundo as estimativas do Global City Institute, atualmente residem 757 milhões de pessoas só nas 101 maiores cidades do mundo, sendo que as previsões do World Population Prospects apontam para um crescimento contínuo dos processos de urbanização a nível global, prevendo que até 2050 cerca de 70% da população mundial irá habitar em cidades. Contas feitas, as projeções mostram que os processos de urbanização combinados com o crescimento global adicionarão mais 2.500 milhões de pessoas às populações urbanas nas próximas décadas.Susana Correia, Vida ImobiliáriaCasa Eficientehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=374O programa Casa Eficiente, que consiste numa linha de financiamento para a realização de “um conjunto muito alargado de obras de melhoria do desempenho ambiental das casas e edifícios maioritariamente habitacionais, em especial em matéria de eficiência energética e hídrica”, deverá estar disponível a partir do final do primeiro trimestre de 2017.Segundo Manuel Reis Campos, presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI), entidade agregadora do programa, este “irá disponibilizar o acesso a empréstimos em condições muito favoráveis”.O mesmo destina-se “a todo o tipo de proprietários, independentemente da sua dimensão e localização geográfica, ou seja, está orientado para a generalidade dos particulares, dos condomínios e empresas”. Esta “abrangência nas tipologias de intervenção e de beneficiários, é precisamente a caraterística mais inovadora do programa”, considera.O Governo inscreveu, no Plano Nacional de Reformas, “um objetivo de envolver, numa primeira fase, 100 mil habitações e está prevista uma primeira tranche de 200 milhões de euros”, explica Reis Campos.Ambiente MagazineEficiência Energética: Um desafio para as empresashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=375Em 2020, melhorar a eficiência energética dos edifícios vai exigir um investimento global superior a 192 mil milhões de euros. O potencial de poupança é inegável, mas continua bloqueado e não necessariamente por falta de capital. Em vez disso, fazer destes números uma realidade vai depender muito da capacidade do sector de comunicar e vender a eficiência energética. Quando falamos de eficiência energética, esta vem, normalmente, acompanhada de números redondos. Os potenciais de poupança são enormes e muito atractivos: sabe-se que a aposta na eficiência energética poderá reduzir em 400 mil milhões de euros anuais a despesa energética da Europa, estimando-se que, para cumprir as metas para 2020, o investimento necessário rondará os 100 mil milhões/ano. Os edifícios surgem como o principal desafio, representando 40 % da utilização de energia.A nível global, a Agência Internacional de Energia prevê que, em 2020, sejam precisos mais de 192 mil milhões de euros só para o sector. Isto, sem falar nos benefícios indirectos, como a criação de emprego e a redução da pobreza energética. Interessante, não? É, mas, ainda assim, a eficiência energética tarda em arrancar a todo o vapor, como se um nevoeiro denso nos afastasse desta “terra prometida”. Afinal, do que precisamos para chegar lá? A derradeira resposta é mais simples do que parece: procura. Isto porque, no meio de tantos estudos e potenciais, a eficiência energética não se consegue afirmar como algo que traz benefícios, ou – melhor dizendo – que é, em si, um benefício. Por mais elevado que seja o número que a acompanhe, enquanto não aprendermos a vender e comunicar a eficiência energética, o potencial não sai do papel. E, nesta tarefa, as empresas de serviços de energia (ESE) podem assumir protagonismo, mas também elas têm ajustes a fazer. Vender eficiência energética“A maior barreira é a falta de procura real”, admite o especialista internacional e director da consultora britânica Energy Pro Ltd, Steven Fawkes. E, quando olhamos para os edifícios, isto faz ainda mais sentido. Os proprietários ou gestores estão longe de compreender plenamente aquilo que lhes é dito por engenheiros e arquitectos, que já integram o conceito de eficiência energética nos seus projectos nas várias áreas – climatização, AQS, renováveis, QAI, reabilitação, etc. Desse lado, vender eficiência energética é um verdadeiro desafio, nem que seja porque “as pessoas não gostam de investir dinheiro que têm agora em algo que só vai reduzir o que elas consomem no futuro”, relata Jessica Stromback, directora do Joule Assets Europe, uma entidade fornecedora de soluções financeiras na área da energia. “As ESE com as quais trabalhamos dizem-nos que quase nunca venderam um projecto de eficiência energética, em vez disso, os consumidores compram sempre outra coisa qualquer, como uma melhoria dos processos ou conforto”, relata a também responsável pelo SEAF, ferramenta europeia para a avaliação de resultados financeiros dos projectos de eficiência energética. A razão, para Fawkes, prende-se com o facto de, na maioria das organizações, a eficiência energética não ser vista como estratégica, mas sim “como uma medida de redução de custos e, embora isto seja importante, nunca o é tanto como aumentar as vendas, gerar melhor valor para os clientes ou manter pessoal. Estes benefícios estratégicos podem ser alcançados através de projectos de eficiência energética, mas raramente são reconhecidos ou valorizados como tal”. A opinião é unânime: é necessário que os proprietários valorizem a eficiência energética e, para isso, vão precisar da ajuda do sector. “A indústria da eficiência energética tem de começar pelos benefícios que não estão relacionados com a energia e construir um modelo de negócio estratégico”, diz Fawkes e ilustra com um projecto recente entre o UK Green Building Council e a lojista Marks & Spencers: “Se se demonstrar que as vendas subiram nas lojas verdes porque, de alguma forma, os clientes se sentiram melhor nessa loja do que nas da concorrência, isso seria uma questão muito estratégica para a agenda da direcção. Nesse caso, os factos de a loja verde ser também eficiente do ponto de vista energético e de haver algumas poupanças nos custos com a energia seriam praticamente irrelevantes”.Não se quer dizer, com isto, que a indústria e as empresas de eficiência energética têm estado de braços cruzados à espera que o milagre se dê. “Há 40 anos que falamos disto, queremos que funcione e um dos grandes problemas é que os proprietários não confiam nas poupanças, até mesmo aqueles que estão interessados”, lamenta Panama Bartholomy, director do Investor Confidence Project (ICP) Europe, projecto financiado pelo Horizonte 2020 e que tem por missão desenvolver ferramentas open source que aumentem a bancabilidade dos projectos de eficiência energética nos edifícios. Aprender com as renováveis A falta de confiança é um problema conhecido, em particular no mercado das ESE. Há alguns anos, estas empresas, cujo modelo de negócio seria crucial para que a Europa alcançasse as metas energéticas, foram recebidas com elevadas expectativas. Hoje, estão longe das previsões iniciais. “Na Europa, o nosso mercado total é de 150 milhões de euros anuais. É absurdo, mas é verdade”, lamenta Stromback, sublinhando os seis mil milhões de dólares anuais do mercado norte-americano. Aprender a comunicar e vender a eficiência energética é determinante para conquistar a confiança dos clientes e dos investidores. E, neste ponto, há um mercado bem próximo com o qual a eficiência energética pode aprender: as energias renováveis. “Há três lições que podemos tirar daí”, defende Bartholomy, a primeira passa por criar um clima de investimento atractivo, para o qual o Estado é fundamental. “Os governos fizeram-no muito bem com as renováveis e, quando isso aconteceu, rapidamente, o mercado se padronizou, que é a segunda lição. Em terceiro lugar, recolheram informações e, hoje, têm 20 anos de dados de desempenho que usam para justificar projectos e o seu financiamento”. Actualmente, investir num projecto de energias renováveis é um “negócio seguro, padronizado por qualquer investidor”, conta o consultor Jorge Rodrigues de Almeida, e incluir uma parte de renováveis no projecto de eficiência energética é até um dos truques usados para facilitar o financiamento. “Assim, temos um volume interessante de investimento que está, mais ou menos, seguro e, para o investidor, o facto de misturar estes dois torna-o mais atractivo, dando mais garantias de que pode correr bem”, esclarece o também responsável pelo ICP em Portugal.ComunicarNa lista de barreiras existentes ao mercado da eficiência energética e das ESE, a falta de procura do lado do cliente e a desconfiança superam mesmo o “papão” do financiamento, até porque nem todos consideram que não haja capital disponível. “Existem muitos investidores prontos a financiar projectos, é preciso é cumprir com os critérios que eles definem e não com aqueles que a engenharia pensa que são os melhores”, afirma Rodrigues de Almeida. Todavia, quando falamos da banca convencional e no caso português, a resistência ainda é forte, com condições pouco atractivas, e a pequena dimensão dos projectos complica ainda mais, contam Paula Fonseca e Carlos Patrão, do Instituto de Sistemas e Robótica da Universidade de Coimbra (ISR-UC). “Há falta de informação sobre o sucesso dos projectos em curso e, por isso, a aversão ao risco continua a ser uma barreira importante”, dizem. Comunicar, quer com o cliente final, quer com o investidor, tem sido uma dificuldade persistente no sector da eficiência energética. “Comunicamos muito mal”, admite Rodrigues de Almeida, apontando este como uma das principais falhas do mercado. A complexidade da eficiência energética também não ajuda e este foi um novelo que as ESE não foram capazes de deslindar. Nalguns casos, fizeram precisamente o contrário. Quando a promoção da eficiência energética é feita pela própria ESE, o consumidor final pode não reagir da melhor forma e aumentar a desconfiança, considera Paula Fonseca. Para ilustrar o cenário actual, o responsável nacional do ICP recorre ao ditado popular “Quando a esmola é muita, o pobre desconfia”. Isto porque as ESE “foram vendidas como o salvador disto tudo”, mas é preciso que “se saibam posicionar e, como isso não acontece, criam má informação, o cliente não percebe, não sabe onde está a fronteira, se está a ser ajudado ou se há alguém a ganhar muito dinheiro”, explica, apelando a uma melhor regulamentação do sector nacional. A ajudar a isso, não se pode esquecer toda a confusão à volta dos contratos de desempenho energético (CDE) – “há muitas ESE que dizem fornecer CDE, quando, na verdade, são outro tipo de contratos que mais se assemelham a simples leasings”, relatam os especialistas do ISR-UC, admitindo que, no caso português, há um trabalho de disseminação e formação a fazer e que deve pertencer às universidades, às agências de energia e associações e à ADENE. “Carecemos de facilitadores de CDE, devidamente certificados – a ADENE poderia assumir esse papel de certificador – para organizar e agilizar os concursos no sector público e acelerar os processos no privado”, identificam. Miscelânea e garantiasResolver a falta de confiança implica ainda assegurar que as poupanças prometidas inicialmente estão garantidas em toda a duração do projecto (e não era este um dos trunfos das ESE?). Mas esse não tem sido um processo fácil e não só em Portugal, acontecendo mesmo noutros mercados mais maduros. Quando olha para o mercado europeu, Bartholomy dá conta de uma “grande confusão”: “Cada promotor faz projectos de maneira diferente, é impossível que um proprietário ou investidor consiga perceber como os projectos são desenvolvidos, logo não pode ter confiança de que as poupanças que lhe estão a ser prometidas vão concretizar-se”. Em 2014, um relatório do Energy Efficiency Financial Institution Group (EEFIG) apontou a falta de normalização como um dos problemas existentes. “A falta de estandardização resulta em que, quando um proprietário ou investidor recebe um projecto de uma ESE, é-lhe entregue uma pilha de documentos, PDF, Excel, e é um verdadeiro desafio para ele analisar tudo aquilo, um a um, verificar se os cálculos estão correctos, a origem da informação, etc., é uma confusão”, descreve Bartholomy. Nesse aspecto, o EEFIG é claro sobre as alterações que há a fazer: “A normalização e adopção das melhores práticas e [a introdução de] modelos nacionais estandardizados para contratos legais, processos de subscrição, procedimentos de aquisição, adjudicação, medição e verificação, reporte, desempenho energético e seguro vão adicionar volume ao mercado de investimento em eficiência energética e diminuir os custos financeiros e de transacção”, lê-se no documento. Dar respostaPerante toda esta miscelânea, os especialistas consideram que temos um mercado “desagregado”, sem informação disponível e que não consegue comunicar as suas vitórias. É nesse contexto que começam a surgir algumas ferramentas e mecanismos interessantes, como o Código de Boas Práticas, desenvolvido no âmbito do projecto europeu Transparense. Promovido pelas associações europeias eu.ESCO e EFIEES, é subscrito voluntariamente por diversas ESE. A ideia é ajudar a aumentar a confiança dos clientes, através de um conjunto de regras e princípios em linha com as definições previstas na lei comunitária. Em Portugal, o Código é gerido pelo ISR-UC, e, segundo Paula Fonseca e Carlos Patrão, “é junto dos clientes que este tem ganho mais importância, sendo uma mais-valia para a ESE na hora da negociação”.Também em resultado do Transparense, um novo projecto europeu está em andamento. Trata-se do EPC+, cuja missão é apoiar a criação de parcerias (clusters) de PME (chamadas SPIN) que oferecem serviços de eficiência energética de elevada qualidade. “Uma SPIN é um consórcio de duas ou mais empresas que, em parceria, oferecem pacotes de serviços energéticos padronizados com tecnologias específicas para CDE. A gama de serviços prestados no seio de uma SPIN pode ser vista como uma ESE flexível e altamente adaptável”, esclarece Paula Fonseca. O projecto conta com o ISR-UC como entidade Observadora e Facilitadora do processo.Já no âmbito do acesso ao financiamento, é o ICP que tem dado que falar. O projecto ambiciona resolver o problema da estandardização da informação e certificação dos projectos. Com base naquilo que são consideradas as boas práticas do sector, definem-se critérios mínimos que os projectos devem seguir, havendo depois um modelo de validação, feito por uma entidade independente, que verifica se as acções cumprem os requisitos. Caso estes cumpram, é colocado um selo que diz que, em termos de engenharia, os projectos seguiram as melhores práticas e normas que existem no mercado. “Depois de ver o selo, que garante que o projecto está pronto para investimento, o investidor só tem de olhar para o rating do cliente e, com base nisso, decidir”, explica Rodrigues de Almeida. O consultor acrescenta que este é um mecanismo voluntário e que pode ainda resolver o problema da escala - “vai facilitar o financiamento de projectos mais pequenos, porque, como estão estandardizados, o investidor passa a olhar para eles, e, também, possibilitar o agrupamento de todos os projectos certificados e a sua venda a um investidor maior que compra grandes volumes e injecta capital”.Filipa Cardoso, Edifícios e EnergiaELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL - Dezembro 2016http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=370O ano de 2016 evidenciou o papel incontornável das fontes de energia renovável para um abastecimento fiável das necessidades elétricas nacionais.Durante o ano decorrido, a produção FER, 32.283 GWh, representou uma percentagem histórica de 64 % face ao consumo de energia elétrica em Portugal Continental, 50.790 GWh.Estes dados foram divulgados pela APREN e podem ser consultados no Boletim Energias Renováveis: http://www.apren.pt/fotos/editor2/12_boletim_energias_renovaveis-dezembro.pdfAviso – Concurso para projetos que contemplem medidas de eficiência energética nas infraestruturas e equipamentos da administração localhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=368Decorre até dia 13 de Abril a segunda fase de candidaturas do Aviso – Concurso para projetos que contemplem medidas de eficiência energética nas infraestruturas e equipamentos existentes na administração local, no âmbito do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos. O presente aviso prevê o financiamento de intervenções ao nível: - do aumento da eficiência energética dos edifícios e equipamentos públicos; -da promoção de energias renováveis nos edifícios e equipamentos administração local para autoconsumo; - intervenções nos sistemas de iluminação pública; -diagnósticos, auditorias, entre outros trabalhos necessários à realização de investimentos, bem como a avaliação ex-post independente que permita a avaliação e o acompanhamento do desempenho e da eficiência energética do investimento. O financiamento baseia-se subvenção reembolsável, a qual é integralmente restituída sem lugar ao pagamento de juros, havendo, no entanto, lugar à entrega anual de um montante igual ou superior a 70 % das poupanças energéticas líquidas anuais até à liquidação da totalidade da subvenção no prazo máximo a ser definido na avaliação da candidatura. O processo de candidatura exige a definição e aprovação dos requisitos técnicos das intervenções, certificado energético e relatório de avaliação energética, que demonstre um acréscimo de, pelo menos, dois níveis na classe energética final e a demonstração de a operação gera benefícios financeiros líquidos positivos. A AdEPorto está disponível e empenhada em apoiar os seus Associados no âmbito desta segunda fase. Informações mais detalhadas poderão ser consultadas: file:///C:/Users/tmn/Desktop/Aviso_EficEnerg%C3%A9tica_PI4.3_04_10_2016.pdfAbertura de candidaturas à atribuição de apoio pelo Fundo Ambiental à substituição de veículos de serviços urbanos ambientais por veículos elétricoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=369Fundo Ambiental - Abertura de candidaturas à atribuição de apoio pelo Fundo Ambiental à substituição de veículos de serviços urbanos ambientais por veículos elétricos destinados à mesma utilização no âmbito da atividade desenvolvida pelas autarquiasO período para a receção de candidaturas decorre entre o dia 30 de janeiro de 2017 e as 18 horas do dia 28 de fevereiro de 2017.Com esta iniciativa pretende -se contribuir para a redução de emissões de gases com efeito de estufa e, simultaneamente, contribuir para a redução de emissões poluentes e ruído em meio urbano.O Aviso visa o apoio a fundo perdido de parte do investimento a realizar pelas autarquias em serviços ambientais urbanos para aquisição de varredouras/lavadouras (50 % do investimento) e de outras viaturas de limpeza urbana, de jardins e de apoio a serviços ambientais (25 % do investimento), até um máximo de 10 milhões de euros.As tipologias de operações elegíveis são: • Tipologia 1 — automóvel ligeiro de mercadorias ou automóvel pesado de mercadorias ou quadriciclo ou máquina industrial automotriz, com tração 100 % elétrica e com função de varredoura e/ou aspiradora e/ou lavadoura, com dimensão de depósito superior a 499 litros, com homologação europeia ou nacional e matriculável em território nacional destinado a limpeza urbana, de jardins ou de apoio a serviços ambientais;• Tipologia 2 — automóvel ligeiro de mercadorias ou quadriciclo ou triciclo ou maquina industrial automotriz, com tração 100 % elétrica, destinado a limpeza urbana, de jardins ou de apoio a serviços ambientais, designadamente para transporte de mercadorias e/ou pessoal, com homologação europeia ou nacional e matriculável em território nacional, ou veículos da tipologia 1 com dimensão de depósito inferior ou igual a 499 litros. Adicionalmente, são elegíveis máquinas automotrizes não rodoviárias conduzidas por um peão, com tração 100 % elétrica, e com funções de lavagem e/ou aspiração para utilização em zonas publicas de acesso pedonal;• Tipologia 3 — pontos de carregamento de veículos elétricos, quando associados às tipologias anteriores.A taxa máxima de cofinanciamento das operações a aprovar é de:- 50 % (cinquenta por cento) para a tipologia 1, incidindo sobre o total das despesas elegíveis, com cofinanciamento limitado a 75 000 € (setenta e cinco mil euros) para veículos com dimensão de depósito entre 500 e 1 500 litros e 150 000 € (cento e cinquenta mil euros) para veículos com dimensão de depósito superior a 1 501 litros;- 25 % (vinte e cinco por cento) para tipologia 2, incidindo sobre o total das despesas elegíveis, com cofinanciamento limitado a 10 000 € (dez mil euros) por veículo;- 50 % (cinquenta por cento) para a tipologia 3, incidindo sobre o total das despesas elegíveis com cofinanciamento limitado a 1000 € (mil euros) por equipamento.São elegíveis as entidades beneficiárias das autarquias locais com competências na limpeza urbana, de jardins e na prestação de outros serviços ambientais, designadamente municípios, juntas de freguesia e serviços municipalizados ou intermunicipalizados, associações de municípios, empresas municipais, intermunicipais.As candidaturas devem ser submetidas através do endereço eletrónico geral@fundoambiental.pt, através do preenchimento e submissão de formulário próprio.Vencedores dos Green Project Awards anunciados no Porto a 23 de janeiro http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=364No próximo dia 23 de janeiro, a cidade do Porto acolhe, pela primeira vez, a cerimónia de entrega dos prémios da 9.ª edição do Green Project Awards. Numa organização conjunta da Câmara Municipal do Porto e da Lipor, a Fundação de Serralves será o palco desta iniciativa, que pretende distinguir as entidades nacionais que se destacam pelo seu contributo para o Desenvolvimento Sustentável de Portugal, mas também debater a sustentabilidade das cidades do novo paradigma económico.Nesta 9ª edição, o Green Projet Awards promove a cooperação nacional e internacional, renovando o seu Ciclo de Conferências. Philipp Rode, da Escola de Economia e Ciência Política de Londres, e Cláudio Silva, da Universidade de Nova Iorque, são alguns dos oradores já confirmados na conferência subordinada ao tema “A Nova Economia”, em que o foco são as cidades. A sessão de abertura, com início marcado para as 9,15 horas, contará com o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira. A entrega dos prémios está prevista para as 12 horas. Na lista de finalistas aos GCA'16 estão dois projetos em que a Câmara do Porto é coorganizadora/gestora: o CidadeMais e o FUN Porto ("Florestas Urbanas Nativas no Porto"), ambos na categoria Iniciativa de Mobilização.A cerimónia encerra com a intervenção do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes. Durante a tarde, o programa inclui ainda um workshop sobre Políticas Públicas para a Mobilidade Sustentável nas Cidades. A inscrição é gratuita mas obrigatória.Pode conhecer os finalistas aqui e fazer a sua inscrição aqui.Mais informações em www.gpa.pt.AdEPorto nos órgãos sociais da RNAE para o triénio 2017-2019http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=366No passado dia 15 de dezembro teve lugar a tomada de posse dos novos Órgãos Sociais da RNAE – Associação das Agências de Energia e Ambiente (Rede Nacional), para o triénio 2017-2019, que passaram a ter a seguinte composição:DireçãoPresidente: ENERAREA - Agência Regional de Energia e Ambiente do Interior, representada por Carlos Santos, Diretor-Geral.Vice-Presidente: AREANATejo - Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo, representada por Diamantino Conceição, Diretor-Técnico.Vogal: ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida, representada por Manuel Pisco Lopes, Vice-Presidente do Conselho de Administração.Vogal: AdEPorto - Agência de Energia do Porto, representada por Rui Pimenta, Administrador-Executivo.Vogal: AREAC - Agência Regional de Energia e Ambiente do Centro, representada por Anaiis Santos, Diretora-Técnica.Mesa da Assembleia-GeralPresidente: ENERGAIA - Agência de Energia do Sul da Área Metropolitana do Porto, representada por Joaquim Borges Gouveia, Presidente do Conselho de Administração.Vice-Presidente: LISBOA E-NOVA - Agência de Energia e Ambiente de Lisboa, representada por Filipa Sacadura, Secretária-Geral.Secretário: AREAM - Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira, representada por Filipe Oliveira, Presidente do Conselho de Administração.Conselho FiscalPresidente: S.ENERGIA - Agência Regional de Energia para os concelhos do Barreiro, Moita e Montijo, representada por Bruno Vitorino, Presidente do Conselho de Administração.Vice-Presidente: AREA ALTO MINHO - Agência Regional de Energia e Ambiente do Alto Minho, representada por Susana Silva, Técnica-Superior.Vogal-Efetivo: ENERDURA - Agência Regional de Energia da Alta Estremadura, representada por Miguel Lacerda, Diretor-Técnico.Para o triénio 2017-2019 é intenção da nova Direção, presidida por Carlos Santos, Diretor-Geral da ENERAREA, desenvolver projetos e iniciativas que garantam, por um lado, a sustentabilidade financeira da RNAE, e, por outro, promovam a participação das Agências de Energia e Ambiente, numa lógica integrada, participativa e cooperativa, nesses projetos e iniciativas, tendo em vista o reforço da imagem, a nível nacional, deste esforço coletivo. Como suporte destas iniciativas estarão programas de apoio financeiro, sendo de destacar o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC), que permitirá o surgimento de projetos promovidos pela RNAE e em parceria com outros organismos públicos e privados. Ao nível europeu procurar-se-á criar parcerias com parceiros europeus com experiência ao nível da mobilização de consórcios e gestão de projetos no âmbito do Horizonte 2020, INTERREG V-A ESPANHA-PORTUGAL, INTERREG V SUDOE e INTERREG Espaço Atlântico.Por outro lado, torna-se cada vez mais importante a aproximação da RNAE às instituições e organismos que definem as políticas da energia, ambiente e desenvolvimento sustentável em Portugal. Neste desígnio importa, como prioridade máxima, definir um quadro que permita a criação e estabilização de um regime jurídico para as Agências de Energia, reclamando atribuições e competências e a definição de um modelo único de governação, gestão e financiamento comuns.Procurar-se-á, também, a aproximação às Agências de Energia espanholas e à Associação que as representa, a ENERAGEN, por forma a constituírem-se parcerias estratégicas que resultem em candidaturas ibéricas conjuntas e em ações de cooperação transfronteiriça.No domínio da formação e capacitação é ainda importante apoiar as Agências de Energia na satisfação das suas necessidades formativas, tirando, para este efeito, partido da cooperação efetuada com diversas instituições e empresas com quem a RNAE estabeleceu protocolos.PPEC 2017-2018: RNAE vê aprovadas 3 medidashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=367Na sequência do Despacho n.º 15355/2016, publicado no Diário da República de 21 de dezembro, referente à homologação do relatório final de avaliação e hierarquização das candidaturas apresentadas aos concursos do PPEC 2017-2018, a RNAE - Associação das Agências de Energia e Ambiente (Rede Nacional) viu confirmada a sua participação em 7 das 86 medidas aprovadas pela ERSE e DGEG.De referenciar a representatividade da RNAE e Agências de Energia e Ambiente nos concursos destinados aos promotores que não sejam empresas do setor elétrico. No concurso das medidas intangíveis garantiram 9 das 16 medidas aprovadas e um financiamento PPEC superior a 2.300.000,00€ dum orçamento global de 3.000.000,00€.No concurso das medidas tangíveis garantiram 10 das 20 medidas aprovadas e um financiamento PPEC superior a 2.200.000,00€ dum orçamento global de 4.000.000,00€.De destacar que a RNAE viu aprovadas 3 medidas (1 tangível e 2 intangíveis), enquanto entidade promotora, que representam um investimento total superior a 1.200.000,00€, a executar até dezembro de 2018.Medidas tangíveis: - RNAE_TCO1: Master Lighting System (Investimento Total: 745.063,00€ | Custo PPEC: 512.593,75€) – Beneficiários: Municípios de Portugal (Câmaras Municipais);Medidas intangíveis: - RNAE_IO1: Freguesias + Eficientes (Investimento Total: 249.539,00€ | Custo PPEC: 249.539,00€) – Beneficiários: Juntas de Freguesia de Portugal; - RNAE_IO3: PIEE IPSS - Programa Integrado de Eficiência Energética para IPSS (Investimento Total: 241.366,95€ | Custo PPEC: 241.366,95€) – Beneficiários: Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).O PPEC, lançado em 2006 pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), tem como objetivo a promoção de medidas que visam melhorar a eficiência no consumo de energia elétrica, através de ações empreendidas por promotores elegíveis, sendo destinadas aos consumidores dos diferentes segmentos de mercado – Indústria e Agricultura, Comércio e Serviços e Residencial.Estas medidas irão, seguramente, criar valor no território, com o acréscimo de serem implementadas com o acompanhamento e apoio técnico direto das Agências de Energia e Ambiente. A RNAE congratula-se por poder ter um papel ativo na participação em projetos de larga escala que implicam o trabalho em rede com as Agências de Energia, que, num cômputo geral, irão trazer claros benefícios para todas as partes.Eletricidade de origem renovável em Portugal Continental http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=363O passado mês de outubro apresentou temperaturas elevadas em relação à média, para a época do ano. Por seu lado, o consumo elétrico de Portugal Continental diminuiu 1,4 %, quando comparado com o período homólogo do ano passado. Outubro também se caracterizou por uma redução da disponibilidade dos recursos hídrico e eólico, quando comparado com setembro, o que provocou uma redução do contributo percentual das fontes de energias renováveis (FER) na satisfação consumo. Nos dez meses decorridos as FER representaram perto de 66,6 % (27.997 GWh) do consumo de eletricidade (42.008 GWh).Neste período, a produção elétrica das FER permitiu para além da satisfação do consumo, alcançar um saldo elétrico exportador de 4.581 GWh. A eletricidade produzida no Continente teve uma repartição de 60 % de origem FER e o restante 40 % de origem fóssil. Quanto às FER a maior fatia de produção deveu-se à componente hídrica que representou 33 %. A produção eólica representou 21 %, a bioenergia 5 % e a geração fotovoltaica 1 %. No que diz respeito à geração fóssil,salienta-se a térmica convencional que viu o seu peso aumentar para 32 %, enquanto a cogeração se manteve nos 8 %.Em termos acumulados, até ao final de outubro as exportações totalizam 6.039 GWh e as importações elétricas 1.458 GWh. No período considerado a hídrica gerou 15.147 GWh, seguida da eólica, 9.965 GWh, bioenergia com 2.200 GWh e da solar com 685 GWh. Por sua vez a eletricidade gerada pelo parque térmico (convencional + cogeração) totalizou os 18.592 GWh. Em 2016 ocorreu um aumento da produção elétrica nacional quando comparada com os 2 anos anteriores.Nos primeiros dez meses de 2016 a produção elétrica com recurso a gás natural foi de 5.490 GWh, o que se traduz numa taxa de utilização do parque produtor de 20 %, refletindo ao mesmo tempo um aumento em relação ao período homólogo de 2014 e 2015 em que a produção com recurso a gás foi de 1.119 GWh e 4.189 GWh.O parque produtor a carvão continua a registar uma utilização muito elevada nos últimos anos sempre com taxas superiores a 80 % o que se traduz por níveis de emissões de CO2 muito elevados. A produção elétrica FER em 2016 registou um crescimento significativo devido às condições favoráveis de eólica e de hídrica. O preço médio de eletricidade no mercado spot de energia do MIBEL até outubro de 2016 situa-se nos 35,6 €/MWh, valor inferior aos anos anteriores em consequência da maior representatividade de produção das FER.Efetivamente em 2016 as FER representaram 67 % do consumo, enquanto em 2014 e 2015 as contribuições foram respetivamente de 63 % e 49 %, com preços no MIBEL de 40,56 €/MWh e 50 €/MWh. Continua pois a ser evidente o contributo positivo da produção renovável para a economia nacional através da redução do preço do mercado grossista cujo benefício nos primeiros 10 meses de 2016 se estima ser superior a 500 M€2.Este valor acompanha a poupança obtida entre 2012 e 2015. Neste período a penetração de renováveis no MIBEL permitiu um benefício por redução do preço de mercado de mais de 5,5 mil M€. Se se comparar este valor com o diferencial de preço entre a tarifa fixa por unidade de produção e o preço de mercado grossista, que atingiu neste período o montante de 3.433 M€, é possível apurar um benefício líquido para o setor elétrico devido à eletricidade renovável superior a 2,1 mil M€.Fonte: APRENProjeto Citizenenergy http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=362Convidamos à leitura da mais recente newsletter (outubro) do projeto Citizenenergy em que a AdEPorto que integra o validation board.Visite:http://us9.campaign-archive2.com/?u=55cbcf872905901855d6eda6a&id=8d22baba88&e=[UNIQID]Formação de Gestores Municipais de Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=361No dia 22 de Novembro terá início a quarta sessão de Formação de Gestores Municipais de Energia (GME) promovida pela AdEPorto – Agência de Energia do Porto. Devido ao manifesto interesse dos Municípios Associados e das entidades contempladas por esta medida, a AdEPorto ultrapassou as expectativas.A AdEPorto através da RNAE (Associação das Agências de Energia e Ambiente – Rede Nacional) é parceira da ADENE - Agência para a Energia para a implementação da medida “Formação de Gestores Municipais de Energia (GME)”, considerando a importância desta figura para a actividade dos Municípios no domínio da energia, estas acções de formação permitirão responder aos novos desafios da energia sustentável bem como contribuir para o previsto no Programa de Eficiência Energética na Administração Pública — ECO.AP, que constitui um instrumento de execução do PNAEE (Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética).Esta medida visa promover a melhoria da eficiência na utilização de energia eléctrica em equipamentos e serviços sob a gestão da administração local autárquica, através da formação e capacitação de Gestores Municipais de Energia (GME). Tem como objectivo geral a implementação de um plano nacional de formação para GME, reflectido na realização de Acções de Formação a decorrer durante 4 dias, visando a aquisição e reforço de conhecimentos e competências dos técnicos da administração local no uso eficiente de energia eléctrica, nomeadamente:• Identificação de oportunidades de melhoria de eficiência;• O acompanhamento de contratos de eficiência energética através de implementação de Planos de Verificação e Medição;• Adquirir e/ou reforçar o grau de conhecimento em energias renováveis direccionada para a produção de electricidade;• Adoptar estratégias de redução de consumos de energia eléctrica, através de boas práticas adquiridas na formação.Estas acções de formação são dirigidas aos responsáveis pela gestão de instalações e equipamentos municipais que detenham qualificações académicas ou formação de base em áreas conexas à energia, sendo extensível a técnicos das Áreas Metropolitanas, da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE).Curso de Energia para não-técnicos - Parceria Academia Lipor | AdEPortohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=360OBJETIVOS O programa de formação pretende fornecer um conjunto de conhecimentos e ferramentas sobre as várias formas de Energia e a sua correta utilização, diagnosticando oportunidades de otimização nos processos energéticos das Organizações. COMPETÊNCIAS DOS FORMANDOS À SAÍDA DA FORMAÇÃO No final da ação de formação pretende-se que o formando esteja em condições de: Identificar os principais conceitos das várias formas de energia; Compreender os custos e contabilidade energética; Conhecer as auditorias energéticas; Entender os sistemas de gestão de energia; Aplicar medidas de redução de energia. METODOLOGIA | TÉCNICA Esta ação realizar-se-á com componentes teóricas, onde serão ministrados os conceitos e a sua exemplificação, e com componentes práticas, em que os formandos terão oportunidade de realizar exercícios relativos às matérias lecionadas nas componentes teóricas, através dos métodos expositivo, ativo e demonstrativo. DESTINATÁRIOS Técnicos e gestores de áreas não diretamente relacionadas com energia, de ambiente ou gestão de projetos e outros profissionais com motivação e interesse nas áreas temáticas em foco. ESTRUTURA CURRICULAR Conceitos básicos de energia Serviços de energia A nossa fatura energética Diferentes formas de energia Cálculo energético Sistemas de gestão de energia Auditorias energéticas Determinação de consumos específicos Conversão para TEP e KgCO2e Grupo de trabalho vs Auditor interno ISO50001 Medidas de redução de consumo de energia DATA* 20 de outubro *Sujeito a alteração Nº MIN. FORMANDOS 8 Nº MAX. FORMANDOS 16 CARGA HORÁRIA 8 horas LOCAL Academia Lipor Rua Aldeia dos Lavradores, 244 - 5º Piso 4445-690 Ermesinde PREÇO 50€* (*Gratuito para técnicos dos Municípios Associados da Lipor)Fundo de Eficiência Energética lança concurso relativo ao Aviso 20: Edifícios Eficientes 2016http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=358Encontram-se abertas até ao dia 8 de Novembro as candidaturas ao Fundo de Eficiência Energética (FEE) para Edifícios Eficientes 2016 (Aviso 20), vocacionado para a melhoria do desempenho energético de edifícios existentes, do setor residencial e de serviços. São suscetíveis de financiamento medidas como instalações solares térmicas, substituição de equipamentos de aquecimento de águas sanitárias, janelas eficientes, isolamento térmico de envolvente e iluminação eficiente. O financiamento dos projetos assume a forma de subsídio não reembolsável, sendo a dotação orçamental global do Aviso de €1.100.000,00, distribuída de igual forma entre as duas tipologias de beneficiário (pessoas singulares proprietárias de edifícios de habitação existente unifamiliar ou de frações autónomas em edifícios multifamiliares ou pessoas coletivas de direito privado, proprietárias de edifícios de serviços existentes com a CAE de 35 a 99, com exceção da CAE 84). Para mais informações poderá ser consultado a documentação disponível nesta ligação.Fundo de Eficiência Energética lança concurso relativo ao Aviso 19: Eficiência Energética na Indústriahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=356O Aviso 19 pretende apoiar o desenvolvimento de projetos e iniciativas que promovam a eficiência energética sendo suscetíveis de financiamento neste Aviso os projetos que correspondam à área “Indústria” e medidas inseridas no PNAEE com a codificação “Ip1m1”, designada por “SGCIE – Medidas Transversais” ou medidas previstas com a codificação “Ip1m2”, designada por “SGCIE Medidas Específicas” que, entre outros, prevê o apoio a projetos que conduzam ao aumento da eficiência energética por via da otimização energética dos processos de fabrico e da introdução de novas tecnologias.As candidaturas estão abertas de 30 de Maio a 30 de Agosto de 2016.Para mais informações sobre este concurso poderá ser consultado o site do aviso.A eletricidade de origem renovável em Portugal Continentalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=354O ano de 2015, apesar ter sido um ano seco e quente, encerra com a eletricidade renovável em posição de liderança na produção nacional de eletricidade. As fontes de energia renováveis contribuíram com 48,2% para a satisfação do consumo em Portugal Continental, sendo os restantes 47,3% das fontes de origem fóssil e 4,5% do saldo importação-exportação.Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, o ano de 2015 apresenta um valor médio anual da temperatura média do ar de 15,99°C, superior ao valor normal da série entre 1971 e 2000, sendo o 2º ano mais quente desde 2000. Por sua vez, o valor de pluviosidade média anual (599,6 mm) foi bastante inferior ao valor normal, tendo sido o 4ºano mais seco desde 2000. O índice de hidraulicidade anual foi de 0,74, o que se reflete na produtibilidade hídrica que reduziu significativamente face a 2014 (redução de 40%).Relativamente à eolicidade verificou-se uma disponibilidade de recurso inferior em 2015 (índice de eolicidade de 1,02) comparativamente a 2014 (índice de eolicidade de 1,11), mas com um impacto muito pouco expressivo na redução da produção eólica, destacando-se como a contribuição renovável mais proeminente na produção nacional.A repartição das fontes na geração de eletricidade em Portugal Continental no final de 2015, tem especial enfase nas fontes renováveis. Destaca-se na primeira posição a produção de origem eólica com 22,5%. A produção hídrica apresentou uma contribuição global de 19,1% em que 17,5% resultou da grande hídrica e 1,6% da pequena hídrica. Para o fecho do balanço da repartição renovável, temos a biomassa com 5,1% e a solar fotovoltaica com 1,5%. Realça-se ainda que apesar de uma reduzida a tecnologia fotovoltaica apresentou sucessivos records de produção ao longo do ano, verificando-se uma gradual tendência de crescimento da potência instalada.De salientar o marco histórico da tecnologia eólica, registado no passado dia 28 de dezembro entre as 2h e as 5h30 da manhã, em que a produção eólica ultrapassou as necessidades de consumo nacional. De facto, nesse período, a potência eólica registou um valor médio de 4.121 MW, superior à carga nacional que foi relativamente baixa atendendo à produção industrial reduzida nesta época do ano e das temperaturas relativamente amenas registadas. Este fenómeno permitiu potenciar a bombagem de energia, que possibilitou posteriormente a exportação em horas de ponta. Por outro lado a produção térmica convencional o carvão surge com 21,7% e o gás natural com 10,4% a que se junta a cogeração fóssil com 9,8%. O saldo líquido importador em 2015 que registou uma subida para 4,5%, enquanto em 2014 tinha sido registado apenas de 1,8%. A produção de eletricidade por fonte nos últimos três anos, salientando-se em 2015 a significativa quebra da contribuição da produção hídrica face aos anos anteriores, compensada sobretudo pela produção de origem fóssil.A tecnologia eólica apresenta valores de produção muito similares de ano para ano mostrando a sua estabilidade e previsibilidade. Analogamente, a classe das “Outras Renováveis” apresenta apenas ligeiras flutuações, que advêm maioritariamente da pequena hídrica.Analisando exclusivamente o mês de dezembro denota-se a quebra acentuada da produção de eletricidade renovável em 2015, face aos períodos homólogos dos dois últimos anos, compensada principalmente por uma maior produção de energia de origem fóssil.Em 2015, a produção de eletricidade renovável normalizada será da ordem de 53% (estimativa APREN, segundo a metodologia da Diretiva de 2009/28/CE), valor inferior às expectativas para se poder atingir a meta de 60% de renovável no mix elétrico nacional em 2020, o que deixa uma mensagem clara de que é necessário repensar a estratégia futura, nomeadamente o plano energético nacional, as metas por tecnologia renovável e os mecanismos de incentivo ao investimento no sector.Segundo a Organização Meteorológica Mundial, OMM, o valor médio da temperatura global no ano de 2015 foi o maior valor observado, podendo ter sido ser alcançado o icónico valor de +1.0 ? Celsius, em relação à era pré-industrial. Ainda de acordo com a OMM o ano de 2015 foi o segundo mais quente na Europa (2014 o ano mais quente). Este facto mostra que a estratégia mundial e europeia estão longe de ter impacto na reversão nas alterações climáticas. Neste sentido, salienta-se que os compromissos assumidos na COP21 confirmam a preocupação global existente tendo-se, pela primeira vez, chegado a acordo vinculativo assinado por todos por países das Nações Unidas, a 12 de dezembro de 2015, que prevê não só medidas de mitigação, mas também monitorização da evolução destas, ajuda financeira aos países em desenvolvimento e indemnizações aos países atingidos pelos efeitos das alterações climáticas quando já não seja viável a adaptação.Em 2015 a Europa criou a União da Energia no sentido de garantir um abastecimento energético seguro, acessível e respeitador do ambiente, tendo já estalecido as metas vinculativas para 2030 que impõem 27% de energias renováveis no consumo de energia final. Esperam-se grandes desafios para o próximo ano, com entrada de novos quadros regulatórios que visam o cumprimento dos objetivos políticos e estratégicos, como sendo o novo desenho de mercado de energia e a revisão da diretiva das energias renováveis.Fonte: APRENGalp Energy Managerhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=355A Galp Energia, em parceria com a ISA Energy – VPS Group, está a promover o programa Galp Energy Manager. Trata-se de um programa inovador que pretende dotar as PME's industriais de ferramentas de monitorização e gestão de energia. Este programa, pioneiro na aplicação dos conceitos de Gestão da Procura, é permite a obtenção de uma comparticipação de 80% a fundo perdido, nos custos associados à aquisição e instalação do Sistema de Monitorização de Energia Elétrica, ao abrigo do programa PPEC da ERSE. Só são elegíveis empresas com CAE de 1 a 35. Se a sua empresa cumpre este requisito, inscreva-a em http://galp-energymanager.comProdução eólica ultrapassa pela 1ª vez o consumo nacionalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=353A produção eólica atingiu na madrugada de 29 de dezembro um novo máximo em Portugal, de 4.210 Megawatt (MW), tendo pela primeira vez ultrapassado o consumo nacional de eletricidade, segundo dados da REN – Redes Elétricas Nacionais.O vento forte registado durante esta noite, que levou a um novo máximo na produção eólica, associado a consumos baixos, levou a que pela primeira vez a produção eólica tivesse ultrapassado o consumo nacional.De acordo com os dados da gestora da rede elétrica, o novo máximo na produção, de 4.210 MW, foi atingido às 2:15, ultrapassando em cerca de 80 MW o anterior máximo ocorrido em janeiro deste ano.Entre as 2:00 e as 5:30, a produção eólica foi sempre superior ao consumo com uma diferença que atingiu um máximo de 148 MW às 04:15, quando a produção eólica se situava em 4.101 MW e o consumo era de apenas 3.953 MW.Segundo dados da Direção Geral de Energia e Geologia, Portugal tem 4.953MW de potência eólica instalada, sendo a segunda energia renovável mais importante no sistema elétrico nacional, depois da hídrica com 5.791MW de potência instalada.Fonte: EconómicoA equipa da Agência de Energia do Porto deseja-lhe um Feliz Natal e um 2016 repleto de energia!http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=351A equipa da Agência de Energia do Porto deseja-lhe um Feliz Natal e um 2016 repleto de energia! Eletricidade de origem renovável representou 48,3 por cento da geração até ao final de novembro http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=352O mês de novembro de 2015 caracterizou-se como um mês muito seco e quente, com um valor médio da temperatura do ar de 13,42ºC, que foi superior ao valor normal em +1.05ºC, de acordo com as estatísticas mensais do Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Por sua vez, o valor médio de precipitação, de 53.6 mm, foi muito inferior ao valor médio para novembro (109,4mm), o que se reflete no índice de hidraulicidade mensal de 0,73. Esta tendência tem-se verificado ao longo de todo o ano, predominando assim uma baixa produção hidroelétrica (índice de hidraulicidade acumulado de 0,80), com impacto na menor produção de eletricidade renovável na sua globalidade.Até ao final do mês de novembro, a contribuição da eletricidade renovável que registou 48,3% do total de eletricidade no continente. Por seu lado, a produção de origem fóssil foi responsável por 47,5%, sendo que os restantes 4,2% correspondem ao balanço importação-exportação, tendo o saldo sido importador.Analisando a contribuição de eletricidade por fonte renovável, verifica-se que a produção de origem eólica surge em posição de destaque com 22,1%, a qual se tem verificado ao longo do ano, mostrando a consistência desta tecnologia no médio e longo prazo. Destaca-se, contudo, que foi um mês de baixa produtibilidade eólica (índice mensal de eolicidade de 0,73), tendo-se registado nas horas de pico da tecnologia solar produções superiores à produção eólica. Esta sobreposição demonstra a complementaridade que existe entre as duas tecnologias e o benefício que poderia existir se a potência solar instalada fosse mais significativa. Relativamente à produção hídrica, 17,9% resultou da grande hídrica e 3,0% da pequena hídrica. Por último, para o fecho do balanço da repartição renovável, temos a biomassa com 5,0% e a solar fotovoltaica com 1,2%.Relativamente à produção fóssil, a produção térmica convencional (carvão e gás natural) surge com uma contribuição de 37,6% e a cogeração fóssil com 9,9%. O saldo importador acumulado mantém-se idêntico ao mês passado com uma cota de 4,2%, tendo-se contudo verificado uma ligeira redução da exportação.A produção de eletricidade por fonte nos últimos três anos entre janeiro e novembro, salientando-se, como tem sido rotina ao longo do ano, a menor contribuição da produção hídrica face aos períodos homólogos anteriores, compensada sobretudo pela produção de origem fóssil.Desta análise ressalta, mais uma vez, a estabilidade da tecnologia eólica, que apresenta valores de produção similares de ano para ano. Analogamente, a classe das “Outras Renováveis” apresenta apenas ligeiras flutuações, as quais advêm maioritariamente da pequena hídrica.Analisando exclusivamente o mês de novembro, denota-se a quebra acentuada da produção de eletricidade renovável em 2015 face aos períodos homólogos dos dois últimos anos, sustentada principalmente por uma maior produção de origem fóssil. Salienta-se que dadas as estatísticas deste mês, prevê-se que a meta de penetração da eletricidade renovável em 2015 ficará longe das expectativas, sendo necessário redinamizar o plano energético nacional e mecanismos de incentivo existentes para o sector para se alcançar o objetivo de 60% de renovável no mix elétrico nacional.Tendo sido divulgado pela NASA (National Aeronautics and Space Administration) e NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration) que 2015 será provavelmente (com 97% de probabilidade) o ano mais quente registado até à data, especula-se e aguarda se com expectativa pelo desfecho da COP21 - 2015 Paris Climate Conference. Este cenário torna ainda mais urgente a necessidade de rever políticas e metas para as renováveis a nível global, esperando-se compromissos credíveis dos líderes mundiais. Adicionalmente, encontra se em consulta pública a diretiva europeia para as energias renováveis, que incide sobre os compromissos para 2030. Destaca-se que a EU deseja continuar na vanguarda da sustentabilidade a nível mundial. Contudo existe a possibilidade de a nova diretiva não impor metas obrigatórias para os estados membros, o que leva a questionar como será cumprida a meta vinculativa de pelos 27% de energias renováveis no consumo de energia final.Fonte APRENAdEPorto participará na Concretahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=350A CONCRETA volta à Exponor entre os dias 19 a 22 de Novembro e tem muito mais para oferecer aos seus visitantes! A AdEPorto irá participar no certame e convida todos os interessados a visitá-lo.Além de uma abordagem diferente ao mercado da Construção, irá conhecer novos expositores/empresas, ideias inovadoras, novas soluções e tendências. Na sua visita irá encontrar um percurso não convencional pela feira, com praças temáticas, espaços públicos interessantes, espaços habitados, entre outras surpresas. Poderá ainda a assistir a workshops práticos, instalações arquitetónicas, 30 arquitetos a expor os seus trabalhos, inúmeras conferências e muitos exercícios de provocação, que vão tornar a visita à CONCRETA, numa experiência enriquecedor! Solicite aqui o seu convite!EDP motiva eficiência energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=349A EDP está a desenvolver um conjunto de iniciativas com o intuito de ajudar os portugueses a serem mais eficientes no que à energia diz respeito. Uma delas está relacionada com a venda de bombas de calor com um desconto que pode chegar aos 65%, sendo os potenciais clientes todos os que tiverem um termoacumulador para substituição, independentemente do fornecedor de electricidade que utilizem. O equipamento, cuja venda tem início hoje, permite poupar não só na electricidade mas também na água, podendo reduzir os gastos em até 30 euros por mês.A segunda campanha da EDP a arrancar hoje visa os equipamentos em standby. De acordo com a marca, 7% da energia eléctrica consumida numa habitação anualmente é consumida pelos equipamentos em modo standby, pelo que urge resolver o problema. A solução da EDP passa por entregar gratuitamente 90 mil tomadas inteligentes a clientes residenciais, que poderão pedir o produto através do site da energética.Por fim, a EDP está a organizar o concurso “A Casa Mais Eficiente de Portugal” em parceria com o National Geographic Channel. O objectivo é encontrar a casa mais eficiente na área dos consumos energéticos, sendo que as famílias podem candidatar-se até 11 de Outubro. A EDP irá, depois, seleccionar 50 famílias e realizar uma auditoria energética para descobrir quais as cinco finalistas. As mesmas farão parte de spots televisivos do National Geographic Channel, da Fox e da Fox Life, mas só o grande vencedor receberá um carro eléctrico Renault Twizy.As três iniciativas estão a ser promovidas no âmbito do Plano da Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).Galp ProEnergy PME - Acção de Formação no Porto a 1 de Outubrohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=348A AdEPorto convida todas as organizações da sua área territorial de actução a participar no Galp ProEnergy PME, um programa de formação gratuito e de âmbito nacional, que pretende aconselhar as pequenas e médias empresas sobre as melhores práticas na utilização da energia elétrica.O programa de formação tem a duração de 5 horas, sendo precedido de um diagnóstico inicial que avaliará as práticas de utilização de energia elétrica de cada uma das empresas. Após a formação, as empresas são convidadas a elaborar um plano de ação de eficiência energética, que implementarão sozinhas, ou com a colaboração das agências de energia e ambiente locais. As PME com melhores resultados na implementação dos planos de eficiência energética serão distinguidas com o selo Galp ProEnergy.Programa de formação:• A fatura de energia elétrica• Iluminação• Climatização e equipamentos de frio• Isolamentos e distribuição de calor• Gestão de energia• Definição do plano de eficiência energéticaA ADEPORTO irá promover uma acção de formação no Porto que se realizará no próximo dia 1 de Outubro, entre as 14h e as 19h, na Sala 106 do Edifício Maphre situado na Rua Gonçalo Cristóvão 347.As empresas interessadas em participar deverão efetuar a sua inscrição gratuitamente em: www.galpproenergy.comPoderão ser obtidas mais informações no site do programa:http://www.galpenergia.com/…/Su…/Paginas/Galp-ProEnergy.aspxSaiba se tem direito à tarifa social para descontos na electricidade e no gáshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=347Saiba se tem direito à tarifa social para descontos na electricidade e no gás - Reportagem SICCerimónia de Entrega de Prémios do Concurso YELhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=346Realizou-se hoje, 22 de Julho, na Escola Secundária Fontes Pereira de Melo - Porto, a Cerimónia de Entrega de Prémios do Concurso YEL - Young Energy Leaders à Equipa Multienergy que conquistou o 2º lugar.No âmbito do Concurso Nacional YEL - Young Energy Leaders, um projeto dedicado aos alunos do Ensino Secundário e Ensino Profissional, que decorreu durante todo o ano letivo de 2014-2015, foi atribuída à Escola Secundária Fontes Pereira de Melo, e à Equipa Multienergy, coordenada pela Professora Paula Pacheco, o 2.º Prémio no referido Concurso. De destacar que o mérito, o cariz científico e a originalidade do projeto estiveram na base deste reconhecimento.O YEL pretendeu criar uma corrente entre os jovens portugueses para a alteração dos comportamentos que levem a um compromisso com a Eficiência Energética. O objetivo e o desafio é o de sensibilizar os jovens adolescentes portugueses para serem embaixadores da eficiência energética e das alterações climáticas visando uma mudança de comportamentos dos seus colegas, das suas comunidades e das suas famílias.Os Prémios em causa consistem num Vale Jumbo/Auchan, no valor de 1 000 euros, a atribuir à Equipa Multienergy, e num Vale Auditoria Energética e Medidas de Melhoria da Eficiência Energética, no valor de 8 000 euros, a atribuir à Escola, atividade a ser executada pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto, e que acompanhou a escola e equipa inscrita no Concurso.O YEL é um projeto da RNAE - Associação das Agências de Energia e Ambiente, Nacional, que resulta de uma medida financiada no âmbito do Plano de da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC2013-2014), aprovado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Conta com a parceria institucional do Ministério da Educação - Direção Geral de Educação, ADENE - Agência para a Energia, Agência Portuguesa do Ambiente - APA, Comissão Nacional da UNESCO, Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável - BCSD Portugal, e, Auchan Portugal Hipermercados.LIPOR - Implementação de medidas de eficiência energética http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=343A LIPOR, Associada da AdEPorto, trabalha continuamente para efetuar uma gestão eficiente da energia que utiliza. Eliminar o desperdício, encontrar um uso adequado para a energia e encontrar oportunidades de melhoria são os pilares da gestão de energia na organização. Não faz sentido investir recursos no estudo e conceção de um dado sistema de recuperação de energia se, no final, se concluir que não existe uma utilização adequada da energia ou que existem outras medidas economicamente mais favoráveis.Neste sentido, a LIPOR tem realizado um intenso trabalho que levou à implementação das seguintes medidas: • Substituição de telhas no Centro de Triagem;• Instalação de painéis solares térmicos para aquecimento da água dos banhos nos dois balneários e na lavandaria para pré-aquecimento da água utilizada nas máquinas de lavar;• Melhoria das condições de produção/distribuição de água quente sanitária (AQS);• Eliminação de fugas e controlo do funcionamento das redes de ar-comprimido e controlo dos horários de funcionamento;• Melhoria do funcionamento do sistema de circulação de água no lago envolvente do Edifício Administrativo;• Avaliação energética dos acionamentos (moto-redutores e variadores de velocidade);• Formação em "Técnicas de Condução Económica e Ecológica” para os motoristas;• Reestruturação do sistema de iluminação de todo o Edifício Sede da LIPOR;• Desativação de luminárias nas instalações;• Implementação de uma bateria de condensadores nos Postos de Transformação;• Alterações na iluminação das boxes, de material triado, com a instalação de interruptores;• Instalação de um sistema informático de monitorização dos consumos.O sucesso do trabalho efetuado é traduzido pela diminuição do consumo específico da instalação nos últimos anos.O envolvimento de toda a Organização é fundamental para o sucesso de uma estratégia de gestão de energia. Cabe a cada organização iniciar um processo de mudança, além de cultivar permanentemente uma cultura voltada para a eliminação de desperdícios e otimização dos processos. É um processo de mudança em que todos têm que ser envolvidos, independentemente do seu grau de influência no sistema de gestão de energia.Neste sentido, a LIPOR tem realizado um intenso trabalho de mobilização interna através dos seus canais de comunicação, informando periodicamente as medidas implementadas, os resultados obtidos, dando sugestões de medidas para os colaboradores implementarem em casa ou explicando uma fatura energética. A sensibilização estende-se à implementação de outras medidas como:- Colocação de autocolantes a apelar à racionalização energética – em todos os interruptores de luz, monitores de computadores, aparelhos de ar condicionado da LIPOR - e à poupança de água.- Vistas a empresas de referência na área da eficiência energética com o objetivo de conhecer novas realidades e motivar os colaboradores, tais como:• Instituto de Soldadura e Qualidade - Edifício ECOTERMOLAB do ISQ;• ANA Aeroportos de Portugal - Aeroporto Sá Carneiro;• EDP – Edifício da Boavista;• SONAE SIERRA - Centro comercial Oitava Avenida. - Realizando periodicamente ações de formação interna diretamente vocacionadas para os benefícios económicos e sociais duma contínua racionalização dos consumos energéticos.Na LIPOR, uma gestão eficiente da energia é uma responsabilidade de Todos os colaboradores! APREN: Eletricidade de origem renovável em Portugal Continental http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=344O primeiro semestre do ano termina com uma contribuição da produção de eletricidade renovável de 54,2% em termos acumulados. Apesar do conjunto das tecnologias renováveis permanecer em situação de destaque, esta foi a contribuição mais baixa verificada nos últimos três anos. Este facto advém da conjugação da baixa pluviosidade que se tem verificado desde o início do ano (índice de produtibilidade acumulado de 0,75), e de se iniciar a época de Verão tipicamente caracterizada por fraca eolicidade (índice de eolicidade de junho de 0,70).Consulte a informação detalhada aqui. Jogo E-Solitaire no Espaço do Cidadão!http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=342O site da AdEPorto tem disponível a partir de hoje o jogo E-Solitaire no Espaço do Cidadão! Aproveite para consultar mais umas dicas de eficiência energética, jogue e divirta-se! Clique aqui!Semana para o Desenvolvimento no Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=338Arrancou no Porto a primeira edição da "Semana Europeia do DesenvolvimentoSustentável" ("European Sustainable Development Week" - SEDS), uma iniciativa que se estreia este ano na cidade e que visa estimular e divulgar atividades e projetos promotores das boas práticas de desenvolvimento sustentável. A decorrer até 5 de junho, a organização está a cargo da Porto Vivo - Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU).Com o objetivo de disseminar e ampliar o debate em torno do Desenvolvimento Sustentável, a Porto Vivo - SRU conta com a colaboração de um leque alargado de entidades públicas e privadas, representantes de vários quadrantes da atividade académica, profissional e associativa na organização do SEDS Porto 2015. Assim, entre estes parceiros incluem-se: a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP), com o seu Centro de Estudos de Arquitetura e Urbanismo (CEAU), a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), com o seu Laboratório de Física da Construção (LFC), a Cooperativa de Ensino Superior Artístico do Porto (CESAP) e a Escola Superior Artística do Porto (ESAP), a Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património (APRUPP), a Agência de Energia do Porto, a Santa Casa da Misericórdia do Porto (SCMP), o Portal da Construção Sustentável (PCS), a FRADICAL e a 3M2P.Compreendendo uma agenda diversificada de eventos, esta iniciativa irá dinamizar na cidade workshops, conferências, debates, apresentações e visitas temáticas que, ao longo de uma semana, abordarão a importância da sustentabilidade nas intervenções de reabilitação urbana e no uso eficiente de recursos, nomeadamente, com o estímulo à eficiência energética. Atividades gratuitas com vista à sensibilização do grande público para o desenvolvimento sustentável e questões conexas.A programação da "Semana Europeia do Desenvolvimento Sustentável - Porto 2015" procura refletir aqueles que foram definidos como os três eixos base da sustentabilidade: economia, sociedade e ambiente. Desenvolvida pela Porto Vivo - SRU e pelos vários parceiros, a agenda do evento está disponível online e pode ser consultada aqui. Semana Europeia para o Desenvolvimento Sustentável comemorada em 27 paísesAssinalando 2015 como o "Ano Europeu para o Desenvolvimento", a Europa celebra a "Semana Europeia do Desenvolvimento Sustentável" (SEDS), no âmbito da qual estão neste momento registadas mais de 3.500 iniciativas distribuídas por 27 países europeus.A SEDS 2015 organizada pela Porto Vivo, SRU é apoiada pela Rede Europeia para o Desenvolvimento Sustentável ("European Sustainable Development Network") e conta com o Alto Patrocínio do Governo de Portugal, através da Secretaria de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza.Reabilitação urbana em destaque na Semana Europeia do Desenvolvimento Sustentávelhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=339Este ano, a cidade do Porto faz a sua estreia enquanto palco da Semana Europeia do Desenvolvimento Sustentável (SEDS). A iniciativa, que arrancou hoje e se prolonga até 5 de Junho, vai dar especial destaque aos temas da reabilitação urbana e da eficiência energética. Ao longo desta semana, terão lugar várias iniciativas ligadas à promoção do desenvolvimento sustentável, desde workshops a conferências e visitas temáticas. A reabilitação urbana e o uso eficiente dos recursos, em particular, energéticos vão estar no topo da agenda, marcando presença em praticamente todos os eventos previstos. A iniciativa europeia, que tem o apoio da Rede Europeia de Desenvolvimento Sustentável, vai encerrar com uma conferência final a 5 de Junho, dedicada ao Programa de Acção do Morro da Sé e às Conclusões Finais da SEDS. A organização da SEDS 2015 está cargo da Porto Vivo, SRU, que conta, para o efeito, com várias outras entidades, tais como o Laboratório de Física das Construções da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, o Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, a Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Protecção do Património, a Santa Casa da Misericórdia do Porto, a Cooperativa de Ensino Superior Artístico do Porto, a Agência de Energia do Porto (AdEPorto), a Fradical, a 3M2P e o Portal da Construção Sustentável.Semana da Energia e do Ambiente 2015 na Trofahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=335No âmbito da Semana da Energia e do Ambiente 2015, agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho) o município da Trofa irá promover as seguintes actividades:30 de maio:- Workshop “As borboletas do Parque das Azenhas” – Aquaplace e Parque das Azenhas (14h00-17h00)5 de junho:- Dia Mundial do Ambiente (680 crianças das escolas do concelho) – Parques Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro (10h00 -12h00 e 14h00 – 16h00)- Workshop “Escuta os morcegos do Parque das Azenhas” – Aquaplace e Parque das Azenhas (21h00-23h00) 6 de junho:- Workshop “Os peixes do Parque das Azenhas” – Aquaplace e Parque das Azenhas (14h30-17h00)'FunLed 1', 'FunLed 2', 'FunLed 3' e 'FunLed 4' da Escola Secundária de Baião no Young Energy Leadershttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=336O trabalho das equipas que constituem o projecto 'FunLed 1', 'FunLed 2', 'FunLed 3' e 'FunLed 4' e desenvolvidos no âmbito do Young Energy Leaders, foram apresentados numa sessão realizada na Escola Secundária de Baião contando com a presença da equipa do YEL e da AdEPorto.Este projecto é da responsabilidade da RNAE – Associação das Agências de Energia e Ambiente (Rede Nacional) e dirige-se aos alunos do Ensino Secundário, público e privado, e do Ensino Profissional de centenas de escolas espalhadas por todo o país.Semana da Energia e do Ambiente 2015 em Gondomarhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=334No âmbito da Semana da Energia e do Ambiente 2015, agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho) o município de Gondomar irá promover as seguintes actividades:- 30 e 31 de maio - Comemoração do Dia da Criança em Gramido, Valbom, em colaboração com a Divisão da Juventude- 1 a 5 de Junho – sensibilização sobre energia na Central Termoelétrica da Tapada do Outeiro - 1 a 5 de Junho - jogos didáticos sobre ambiente em Melres, em colaboração com a União de Freguesias de Medas e Melres'Multienergy' - projecto do Porto no Young Energy Leadershttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=332O trabalho da equipa que constitui o projecto 'Multienergy', desenvolvido no âmbito do Young Energy Leaders, foi apresentado numa sessão realizada na Escola Secundária Fontes Pereira de Melo, no Porto, contando com a participação da AdEPorto e da equipa do YEL.Este projecto é da responsabilidade da RNAE – Associação das Agências de Energia e Ambiente (Rede Nacional) e dirige-se aos alunos do Ensino Secundário, público e privado, e do Ensino Profissional de centenas de escolas espalhadas por todo o país. Semana da Energia e do Ambiente 2015 em Santo Tirsohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=333No âmbito da Semana da Energia e do Ambiente 2015, agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho) o município de Santo Tirso irá promover as seguintes actividades:• 16 de maio – Caminhada do Maio | Organização da CMST• 29 de maio – Prova de Bicicletas “XCOficina” | Organização da Oficina - Escola Profissional do INA• 29 de maio a 5 de junho – Feira das Plantas | Organização do Colégio de Santa Teresa de Jesus• 29 de maio a 5 de junho – Exposição sobre um animal em vias de extinção | Organização do Colégio de Santa Teresa de Jesus• 29 de maio a 5 de junho – Concurso de Fotografia sobre As Boas Práticas Ambientais | Organização do Colégio de Santa Teresa de Jesus• 29 de maio a 5 de junho – Decoração de vasos para Venda (Feira das Plantas) | Organização do Colégio de Santa Teresa de Jesus• 29 de maio a 5 de junho – Sementeiras de ervas aromáticas para levar para casa | Organização do Colégio de Santa Teresa de Jesus• 29 de maio a 5 de junho – Mostra de vira-ventos | Organização da Escola Básica de Vila das Aves• 29 de maio a 5 de junho – Peddy-Paper Ecológico | Organização da Escola Básica de Vila das Aves• 29 de maio a 5 de junho – Exposição Posters Eco-Código | Organização da Escola Básica de Vila das Aves• 29 de maio a 5 de junho – Exposição de carrinhos de painéis solares | Organização da Oficina - Escola Profissional do INA• 29 de maio a 5 de junho – Mostra do vídeo do concurso “À Velocidade do Sol” | Organização da Oficina - Escola Profissional do INA• Entre 29 de maio e 5 de junho – Realização de inquérito sobre os hábitos de sustentabilidade energética | Organização da Oficina - Escola Profissional do INA• 30 de maio – Projeto FUTURO: 100.000 Árvores na Área Metropolitana do Porto | Organização do CRE_Porto e CMST• 30 de maio – Caminhada Noturna | Organização do NAST• 5 de junho – Bgreen - Ecological Film Festival | Organização da Oficina - Escola Profissional do INA• 6 de junho – Prova de Orientação na cidade de Santo Tirso | Organização do NASTCSI Europe – City Sustainable Investment in Europehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=330No âmbito do projeto ‘CSI Europe – City Sustainable Investment in Europe’, realizou-se a Conferência Final do Grupo de Ação Local do Porto, no dia 28 de abril.A conferência decorreu no Hotel Vincci Porto e reuniu não só representantes dos vários parceiros do Grupo de Ação Local do Porto que a AdEPorto integra, mas também diversas outras entidades interessadas nas conclusões apresentadas por este grupo de trabalho.Em análise esteve o trabalho desenvolvido nestes últimos dois anos pelo Grupo de Acão Local do Porto, responsável pela identificação das “melhores práticas de desenvolvimento e implementação” dos Fundos de Desenvolvimento Urbano (FDU), criados no âmbito da iniciativa JESSICA. “Objetivos desafiantes”, sublinhou Álvaro Santos, presidente da Porto Vivo – Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU), na sessão de abertura da conferência.No caso do Centro Histórico do Porto a “solução” proposta pelo Grupo de Acão Local prevê a criação de um instrumento financeiro, um “Fundo de Renovação Eficiente de Edifícios no Centro Histórico do Porto – REENERGI.CHP”. Este será um fundo de capital reembolsável, que terá em visa apoiar a reabilitação de edifícios privados de função predominantemente habitacional. “Uma verdadeira oportunidade para estendermos a reabilitação urbana a mais promotores e proprietários que precisam deste incentivo para reabilitar os seus imóveis”, esclareceu o presidente da Porto Vivo – SRU. Através deste veículo a Porto Vivo – SRU pretende, ainda, associar à reabilitação urbana a promoção da eficiência energética. A proposta de criação do REENERGI.CHP “é uma importante oportunidade que não podemos desperdiçar”, frisou Álvaro Santos.A Porto Vivo – SRU registou no ano de 2014 “o melhor ano de sempre da reabilitação urbana na cidade do Porto”, assinalou o presidente, “os indicadores referentes ao primeiro trimestre de 2015, fazem antever que 2015 seja ainda melhor”, concluiu.Corrida de Carrinhos Solares no Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo no Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=337No âmbito da Semana da Energia e do Ambiente 2015, o Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo acolhe na próxima sexta-feira, dia 29 de Maio, pelas 14 horas, a Corrida de Carrinhos Solares organizada no âmbito do passatempo ‘À Velocidade do Sol’.Este passatempo foi promovido junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário do Município do Porto tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos solares.A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes.Metro do Porto com mais utilizadoreshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=322O metro do Porto registou uma subida de 1,6% do número de utilizadores, para os 15,4 milhões, durante o quarto trimestre (outubro-dezembro) de 2014, face a período homólogo de 2013, segundo revela o relatório de Atividade dos Transportes, divulgado esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).A notícia, avançada pelo Jornal de Negócios, coloca este meio de transporte como o preferido e mais procurado na cidade do Porto, mas a via ferroviária e os aviões, este último em viagens de negócio ou lazer, também registaram uma subida no número de utilizadores. No caso do Aeroporto do Porto, este manteve um crescimento expressivo de 10,1% no movimento de passageiros para o Porto e região Norte.A nível nacional, o transporte de passageiros por via ferroviária aumentou 1,1% e por metropolitano 1,7% no quarto trimestre do ano passado. Pelos aeroportos nacionais passaram mais 9,9% passageiros. No quarto trimestre de 2014 os passageiros transportados por modo ferroviário aumentaram em 1,1%, fixando-se em 32,7 milhões. Neste caso, o tráfego suburbano cresceu 0,6%, o interurbano 4,5% e o transporte internacional 10,7%.Porto: 68% já separam os resíduoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=323No Porto, 68% dos lares separam os resíduos de embalagem, de acordo com os dados obtidos através de questionários realizados a 12.597 residências do município. A Câmara Municipal do Porto e a Sociedade Ponto Verde apresentaram hoje, no auditório da Biblioteca Almeida Garrett, os resultados da Missão Reciclar no Porto.A iniciativa contou com a presença do vereador da Inovação e Ambiente, Filipe Araújo, e de representantes da Sociedade Ponto Verde e da Lipor.O responsável autárquico por esta área salientou a importância dada ao setor e o esforço desenvolvido pela Câmara Municipal, nomeadamente através de programas de incentivo à reciclagem, como, por exemplo, o sistema de recolha de lixo porta a porta implementado em fevereiro passado na zona da Ribeira.Para além disso, Filipe Araújo considerou relevantes com este estudo o fato de existir "um grande número de pessoas que já fazem reciclagem e aquelas que não fazem ficaram mais motivadas com a receção de um ecoponto".No Porto, durante a ação foram entregues 11.114 ecobags, constituídos por três sacos das cores do ecoponto para a seleção seletiva de embalagens.O estudo refere também que quando questionados sobre a razão para a não separação doméstica do lixo produzido, os 32% de não separadores apontaram a falta de recipientes próprios para o efeito (23,5%), a noção do excessivo trabalho pessoal/ familiar implicado (27,2%) e a distância do ecoponto (5,8%).No município do Porto foram contatados 63.642 lares, dos quais 12.597 abriram portas à equipa da Missão Reciclar no passado mês de março. A Missão Reciclar é a maior iniciativa de sensibilização para a reciclagem especializada em portugal, na qual a Sociedade Ponto Verde irá, ao longo do ano, visitar dois milhões de lares por todo o país.A Sociedade Ponto Verde é uma instituição privada sem fins lucrativos que tem como missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens, além de promover e sensibilizar os portugueses para a importância da reciclagem.Candidaturas para Eficiência Energética na Iluminação Públicahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=331A AdEPorto juntamente com os Municípios do Porto, Vila do Conde, Matosinhos e Santo Tirso apresentaram candidaturas para Eficiência Energética na Iluminação Pública ao Programa Operacional Temático de Valorização do Território (POVT), tendo sido todas aprovadas. O POVT permitirá um financiamento comparticipado em 85% por fundos comunitários aos investimentos resultantes destas candidaturas que num valor global dos quatro municípios ronda os 3,8 milhões de euros. As tecnologias escolhidas variam de acordo com os objetivos pretendidos por cada Município que vão desde a troca de luminárias de tecnologia existente por luminárias a tecnologia LED incluído instalações semafóricas, instalação de reguladores de fluxo luminoso em postos de transformação afetos à iluminação pública e também à troca de balastros ferromagnéticos por balastros eletrónicos de duplo nível. A redução média dos quatro municípios será de cerca de 50% que corresponde a uma diminuição de utilização de energia elétrica de 4.600MWh, uma economia de cerca de 455 mil euros e à redução de cerca de 2.000 toneladas de emissões de CO2.Formação de Gestores Municipais de Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=325Na próxima segunda-feira, dia 6 de Abril, terá início a segunda sessão de Formação de Gestores Municipais de Energia (GME) promovida pela AdEPorto – Agência de Energia do Porto. Devido ao manifesto interesse dos Municípios Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde), bem como Valongo e Paredes e das entidades contempladas por esta medida.A AdEPorto através da RNAE (Associação das Agências de Energia e Ambiente – Rede Nacional) é parceira da adene - Agência para a Energia para a implementação da medida “Formação de Gestores Municipais de Energia (GME)”, considerando a importância desta figura para a actividade dos Municípios no domínio da energia, estas acções de formação permitirão responder aos novos desafios da energia sustentável bem como contribuir para o previsto no Programa de Eficiência Energética na Administração Pública — ECO.AP, que constitui um instrumento de execução do PNAEE (Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética).Esta medida visa promover a melhoria da eficiência na utilização de energia eléctrica em equipamentos e serviços sob a gestão da administração local autárquica, através da formação e capacitação de Gestores Municipais de Energia (GME). Tem como objectivo geral a implementação de um plano nacional de formação para GME, reflectido na realização de Acções de Formação a decorrer durante 4 dias, visando a aquisição e reforço de conhecimentos e competências dos técnicos da administração local no uso eficiente de energia eléctrica, nomeadamente:• Identificação de oportunidades de melhoria de eficiência;• O acompanhamento de contratos de eficiência energética através de implementação de Planos de Verificação e Medição;• Adquirir e/ou reforçar o grau de conhecimento em energias renováveis direccionada para a produção de electricidade;• adoptar estratégias de redução de consumos de energia eléctrica, através de boas práticas adquiridas na formação.Estas acções de formação são dirigidas aos responsáveis pela gestão de instalações e equipamentos municipais que detenham qualificações académicas ou formação de base em áreas conexas à energia, sendo extensível a técnicos das Áreas Metropolitanas, da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE). Porto recebe rede Eurocitieshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=324Durante três dias, a cidade do Porto foi anfitriã durante três dias do Fórum do Ambiente da rede Eurocities, subordinado ao tema "Alterações Climáticas - Cidades em Ação", que se realizou em vários locais da cidade: Serralves, Palácio da Bolsa e Biblioteca Municipal Almeida Garrett.A rede de cidades Eurocities (www.eurocities.eu), fundada em 1986, congrega mais de 130 membros, de 35 cidades europeias em seis setores: cultura, economia, ambiente, mobilidade, assuntos sociais e sociedade do conhecimento. Neste fórum estiveram 85 participantes, tendo os mesmos sido recebidos pelo presidente da Câmara, Rui Moreira, acompanhado do vereador da Inovação e Ambiente, Filipe Araújo, nos Paços do Concelho. AdEPorto promove Formação de Gestores Municipais de Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=321Na próxima segunda-feira, dia 23 de Março, terá início a primeira sessão de Formação de Gestores Municipais de Energia (GME) promovida pela AdEPorto – Agência de Energia do Porto. Devido ao manifesto interesse dos Municípios Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde), bem como Valongo e Paredes e das entidades contempladas por esta medida, a AdEPorto irá realizar uma segunda sessão entre 6 e 9 de Abril. A AdEPorto através da RNAE (Associação das Agências de Energia e Ambiente – Rede Nacional) é parceira da ADENE - Agência para a Energia para a implementação da medida “Formação de Gestores Municipais de Energia (GME)”, considerando a importância desta figura para a actividade dos Municípios no domínio da energia, estas acções de formação permitirão responder aos novos desafios da energia sustentável bem como contribuir para o previsto no Programa de Eficiência Energética na Administração Pública — ECO.AP, que constitui um instrumento de execução do PNAEE (Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética). Esta medida visa promover a melhoria da eficiência na utilização de energia eléctrica em equipamentos e serviços sob a gestão da administração local autárquica, através da formação e capacitação de Gestores Municipais de Energia (GME). Tem como objectivo geral a implementação de um plano nacional de formação para GME, reflectido na realização de Acções de Formação a decorrer durante 4 dias, visando a aquisição e reforço de conhecimentos e competências dos técnicos da administração local no uso eficiente de energia eléctrica, nomeadamente: • Identificação de oportunidades de melhoria de eficiência; • O acompanhamento de contratos de eficiência energética através de implementação de Planos de Verificação e Medição; • Adquirir e/ou reforçar o grau de conhecimento em energias renováveis direccionada para a produção de electricidade; • Adoptar estratégias de redução de consumos de energia eléctrica, através de boas práticas adquiridas na formação. Estas acções de formação são dirigidas aos responsáveis pela gestão de instalações e equipamentos municipais que detenham qualificações académicas ou formação de base em áreas conexas à energia, sendo extensível a técnicos das Áreas Metropolitanas, da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE). Lipor apresenta proposta para a constituição do Cluster dos Resíduoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=326A proposta que a LIPOR lança é ambiciosa, mas necessária, para aquilo que entendemos ser o reforço do Setor para a criação de emprego, de riqueza e de conhecimento em Portugal. A Associação Cluster de Resíduos de Portugal é uma pessoa coletiva sem fins lucrativos. O seu objeto é: - Contribuir para a produção e divulgação de conhecimento no domínio da área dos resíduos;- Dinamizar ações que valorizem a cooperação entre as entidades com atuação na área dos resíduos;- Promover e apoiar atividades e projetos dos seus Associados que contribuam para a prossecução do objeto da Associação Waste Cluster Portugal (AWCP).VisãoDentro de 5 anos o Waste Cluster Portugal será reconhecido e identificado como estratégico para a dinamização da Economia Nacional.MissãoCriar uma plataforma de âmbito nacional, que potencie o resíduo como um recurso, atuando em toda a cadeia de valor do Setor, e que promova a investigação e o desenvolvimento.Atualmente muita atenção tem sido dedicada ao estudo dos Clusters reconhecendo a importância destes para a competitividade da economia.Porter (1989) define "Cluster” como sendo uma concentração geográfica de várias empresas e instituições que se encontram interligadas e que operam numa determinada área.Por outras palavras, uma rede de empresas e instituições interligadas conseguem gerar sinergias e vantagens competitivas que lhes permite alcançar uma presença global mesmo que geograficamente estejam distantes dos maiores mercados mundiais.A operação em rede resulta, assim, em benefícios gerados pelo todo (conjunto de empresas da rede) superior à soma dos benefícios das partes.Em Portugal, o despertar para a potenciação de uma política de Clusters como meio para a criação e sustentação de vantagens competitivas começou recentemente. Em julho de 2009, por despacho dos Ministros do Ambiente, Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, e do Trabalho e Solidariedade Social, foram reconhecidas formalmente 19 Estratégias de Eficiência Coletiva – tipologia Clusters: 11 Polos de Competitividade e Tecnologia e 8 Outros Clusters.O estudo da "Avaliação da estratégia e do processo de implementação das estratégias de eficiência coletiva”, publicado em abril de 2013, aponta aspetos a melhorar na política de clusters, sugerindo uma maior robustez no modelo de governance, de financiamento e sustentabilidade, de profissionalização na gestão dos clusters, na definição de estratégias ambiciosas e orientadas para a internacionalização ou numa melhor articulação com as entidades públicas.Associados ao Cluster dos Resíduos, as empresas do setor serão potenciadoras de uma forma sustentável de gestão, que complementam o conceito de economia verde na medida em que promovem uma economia circular, de baixo carbono e com produção minimizada de resíduos, com consequências benéficas no ambiente e na saúde humana.Os resultados das estratégias de produção, deposição, recolha e transporte, e valorização que reflitam uma gestão adequada requerem menos investimento de capital, criação de mais empregos e mais sustentáveis meios de subsistência, proteção da saúde pública e minimização da emissão de CO2.Os clusters do calçado, da saúde e do vinho, são alguns dos casos que demonstram a importância de uma estratégia concertada que permite a obtenção de vantagens competitivas para todos os seus stakeholders.Ecoponto Móvel LIPOR nas Escolas de Vila do Condehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=327No sentido de sensibilizar a comunidade escolar de Vila do Conde para a correta separação de resíduos a Câmara Municipal, com o apoio da LIPOR, vai dinamizar a itinerância do Ecoponto Móvel LIPOR.Esta iniciativa, que tem como público-alvo os estabelecimentos de ensino do 2º, 3º Ciclo e Secundário, vai decorrer entre os dias 9 e 20 de março.No ecoponto, que consiste num contentor de 7 m de comprimento por 2,2 m de largura, vai ser possível a deposição seletiva de diversos resíduos: papel/ cartão, vidro, embalagens plásticas e metálicas, tampinhas, pilhas, embalagens de tintas e vernizes (escorridas), lâmpadas fluorescentes e lâmpadas economizadoras, roupas usadas/ têxteis e pequenos equipamentos elétricos e eletrónicos (varinhas mágicas, máquinas de barbear e ferros de engomar, etc.)Toda a comunidade educativa dos estabelecimentos de ensino envolvidos é convidada a participar trazendo os resíduos para deposição Ecoponto Móvel. Os participantes que depositarem, a quantidade mínima de 2Kg de material reciclável serão premiados.LIPOR vence Prémio 'Excelência no Trabalho'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=317A LIPOR foi distinguida com o 1.º lugar na categoria das médias empresas Sector Público, no Prémio Excelência no Trabalho. Este prémio distinguiu a LIPOR por ser uma das Empresas de Excelência.O Prémio Excelência no Trabalho, promovido pela Heidrick & Struggles em parceria com o Diário Económico, a INDEG-IUL e o ISCTE Executive Education, visa galardoar as entidades que mais investem e apostam na área de clima organizacional e desenvolvimento do capital humano.Este prémio representa o resultado da dedicação, envolvimento e o empenho coletivo de todos, Conselho de Administração, Colaboradores, Municípios associados e todos os nossos Parceiros, sempre em busca da Excelência.Missão Reciclar chega aos Municípios da Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Matosinhos http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=318Os Municípios da Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Matosinhos serão os próximos a receber a Missão Reciclar, promovida pela Sociedade Ponto Verde (SPV), em parceria com a Lipor.Esteja atento às datas: Póvoa de Varzim – 18 e 19 de fevereiro; Vila do Conde – 20 e 21 de fevereiro; Matosinhos – 24 de fevereiro a 03 de março. Se lhe baterem à porta, não se admire: pode ser a Missão Reciclar!As embalagens usadas nas nossas casas não são lixo! São feitas de materiais recicláveis que, quando devidamente separados e colocados no ecoponto, podem ter novas vidas.Desta forma, protegemos os recursos naturais, poupamos energia e diminuímos a quantidade de resíduos depositados nos aterros sanitários!Para isso, é preciso a colaboração de todos os munícipes na separação, em suas casas, das embalagens usadas por tipo de material: plástico; papel e cartão; vidro.Missão Reciclar vai bater à sua porta para lhe perguntar se já separa as suas embalagens e dar-lhe alguns conselhos úteis.Converse connosco e habilite-se a receber um ecoponto doméstico! Colabore e faça com que o nosso país tenha um grande futuro.Comerciantes da Ribeira vão ter recolha de resíduos porta-a-portahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=319Os comerciantes da Ribeira receberam, da Câmara Municipal do Porto, contentores para acondicionamento dos resíduos orgânicos e sacos coloridos para a separação do lixo.A iniciativa da autarquia, em parceria com a LIPOR, tem como grande objetivo melhorar as condições de limpeza daquela zona e aumentar os níveis de reciclagem na cidade.Atendendo às características particulares da zona, a recolha será efetuada duas vezes por semana, tendo-se iniciado no passado dia 09 de fevereiro.Com a introdução das alterações, está também prevista a retirada dos contentores em profundidade existentes junto à Praça da Ribeira, para melhorar este local, onde diariamente passam milhares de turistas.Esta iniciativa está englobada no projeto "Baixa Limpa", um serviço de recolha seletiva multimaterial (papel, vidro e embalagens) com recolha porta-a-porta, com especial enfoque no comércio e incidência na zona da Baixa da Cidade e agora também na zona da Ribeira. O município conta atualmente com cerca de 290 aderentes.Este serviço permite retirar "pressão" sobre os equipamentos de deposição coletiva, ao mesmo tempo que aumenta consideravelmente a qualidade dos resíduos separados.Lipor distinguida na Semana Europeia da Prevenção de Resíduos http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=329A 10ª edição do LIFE Environment Awards distinguiu a Lipor com o prémio "Best LIFE Environment”, no projeto "Semana Europeia da Prevenção", desenvolvido em parceria com as regiões de Bruxelas, Paris e Barcelona.O prémio, atribuído pela União Europeia, selecionou 25 projetos pela sua importância e impacto, considerando o "Best of the Best Projects 2013”, do qual a Lipor é parceira, como um dos seis que receberam a designação de excelência do Programa "LIFE + Ambiente”.Os premiados foram escolhidos na base de um conjunto de critérios, nomeadamente, a contribuição dos projetos de curto e longo prazo ambiental, económico e melhorias sociais, grau de inovação, relevância para a política europeia e a sua relação custo-eficácia.A revista "Life Environment" anunciou os premiados do "Best LIFE Envirnoment Projects 2013”, com o objetivo de ajudar a melhorar a divulgação de projetos e dos seus resultados, que tenham um impacto amplamente positivo sobre o meio ambiente e a vida na sociedade, no âmbito internacional.Para mais informações, consulte a Publicação Estudo Europeu sobre comportamento dos cidadãos face aos resíduoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=320No âmbito de um projeto Europeu sobre resíduos, várias autoridades públicas estão interessadas em conhecer as opiniões e comportamentos dos europeus no âmbito da prevenção na produção de resíduos, reciclagem e recuperação. Para este fim, solicitamos a sua participação respondendo a um curto Inquérito. Demorará apenas 5-10 min. e as suas respostas são anónimas e confidenciais. Muito obrigado pela sua participação!Clique aqui para participar! Reduza a factura energética da sua empresahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=315Reduza a factura energética da sua empresa, através do programa GALP ProEnergy. Sessões de Formação (14h/19h):- Lisboa, dia 28 de Janeiro- Caldas da Rainha, 10 de Fevereiro- Maia, 12 de FevereiroParticipação gratuita!As PME devem fazer a sua inscrição através do site do GALP ProEnergy: http://www.galp-proenergy.com/Vantagens: 1- Formação sem custos; 2- Aconselhamento na implementação do plano de eficiência energética;3- Redução da fatura energética;4- Reconhecimento.Portugal atingiu valor recorde do século na produção de eletricidade renovável e de emissões de CO2 evitadas (13 Mton)http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=316A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza e a APREN – Associação Portuguesa de Energias Renováveis mostram como o investimento em fontes de energia renovável é vital para a independência económica e energética do País, para além do respeito pelos compromissos climáticos internacionais. Os valores apresentados tiveram por base os dados de produção de eletricidade em Portugal Continental, em 2014, publicados pela REN – Redes Energéticas Nacionais em Janeiro de 2015. 2014 O ano mais Renovável Em 2014 a produção de eletricidade a partir de fontes renováveis em Portugal foi responsável por 62,7% do total energia elétrica consumida, com um aumento de 6% em relação a 2013. Considerando apenas a produção nacional, a contribuição das renováveis cifrou-se no valor recorde de 63,8%. Em consequência deste aumento de produção das renováveis no ano de 2014, assistiu-se a uma redução do valor de eletricidade importada para 1,8% do consumo valor mais baixo desde 2002. O ano de 2014 foi mais húmido que a media em 27%, seguindo a tendência de 2013 com um valor de 22%. Este último ano foi também favorável em termos de vento, tendo-se verificado um valor semelhante a 2013. Na fotovoltaica, o aumento da capacidade instalada permitiu um aumento de 31% em relação a 2013 tendo superado 1% do consumo o que revela o potencial de crescimento deste sector. Francisco Ferreira, membro do Grupo de energia e alterações climáticas da Quercus, acrescenta que: "… não podemos deixar de continuar a apostar nas energias renováveis e na eficiência energética permitindo a recuperação da economia sem onerar o ambiente. Para tal é preciso um investimento na sensibilização e um planeamento adequado do sector energético também em prol de uma desejável política climática exigente". Por seu lado, António Sá da Costa, Presidente da Direção da Associação Portuguesa de Energias Renováveis, afirma “2014 Foi um ano em que Portugal beneficiou em ter apostado nos seus recursos renováveis para produzir eletricidade pois, além de se terem evitado importações de combustíveis fósseis e emissões de gases com efeito de estufa, o fato de quase 2/3 da eletricidade consumida ser de origem renovável possibilitou estabilizar o preço deste bem, o que também é positivo e apresenta um grau elevado de sustentabilidade.” Contributo da aposta nas renováveis permite poupanças de 1565 milhões de euros A produção da eletricidade de origem renovável aumentou em relação a 2013, tendo sido responsável por 63,8% de toda a eletricidade produzida em Portugal Continental em 2014, comparativamente aos 61,7% de 2013. Em cada hora de consumo de eletricidade em 2014, trinta e oito minutos tiveram origem em centrais renováveis, dos quais catorze minutos foram produzidos pela energia eólica.A produção de eletricidade de origem renovável em 2014 permitiu também poupar 1500 milhões de euros na importação de combustíveis fósseis (gás natural e carvão) e 65 milhões de euros em licenças de emissão de CO2. Produção de energia elétrica através do carvão prejudica o ambiente A produção de eletricidade nas centrais de Sines e Pego ter sido semelhante à de 2013, devido ao baixo preço do carvão nos mercados internacionais, ao reduzido custo das emissões de dióxido de carbono, para além da estrutura de contratualização / mercado em Portugal. Este facto tem impedido um maior recurso às centrais de ciclo combinado a gás natural, com uma eficiência muito superior em relação às centrais a carvão e com benefícios ambientais, por serem muito menos poluentes. É de salientar que as centrais a gás natural apenas produziram 3% do total do consumo de eletricidade, enquanto a produção das centrais a carvão supriu 22% das necessidades de energia elétrica, apresentando valores semelhantes aos de 2013. Renováveis são enorme contributo para redução de emissões de CO2 As emissões associadas à produção de energia elétrica somaram 13 milhões de toneladas de CO2 em 2014, cerca de 20% do total de emissões de gases de efeito de estufa atuais de Portugal mantendo-se em linha com os valores de 2013. Sem eletricidade renovável em Portugal e partindo do principio que seria possível assegurar o consumo recorrendo somente à utilização de toda a capacidade instalada das centrais a carvão e a centrais de ciclo combinado a gás natural, as emissões atingiram com a produção a ser assegurada recorrendo somente à utilização de toda a capacidade instalada das centrais a carvão, em combinação com as centrais a ciclo combinado a gás natural, as emissões atingiriam 26 milhões de toneladas de CO2. Este valor corresponderia ao dobro do atual, cerca de 40% do total de emissões de gases de efeito de estufa de Portugal. Evolução favorável da intensidade energética Entre 2013 e 2014 teve lugar uma ligeira redução do consumo da ordem dos 0,7% em relação a 2013. A intensidade energética (na eletricidade) que resulta da quantidade de energia elétrica necessária por unidade de Produto Interno Bruto gerada está assim a evoluir favoravelmente dado que se estima para 2014 um crescimento do PIB na ordem dos 0.9% a evolução do PIB em 2014 se estima num crescimento de 0,9 % o que aponta para uma melhoria neste indicador.Projeto Rio Tintohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=328A abordagem ao Rio Tinto assume um papel importante na estratégia da LIPOR para a Biodiversidade e de Responsabilidade Social. O Rio Tinto nasce no lugar de "Montes da Costa”, freguesia de Ermesinde, Concelho de Valongo, e sendo um pequeno afluente do rio Douro, desagua na sua margem direita, na zona do Freixo, freguesia de Campanhã, Concelho do Porto. A bacia hidrográfica do Rio Tinto tem uma área de aproximadamente 23,5 km2, abrange os Concelhos de Valongo, Gondomar, Maia e Porto, sendo que o curso de água cerca de 12 km de comprimento. Na LIPOR a expressão do Rio Tinto é bastante reduzida, no entanto a Organização considera que o seu envolvimento deve ser total. Este projeto pretende contribuir para a definição de uma ação conjunta, que tem como premissas cadastrar e permitir confirmar zonas de contaminação, monitorizar a evolução da qualidade da água, permitir sustentar de um ponto de vista técnico-científico, as intervenções indispensáveis para a recuperação do rio, reavivar o ecossistema ribeirinho e definir usos futuros sustentáveis no mesmo. Neste seguimento, está a decorrer um Programa de Monitorização para Avaliação da Qualidade da Água e dos Sedimentos do Rio Tinto, de modo a contribuir para a identificação das causas de degradação da qualidade da água. Esta avaliação será concretizada pela definição de parâmetros físico-químicos e biológicos representativos, num conjunto de locais selecionados no curso do rio, considerando-se o seu percurso desde a nascente à foz. Após essa avaliação, está previsto a definição de um conjunto de intervenções para a recuperação do rio e das suas margens. Este projeto tem como parceiros os Municípios de Valongo, Maia, Gondomar, Porto, as Águas de Gondomar, SA, as Águas do Porto, a Universidade Fernando Pessoa e a Agência Portuguesa do Ambiente, I.P./Administração da Região Hidrográfica do Norte. A AdEPorto deseja um Feliz Natal e um 2015 com energias renovadas!http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=314A AdEPorto deseja um Feliz Natal e um 2015 com energias renovadas!Preço da água vai baixar no Porto em 2015http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=313O preço da água no Porto vai baixar em 2015. Apesar dos fortes investimentos que a empresa Águas do Porto tem vindo a fazer na rede de distribuição, no tratamento de águas pluviais e no tratamento de águas residuais no Porto, será possível baixar o preço da água em 2,5% no primeiro escalão. A redução resulta de uma deliberação do Conselho de Administração da empresa, que Rui Moreira já garantiu "não será nem privatizada nem concessionada", enquanto for presidente da Câmara Municipal do Porto.Todos os outros escalões manterão o seu preço, pelo que a empresa conseguirá, assim, reduzir o valor da factura aos munícipes da cidade do Porto.A Águas do Porto tem vindo a investir fortemente na melhoria do ambiente e no atendimento ao cliente no Porto, o que tem sido possível graças aos ganhos de eficiência que tem vindo a obter. Neste momento decorre uma grande intervenção com a colocação de um adutor, obra que tem vindo a desenvolver-se ao longo da marginal do Porto e vai permitir a ligação de duas ETAR, além de um conjunto de obras que decorrem na cidade.A referida empresa é ainda apontada como um exemplo na poupança de energia, tendo desenvolvido com a Universidade do Porto um sistema - "Porto Gravítico" - que lhe permite utilizar a força da gravidade para evitar o gasto de energia elétrica para bombear água, obtendo uma poupança de 95% em custos energéticos.A eletricidade de origem renovável em Portugal Continental – Novembro de 2014 (APREN)http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=312As renováveis mantêm-se como principal fonte de produção de eletricidade em Portugal, desde o início do ano, representando em novembro 63% do consumo em Portugal Continental. A grande hídrica foi a principal fonte de produção de eletricidade, contribuindo cerca de 30% do consumo elétrico, seguindo-se a térmica fóssil com 25% e em terceiro lugar foi a eólica com 24%, sendo este último valor superior ao carvão (21,9%) a maior das fontes térmicas. A biomassa com 5%, as pequenas centrais hídricas com 3% e a solar com 1% são as restantes fontes de produção de eletricidade renovável. Em termos mensais, as renováveis, sem a grande hídrica, foram a principal fonte de abastecimento do consumo de eletricidade em Portugal em novembro, mantendo a tendência do mês anterior. De realçar o crescimento da grande hídrica e o facto de Portugal ter neste período exportado eletricidade para Espanha originando um saldo importador negativo neste mês. O acumulado do saldo importador cifra-se em 1,9% o valor mais baixo registado nos meses de novembro desde 2002.Consulte aqui a informação referente aos meses anteriores.Águas do Porto nomeada para prémio nacionalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=309A empresa municipal Águas do Porto, associada da AdEPorto – Agência de Energia do Porto, está nomeada para o prémio "Qualidade do serviço de abastecimento público de água", pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR). Para além desta nomeação, a empresa recebeu o Selo de "Qualidade de Serviço de Abastecimento Público de Água".Em 2007, a Águas do Porto começou a implementar o Projecto Porto Gravítico que consiste no abastecimento gravítico de água a toda a Cidade, sem recurso a sistemas de circulação forçada, ou seja, sem utilização de energia eléctrica para bombear a água dos eixos principais para os reservatórios existentes. O abastecimento de água à Cidade do Porto realiza-se através de 2 eixos adutores principais: um a Norte, através da Circunvalação, e outro a Sul que abastece o reservatório de Nova Sintra. Este projecto permitiu uma redução nos custos anuais na ordem dos 1,1M€ e estima-se que anualmente o consumo eléctrico seja reduzido em 8 000 MWh o que equivale a 3 900 t de CO2 evitadas, tal como referenciado no PAES-P - Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto.Os Prémios de Qualidade de Serviço, na área da água, distinguem as entidades gestoras que, além de cumprirem os critérios de atribuição do correspondente selo de qualidade do serviço, revelem um especial desempenho ou uma melhoria significativa nesse mesmo desempenho. A parceria entre a ERSAR e o jornal "Água&Ambiente" conta com a colaboração da Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA), da Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental (APESB) e da Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos (APRH) - e do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e tem como objectivo "identificar, premiar e divulgar casos portugueses de referência relativos à qualidade dos serviços de abastecimento público de água, saneamento de águas residuais urbanas e gestão de resíduos urbanos, contribuindo para a melhoria da qualidade do serviço prestado aos cidadãos".A atribuição dos prémios baseia-se numa avaliação quantitativa e qualitativa da informação constante dos Relatórios Anuais dos Serviços de Águas e Resíduos em Portugal editados pela ERSAR nos últimos anos. O júri é composto por representantes das entidades organizadoras e parceiras.Este ano, será atribuído, pela primeira vez, o selo de "Qualidade de Serviço de Abastecimento Público de Água", que distingue 17 entidades gestoras. Para ganhar este selo, os operadores têm de cumprir um conjunto de critérios cumulativos, de acordo com o regulamento publicado no site da ERSAR.Os vencedores serão relevados no próximo dia 19 de Novembro, no âmbito da Expo Conferência da Água, que se realiza no Laboratório Nacional de Engenharia Civil, em Lisboa.AdEPorto e ADENE promoveram mais uma sessão sobre o Sistema de Certificação Energética http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=308A AdEPorto em parceria com a ADENE promoveu mais uma sessão sobre o Sistema de Certificação Energética dos Edifícios dirigida a Técnicos Municipais. A sessão teve como objetivo dar a conhecer as alterações legislativas decorrentes da publicação do Decreto-Lei 118/2013, através da atualização de conceitos, o esclarecimento de dúvidas e explorando o papel das diversas entidades intervenientes, nomeadamente os Municípios, no âmbito dos procedimentos de controlo prévio das operações urbanísticas e licenciamento de obras particulares e obras públicas municipais.O Decreto-Lei 118/2013, de 20 de agosto, deu início à transposição da diretiva 2010/31/EU e à revisão do SCE - Sistema de Certificação Energética dos Edifícios (Decreto-Lei 78/2006) e respetivos diplomas técnicos de suporte (Decretos-Lei 79 e 80/2006). O programa da sessão, que esteve a cargo de Paulo Libório da Direcção de Edifícios da ADENE, compreendeu a apresentação da “Nova regulamentação do Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (Decreto-Lei 118/2013)” e foi seguida de um período de debate. Contemplou o enquadramento legal, o âmbito de aplicação do DL 118/2013 de 20 Agosto, bem como os principais requisitos regulamentares, com o objectivo de dar a conhecer a transição legislativa relativa à Certificação Energética dos Edifícios em Portugal.Área Metropolitana do Porto tem plataforma online para consultar transportes públicos em tempo realhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=307A ferramenta tecnológica mobilidade.amp, disponível através do endereço http://mobilidade.amp.pt/pt/, foi apresentada pela Área Metropolitana do Porto (AMP) no Coliseu do Porto. Esta ferramenta, com acesso gratuito, permite, através das plataformas web e mobile, aceder em tempo real aos transportes dos 17 municípios da Área Metropolitana do Porto. Todos os utentes dos transportes públicos da região e todos aqueles que a visitam dispõem agora de um serviço que lhes permite pesquisar e calcular as rotas que utilizam no seu quotidiano.“A plataforma mobilidade.amp oferece um novo serviço e dá um contributo importante a todos aqueles que no seu dia-a-dia privilegiam os transportes públicos para se deslocarem na área metropolitana. Este é um excelente exemplo de que juntos, em concertação e cooperação, os municípios da AMP conseguem oferecer às populações locais e a quem nos visita um serviço facilitador para o seu dia-a-dia”. afirmou Hermínio Loureiro. O Presidente da AMP frisou ainda que “o Conselho Metropolitano do Porto está a marcar a diferença, concentrando energias para melhorar e otimizar o transporte público”. Referindo-se ao trabalho realizado no último ano, o autarca realçou que este tem sido “um caminho de descrição mas de firmeza” e que “o Portugal 2020 pode ser a última oportunidade deste território para recuperar o tempo perdido. Não podemos falhar. Estamos preparados para assumir novas oportunidades e novos desafios”.Lino Ferreira, Primeiro-Secretário da Comissão Executiva da AMP, deu nota na sua intervenção de que “o projeto hoje apresentado personifica o verdadeiro espírito metropolitano”. Sublinhou que “a AMP é a primeira área metropolitana a disponibilizar a toda a população uma ferramenta deste género” e destacou a importância dos operadores, da Autoridade Metropolitana dos Transportes do Porto, da empresa OPT e de todas as entidades envolvidas com a AMP para que esta ferramenta fosse uma realidade. Por fim, destacou que “a regionalização faz-se destes pequenos passos, nos quais se encontram soluções para resolver problemas comuns”.Por seu turno, Teresa Sá Marques, co-coordenadora do Plano Estratégico de Base Territorial da AMP, realçou que “o projeto mobilidade.amp está diretamente relacionado com o novo quadro comunitário, no qual uma área prioritária de investimento está direcionada para as questões da mobilidade intermodal, assim como para a adoção de medidas para reabilitar o ambiente urbano". Analisando o território, a professora afirmou que “somos uma área metropolitana muito dispersa e temos de responder aos desafios da mobilidade. Nos últimos anos privilegiou-se a utilização do automóvel. Neste novo quadro comunitário temos de pensar nos transportes coletivos e em outros tipos de transportes alternativos.”A responsável lembrou os problemas de isolamento, sobretudo dos mais seniores, que estão associados à questão da mobilidade.O Secretário Metropolitano, Avelino Oliveira, apresentou a ferramenta mobilidade.amp, contando com a colaboração de Fernando Vieira, Coordenador da equipa de programação tecnológica da OPT, que mostrou quatro exemplos práticos de percursos.O responsável da AMP salientou que a ferramenta mobilidade.amp “é uma plataforma giratória e agregadora de todos os projetos relacionados com a mobilidade da AMP, incluindo a divulgação das nossas câmaras municipais”. Avelino Oliveira, falando numa perspetiva de crescimento permanente deste novo serviço, apelou à “colaboração de todos os operadores sem exceção para se chegar aos 100% de cobertura” e formulou alguns desejos para o futuro da ferramenta, que passa pela “disponibilização de outras informações úteis para os utentes, como o preçário”.Fonte: AMP Acordo sobre o Pacote Energia-Clima http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=306Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia, reunidos em Bruxelas, chegaram a acordo sobre o pacote energético e climático até ao horizonte de 2030, anunciou já hoje de madrugada o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy.O acordo sobre o Pacote Energia-Clima fechado pelos 28 prevê metas vinculativas de redução das emissões de gases com efeito de estufa de 40% em relação ao nível de 1990 e de pelo menos 27% de incorporação de energias renováveis, até 2030.O compromisso alcançado contempla ainda o objetivo indicativo de aumentar igualmente em pelo menos 27% a eficiência energética e 15% para as interconexões, com vista à criação um verdadeiro mercado de energia na UE, objetivo este que era defendido por Portugal, representado no Conselho Europeu pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.A Sua Casa, A Sua Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=305A medida “A Sua Casa, A Sua Energia” tem como objectivo ajudar as famílias portuguesas a poupar energia na sua habitação. Disponibilizando informação específica sobre oportunidades de intervenção com vista ao aumento da eficiência energética na sua habitação e sugestões de comportamentos que o ajudam a optimizar o seu consumo energético, poderá poupar energia sem abdicar do seu conforto.Ao participar, gratuitamente, neste projeto poderá: • Receber informação periódica acerca dos seus consumos de energia e dicas de poupança personalizadas;• Comparar do seu consumo com o de habitações semelhantes à sua, dentro de uma comunidade de cerca de 2000 pessoas;• Contribuir para melhorar a compreensão dos diferentes perfis de consumo, apontando o caminho para políticas energéticas mais eficazes.“A Sua Casa, A Sua Energia” é promovido pelo IST, em parceria com a ADENE, a PT e a ISA, no contexto do PPEC - Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica, uma iniciativa gerida pela ERSE - Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. Para mais informações e inscrição no projecto visite a página http://casaenergia.ptVisite e adira, saiba como poupar energia!!Galp ProEnergy PMEhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=304Foi hoje lançado o Galp ProEnergy PME, um programa de formação gratuito e de âmbito nacional, que pretende aconselhar as pequenas e médias empresas sobre as melhores práticas na utilização da energia elétrica. O programa tem como público alvo os gestores de topo e quadros decisores das PME, em especial das que apresentem maior potencial para redução dos consumos de eletricidade. O projeto é financiado no âmbito do Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC 2014-2015), aprovado pela ERSE – Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos . Este projecto conta ainda com a colaboração de três parceiros: a RNAE – Associação das Agências de Energia e Ambiente (rede nacional), o ISQ – Instituto da Soldadura e Qualidade e a Sair da Casca – Consultoria e Comunicação em Desenvolvimento Sustentável. O programa de formação tem a duração de 5 horas, sendo precedido de um diagnóstico inicial que avaliará as práticas de utilização de energia elétrica de cada uma das empresas. Após a formação, as empresas são convidadas a elaborar um plano de ação de eficiência energética, que implementarão sozinhas, ou com a colaboração das agências de energia e ambiente locais. As PME com melhores resultados na implementação dos planos de eficiência energética serão distinguidas com o selo Galp ProEnergy. As ações de formação são limitadas a 750 participantes, mas qualquer empresa poderá inscrever-se e participar nas fases de diagnóstico, implementação das ações e avaliação final. As empresas interessadas em participar deverão efetuar a sua inscrição até 28 de novembro, em www.galpproenergy.com.Siemens Mobility IDEA Contest – Mais ideias, menos tráfegohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=311Dados demonstram que as pessoas ficam presas no trânsito cerca de 34 horas todos os anos e gastam 1.9 mil milhões de litros de combustível. E estes são apenas alguns dos problemas de mobilidade identificados a nível mundial e para os quais a Siemens procura criar soluções de inovadoras. Para reforçar este trabalho contínuo, a Siemens nos EUA lançou o Siemens Mobility IDEA Contest - um concurso de ideias que até 02 de novembro desafia estudantes universitários, academias, empreendedores e público em geral, de todas as partes do mundo, a vestir a pele de um gestor de tráfego e apresentar formas inovadoras e eficientes para gerir o crescente volume de tráfego nas cidade. Saiba mais sobre o IDEA Contest aqui Oferta de possibilidade de estágio na Siemens Portugal Em jogo, além dos prémios previstos para os vencedores à escala mundial, está um estágio de seis meses na filial portuguesa a atribuir ao melhor projeto/ideia submetido no concurso Siemens Mobility IDEA Contest de entre os apresentados pelos portugueses a frequentar um estabelecimento de ensino superior em Portugal. Veja as condições de participação aqui Prémio para universidades As três universidades que submeterem o maior número de candidaturas no Siemens Mobility IDEA Contest serão também premiadas com a oferta de um Sistema de Gestão de Tráfego da Siemens para apoiar a formação de futuros engenheiros. Os prémios têm um valor global de 150 mil euros. Mais informações sobre os prémios em jogo aqui Participe!MUNICÍPIO POVEIRO RECEBE GALARDÃO ECO XXI 2014http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=303Na sequência de candidatura apresentada pela Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, foi atribuído ao Município o galardão ECO XXI 2014. A cerimónia de entrega do galardão vai realizar-se na sexta-feira, dia 19 de setembro, na Biblioteca Municipal de Cantanhede. Estará presente nesta cerimónia, para receber a distinção, a Vereadora do Pelouro do Ambiente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Andrea Silva. O ECOXXI é uma iniciativa da Associação Bandeira Azul da Europa de âmbito nacional, que procura reconhecer as boas práticas de sustentabilidade desenvolvidas ao nível dos municípios, valorizando um conjunto de aspetos considerados fundamentais à construção do Desenvolvimento Sustentável, alicerçados em dois pilares: a educação no sentido da sustentabilidade e a qualidade ambiental. Composto por 21 indicadores de sustentabilidade local, este Programa pretende avaliar a prestação dos municípios em torno de alguns temas considerados chave: Educação Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável; Sociedade Civil; Instituições; Conservação da Natureza; Ar; Água; Energia; Resíduos; Mobilidade; Ruído; Agricultura; Turismo e Ordenamento do Território. Semana Europeia da Mobilidade 2014http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=302Semana Europeia da Mobilidade 2014 Entre 16 e 22 de Setembro, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto com os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde) assinalam a Semana Europeia da Mobilidade. O programa oferecerá um conjunto de actividades de carácter desportivo, lúdico e pedagógico apoiado pela TIP, CP, Metro do Porto e STCP. As diversas iniciativas contam com o patrocínio da EDP Gás, LIPOR e Porto de Leixões. De destacar no dia 20 de Setembro, pelas 10 horas, arranca a 4ª edição do Mobipaper Intermunicipal que tem como principal objectivo a promoção do uso do transporte público. Os participantes terão à sua disposição títulos de transportes que deverão utilizar para fazer as suas viagens entre dois Municípios Associados da AdEPorto: Porto - Gondomar, Maia - Matosinhos, Póvoa de Varzim - Vila de Conde e Trofa – Santo Tirso. A participação nesta iniciativa é gratuita, no entanto, sujeita a inscrição através do email: sem@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. O vencedor de cada percurso receberá como prémio uma bicicleta. PROGRAMA 16 Setembro “…Divulgar para prevenir” - Prevenção Rodoviária | Estabelecimentos de Ensino de Santo Tirso 17 Setembro 10:00 Contos, Contigo Conto “Max na cidade triste” | Biblioteca Municipal da Maia “…Divulgar para prevenir” - Prevenção Rodoviária | Estabelecimentos de Ensino de Santo Tirso 18 Setembro “…Divulgar para prevenir” - Prevenção Rodoviária | Estabelecimentos de Ensino de Santo Tirso 19 Setembro “…Divulgar para prevenir” - Prevenção Rodoviária | Estabelecimentos de Ensino de Santo Tirso “Sinto-me Seguro” - Prevenção Rodoviária | Estabelecimentos de Ensino de Santo Tirso 20 Setembro 10:00 Dia do Porto de Leixões | Estação de Passageiros – Leça da Palmeira 10:00 Mobipaper Intermunicipal | Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde | Participação gratuita - Inscrições: sem@adeporto.eu 11:00 Dia das Rodas Verdes - Arte Fora do Sítio | Marginal de Matosinhos 15:00 Prova de Orientação | Igreja Matriz de Santo Tirso 16:00 Workshop de apanha bolas | Parque Aventura da Lipor (os participantes deverão trazer garrafas de plástico com tampa) 17:00 1ª Corrida Porto de Leixões | Forte de Nossa Senhora das Neves 20:30 Caminhada Noturna - “Percurso Jurássico”| Praça 25 de Abril – Santo Tirso 21 Setembro 10:00 Põe-te a Mexer…Nas Marginais | Marginal de Leça da Palmeira 10:00 Fruição livre do Parque | Parque Aventura da Lipor 22 Setembro Dia Europeu sem carros na Trofa TODA A SEMANA 08:00 Gondomar a Pedalar | Quinta do Passal 09:30 Exposição ‘A Bicicleta’ | Biblioteca Municipal José Régio – Vila do Conde Aprende a viajar de comboio - Comboios de Portugal | Estabelecimentos de Ensino | Santo Tirso e Trofa Aprende a viajar de autocarro - STCP | Estabelecimentos de Ensino | Porto Obtenha aqui o programa.Mobipaper Intermunicipal - Semana Europeia da Mobilidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=300A AdEPorto em parceria com os Municípios Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) promove, no dia 20 de Setembro pelas 10 horas, no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade 2014, a 4ª edição do Mobipaper Intermunicipal que tem como principal objectivo a promoção do uso do transporte público e de modos leves de transporte. Os participantes terão à sua disposição títulos de transporte que deverão utilizar para fazer as suas viagens entre dois Municípios Associados da AdEPorto: Gondomar - Porto, Maia - Matosinhos, Póvoa de Varzim - Vila de Conde e Santo Tirso - Trofa. A participação nesta iniciativa é gratuita, no entanto, sujeita a inscrição através do email: sem@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. Os participantes deverão indicar nome, documento de identificação, idade, morada, telefone e email. O vencedor de cada percurso receberá como prémio uma bicicleta. O Mobipaper tem 8 percursos alternativos, com início nos seguintes posto de partida: Gondomar Quinta do Passal Rua Clube Naval Infante D. Henrique 4420 Valbom - Gondomar Maia Posto de Turismo Parque Central da Maia (Jardim junto à CM Maia) 4470 Maia Matosinhos CMIA - Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental Marginal de Matosinhos Porto Casa Museu Guerra Junqueiro Rua de Dom Hugo, 32 4050-305 Porto Póvoa de Varzim Museu Municipal Rua Visconde de Azevedo n.º 17 4490-589 Póvoa de Varzim Santo Tirso Pavilhão Municipal Rua do Picoto, S/N 4780-521 Santo Tirso Trofa AquaPlace – Piscinas Municipais Rua António Sá Couto de Araújo 4785-409 Trofa Vila do Conde Centro de Memória Largo de S. Sebastião 4480-706 Vila do CondeA eletricidade de origem renovável em Portugal Continental – Agosto de 2014 (APREN)http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=301Até agosto de 2014 as renováveis mantêm-se como a principal fonte de eletricidade em Portugal, representando 67% do consumo em Portugal Continental. Este facto é ainda mais considerável pois estarmos no período tipicamente mais seco do ano e portanto com menor contribuição renovável via produção hídrica. Pela primeira vez este ano a produção de eletricidade de origem renovável em regime especial (PRE Renovável - toda a renovável exceto a Grande Hídrica) apresenta-se como a principal fonte de produção de eletricidade, contabilizando 34% do consumo. A Grande Hídrica ocupa agora o segundo lugar, contribuindo para 33% do consumo. A produção eólica foi responsável por um quarto do consumo, seguida da biomassa com 5,4% e das pequenas centrais hídricas com 3,1%. A solar fotovoltaica continua a aumentar a sua produção e representa 1,3% do consumo. A produção térmica fóssil (Térmica PRO e PRE não renovável) abasteceu 32% do consumo elétrico português. Em termos mensais, a Térmica PRO mantém-se como a principal fonte de abastecimento do consumo elétrico nacional, como normalmente acontece durante o período de Verão. A PRE Renovável mantém igualmente o segundo lugar. Em agosto Portugal voltou a importar mais eletricidade do que aquela exportada e, em termos cumulativos, as importações já ultrapassaram as exportações totais desde o início do ano. No entanto, é importante realçar que o saldo importador até ao final de agosto (140 GWh) é cerca de oito vezes inferior àquele verificado para o mesmo período no ano anterior (1055 GWh).Fonte: APRENCâmara Municipal do Porto instala passadeiras com LEDhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=299A Câmara Municipal do Porto está a instalar passadeiras com sinalização LED na cidade, estando já em funcionamento em 13 locais. À Avenida Fernão de Magalhães foi dada especial prioridade, uma vez que apresentava números de atropelamentos particularmente preocupantes. A medida, que se estende também a outras zonas da cidade, representou um investimento de 35 mil euros e o seu impacto está a ser monitorizado, com vista à sua eventual expansão. Para já, estão já instaladas passadeiras com LED nas seguintes artérias: Rua Alvares Cabral (2), Avenida Fernão de Magalhães, Rua Carlos Malheiro Dias, Rua Manuel Pereira da Silva, Rua Dr. Roberto Frias (2), Avenida da Boavista, Rua Augusto Lessa, Via do Castelo do Queijo, Rua do Campo Alegre e Rua da Arrábida. Os LED são pequenas luzes com elevado grau de visibilidade que ficam embutidas no pavimento, assinalando a passagem de peões. Também a sinalização vertical tem vindo a receber soluções de alta visibilidade junto das passadeiras, como forma complementar de sinalização e aviso. Esta medida faz parte da política de mobilidade da Câmara Municipal do Porto que tem vindo, progressivamente, a implementar, procurando defender o peão e desincentivar o uso do automóvel no centro da cidade, estimulando, por outro lado, a utilização do transporte público e do motociclo. Recordam-se, neste âmbito, medidas como a implementação de metropolitano 24 horas por dia aos fins de semana, a pedonalização temporária ou definitiva em algumas zonas, a permissão de circulação de motociclos e ciclomotores nas faixa BUS e a alteração de fluxos de trânsito, de que é emblemático o caso do Jardim do Carregal, onde os tempos de viagem de transporte público naquela zona caíram drasticamente desde as alterações promovidas pela Câmara Municipal do Porto. Todas estas medidas – e outras que têm vindo a ser implementadas – são sempre estudadas e monitorizadas, a fim de avaliar os seus impactos reais, o que pode levar à sua expansão ou ajuste.Matosinhos vai alargar rede de ciclovias para o interior da cidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=297Depois da adesão ao cicloturismo, com a abertura de 12 quilómetros de vias dedicadas a bicicletas na marginal atlântica do concelho, a Câmara de Matosinhos anunciou esta quinta-feira um projecto que visa facilitar a utilização da bicicleta nos circuitos diários nas ruas interiores da chamada “quadra marítima da cidade”, delimitada, a oeste, pela rua Álvaro de Castelões.Na década de 60, o arquitecto Fernando Távora desenhou uma pioneira ciclovia em volta do Porto de Leixões, atravessando as Quintas de Santiago e da Conceição. Na última década, a cidade ganhou novos troços, de uso eminentemente turístico, graças à reconversão urbanística das marginais de Matosinhos e Leça, e o executivo liderado por Guilherme Pinto considera que é chegada a hora de facilitar a vida aos que, em cada vez maior número, tentar usar a bicicleta nas deslocações diárias, e não apenas em lazer. A área de expansão das ciclovias abrange vários equipamentos importantes, como o mercado, a lota e os acessos à Câmara Municipal, por exemplo.Com algumas obras, a maior parte delas de simples pintura da faixa de rodagem, a autarquia pretende criar, nos próximos meses, uma rede de circuitos que alargará para 21 quilómetros a extensão de vias dedicadas existentes. E que permitirá ligar, pelo interior da cidade, as ciclovias que já existem de Leça para Norte (até ao limite do concelho, em Angeiras) e de Matosinhos para o Porto. O vereador da mobilidade, o comunista José Pedro Rodrigues, espera que as diferentes soluções a adoptar ajudem a melhorar a convivência entre peões, automóveis e ciclistas e a aumentar o número daqueles que optam por este último meio de transporte.São quatro as soluções a implementar, ou já implementadas, no terreno. Tal como já acontece na marginal, na Brodway - via ainda não concluída e assim "baptizada" por Siza Vieira, na década de 90, e que liga o molhe sul de Matosinhos à circunvalação, seguindo o canal de uma antiga linha de serviço do Porto de Leixões - vai ser instalada uma ciclovia. Esta tem “níveis de segurança elevados e será preferencialmente em canais independentes segregados fisicamente do tráfego automóvel”. Nas restantes artérias, a opção recairá pela abertura de ciclovias em vias mistas, ciclofaixas ou simplesmente pelo tráfego partilhado.Esta última opção vai ser seguida, por exemplo, na Avenida da República e numa parte da rua Heróis de França, na zona do porto de pesca. Noutras ruas, como Roberto Ivens, Álvaro Castelões, Godinho e Gago Coutinho, a solução escolhida será a delimitação de uma ciclofaixa, num dos lados da via de rodagem. E nos casos em que esta é estreita, como acontece em Roberto Ivens, que faz a ligação, pela ponte móvel, entre as duas cidades da margem do Leça, esta faixa será prioritária para os ciclistas mas não terá traço continuo, permitindo que os automóveis possam usá-la se necessário.A ciclovia em via mista é a opção escolhida para zonas “primordialmente ou exclusivamente pedonais”, onde o peão tem prioridade sobre os veículos, como acontece nas Ruas de Brito Capelo (onde o trânsito está limitado por causa do canal de metro), e nas artérias transversais e de sentido único Conde São Salvador, Gago Coutinho, 1.º de Dezembro, onde a velocidade de circulação foi já reduzida para um máximo de 20 km/h. Nestes casos, os ciclistas podem circular livremente, sem canal dedicado, mas com apoio de sinalização vertical orientativa de um percurso. O vereador do urbanismo considera que estas opções de uso partilhado da via pública induzem alterações de comportamentos, e um maior respeito entre os seus utilizadores, do que as vias segregadas – que põem cada um no seu “sítio”. E Guilherme Pinto assumiu que as opções tomadas visam também produzir uma “acalmia” do tráfego automóvel, principalmente nas ruas onde os carros terão de conviver mais de perto com os veículos de duas rodas.Neste projecto, a obra mais avultada, mas cujo valor os autarcas não especificaram, acontecerá na Rua Serpa Pinto, cujo piso será totalmente renovado antes de lhe ser acrescentada a ciclofaixa prevista. De resto, o vereador comunista aponta para que parte das alterações estejam já concluídas até Setembro, de modo a que, na semana da Mobilidade, seja possível organizar um debate com a comunidade de ciclistas. Com eles, o autarca espera conseguir avaliar o projecto e avançar com algum tipo de correcção que se afigure necessário.COMUNICADOhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=296Na sequência da nota divulgada pela Agência Lusa e veiculada pelos Meios de Comunicação Social (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=742104&tm=8&layout=121&visual=49) no passado dia 2 de Junho de 2014, o Conselho de Administração da AdEPorto decidiu esclarecer os seus Associados relativamente às afirmações inverídicas proferidas sobre a situação financeira da Agência. Tendo este Conselho de Administração reunido no passado dia 1 de Julho p.p., considerou, igualmente, ser relevante dar conhecimento ao Conselho Metropolitano do Porto da actual situação financeira da AdEPorto. A Agência de Energia do Porto (AdEPorto) não se encontra “com problemas gravíssimos do ponto de vista financeiro”, como terá sido afirmado pelo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia. Analisando o balanço da AdEPorto reportado a 31 de Dezembro de 2013, verifica-se que o total do activo era de 400.659 euros, sendo o passivo de 148.903 euros (37% do activo). Por seu lado, o total do fundo patrimonial ascendia a 251.756 euros, estando os fundos realizados (capital social realizado) no valor de 205.750 euros reforçados por resultados transitados (resultados positivos acumulados de períodos anteriores) no montante de 30.790 euros e pelo próprio resultado líquido de 2013 positivo de 15.216 euros. Do ponto de vista financeiro, os meios financeiros líquidos (caixa e depósitos bancários) ascendiam a 31 de Dezembro de 2013 a 262.349 euros, montante superior ao valor total do passivo, o que significa que a AdEPorto tem liquidez suficiente para, no imediato, cumprir com todas as suas responsabilidades. O Conselho de Administração da AdEPorto – Agência de Energia do Porto fica à disposição dos seus Associados para qualquer explicação adicional que seja considerada oportuna. O Conselho de AdministraçãoPATORREB 2015 - 5ª Conferência Sobre Patalogia e Reabilitação de Edifícioshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=295A construção é um setor de atividade indispensável às sociedades modernas e desenvolvidas, no entanto, em cada momento é fundamental entender claramente quais as necessidades e ajustar as intervenções a essas necessidades. A reabilitação, nomeadamente a reabilitação do património edificado, é um dos vetores fundamentais do setor da construção. A reabilitação passará pela preservação do património monumental, pela reabilitação dos edifícios antigos, pela reabilitação da envolvente e das zonas comuns dos edifícios de condomínio de estrutura porticada de betão armado (construídos nas décadas de 60, 70 e 80) e ainda pela resolução das patologias construtivas dos edifícios mais recentes, cuja durabilidade é claramente inferior ao período de amortização dos empréstimos bancários.Desde 2003, com uma periodicidade trienal, têm-se realizado as conferências PATORREB sobre patologia e reabilitação de edifícios, em Portugal e em Espanha, envolvendo professores, investigadores, estudantes, projetistas, empresas e outros profissionais. O extraordinário interesse manifestado nas 4 edições anteriores, que contaram com cerca de 600 participantes, motiva a realização da 5ª edição da conferência PATORREB 2015, que decorrerá no Porto de 26 a 28 de março, organizada conjuntamente pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto – FEUP, pela Universidad Politécnica de Cataluña – UPC e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, com o objetivo de impulsionar e divulgar a sistematização do conhecimento neste domínio e contribuir para o intercâmbio técnico e científico entre Portugal, Espanha, Brasil e outros países da América Latina, razão pela qual as duas línguas oficiais são o português e o espanhol.Pretende-se, por um lado, refletir sobre o problema da patologia da construção: responsabilidades, garantias e seguros, código da construção, patologias estruturais, patologias dos materiais e componentes, patologias de caráter higrotérmico, técnicas de diagnóstico, inspeção técnica de edifícios, custos da patologia e disseminação da informação. Por outro lado, visa-se discutir a reabilitação nos seus múltiplos aspetos, com enfoque na componente técnica, estratégica, regulamentar, da indústria da construção e do setor financeiro.A comissão organizadora convida todos os interessados a participar no PATORREB 2015.Mais informações poderão ser obtidas aqui.Final Intermunicipal de Carrinhos Solares na LIPOR http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=294O Parque Aventura da LIPOR em Baguim do Monte acolhe amanhã, pelas 14h30, a Final Intermunicipal - Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo ‘À Velocidade do Sol’. Este passatempo foi promovido no início do ano lectivo de 2013/2014 junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto – Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos solares. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes.As equipas inscritas nos diferentes Municípios entregaram os seus carrinhos originais e participaram numa corrida municipal que permitiu apurar os 3 vencedores que representarão na final de amanhã o Município.Semana da Energia e do Ambiente 2014http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=293Entre 29 de Maio e 6 de Junho, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto e os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde) promovem a Semana da Energia e do Ambiente agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho). O programa oferece um conjunto de actividades diversificadas, de carácter técnico, desportivo, lúdico e pedagógico de modo a envolver todos os cidadãos.Contamos com a sua presença!Consulte aqui o programa.Porto recebe seminário sobre eficiência energética e boas práticas ambientais nas empresas http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=292A RNAE - Associação das Agências de Energia e Ambiente (Rede Nacional), numa parceria com a AdEPorto - Agência de Energia do Porto e com a AEP – Associação Empresarial de Portugal promovem, no próximo dia 03 de Junho pelas 09h30, no Auditório da AEP em Leça da Palmeira, uma ação de formação no âmbito do Ciclo de Seminários dedicado ao tema ‘Eficiência Energética e Boas Práticas Ambientais nas Empresas – Oportunidades para a Redução de Consumos e Custos’, que têm por objetivo sensibilizar o Sector Empresarial para a implementação de medidas de eficiência energética. O Porto é a terceira cidade portuguesa a receber esta iniciativa, que contará com a presença de representantes da RNAE, da AdEPorto, da APESE, da CCDR NORTE, da ADENE e da AEP na promoção e sensibilização das Pequenas e Médias Empresas da região norte, através de uma reflexão sobre as vantagens económicas e financeiras da adoção de boas práticas no domínio da Eficiência Energética e Ambiental. Com um montante de investimento superior a 290 mil euros, o ‘Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas - Eficiência Energética no Setor Empresarial’ tem como objetivo estratégico a sensibilização do tecido empresarial português para a adoção de práticas de eficiência, diversificação energética e sustentabilidade ambiental, demonstrando a sua importância no reforço da competitividade das empresas. Foi financiado pelo QREN, no âmbito do Programa Operacional Fatores de Competitividade, no montante de 294.754,67 euros, dos quais 235.803,74 euros são provenientes do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional. A organização promove, com esta ação de mobilização nacional, um debate que visa a sensibilização dos empresários e PME’s, para uma gestão integrada, racional e eficiente dos recursos energéticos e ambientais no desenvolvimento das suas atividades, visando a adoção de práticas de gestão que têm impactos relevantes no âmbito da inovação e resiliência das empresas, em defesa dos interesses do ambiente, da economia, da sociedade e da região. A entrada no seminário é livre, mas sujeita a inscrição prévia até 01 de junho, através do link: http://bit.ly/1swDhai. Para mais informações, por favor contacte: Gabinete de Imprensa +351 918 651 013 | email: comunicacao@rnae.pt Maiambiente finalista na edição de 2014 do prémio “RegioStars”http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=290Atribuído pela Comissão Europeia e considerado o 'Óscar' dos projetos de desenvolvimento regional, o RegioStars pretende distinguir projetos inspiradores e inovadores de desenvolvimento regional e as boas práticas na aplicação de fundos comunitários, encontrando-se dividido em 4 categorias (Smart Growth, Sustainable Growth, Inclusive Growth e CityStar).Entre mais de 80 projetos com origem em 17 Estados Membro da União Europeia, a Maiambiente apresentou a concurso o projeto 'Ecoponto em Casa', tendo sido distinguida com uma presença entre os quatro finalistas, na categoria Sustainable Growth, onde também concorriam projetos da região West Wales and the Valleys (UK), Meuse-Rhine (BE, DE, NL) e North West Europe (UK, IE, DE, LU, NL, BE).O projeto Ecoponto em Casa, único no país com as suas características, tem por principal objetivo a universalização do serviço de recolha porta-a-porta dos resíduos indiferenciados, mas também dos resíduos de papel/cartão, embalagens plásticas e metálicas e embalagens de vidro, onde se verificou em 2013 um aumento de 36% na quantidade de materiais recolhidos.O projeto integra uma importante componente tecnológica, que permite a monitorização do serviço em tempo real, e a possibilidade de implantação do princípio PAYT (Pay As You Throw).Trata-se do maior, mais complexo e mais inovador projeto de gestão de resíduos sólidos urbanos alguma vez realizado em Portugal por um município e provavelmente um dos melhores exemplos nacionais de aplicação eficaz da política de coesão.O projeto Ecoponto em Casa foi apoiado pelo programa ON.2, gerido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), tendo obtido um cofinanciamento comunitário de 1.461.308,50 euros.Os prémios foram entregues no dia 31 de Março de 2014, no Palais des Beaux-Arts (BOZAR), em Bruxelas, pelo Comissário Europeu para a Politica Regional, Johannes Hahn, e pelo ex-Presidente do Comité das Regiões, Luc Van den Brande.Este prémio representa o resultado da dedicação, competência, ambição e envolvimento coletivo, incluindo o Acionista, o Conselho de Administração, os Colaboradores, os Munícipes e todos os Parceiros.Deco promove iniciativa ECOCIDADÃO - WEBSÉRIES http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=291A iniciativa "ECOCIDADÃO - WEBSÉRIES & WEBQUESTS" pretende promover o conhecimento e reflexão sobre as temáticas ambientais junto da comunidade educativa, motivando os alunos e as famílias a adotar e a disseminar novas atitudes em prol do ambiente. As atividades educativas incidirão sobre as temáticas da sustentabilidade e uso eficiente de recursos numa perspetiva europeia e, em particular, abordarão temas, como a água, energia, mobilidade, resíduos, alimentação e compras. Objetivo: o projeto pretende implementar atividades educativas que promovam a consciencialização dos cidadãos, enquanto agentes ativos e promotores da sustentabilidade e do uso eficiente de recursos. Ações do projeto - contempla as seguintes iniciativas:- Competição online Webséries Ecocidadão: concurso online que pretende motivar a comunidade educativa a produzir webséries originais e criativas sobre sustentabilidade e uso eficiente de recursos, que tenham como principal objetivo incentivar os cidadãos a adotar novas atitudes em prol do ambiente.- Competição online Webquests Ecocidadão: concurso online que pretende motivar a comunidade educativa a produzir webquests originais e criativas sobre sustentabilidade e uso eficiente de recursos numa perspetiva europeia.As webquests a submeter à competição devem incentivar os cidadãos a explorar e refletir sobre a informação, materiais e recursos disponíveis online relativamente a temáticas ambientais, com especial destaque para a informação produzida pela Comissão Europeia, e motivar à adoção e disseminação de novas atitudes em prol do ambiente. Público-alvo- Competição online Webséries Ecocidadão: Alunos de estabelecimentos de ensino, público e privado, com ensino básico e secundário/profissional de Portugal Continental e Regiões Autónomas.- Competição online Webquests Ecocidadão: Alunos de estabelecimentos de ensino universitário de Portugal Continental e Regiões Autónomas. Os prémios consistem na atribuição de viagens de avião para Copenhaga, a cidade europeia vencedora do Prémio Capital Verde da Europa 2014, uma iniciativa da Comissão Europeia que distingue as cidades que se encontram na vanguarda do meio urbano respeitador do ambiente. A participação nas iniciativas do projeto é livre e gratuita. As inscrições serão efetuadas no site da iniciativa.Na InternetSítio web | Facebook | Twitter | InstagramAssembleia Geral aprovou por unanimidade o Relatório de Actividades e Contas 2013http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=288A Assembleia Geral da AdEPorto, reunida a 28 de Março, no Auditório da Quinta da Gruta na Maia, aprovou por unanimidade o Relatório de Actividades e Contas de 2013 e o parecer do Conselho Fiscal, documento que recebeu um voto de louvor do Conselho Consultivo da AdEPorto. A marcar a 16ª Assembleia Geral a desvinculação por parte dos Associados Fundação Gomes Teixeira, IC - Instituto da Construção, EFACEC e GALP. Em virtude da extinção do Associado Fundação Gomes Teixeira da Universidade do Porto, decorrente da Resolução do Conselho de Ministros nº 79-A/2012, a Universidade do Porto, no processo de dissolução e liquidação da Fundação Gomes Teixeira, assumiu a participação, em substituição daquela. Assim foi proposta a admissão da Universidade do Porto como Associado da Agência, que foi aprovada por unanimidade. Ainda na agenda desta Assembleia Geral a renúncia do Presidente do Conselho de Administração, Eduardo de Oliveira Fernandes. Os restantes membros do Conselho de Administração estão regularmente eleitos e compete aquele órgão convocar uma nova Assembleia Geral tão breve quanto possível para a eleição do novo Presidente do Conselho de Administração que a partir desta data passará a ser designado ‘por deliberação aprovada pela maioria dos Municípios Associados, tomada em Assembleia Geral’, de acordo com a nova redacção dos Estatutos aprovada nesta Assembleia Geral.Publicada Matriz de Energia da Área Metropolitana do Porto - Norte do Douro http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=289Os resultados da Matriz de Energia da Área Metropolitana do Porto - Norte do Douro já se encontram disponíveis em publicação. A Matriz de Energia é um instrumento de diagnóstico que faz parte do processo de planeamento da gestão da energia à escala municipal mas, também, à escala metropolitana dado que a energia não se restringe às fronteiras dos municípios, do que é exemplo evidente a associada ao sector dos transportes. A Matriz de Energia permite identificar, tanto ao nível municipal como metropolitano, quais os vectores e sectores mais intensivos na utilização de energia e, com base nessa informação, definir prioridades de intervenção e concertar estratégias nos casos em que haja dependência intermunicipal. Este instrumento permite ainda o ‘benchmarking’ energético e energético-ambiental (emissões de CO2), hoje em dia tão em voga. Uma vez elaborado o diagnóstico, seguir-se-ão os planos de acção para a energia sustentável, os quais deverão explicitar os objectivos de política e as metas de acordo com as da Comissão Europeia e do Governo nacional no que respeita à eficiência energética, à promoção das energias renováveis de proximidade e, consequentemente, à redução das emissões de CO2. Trata-se de um trabalho desenvolvido pela AdEPorto que traz informação sobre uma realidade até agora imersa. O conhecimento do perfil energético constitui a base de uma vertente nova e relevante para a gestão municipal à luz do significado do protagonismo dos Municípios para a consecução das metas da Comissão Europeia para 2020. Poderá encontrar o documento da Matriz de Energia da Área Metropolitana do Porto - Norte do Douro aqui. Aumento da procura de energia deverá aumentar a pressão sobre os recursos de água potávelhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=287O aumento da procura de energia deverá aumentar a pressão sobre os recursos de água potável – que estão já sob forte tensão, revela um relatório das Nações Unidas.Publicado para coincidir com o Dia Mundial da Água, o relatório da ONU indica que o crescimento populacional, a urbanização e as mudanças nos padrões de consumo deverão fazer aumentar a procura de electricidade até 70% em 2035, com mais de metade do aumento da procura a provir da China e da Índia.Consequência desta maior procura será a utilização de mais água potável para a produção de energia, que a ONU estima aumentar para 20% do total da água em 2035. Também o gás de xisto, a produção de petróleo e os biocombustíveis “podem representar riscos significativos” para os recursos de água, sublinha o relatório.O documento indica ainda que para o objectivo da “energia sustentável para todos” ser cumprido é necessário coordenar as políticas de gestão da água e da energia. Estas políticas, refere o Business Green, devem incluir tecnologias energéticas limpas, medições inteligentes e infra-estruturas combinadas – a Arábia Saudita, por exemplo, possui infra-estruturas que dessalinizam a água enquanto produzem energia.Call for papers - PCEEE 2014 - Eficiência energética como fator de competitividadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=282Call for papers - PCEEE 2014 - Eficiência energética como fator de competitividade A 20 de Junho de 2014 realizar-se-á a terceira edição da iniciativa PCEEE - Portugal em Conferência por uma Economia Energeticamente Eficiente, que terá lugar na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. O PCEEE é promovido pelo CENSE- Centro de Investigação em Ambiente e Sustentabilidade da FCT/UNL, pela Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, pelo ISR – Instituto de Sistemas e Robótica da Universidade de Coimbra e pelo CESUR – Centro de Sistemas Urbanos e Regionais do IST/UL. O PCEEE 2014 surge sob o tema “Eficiência Energética como fator de competitividade”, com o objetivo de possibilitar o intercâmbio de informação entre os vários promotores da eficiência energética em Portugal, sejam eles investigadores, órgãos da administração central ou local, organizações não governamentais, agências de energia, empresas ou outros. Pretende-se dar a conhecer o trabalho de investigação e de desenvolvimento, bem como, dar destaque à aplicação de soluções que permitam um salto qualitativo face ao passado recente. A necessidade de estimular o uso eficiente da energia é urgente, sendo fundamental refletir sobre o que correu melhor e pior para que seja possível delinear linhas de intervenção estratégica para o futuro. Que setores apresentam melhores indicadores? Qual tem sido e evolução nas áreas dos edifícios ou da mobilidade? Poderão os smartmeters alterar de forma significativa os padrões de uso de energia nos diferentes setores? Haverá espaço ou necessidade de conceitos como o de suficiência? Em 2014 o PCEEE será organizado tendo por referência três grandes temas: Tema 1 – A tecnologia e a eficiência energética Tema 2 – A gestão da procura de energia Tema 3 - Instrumentos para a promoção da eficiência energética Submissão de comunicações Os painéis temáticos paralelos serão constituídos pela apresentação de comunicações submetidas à apreciação da Comissão Científica. Os autores interessados deverão submeter resumos alargados com um máximo de 4 páginas, estruturados em: 1) Introdução; 2) Metodologia; 3) Resultados; 4) Conclusões. Devem ainda indicar o tema escolhido. O autor principal deverá disponibilizar os seus contactos: endereço, telefone, e-mail, instituição a que pertence. Os resumos aceites serão disponibilizados posteriormente no site do PCEEE. Pelo menos um dos autores da comunicação aceite deverá proceder à inscrição no evento. As principais datas referentes ao processo de submissão são: - Prazo para submissão de resumos | 28 de Fevereiro de 2014 - Solicitação de correções por parte da Comissão Científica | Abril de 2014 - Prazo para reenvio de resumos corrigidos | 25 Maio de 2014 Só serão considerados os resumos de comunicações que sigam o template. Os resumos deverão ser submetidos em português ou inglês via e-mail para pceee2014@quercus.pt e em formato pdf. No assunto do e-mail deverá indicar-se “PCEEE – 2014”, indicando o tema onde considera que a sua proposta deveria ser incluída. Para mais informações aconselha-se a consulta do sítio do evento na Internet: http://pceee2014.blogspot.pt. A redução das emissões de CO2(%) na Cidade do Porto no quinquénio 2004-2009http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=286A redução das emissões de CO2 (%) na Cidade do Porto no quinquénio 2004-2009PAES-P – Plano de Ação para a Energia Sustentável da Cidade do Porto 2020 Meta* 2020 Ponto de Situação 2009 Razão dominante Componente Nacional 22% 15% Mixelétrico nacional Eletricidade renovável Componente Local 23% Municipal: - ‘Stakeholders’: 7% Transportes coletivos (Metro) Total ** 45% 22% (*) referida a 2004 em que o valor das emissões era de 5,5 toneladas de CO2/capita.(**) no quinquénio (2004-2009) o que augura um enorme potencial para que se atinja o resultado do PAES-P, se uma politica mais agressiva for adotada quanto à eficiência da energia nos edifícios.OPINIÃO: Sobre o custo da energia - António Sá da Costa, Presidente da APRENhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=285Muito se discute em Portugal sobre energia, mas infelizmente muita ignorância existe em torno deste tema. Alguma desta ignorância é genuína, mas muita é maliciosa e propositada, servindo interesses não claros e …Sem me querer arvorar em “grande educador do povo” acho que há questões que devem ser esclarecidas, abordando neste artigo duas delas: uma básica e outra de relatividade.A básica é que contrariamente ao que muitos dizem a energia não se produz, transforma-se. O que se produz são formas de energia tais como o calor, o som, a luz, o movimento, a deformação.Por exemplo, a energia que nos chega do Sol, aquecendo diferenciadamente diversas partes do globo terrestre, induz também aquecimento diferenciado das massas de ar, o que leva a que estas se movimentem originando o vento. Este, por sua vez, actuando sobre as pás de um aerogerador, faz com que estas rodem, estando solidárias com o rotor do gerador, fazem-no rodar, gerando electricidade.É diferente dizer que se gerou energia eléctrica do que se gerou energia. A primeira afirmação está correcta e a segunda não. Talvez o consumidor não perceba a diferença; talvez seja um preciosismo da minha parte, mas é a Física que fundamenta esta minha opinião e é com ela que continuarei a reger as minhas intervenções.A outra questão - a da relatividade - diz respeito às formas de utilização da energia.Tradicionalmente o uso da energia é classificada em três categorias: transporte; aquecimento e arrefecimento; electricidade.Quando se debate energia em Portugal quase só se fala de electricidade, o que é limitativo e justifico. Segundo as estatísticas da DGEG – Direcção Geral de Energia e Geologia a electricidade apenas representa 25% da energia usada em Portugal, as restantes utilizações representam conjuntamente 75% da energia. Como o Transporte e o Aquecimento e Arrefecimento repartem mais ou menos de forma igual estes 75%, isto é 37,5%, ou seja o peso de cada uma destas formas de usar a energia é, só por si, vez e meia superior ao peso da electricidade.Isto são contas simples e mostram que o problema da energia do nosso País não se resume ao custo da electricidade.Contudo, alguns “peritos” da nossa praça afirmam que a energia em Portugal é cara, somente reportando à electricidade, ignorando 3/4 da energia que usamos. E responsabilizando a chamada produção de electricidade em regime especial a partir de fontes de energia renováveis (PRE-FER) para justificar as suas afirmações sobre a energia ser cara no nosso País.Ora, esta forma de gerar electricidade em Portugal representou em 2013 32,1% do total da electricidade consumida no nosso País.Usando uma simples multiplicação, multiplicando 32,1% por 25% obtemos 8% que é o peso efectivo que a PRE-FER teve em 2013 no sector da energia em Portugal e são estes 8% que segundo esses “peritos” estão a condicionar todos os custos energéticos do País. É muito provável que no futuro as renováveis venham a garantir 100% de todos os consumos de energia; contudo ainda estamos longe desse momento.O tema do custo da energia, onde se inclui o da electricidade, é pertinente debater. O sector PRE-FER tem os seus custos, que até podem ser considerados superiores à sua expressão dos 8%, o que contudo não é a minha opinião. Mas é importante que seja claro que estes 8% são de todo responsáveis por 100% dos custos e dos problemas energéticos de Portugal.E saberá o leitor calcular o verdadeiro custo comparável das diferentes formas da energia que usa?Tratarei disso em próxima oportunidade.Metro bate recorde anual de procurahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=310Metro do Porto e STCP transportaram em 2013 cerca de 135 milhões de clientes, de acordo com os primeiros dados relativos à procura no ano anterior. Os números do Metro do Porto, que recupera da ligeira diminuição sentida em 2012, são os melhores de sempre desde a entrada em funcionamento da rede, com 56 milhões de clientes e um crescimento de 2,6 por centro. A STCP, que transportou mais de 78 milhões de passageiros, consegue contrariar as fortes perdas sentidas no primeiro trimestre, fechando o ano com uma variação de -7,5 por cento. Os valores globais de procura dos dois principais operadores públicos da Área Metropolitana do Porto registam cerca de 135 milhões de validações em 2013. Este valor compara com os mais de 139 milhões de 2012, o que se traduz numa diminuição de 3,6 por cento. Os resultados do Metro do Porto, que terá sido o único operador público de transportes no país a aumentar o número de clientes no ano passado, contribuem fortemente para os resultados globais. O Metro «conquistou» perto de 1,5 milhões de validações adicionais, apresentando uma taxa de crescimento de 2,6 por cento. Os 55,9 milhões de clientes transportados são o melhor resultado de sempre do Metro, cuja operação arrancou em 2003. Na comparação mensal com os períodos homólogos de 2012, verifica-se que o Metro cresceu em 8 dos 12 meses do ano, tendo mesmo obtido o recorde absoluto de validações mensais, com 5,5 milhões, em Outubro de 2013. A STCP transportou 78,5 milhões de clientes em 2013, menos 7,5 por centro do que no ano anterior. Sublinhe-se que, no final de 2012, a STCP anunciou a extinção da totalidade do seu tarifário mono-modal, o que veio a suceder em 2013 (à excepção da assinatura STCP Rede Geral). Assim, a integração global na rede intermodal Andante veio contribuir para uma maior transferência de clientes entre modos de transportes, contribuindo para um aumento generalizado das condições de mobilidade. Por outro lado, tendo verificado um forte decréscimo de procura nos primeiros meses de 2013, a STCP atenuou substancialmente essa tendência ao longo do ano, detectando-se a formação de uma curva de recuperação da procura. Procura Metro do Porto (milhões) 2013 55,9 2012 54,5 variação 2,6% Procura STCP (milhões) 2013 78,5 2012 84,9 variação -7,5% Procura Global (milhões) 2013 134,5 2012 139,5 variação -3,6% Se a BP estiver certa, as renováveis quase triplicarão na Europa até 2025 e ultrapassarão o Nuclearhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=283De acordo com a BP, as energias renováveis continuarão a ser a fonte de energia que mais crescerá para o fornecimento de uma fatia cada vez maior das necessidades do mundo e poderão ultrapassar o nuclear em 2025. Fontes como a eólica e a solar vão aumentar uma média de 6,4% ao ano até 2035, por comparação com o gás natural o combustível fóssil que terá o mais rápido crescimento rondando 1,9%. As renováveis serão responsáveis por 14% da energia do mundo, partindo dos 5% verificados em 2012, valor que será impulsionado pelo crescimento das nações mais pobres fora da OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. "Enquanto as economias da OCDE têm tido um crescimento notório das energias renováveis, estas têm igualmente vindo a recuperar no universo exterior à OCDE", afirma a BP no seu relatório, “Incluindo os biocombustíveis, as energias renováveis deverão ter uma maior participação de energia primária do que o nuclear até 2025." Os governos, desde os EUA até à China, estão a promover as energias limpas para combater as alterações climáticas procurando dar, simultaneamente, resposta à procura. A segunda maior empresa de petróleo da Europa compromete-se a investir, em 2015, 8 biliões de dólares em energia alternativa, direccionando-se sobretudo para os biocombustíveis e para os parques eólicos. Neste documento, a BP afirma ainda que, com o aumento da procura de energia, a utilização de energias renováveis na produção de energia irá subir 768% na China, 539% na Índia e 227% no Brasil até 2035. Nos EUA a utilização irá aumentar 277%, aliás em Julho a BP cancelou a venda das suas participações em 16 parques eólicos nos EUA. Na União Europeia, o uso de fontes renováveis na energia eléctrica vai crescer 177%, superando o uso do nuclear como fonte de energia doméstica que será ainda dominante em 2023, mas que em 2035 representará apenas 37% da produção energética da UE. As 28 nações com metas vinculativas em relação à energia limpa vão ter o maior aumento regional da quota de energias renováveis no seu mix, passando dos actuais 6% para 17% em 2035. Os combustíveis fósseis continuam a dominar o mix de energia em 2035, com o petróleo, gás e carvão, cada um com 26 a 27% de quota de mercado, enquanto nuclear, hidroeléctrica e outras energias renováveis cada um tem cerca de 5 a 7%, de acordo com a BP.CONCERTO - Soluções de energia para as Smart Citieshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=284CONCERTO é uma iniciativa da Direcção Geral de Energia da Comissão Europeia no âmbito do Programa-Quadro Europeu de Investigação ( FP6 e FP7) . Nesta iniciativa estão envolvidas 58 cidades e comunidades de 23 países europeus que participaram em 22 projectos co-financiados por esta iniciativa desde 2005. A conferência CONCERTO, realizada em Outubro passado, permitiu que se verificasse como a iniciativa CONCERTO abriu caminhos para as Smart Cities A iniciativa CONCERTO tem como objectivo demonstrar que a optimização energética do território entendido como um todo é mais rentável do que o tratamento de cada edifício individualmente. O factor chave para o sucesso é que todas as partes interessadas trabalhem em conjunto e integrem as diferentes tecnologias na área da energia de forma inteligente. As conclusões e as apresentações do encontro estão disponíveis aqui.ENERGee Watch - Um anúncio com duas mensagenshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=280Um anúncio com duas mensagens: uma ferramenta disponível e a importância do diagnóstico (auditorias, matrizes…) na gestão da ‘coisa’ energética! ENERGee Watch Publication of the network's first regional data brochure (Dec. 2013)ENERGee Watch is the European network of regional GHG emissions and energy data Observatories. This initiative derives from the INTERREG IVC project CLIMACT Regions which identified in 2012 more than 20 regional GHG and energy observatories, some of which decided to join forces through this platform to better share monitoring experiences and methodologies.Monitoring regional and local energy and GHG emissions data is the first and foremost, crucial, step towards identifying priority areas of intervention and thus defining regional and local energy and climate strategies (including SEAPs - Sustainable Energy Action Plans) which are relevant to the context. To this effect, ENERGee Watch completed this year a regional energy and GHG emissions data gathering exercise which it presents in its first brochure (Dec. 2013) on the right. This exercice has precisely revealed the deficiency in energy and GHG emissions data at the regional and local levels, which needs to be addressed.If you wish to have your regional energy and GHG emissions data feature in our next year's brochure (Dec. 2014), and join our network free of charge, contact us at info@energee-watch.euAs TICs – Tecnologias de Informação e Comunicação e as Future Citieshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=279O maior desafio que se coloca à sociedade de hoje é o da sustentabilidade. As Nações Unidas seccionaram sucessivamente o que havia aparecido como constituindo um desafio ambiental à escala planetária – Relatório Brundtland (1987) e Conferência do Rio (1992) – em três vertentes: sustentabilidade ambiental, social e económica. Conquanto a economia apareça como o motor do progresso e do designado desenvolvimento, na realidade, ela tende a sintonizar-se na banda do crescimento desvalorizando ou simplesmente ignorando o desenvolvimento sustentável. Na realidade a economia tem-se mostrado até hoje literalmente incapaz e, por isso, desinteressada da adequada avaliação económica dos valores ambientais, mais concretamente das externalidades negativas resultantes do crescimento a qualquer preço. Disso é exemplo tonitruante o malogrado mercado do carbono. Ora a sustentabilidade apresenta duas facetas particularmente críticas como são a social, quando provavelmente 1/3 da população do Planeta não tem acesso à eletricidade ou, de qualquer forma, tem acesso a baixíssimas capitações de outra energia; e a ambiental, face à cada vez menos contestada fatalidade do aquecimento global com as consequências devastadoras do ponto de vista ambiental e social (saúde) e, naturalmente, económico. Enquanto as questões do desenvolvimento vão tendo respostas avulsas nos países mais pobres com a ajuda tecnicamente competente (?) das agências internacionais e de alguns países mais ricos e, nos países emergentes, através de mimetismos das soluções dos países desenvolvidos com volumes de investimento ‘overnight’ abissais, a questão das emissões do CO2 enfrenta dificuldades que parecem insuperáveis. As questões que se nos colocam, porém, situam-se não apenas ao nível da receita, seja ela da economia ‘business as usual’, seja da informação/comunicação/gestão, mas situam-se também, e sobretudo, ao nível das coisas mais básicas, ou seja, dos ingredientes: o urbanizado, isto é, o construído (as infra-estruturas físicas, edificado, etc.) e a gestão dos recursos naturais (pegada ecológica!), seja para alimentação adequada da população sempre crescente, seja para suporte da sociedade de consumo ou de bem-estar. As TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) permitem melhorar a informação e, daí, a gestão dos recursos e dos bens sociais e ambientais, de que as cidades têm a maior responsabilidade. Só que, por muito e inquestionável que seja o mérito das TICs, estas não poderão superar senão marginalmente e, muito menos, substituir no tempo de uma geração a inércia do existente, isto é, das cidades-municípios que temos em Portugal, com o seu construído e as suas infraestruturas e da ocupação do território feita nos últimos 40 anos para uma população de muito mais de 10 milhões de pessoas sem ser sujeita a qualquer critério de avaliação de desempenho ambiental, incluindo o energético e sócio-económico. As TICs têm, agora e aqui, um papel importante a desempenhar mas não podem ser encaradas como panaceia para os problemas da gestão energético-ambiental e do bem-estar social das nossas cidades. Isso seria tomar o acessório ou complementar pelo necessário e inadiável: a eficiência energética no edificado; a promoção da mobilidade diversificada, incluindo a eléctrica e a ‘soft’; e, duma forma integrada, a gestão das cidades pela bitola das emissões do CO2. Cidades do Futuro: Gestão de Forma Integrada pela ‘bitola’ das emissões de CO2, isto é, quanto e qual a energia que é usada. Eduardo de Oliveira FernandesPresidente do Conselho de AdministraçãoQualidade do Ar na Europa - Novo pacote de medidas http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=278A má qualidade do ar na União Europeia tem um custo humano elevado pois é a principal causa ambiental de morte prematura. Neste sentido, a Comissão lançou um novo pacote de medidas para reduzir a poluição do ar. Foram levadas a cabo atualizações da legislação de política de ar limpo e reduzidos os valores de emissões nocivas com origem na indústria , tráfego, energia e agricultura, com o objectivo de reduzir o seu impacto sobre a saúde humana e o meio ambiente. Saliente-se que a poluição do ar provoca números elevados de absentismo e custos com cuidados de saúde, nos grupos mais vulneráveis: crianças, asmáticos e idosos. O Comissário Europeu do Ambiente, Janez Potocnik, declarou que "O ar que respiramos hoje é muito mais limpo do que no passado, no entanto, a poluição do ar ainda é um "assassino invisível" que impede muitas pessoas de ter uma vida totalmente ativa. As ações propostas irão reduzir para metade o número de mortes prematuras, aumentar a proteção aos grupos mais vulneráveis e melhorar a qualidade de vida para todos. Estas medidas constituem igualmente uma boa notícia para a natureza e os ecossistemas frágeis, e irão impulsionar a introdução de tecnologia limpa na indústria. "Por seu lado, o Comissário Europeu da Saúde, Tonio Borg, congratulou-se com a aprovação deste pacote de medidas que coloca a Europa no caminho certo para alcançar o “ar limpo para todos no longo prazo”. O novo Programa Ar Limpo para a Europa lança medidas para garantir que as metas existentes são cumpridas no curto prazo e novos objectivos de qualidade do ar para o período até 2030. O pacote inclui igualmente medidas de apoio para a redução da poluição do ar, com foco na melhoria da sua qualidade nas cidades, apoiando a pesquisa e inovação, e promovendo a cooperação internacional.Poderá conhecer o novo pacote de medidas em http://ec.europa.eu/environment/air/clean_air_policy.htmA AdEPorto deseja um Feliz Natal e um 2014 com energias renovadas!http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=277Projeto Lipor Geração+ já arrancou no Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=274O trabalho de campo do projeto Lipor Geração+, iniciou-se no passado dia 5 de dezembro, com o desenvolvimento das primeiras auditorias de avaliação inicial junto do Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia. Este trabalho consiste na visita de técnicos da Lipor às instituições, no sentido de avaliar os diversos parâmetros de sustentabilidade ambiental e de funcionalidade dos espaços, identificando potenciais pontos de otimização no processo de Gestão de Resíduos.Desta fase de diagnóstico resulta um relatório de avaliação, que sustentará a construção de um de plano de intervenção adequado e vigilante!A LIPOR foi distinguida com o Galardão “Acessibilidades”http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=275A LIPOR foi distinguida com o Galardão “Acessibilidades” na IV Gala da Inclusão, pelo projeto “R+ - reciclar +, reabilitar mais” que dinamiza, onde está bem explícito o conceito “R+ - Equipamentos Amigos das Pessoas”. Este Galardão distinguiu a LIPOR por ser uma entidade inclusiva, que defende a igualdade de oportunidades para todos, independentemente da condição física das pessoas, que promove e busca soluções inclusivas e que quer, acima de tudo, ser Amiga das Pessoas.A IV Gala da Inclusão, uma iniciativa do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) e da Câmara Municipal de Leiria tem como objetivo homenagear entidades e individualidades, que se distinguiram na inclusão de pessoas com deficiência, distinguindo as boas práticas inclusivas nas áreas de “Media”, “Investigação aplicada”, “Cultura, desporto e lazer”, “Boas práticas de inclusão no mundo do trabalho”, “Acessibilidades” e “Mérito regional”. É com esta e outras demonstrações de atitude de querer, de saber e de fazer, que a LIPOR irá vencer as adversidades dos próximos anos, acreditando que o Futuro se ganha, estando centrada naquilo em que é FORTE, naquilo que está a fazer BEM, procurando sempre INOVAR em PRODUTOS e SERVIÇOS e alcançar NOVOS MERCADOS.Ar condicionado e Ventilação: A Indústria Europeia lança alerta sobre a qualidade do ar interiorhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=281 A Federação Europeia das Associações para o Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado (REHVA) está a apelar à Comissão Europeia (CE) para que “siga as recomendações do projecto EnVIE e que desenvolva um Green Paper sobre a qualidade do ar interior que lance o debate e avalie as diferentes opções para as políticas”. Num documento de posição, os especialistas defendem a aposta na QAI, uma vez que as tecnologias existentes já permitem a protecção aos poluentes internos e externos, através do controlo dos estragos provocados pela humidade ou materiais de baixa emissão de carbono. “A eficiência energética tem ganho grande atenção, mas a legislação ligada ao uso de energia tem sido desenvolvida sem prestar a atenção suficiente à qualidade do ar interior”, pode ler-se no documento que reforça que “devem ser definidos requisitos adequados para a QAI no sentido de assegurar que as iniciativas para a eficiência energética não atrapalham” este campo. A importância de atender à qualidade do ar interior nos edifícios é reconhecida, propondo a REHVA que a metodologia par a sua abordagem seja a definida nos projectos europeus EnVIE (2004-2008) e HelthVent (2010-2013) em cuja liderança participou o Instituto de Enegnharia Mecânica da Faculdade de Enegenharia da Universidade do Porto. O desenvolvimento de guidelines para a ventilação, a integração da QAI na agenda europeia para a Acção Climática, e na implementação das Directivas EPBD, de eco-design e etiquetagem energética, e ainda a introdução de medidas concretas para cumprir o 7º programa de acção em matéria de ambiente, em particular disposições sobre a QAI, são outras das recomendações dos especialistas da REHVA. Veículos Elétricos e Publicidade Enganosa - “Chegou a hora de repensar. A hora da mobilidade sustentável, com zero emissões.”http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=273Em matéria de energia e de mudanças climáticas a vozearia é por demais ruidosa e a ética escassa. Agora, uma marca de prestígio vem anunciar um novo modelo de automóvel elétrico e sublinhando os dotes da novidade com a menção “não emite CO2”. Ora a definição acima é mentira. Nem a marca, nem o veículo em causa necessitam de uma tal manifestação de esperteza saloia. O CO2 está intimamente ligado à eletricidade nacional. É certo que um programa de sucesso nas energias renováveis permitiu que a eletricidade aparecesse no mercado nacional com uma significativa menor ”responsabilidade” nas emissões de CO2 mas isso não permite que se tome a parte pelo todo. Tão pouco vale levar a “chico espertice” ao ponto de dizer que “não emite CO2 na cidade” já que ninguém se pode excluir ao princípio estabelecido pela OCDE nos anos 70 do “poluidor/pagador”. Assim, mesmo que a energia elétrica não emita CO2 nas nossas casas ou nas nossas cidades, os seus utilizadores não estão isentos de responsabilidade moral, pessoal e nacional, das emissões de CO2 associadas à “produção da eletricidade”, muitas ou poucas: as que forem. Eduardo de Oliveira Fernandes 2 de Dezembro de 2013Cerimónia de Jubilação do Professor Eduardo de Oliveira Fernandeshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=272No próximo dia 25 de Novembro de 2013 pelas 15 horas realizar-se-á, no Auditório da FEUP, a Cerimónia de Jubilação do Professor Eduardo de Oliveira Fernandes, Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, seguida de um jantar. A programação completa da cerimónia poderá ser consultada em: http://paginas.fe.up.pt/~eofjubilacao/index.htmlCâmara Municipal da Trofa regulariza dívidashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=271A Câmara Municipal da Trofa, presidida por Sérgio Humberto, iniciou a 5 de Novembro uma série de sessões de regularização de dívidas a fornecedores, que no total ascendem a cerca de 14 milhões de euros. Durante a sessão, que decorreu no âmbito do plano de reequilíbrio financeiro que está em curso, em que estiveram presentes o Vice-Presidente da Autarquia, António Azevedo, e os Vereadores, Lina Ramos e Renato Pinto Ribeiro, o Edil Trofense, Sérgio Humberto, lembrou que este Executivo Municipal está empenhado em honrar os compromissos da Autarquia, daí esta ter sido uma das primeiras prioridades a serem concretizadas.A AdEPorto, instituição de que a Câmara Municipal da Trofa é associada, foi uma das entidades contempladas com esta regularização.Maiambiente recebe Menção Honrosa na edição de 2013 dos prémios “Green Project Awards - Portugal”http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=270A Maiambiente, empresa do Município da Maia que é nosso associado, foi distinguida com uma Menção Honrosa na categoria “Produto ou Serviço” da 6.ª edição dos Green Project Awards – Portugal, com o projecto “Ecoponto em Casa”.O projeto Ecoponto em Casa tem por principal objetivo a universalização do serviço de recolha porta-a-porta dos resíduos indiferenciados, mas também dos resíduos de papel/cartão, embalagens plásticas e metálicas e embalagens de vidro., onde se verifica um aumento de 40% na quantidade de materiais recolhidos.Os prémios foram entregues durante a conferência "Mobilizar Portugal para a Economia Verde", que decorreu na Fundação Champalimaud, em Lisboa, após um processo de seleção entre quase 200 candidatos. O Green Project Awards - Portugal é organizado pela consultora de comunicação GCI, APA - Agência Portuguesa do Ambiente e Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza, e tem por objetivo premiar e reconhecer boas práticas em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável, alertando e consciencializando a Sociedade Civil para a importância do equilíbrio ambiental, económico e social.Desde 2008, as entidades promotoras dos GPA já receberam mais de mil candidaturas e premiaram mais de 50 projectos.Nesta edição os prémios foram apoiados pelo Governo, pela CPLP, pela Presidência da República e pela Comissão Europeia, sendo patrocinados pela Caixa Geral de Depósitos, Sociedade Ponto Verde, Dalkia, Adene, REN e Lipor. Os finalistas da edição de 2013 dos Green Project Awards – Portugal serão candidatos ao European Business Awards for the Environment. Este prémio representa o resultado da dedicação, competência, ambição e envolvimento colectivo, incluindo o Accionista, o Conselho de Administração, os Colaboradores, os Munícipes e todos os Parceiros.__________________________________________________________________________Sobre a MaiambienteA MAIAMBIENTE é a entidade responsável pela a remoção dos resíduos sólidos urbanos e equiparados a urbanos, recolha selectiva de materiais recicláveis e manutenção da higiene e limpeza dos locais públicos, no município da Maia.A MAIAMBIENTE serve uma população superior a 135 mil habitantes, recolhendo e transportando anualmente quase 60 mil toneladas de resíduos sólidos, dos quais 32% são já encaminhados para reciclagem. e/ou compostagem Concerto Conference, 22-23 October - Brusselshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=269Melhorar a eficiência energética dos edifícios e promover a penetração de energias renováveis é fundamental para um a segurança no abastecimento de energia preços acessíveis e também é fundamental para atingir metas climáticas e energia da UE. 58 cidades e comunidades de 23 países europeus têm trabalhado em modelos para demonstrar soluções inteligentes ao nível local que melhoram a eficiência energética dos edifícios e que fazem o aproveitamento das energias renováveis a partir de fontes locais.Mais informação sobre a conferência, aqui. A energia maltratada na publicidade e na informação http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=265Uma marca internacional de equipamentos de aquecimento/arrefecimento ambiente faz nestes dias um anúncio de um produto de aquecimento terminando com a evocação: “o ambiente vai aquecer”! Numa altura em que a Comissão das Nações Unidas para as Mudanças Climáticas anuncia uma situação quase desesperada no que toca ao aquecimento global, um anúncio destes deve ser repudiado pela insensibilidade que revela em si mesmo mas, sobretudo, por ser a ‘ponta do iceberg’ de um sector económico embriagado com a venda de equipamentos à tripa forra indiferente à eficiência e à racionalidade energéticas. Entretanto um canal de televisão (TVI online – 11 Out) propagou na passada semana ‘urbi et orbi’ que em Portugal as energias renováveis já produzem 70% da energia que o país consome. Se o autor soubesse que isso só se aplica à electricidade e, por isso, corresponde, na verdade, a 14% de toda a energia que o país consome - e já é muito bem bom! - mereceria um doce. Como não sabe isso, merece tão só ser ensinado. Se não era aquilo que escreveu que queria dizer, então diga que para si energia é só electricidade. E que o resto são combustíveis, ou lá o que é! REN investe 20 milhões no Grande Porto - António Albino Marques, Diretor de Investimento da Empresa em entrevista ao Vida Económicahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=267A REN - Redes Energéticas Nacionais inaugurou esta semana a primeira fase da ampliação para 400 kV da subestação de Vermoim (Maia), um investimento avaliado em cerca de 20 milhões de euros e que vem alterar a superestrutura da rede de transmissão do Grande Porto. Em entrevista à “Vida Económica”, António Albino Marques, diretor de Investimento da REN, explica a importância deste projeto para a região e fala sobre os investimentos previstos no plano estratégico até 2016, destacando o reforço das interligações elétricas entre Portugal e Espanha. Vida Económica – Qual o montante de investimento aplicado no projeto da subestação de Vermoim e qual a importância do mesmo? António Albino Marques – Este projeto representa um investimento de cerca de 20 milhões de euros e consta no plano de investimentos da REN há já vários anos. Este é o primeiro investimento significativo que a REN faz nesta zona do país, pois tem um caráter estruturante, ou seja, estamos a alterar a superestrutura da rede de transmissão. Comparativamente, esta é uma nova autoestrada que chega à região do Grande Porto, mais propriamente a Vermoim, Maia. VE - O que há de inovador neste projeto? AAM – Esta é a primeira vez em Portugal que se instala uma subestação de 400 KV em tecnologia compacta no interior de um edifício, o que permitiu minimizar o impacto da instalação na envolvente urbana da zona. Houve, por parte da REN, uma preocupação em concretizar o investimento numa região vizinha do Grande Porto, em ambiente quase urbano, reduzindo o impacto no ordenamento do território da região. O projeto teve também particulares cuidados com a redução do impacto ambiental, de que são exemplo os novos transformadores encapsulados para redução do ruído ambiente e a utilização das linhas existentes que já estavam construídas para este nível de tensão, mas eram operadas a tensão inferior. Plano estratégico prevê reforço das interligações ibéricas VE – Este projeto não integra já o mais recente plano estratégico onde a REN prevê investir 1,7 mil milhões de euros até 2016, dos quais cerca de mil milhões serão direcionados para as redes nacionais. Quais serão as áreas prioritárias de investimento? AAM – Comparativamente ao segmento do gás, no negócio da eletricidade o investimento é mais significativo e este número representa um valor plurianual que vai ser realizado ao longo de vários anos. O que a REN se propõe fazer para os próximos anos está refletido num instrumento legal apresentado ao Ministério de Economia e ao regulador que se chama Plano de Desenvolvimento da Rede de Transporte de Eletricidade (PDRTE) e será, muito breve, colocado em discussão pública. VE – Um dos projetos em destaque no plano estratégico da REN é o reforço das interligações elétricas com Espanha… AAM – Sim. Estão para ser concretizados duas novas ligações elétricas à rede espanhola. A primeira, no Algarve, a REN já concluiu os seus investimentos e espera-se que no primeiro semestre do próximo ano a rede espanhola conclua a componente que se situa no território espanhol. É uma ligação entre a instalação que a REN tem em Tavira e uma instalação elétrica nas proximidades de Sevilha. Há um outro investimento que consta no PDRTE, previsto para 2016, que passa por uma nova ligação elétrica na região do Minho. Este projeto implica a construção de uma nova linha de transmissão entre a zona do Porto, passando nas proximidades de Viana do Castelo e cruzando a fronteira espanhola do Rio Minho nas proximidades de Valença. VE – E em que medida estes investimentos são essenciais à construção de um mercado de energia europeu e ao reforço da competitividade das ofertas comerciais das concessionárias? AAM – As ligações entre a rede de transporte de eletricidade entre Portugal e Espanha são essenciais para permitir que os produtores e comercializadores ibéricos possam ter uma rede à disposição que lhes permita fazer os negócios que muito bem entenderem, sem restrições. O mercado ibérico, que já está a funcionar, é uma componente desse mercado europeu que mencionou. Todavia, para se atingir um mercado europeu sem restrições há ainda uma limitação muito forte nos Pirenéus e para que para que os consumidores portugueses possam beneficiar desse mercado europeu é indispensável que haja mais investimento na fronteira França-Espanha. Já na fronteira Portugal-Espanha com estes investimentos concretizados deixa de haver restrições físicas, portanto os operadores têm a possibilidade de vender, importar e exportar a energia que muito bem entenderem pela rede com esses reforços. Crise económica condiciona investimentos VE – Até que ponto a atual situação económica nacional condicionou a redefinição do plano estratégico? AAM – O plano estratégico que a REN anunciou já contém os pressupostos da atual situação económica que vivemos. Esse plano já se conteve com algumas projeções que resultam do ambiente macro económico em que vivemos, nomeadamente alguma retração do consumo de eletricidade, que com a crise baixou. Na verdade, a REN incorporou nos seus planos de investimentos essas mudanças em relação a planos anteriores que chegaram a ter em que o nível de investimento era ainda mais elevado. VE – Apesar da assumida aposta na internacionalização, a grande fatia dos investimentos tem ainda como alvo as redes nacionais. Por que razão tal acontece? AAM - Ainda há muito investimento para se fazer em Portugal para os próximos anos e isso está refletido no tal PDRTE. Quanto à internacionalização, a REN está a procurar internacionalizar-se mas numa perspetiva mais de médio prazo. Evidentemente, daqui a alguns anos, haverá tendência para o investimento em Portugal se reduza um pouco e para ganhar então sim, importância o investimento fora do país. VE – Existem projetos em desenvolvimento ou previstos para o curto prazo? AAM - Para além daquelas que referi anteriormente, posso ainda indicar mais alguns no curto prazo. Em Lisboa, este ano, estamos a concretizar o investimento na ligação subterrânea da instalação Alto de Mira, no concelho de Amadora, com uma instalação que possuímos na zona de Sete-Rios e que corresponde a um reforço importante da segurança de abastecimento da cidade de Lisboa. Essa obra está, neste momento, em curso e pretendemos conclui-la até ao fim do ano. Estamos também a construir uma linha de transmissão em Trás-os-Montes, entre a zona de Vila Pouco de Aguiar e de Valpaços que é a última peça do chamado Anel de Transmissão de Eletricidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Este é o investimento que falta para concluir a nova rede que permite a colocação de todos os parques eólicos que vierem a instalar na região transmontana de uma forma segura.Fernanda Silva Teixeira, Vida EconómicaGestão e optimização energética de estações elevatórias de águas residuais - Opinião http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=268A gestão e optimização energética de estações elevatórias de águas residuais constituem uma fonte de rendimento por explorar, uma vez que, em média, o encargo com a energia representa cerca de 40 por cento dos custos totais do ciclo de vida Por outro lado, na maioria das situações verifica-se ainda um consumo excessivo de energia. De facto, as conclusões do Relatório Anual dos Serviços de Agua e Resíduos em Portugal de 2012 destacam a necessidade de realização de um esforço, por parte das entidades gestoras, para a redução dos encargos com energia, especialmente no que concerne aos indicadores de 2ª geração de eficiência energética em estações elevatórias. Essa questão é especialmente relevante nos sistemas de águas residuais (indicador AR11), onde se verificam os piores resultados 0,48 e 0,8 kWh/m3.100m, para sistemas em alta e baixa, respectivamente. Para uma qualidade de serviço considerada boa, estes valores deveriam fixar-se entre 0,27 e 0,45 kWh/m3.lOOm. Os valores obtidos significam que o consumo de energia nestes sistemas está, de forma global, acima do desejável, sendo a situação mais problemática nos sistemas em baixa, com um consumo de energia próximo do dobro do valor máximo recomendado. Não obstante, a situação poderá ser ainda pior, já que parte significativa das entidades gestoras não respondeu sobre o nível de eficiência dos sistemas, demonstrando a necessidade de sistematização de informação, passo fundamental para uma cultura de eficiência. A eficiência global de um sistema elevatório de águas residuais depende da capacidade de adequação ao caudal afluente, mesmo que o equipamento instalado apresente um bom nível de eficiência para o seu ponto de funcionamento. Situações em que se verifique um número de arranques excessivos, um ruído elevado ou um número de avarias significativo poderão corresponder a sistemas sobredirnensionados e/ou com variações relevantes de caudais afluentes. Estes casos, frequentes, justificam uma nova abordagem de análise em que, para além do nível de eficiência dos grupos electrobomba, seja considerada uma avaliação dos custos globais de energia consumida, de acordo com o funcionamento real do sistema. Existem diversas soluções de optimização aplicáveis a sistemas elevatórios de águas residuais, algumas mais vocacionadas para sistemas já em funcionamento, tais como instalação de bombas mais eficientes, introdução de bomba de pequena capacidade (ponypump), redução do diâmetro do impulsor, instalação de variadores de velocidade, entre outras. A escolha da solução ideal implica uma análise global do funcionamento do sistema, na situação actual e após instalação da solução de optimização, através de simulação para um período de tempo significativo. De facto, cada estação elevatória possui características particulares que influenciarão, de forma substancial, a perforinance das diferentes soluções no que concerne à poupança de energia. Assim, para cada solução deverão ser verificados os limites técnicos de aplicabilidade e efectuada a correspondente avaliação económica. Neste contexto, e para sistematização das metodologias de avaliação e simulação, os autores do presente trabalho, em conjunto com instituições como o ISEP (Instituto Superior de Engenharia do Porto), a FEUP (Faculdade dc Engenharia da Universidade do Porto) e a NORAQUA, têm vindo a desenvolver e implementar o conceito dos planos de optimização energética em sistemas elevatórios. Estes planos são compostos por diversas etapas, tendo por objectivo a avaliação da situação actual dos sistemas e a definição do potencial de redução dos consumos de energia, com vista a uma análise da rentabilidade de investimentos. Os objectivos principais associados a cada fase podem ser resumidos como: Avaliação global do sistema Identificar potenciais pontos críticos do sistema e orientar a recolha de dados para as infra-estruturas com elevado potencial de optimização. A selecção deverá considerar os sinais de alerta reportados pela equipa de manutenção e uma avaliação energética preliminar (e.g., sistemas com variações significativas de caudais afluentes, número de arranques elevado, períodos de funcionamento, etc.). Análise do funcionamento Medição contínua do caudal afluente e implementação de teste de desempenho dos grupos electrobomba(2). Esta análise permite a avaliação do desempenho do sistema através de indicadores específicos de eficiência energética. Soluções de optimização Avaliação da melhor solução técnica e económica através da modelação hidráulica do sistema. Nesse sentido, justifica-se o recurso a ferramentas informáticas flexíveis que permitam a simulação dos sistemas em condições actuais ou previstas, bem como o teste e avaliação de soluções de optimização, incluindo a estimativa de melhorias de eficiência. Nos casos de estudo levados a cabo foi utilizada uma ferramenta especialmente desenvolvida para o efeito, Pump3E - Pump Energy Effkiency Evaluation, que permite a simulação do comportamento diário de um sistema elevatório e a avaliação de indicadores de eficiência energética. Planeamento de acções A avaliação dos novos investimentos deverá ser efectuada considerando a redução anual dos custos de energia e o correspondente retorno anual que permite amortizar o investimento realizado. Acompanhamento Aferir a real redução dos custos operacionais de energia e verificar a adaptação da solução às condições de funcionamento do sistema, atendendo a eventuais modificações. Importa, por fim, salientar que, tendo por referência os casos de estudo, que envolvem sistemas ao abrigo de empresas como Águas do Noroeste, S.A. ou Águas e Parque Biológico de Gaia, S.A., foi possível definir soluções de optimização OU alterações do modo de operação e/ou manutenção com poupanças nos custos de energia anuais na ordem dos 15 a 30 por cento. Igualmente relevante é o facto de as soluções serem financeiramente viáveis, face aos tempos de retorno calculados (entre um a cinco anos na maioria dos casos)(3)(1) "Optimização Energética no Dimensionamento de Sistemas Elevatórios de Águas Residuais", artigo de Leite et al., 2010 http://noraqua.pt/publicacoes/10CA_Optimi.pdf (2) "Planos de Optimização Energética de Sistemas Elevatórios de Águas Residuais". Leite et al., 2010, http://noraqua.pt/publicacoes/optimiz%20energ_A_.pdf (3) "0s Variadores de Velocidade como Instrumentos de Optimização Energética em Estações Elevatórias de Águas Residuais", Leite et al, 2012, http://noraqua.pt/publicacoes/Os_variadores_de_velocidade_optim_energ.pdfEDUARDO VIVAS Professor adjunto do Instituto Superior de Engenharia do Porto PEDRO LEITE Engenheiro Civil NORAQUA Seminário 'Mobilidade - Ar Limpo na Cidade'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=261No próximo dia 20 de Setembro decorrerá, das 9h00 às 13h00, o Seminário ‘Mobilidade – Ar Limpo na Cidade’, que terá lugar no Palacete dos Viscondes de Balsemão no Porto. A participação é livre e gratuita, mas está sujeita a inscrição prévia através do email: sem@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. Este encontro insere-se no programa da Semana Europeia da Mobilidade assinalada pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto com os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde) e a Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto, que se assinala entre 16 e 22 de Setembro. Consulte aqui o programa do Seminário ‘Mobilidade – Ar Limpo na Cidade’. Consulte aqui o programa da Semana Europeia da Mobilidade 2013.Mobipaper Intermunicipalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=262No dia 21 de Setembro, pelas 10 horas, arranca a 3ª edição do Mobipaper Intermunicipal que tem como principal objectivo a promoção do uso do transporte público e de modos leves de transporte.Os participantes terão à sua disposição títulos de transporte que deverão utilizar para fazer as suas viagens entre dois Municípios Associados da AdEPorto: Gondomar - Porto, Maia - Matosinhos, Póvoa de Varzim - Vila de Conde e Santo Tirso - Trofa. A participação nesta iniciativa é gratuita, no entanto, sujeita a inscrição através do email: sem@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. Os participantes deverão indicar nome, documento de identificação, idade, morada, telefone e email.O vencedor de cada percurso receberá como prémio uma bicicleta. O Mobipaper tem 8 percursos alternativos, com início nos seguintes posto de partida:Gondomar Biblioteca Municipal de GondomarAvenida 25 de Abril4420-354 GondomarMaia Posto de TurismoParque Central da Maia (Jardim junto à CM Maia)4470 Maia MatosinhosCMIA - Centro de Monitorização e Interpretação AmbientalMarginal de MatosinhosPorto Posto de Turismo do CentroRua Clube dos Fenianos, 25PortoPóvoa de VarzimMuseu MunicipalRua Visconde de Azevedo n.º 174490-589 Póvoa de VarzimSanto TirsoPavilhão MunicipalRua do Picoto, S/N4780-521 Santo TirsoTrofa AquaPlace – Piscinas MunicipaisRua António Sá Couto de Araújo4785-409 TrofaVila do CondeCentro de MemóriaLargo de S. Sebastião4480-706 Vila do Conde Consulte aqui o Regulamento. Consulte aqui mais informação sobre a programação da Semana Europeia da Mobilidade 2013Semana Europeia da Mobilidade 2013 http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=260Entre 16 e 22 de Setembro, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto com os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde) e a Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto assinalam a Semana Europeia da Mobilidade.O programa oferecerá um conjunto de actividades de carácter técnico, desportivo, para além de uma diversificada programação de carácter lúdico e pedagógico apoiada pela TIP, CP, Metro do Porto e STCP. As diversas iniciativas contam com o patrocínio da Águas do Porto, EDP Distribuição, EDP Gás, LIPOR, Porto de Leixões e Siemens.De destacar o Seminário ‘Mobilidade: Ar Limpo na Cidade’ que se realizará no dia 20 de Setembro, pelas 9h30, no Palacete dos Viscondes de Balsemão no Porto. A participação neste encontro é gratuita estando apenas sujeita a inscrição prévia através do email: sem@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893.No dia 21 de Setembro, pelas 10 horas, arranca a 3ª edição do Mobipaper Intermunicipal que tem como principal objectivo a promoção do uso do transporte público. Os participantes terão à sua disposição títulos de transportes que deverão utilizar para fazer as suas viagens entre dois Municípios Associados da AdEPorto: Porto - Gondomar, Maia - Matosinhos, Póvoa de Varzim - Vila de Conde e Trofa – Santo Tirso. A participação nesta iniciativa é gratuita, no entanto, sujeita a inscrição através do email: sem@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. O vencedor de cada percurso receberá como prémio uma bicicleta.No dia 22 de Setembro, pelas 10 horas, realizar-se-á na Marginal de Leça da Palmeira em Matosinhos a Caminhada ‘Põe-te a Mexer… Pelos Bombeiros’ que para além de promover a actividade física como modo de deslocação visa recolher donativos a favor dos Soldados da Paz. A iniciativa ‘Aprende a viajar de… autocarro, comboio, metro’ terá lugar pela segunda vez este ano e será dirigida aos alunos do 4º ano dos Estabelecimentos de Ensino de 1º ciclo dos Municípios Associados. Esta actividade será dinamizada em parceria com a CP, Metro do Porto e STCP, decorrendo ao longo de toda a semana. Programa da Semana Europeia da MobilidadeA AdEPorto inaugura uma nova fase do seu sitehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=259 A AdEPorto inaugura uma nova fase do seu site agora com a sua dimensão territorial desde 2010 que abrange oito Municípios da AMP correspondentes a cerca de 10% da população do país. A AdEPorto é um órgão especializado de reflexão, planeamento, assessoria e consultoria para os seus associados, nomeadamente, para os Municípios que cada vez mais vêem na energia um novo vetor da gestão autárquica em favor dos cidadãos e das empresas e da boa gestão do próprio parque Municipal. A AdEPorto assume-se como o interlocutor dos decisores políticos no que refere aos problemas ambientais globais da sustentabilidade ambiental devida às emissões de CO2 ligadas à energia usada no âmbito dos Municípios, em particular no que diz respeito aos edifícios e à mobilidade o que quer dizer urbanismo, edificado e transportes. Sustentabilidade que é responsabilidade dos cidadãos e dos seus 'procuradores' que são os autarcas. Na véspera de novas eleições autárquicas, formulamos votos para que todos apreendam o significado da energia na qualidade da sua futura gestão, como item de particular modernidade que, em associação com as emissões do CO2 e a qualidade do ar ambiente urbano são parâmetros do futuro das nossas cidades e dos nossos Municípios. Eduardo de Oliveira Fernandes Propostas para o 'menu' da Disputa Autárquica 2013 sobre a Energia Projetos premiados pela União Europeia no domínio da eficiência energética e das energias renovaveishttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=257 Uma vez mais, a Semana da Energia Sustentável da UE é a ocasião para premiar os melhores projectos no domínio da eficiência energética e das energias renováveis a ser implementados hoje em dia na Europa . O papel dos Municípios, empresas privadas, associações industriais, ONGs e outras organizações da sociedade civil é de fundamental importância para alcançar os objectivos da EU para 2020 ao nível do clima e da energia. Tanto com a 'Sustainable Energy Europe' (SEE) como com o 'ManagEnergy Local Energy Action Award', a Comissão Europeia visa reconhecer os esforços e conquistas dos melhores neste campo. Seis vencedores foram anunciados numa cerimónia organizada em Bruxelas no passado dia 24 de Junho por Günther H. Oettinger, comissário europeu para a Energia. Os seis premiados, escolhidos entre 224 inscrições de provenientes de toda a Europa, oferecem exemplos ambiciosos e inovadores na área da eficiência energética, energias renováveis e modos de transporte não poluentes. Cinco projetos levaram para casa um cobiçado prémio em uma das cinco categorias do 'SEE'. O sexto projeto premiado é o vencedor do prémio 'ManagEnergy Local Energy Action Award', que recebeu um recorde de 82 inscrições. Clique aqui para ver os projectos vencedores de 2013 bem como o artigo completo. (EN) Final Intermunicipal de Carrinhos Solares na LIPOR encerra Semana da Energia e do Ambiente http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=256 O Parque Aventura da LIPOR em Baguim do Monte acolhe amanhã, pelas 14h30, a Final Intermunicipal - Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo ‘À Velocidade do Sol’. Este passatempo foi promovido no início do ano lectivo de 2012/2013 junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto – Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos solares. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. As equipas inscritas nos diferentes Municípios entregaram os seus carrinhos originais e participaram numa corrida municipal que permitiu apurar os 3 vencedores que representarão na final de amanhã o Município. Este passatempo envolveu 73 equipas, 346 alunos, 38 professores e 25 escolas. Seminário «Soluções de Energia para as Autarquias» http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=248Na próxima sexta-feira, dia 7 de Junho, no âmbito da Semana da Energia e do Ambiente 2013, a AdEPorto organizará, com o apoio da LIPOR e em parceria com a Siemens e a EDP Gás Distribuição, o Seminário ‘Soluções de Energia para as Autarquias’ que terá lugar no Auditório da LIPOR em Baguim do Monte pelas 9 horas. A entrada para este evento é livre, mas sujeita a inscrição através do email sea@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893.Programa09:00 Recepção dos participantes09:30 Abertura Eduardo de Oliveira Fernandes, AdEPorto09:45 Porque devem os Municípios envolver-se no tema da energia?Alexandre Varela, AdEPorto 10:00 Novos usos para o Gás Natural – Frotas institucionais ou profissionaisPedro Ávila, EDP Gás Distribuição10:45 Pausa11:00 Novas soluções de iluminação pública – O Estado da ArteFrederico Rauter, Siemens11:45 Propostas de ‘energia’ para o ‘menu da disputa autárquica’Eduardo de Oliveira Fernandes, AdEPorto12:15 Debate12:30 Encerramento Dia Mundial do Ambiente assinalado em vários Municípioshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=247Amanhã, 5 de Junho, pelas 14h30, a assinalar o Dia Mundial do Ambiente realizar-se-ão no âmbito da Semana da Energia e do Ambiente as Corridas de Carrinhos Solares organizadas no âmbito do passatempo À Velocidade do Sol nos seguintes Municípios:- GONDOMAR: Largo do Souto- MAIA: Praça do Município- SANTO TIRSO: Escola EB 2,3 da Agrela Recorde-se que este passatempo foi promovido no início do ano lectivo junto dos estabelecimentos de ensino de 3º ciclo e Secundário dos municípios associados da AdEPorto e terminará com a realização de uma final intermunicipal no próximo dia 14 de Junho no Parque Aventura da Lipor.Ainda a assinalar o Dia Mundial do Ambiente o Município de Vila do Conde promove um atelier de construção de colectores solares no Centro de Actividades do Parque João Paulo II.Corrida de Carrinhos Solares e Palestra em Vila do Conde e Comemorações do Dia Mundial do Ambiente e da Criança na Trofahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=249Na próxima segunda-feira, 3 de Junho, terá lugar no Aquaplace – Piscinas Municipais, entre as 10h e as 12h e entre as 14h e as 16h, as iniciativas que visam comemorar o Dia Mundial do Ambiente e da Criança promovidas pelo Município da Trofa.A Escola EB 2,3 Dr. Carlos Pinto Ferreira, em Vila de Conde acolherá, igualmente, no âmbito do programa da Semana da Energia e do Ambiente 2013, pelas 10h30 a Palestra «Escola Sustentável».No âmbito do passatempo À Velocidade do Sol, realizar-se-á no Parque de Jogos, pelas 14h30, a Corrida de Carrinhos Solares do Município de Vila de Conde. Recorde-se que este passatempo foi promovido no início do ano lectivo junto dos estabelecimentos de ensino de 3º ciclo e Secundário dos municípios associados da AdEPorto e terminará com a realização de uma final intermunicipal no próximo dia 14 de Junho no Parque Aventura da Lipor. Corridas de Carrinhos Solares no Porto e Póvoa de Varzim e Palestra em Vila do Condehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=254Amanhã 31 de Maio, terá lugar no Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo no Porto, à s 14h00, a Corrida Municipal de Carrinhos Solares, promovida no Âmbito do passatempo À Velocidade do Sol (cancelada ontem devido às condições meteorológicas). No Âmbito do mesmo passatempo, realizar-se-ia na Escola Secundária de Rocha Peixoto, pelas 14h30, a Corrida de Carrinhos Solares do Municipio da Povoa de Varzim. Recorde-se que este passatempo foi promovido no início do ano lectivo junto dos estabelecimentos de ensino de 3º ciclo e Secundário dos municípios associados da AdEPorto e terminarão com a realização de uma final intermunicipal no próximo dia 14 de Junho no Parque Aventura da Lipor. A Escola Secundária José Régio, em Vila de Conde acolherão, também amanhã no Âmbito do programa da Semana da Energia e do Ambiente 2013, pelas 14h30 a Palestra «Energia e Alterações Climáticas».AVISO: CANCELAMENTO CORRIDAS DE CARRINHOS SOLARES http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=5Devido às condições meteorológicas verificadas hoje, dia 29 de Maio, a organização da Semana da Energia e do Ambiente considera não existirem as condições mínimas para a realização com sucesso das Corridas de Carrinhos Solares previstas para as 14 horas nos Municípios do Porto e de Santo Tirso.A nova data de realização serão anunciada com a maior brevidade possível.Semana da Energia e do Ambiente 2013 arranca amanhãhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=6Entre 29 de Maio e 14 de Junho, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto e os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde) promovem a Semana da Energia e do Ambiente agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho). O programa oferece um conjunto de actividades diversificadas, de carácter técnico, desportivo, lúdico e pedagógico de modo a envolver todos os cidadãos. Amanhã, dia 29 de Maio a assinalar o Dia Nacional da Energia, realizar-se-ão pelas 14 horas duas Corridas Municipais de Carrinhos Solares promovidas no Âmbito do passatempo «Velocidade do Sol»: a do Município do Porto que terão lugar no Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo e a do Município de Santo Tirso que se realizarão na Escola EB 2,3 da Agrela. Ainda a assinalar o Dia Nacional da Energia, o Município de Vila do Conde promoverão, pelas 15 horas, na Escola Júlio Saul Dias a Palestra Que horas serão no relógio de Sol?A encerrar o Dia Nacional da Energia, a AdEPorto promoverão pelas 18 horas, em parceria com a APISOLAR (Associação Portuguesa da Indústria Solar) a sessão «Dias Europeus do Sol» que terão lugar no Edifício Mapfre (Sala 103) no Porto. Nesta sessão a APISOLAR estarão representada pelo seu Secretário Geral, Gonçalo Calcinha, e a AdEPorto pelo Director Técnico, Alexandre Varela.A campanha dos 'Dias Europeus do Sol' concebida para informar, explicar e demonstrar sociedade civil quais os benefícios que advém da utilização tanto de equipamentos de produção de energia solar térmica para o aquecimento das Àguas sanitárias, por exemplo, como de produção de energia solar fotovoltaica, para incorporação na rede eléctrica. Os 'Dias Europeus do Sol' são um projecto comparticipado pela Comissão Europeia no Âmbito do programa Intelligent Energy Europe que visa sensibilizar e promover a utilização da energia solar como recurso renovável. Em Portugal, a APISOLAR a Ùnica associação que existe em prol da defesa, desenvolvimento e promoção do sector solar térmico e fotovoltaico, nas principais Áreas de actuação fabrico, distribuição e importação. A entrada livre, mas sujeita a inscrição através do email sea@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893.Poluição do Ar Interior nas Escolas: Observatório para a Europahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=234Um grupo de investigadores da Universidade do Porto desenvolveu um estudo sobre a qualidade do ar nas escolas. Este grupo faz parte de um projeto de investigação denominado SINPHONIE, que significa Poluição do Ar Interior nas Escolas: Observatório para a Europa. Os investigadores intervieram em diversas salas de aulas e avaliaram, entre outros parâmetros, os níveis de dióxido de carbono, bem como a quantidade de partículas no ar.O resumo deste estudo poderá ser consultado aqui.Relatório do Tribunal de Contas Europeu sobre a utilização de fundos comunitários em eficiência energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=233O Tribunal de Contas Europeu criticou recentemente os usos menos eficazes dos dinheiros da UE no domínio da eficiência energética dirigindo-se em particular aos Municípios que não têm condicionado os seus investimentos em eficiência energética à elaboração prévia de inventários e planos elaborados oportunamente, querendo significar, em particular, os PAES (Planos de Ação para a Energia Sustentável) no âmbito do Pacto dos Autarcas.A AdEPorto elaborou em 2011 os 'inventários' ou matrizes energéticas para os nove Municípios da AMP a Norte do Douro encetando em 2013 o trabalho da definição dos PAES 2010-2020 para os Municípios interessados. Entretanto, o Município do Porto, cujo PAES aprovou em Outubro de 2010 e a Comissão Europeia sancionou em 2011, disporá a partir de Janeiro de 2013 de uma Comissão de Monitorização da sua aplicação.Está, assim, a Cidade do Porto preparada e apontada para uma trajetória até 2020 em favor da eficiência energética que conduzirá a uma redução significativa da capitação das emissões de CO2 através de projetos significativos, entre os quais alguns pensados e já submetidos ao Programa ON2 cujas decisões se aguardam a todo o momento. Entretanto, a 'joia da coroa' da Cidade do Porto, para a qual a Agência de Energia do Porto não contribuiu em nada mas que faz o orgulho de uma cidade neste tempo de enormes desafios energético-ambientais, está na redução de mais de 90% do consumo de energia elétrica anual no abastecimento de água à Cidade. A ação responsável das Águas do Porto mostra quão importante é para a eficiência energética, antes dos complementos 'gadgéticos' mais ou menos mediáticos de que os portugueses tanto gostam (!), e independentemente da sua utilidade, o assegurar a bondade técnica intrínseca dos próprios sistemas.Peter Suter, professor da Escola Politécnica Federal de Zurique, dizia que não há nenhum sistema de informação e controle que faça bom um sistema que em si mesmo haja sido mal concebido. Um sistema, na ocorrência, dizemos nós, urbano, qualquer que ele seja: da água, da habitação, da iluminação pública, da mobilidade, etc.!Numa altura em que os arautos da inteligência das cidades se excitam e se movimentam com as 'novas tecnologias' da informação, é importante deixar aqui o alerta do Tribunal de Contas Europeu e da realidade da boa atuação das Águas do Porto para não confundirmos o trabalho sério com a propaganda e um certo novo-riquismo" tecnológico.Eduardo de Oliveira FernandesPresidente do Conselho de AdministraçãoO "ECA Special Report N21/2012" do Tribunal de Contas Europeu poderá ser consultado em: http://eca.europa.eu/portal/pls/portal/docs/1/19610748.PDFPrémio Nacional de Reabilitação Urbanahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=231O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana é uma iniciativa da Vida Imobiliária, que vai distinguir as iniciativas de intervenção urbana de maior valia para a sociedade nas suas múltiplas valências. O contributo para a qualificação das cidades e o seu impacto na comunidade, o sucesso medido pela aceitação pelo mercado, o impacto e valor social, a capacidade de induzir a mudança no tecido urbano. As diferentes valências de uma iniciativa imobiliária de sucesso estarão em análise para premiar a excelência. O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana vai distinguir as diferentes facetas que a reabilitação urbana vai assumir. As iniciativas nos territórios prioritários de requalificação urbana e as iniciativas que se foquem na renovação de edifícios, mesmo que não estejam presentes em zonas de reabilitação urbana. Um Prémio abrangente e que reconheça tudo o que se faz de melhor. O sector do turismo está a assumir um grande relevo na reabilitação do centro das cidades, atraindo novos públicos e mais consumo. Como verdadeiro indutor da reabilitação urbana, todas as intervenções com impacto na atratividade turística da cidade ou da região tem lugar neste Prémio. Seja um hotel, um teatro ou apenas um restaurante, o contributo do turismo será premiado. A economia social tem um papel central na revitalização das cidades, contribuindo à inclusão social e à manutenção dos tecidos sociais que estão em transformação nos processos de reabilitação urbana. A internacionalização da fileira da construção e do imobiliário não poderiam deixar de merecer a nossa atenção, reforçado pelo facto de a Vida Imobiliária se publicar em Angola e Brasil. Uma menção especial a atribuir pela direção da revista aos melhores projetos de reabilitação urbana do Brasil e Angola publicados pela Vida Imobiliária. A cidade do Porto vai acolher a I Edição do Prémio, com o momento alto num Jantar de Gala a realizar em Abril de 2013, no âmbito da festa que vai celebrar a Reabilitação Urbana em Portugal - A SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DO PORTO.Reabilitação representa 90% dos processos da autarquia do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=232Nos últimos dois anos, a grande maioria dos processos para construção que deram entrada na autarquia do Porto destinam-se à reabilitação de edifícios. Assim, os proprietários e promotores imobiliários mostram-se cada vez mais vocacionados para a reabilitação dos edifícios em detrimento da construção nova. De acordo com os dados da autarquia, dos 438 processos para construção entrados nos serviços de urbanismo nos primeiros três trimestres de 2012, 417 destinaram-se a projetos de reabilitação, e apenas 31 a construção nova. Isto mostra a importância da reabilitação e o peso que teve na cidade do Porto, representando 93% das intenções de investimento dos particulares e investidores. Rui Quelhas, administrador executivo da Sociedade de Reabilitação Urbana do Porto e orador na conferência Futuro das Cidades - Competitividade Territorial e Financiamento, fez um balanço do andamento do conjunto de projetos de reabilitação promovidos pela SRU Porto Vivo iniciada com a primeira parceria público-privada, que foi o quarteirão Carlos Alberto, já concluído. Trata-se dos quarteirões das Cardosas e do Corpo da Guarda, localizados junto da Avenida dos Aliados e da Estação de São Bento e que se encontram em fases avançadas de conclusão. A SRU tem ainda em mãos a reabilitação do quarteirão de D. João I, junto ao Mercado do Bolhão, e do Morro da Sé, estes últimos em fase de projeto e início de obras. No quarteirão de D. João I foi estabelecido um contrato de reabilitação com um fundo de investimento imobiliário ligado ao banco Millenium BCP. Uma das parcelas está neste momento em obras, sendo que as restantes 19 parcelas ainda se encontram em projeto. Já o Corpo da Guarda está em fase mais avançada de conclusão. Por sua vez, o Morro da Sé está em fase de programação avançada, tendo prevista a reabilitação de edifícios destinados a residências de estudantes, residências para idosos, alojamento turístico e realojamentos definitivos para as famílias.Meta de 20% de eficiência energética para 2020?http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=224A Nova Diretiva sobre Eficiência Energética entra em vigor amanhã e resultou de um longo e demorado processo de negociações entre a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e o Conselho, tendo este tentado até ao último momento enfraquecer esta legislação para que os Estados-Membros não ficassem obrigados a mais uma meta.Esta Diretiva (2012/27/UE, de 25 de Outubro) tem de ser transposta para a legislação nacional até 5 de Junho de 2014 e apresenta os seguintes objectivos:- A renovação anual de 3% da superfície total dos edifícios da administração central com sistemas de climatização. Esta medida aplicar-se-á aos edifícios com uma superfície útil superior a 500 metros quadrados estendendo-se, a partir de Julho de 2015, aos edifícios com mais de 250 metros quadrados;- A imposição aos distribuidores de energia existentes no seu território de uma percentagem de "poupança de energia acumulada" mínima, que não poderá ser inferior a 1,5% das vendas anuais de energia a clientes finais entre 2014 e 2020;- As grandes empresas terão de submeter-se, de quatro em quatro anos, a uma auditoria energética. Estas começarão três anos após a entrada em vigor da Directiva e estarão a cargo de especialistas acreditados. As pequenas e médias empresas estão excluídas destas regras;- Devem ser fornecidos contadores individuais a preços competitivos aos consumidores finais de electricidade, gás natural, sistemas urbanos de aquecimento e/ou arrefecimento e água quente para uso doméstico, que reflictam com exactidão o consumo de energia e o período real do mesmo.Com estas medidas, a Comissão Europeia espera que seja alcançada a meta de 20% de eficiência energética no espaço europeu, equivalente a uma redução de 368 milhões de toneladas equivalente de petróleo.Câmara Municipal da Maia Recebe Certificado da Qualidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=225Câmara Municipal da Maia recebe Certificado da Qualidade em vários serviços. A APCER irá entregar oficialmente à Câmara Municipal da Maia o Certificado da Qualidade (de acordo com a NP EN ISO 9001:2008) que abrange atualmente os seguintes serviços:Gabinete Municipal de Atendimento; Ambiente (certificado desde 2005);Serviço de Turismo; Gestão de Bibliotecas (certificados desde 2007);Gestão de Conservação e Manutenção de Estruturas Municipais; Cadastro e Remunerações e Gestão da Formação; Planeamento Territorial, Urbanístico e Projetos; Metrologia (certificados desde 2009);Gestão de Trânsito e Transportes; Notariado, Registo e Contraordenações; Serviço de Polícia Municipal; Desenvolvimento Cultural; Intervenção Arqueológica; Museus Municipais (certificados desde 2010);Gestão da Melhoria (Serviço de Qualidade e Auditoria Interna); Licenciamento de Atividades Económicas; Contratação Pública; Apoio à Presidência; Relações Públicas; Protocolo e Relações Internacionais e Cooperação Económica (certificados em 2011);Extensão da certificação em 2012: Educação, Ação Social, Gestão Desportiva, Serviço Municipal de Proteção Civil, Gestão Patrimonial, Recursos Humanos (Recrutamento e Seleção) e Gestão de Tecnologias de Informação. A abertura da cerimónia estará a cargo do Vereador dos Pelouros da Reforma Administrativa e Qualidade, Mário Nuno Neves e a entrega do certificado e bandeiras da certificação, pelo CEO da APCER, José Leitão ao Presidente da Câmara Municipal da Maia, António Bragança Fernandes. Município da Maia foi premiado com o galardão ECOXXIhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=155O Município da Maia foi premiado com o galardão ECOXXI, atribuído pela Associação Bandeira Azul da Europa, pelo quinto ano consecutivo, como reconhecimento do empenho da Autarquia no desenvolvimento de acções conducentes a um desenvolvimento sustentável, alicerçado na educação para a sustentabilidade e na defesa e protecção da qualidade ambiental. O prémio "ECOXXI" foi entregue, no passado dia 29 de Setembro, em Pombal, a todos os Municípios que se destacaram pelas boas práticas de sustentabilidade desenvolvidas ao nível municipal. Inspirado nos princípios da Agenda 21 Local, o "ECOXXI" avalia a sustentabilidade dos Municípios através de um conjunto de 23 indicadores que visam a caracterização de diversos sectores municipais, nomeadamente ao nível da Educação Ambiental, Instituições, Conservação da Natureza, Água, Resíduos, Energia, Transportes, Ruído, Ar, Ordenamento do Território, Agricultura e Turismo. Deste modo, dos 35 Municípios que se propuseram a este exercício de análise e reflexão, o Concelho da Maia encontra-se entre os 31 Municípios galardoados com a Bandeira Verde, obtendo o estatuto de Município "ECOXXI". A Associação Bandeira Azul reconheceu assim, a participação do Município da Maia no "ECOXXI", cuja candidatura superou os objectivos definidos, distinguindo-se por evidenciar o exercício das boas práticas relativamente a políticas de sustentabilidade. Durante a cerimónia de entrega do galardão, o Município da Maia foi ainda convidado a apresentar o projecto de Educação Ambiental/Educação para o Desenvolvimento Sustentável promovido pela Autarquia, pelo resultado obtido nesta área, que atingiu a pontuação máxima.Metro do Porto transportou 380 milhões em 10 anoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=221O Metro do Porto celebra o décimo aniversário da sua inauguração a 7 de Dezembro de 2012 e já transportou, até à data, cerca de 380 milhões de clientes. O sistema de transportes trouxe mudança e modernidade à Área Metropolitana e aposta diariamente em valores de sustentabilidade e orientação para o cliente. Desde a sua inauguração, em 2002, a taxa de satisfação do cliente tem vindo a crescer, atingindo hoje o valor de 82 pontos. Dos 12 quilómetros e 18 estações numa só linha em Dezembro de 2002, o Metro do Porto evoluiu para uma rede de 6 linhas, 67 km e 81 estações. O Metro aponta o rigor, transparência, espírito de equipa, sustentabilidade e qualidade de vida urbana como valores a preservar, com o intuito de adequar a oferta às expetativas do cliente. O sistema tem contribuído para a sustentabilidade económica, social e ambiental da Área Metropolitana. No último ano deixaram de ser emitidas 60 mil toneladas de CO2e e 13 mil automóveis deixaram de circular diariamente graças à utilização do Metro do Porto. Do ponto de vista individual e em termos médios, os benefícios deste transporte permitiram poupar 1h36/dia e foram avaliados em cerca de 1.300 euros anuais para cada cliente. Após dez anos de Vida em Movimento, o Metro do Porto continua a oferecer um serviço de excelência, onde a pontualidade e a regularidade continuam a ser marcas dominantes da operação, proporcionando conforto, rapidez, economia e segurança. Sempre a encurtar distâncias e a aproximar pessoas. Fundo de Eficiência Energética abre três novos avisos nas áreas Residencial, Indústria e Estadohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=222Foram lançados em Novembro de 2012 os últimos três avisos do FEE previstos para 2012, para apoio a 3 tipologias de operação: o AVISO 03 - Edifício Eficiente 2012Implementação em edifícios existentes (multifamiliares e unifamiliares) de soluções de eficiência energética, nomeadamente sistemas solares térmicos (ST) e/ou janelas eficientes (JE), suportadas por processos de avaliação da melhoria do desempenho energético (via Certificação Energética). - Entidades beneficiárias: Pessoas singulares proprietárias de edifícios de habitação ou frações autónomas em edifícios de habitação existentes. o AVISO 04 - SGCIE 2012Financiamento a operações na indústria visando a realização de auditorias energéticas e implementação de equipamentos de gestão de consumos. - Entidades beneficiárias: Todos os operadores de instalações abrangidas por um ARCE-Acordo de Racionalização dos Consumos de Energia no âmbito do SGCIE. o AVISO 05 - CE.ESTADO 2012Execução dos estudos prévios, as análises técnicas e a criação de ferramentas e metodologias de análise conducentes à Certificação Energética e da Qualidade ao Ar Interior, dos edifícios e sistemas integrantes do Programa ECO.AP, ou no caso de esta não ser obrigatória, auditorias que possibilitem a identificação de baselines de consumos de energia para utilização no Programa ECO.AP. - Entidades beneficiárias:o Administração central, nomeadamente os serviços e organismos da administração direta e indireta do Estado, empresas públicas, universidades, entidades públicas empresariais, fundações públicas, associações públicas ou privadas com capital maioritariamente público;o Administração local, nomeadamente autarquias e municípios. o As candidaturas estão abertas a partir do dia 30 de Novembro de 2012, devendo para o efeito fazer-se o registo prévio online em http://fee.adene.ptA 14ª Assembleia Geral da AdEPorto aprovou por unanimidade o Plano de Atividades para 2013http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=223A 14ª Assembleia Geral da AdEPorto aprovou por unanimidade o Plano de Atividades para 2013 (PA2013). O PA2013, conquanto ser elaborado num momento particular do nosso país, não deixa, no entanto, de reclamar uma visão otimista do futuro tendo em vista valores como o da sustentabilidade energético-ambiental e da qualidade de vida dos mais de um milhão de portugueses dos Municípios seus Associados, enquanto cidadãos. Assim, a intervenção da AdEPorto no domínio da energia particulariza-se na energia que conta para os cidadãos, que é a energia da procura. Os passos entretanto dados na interação com os Municípios Associados são encorajadores quanto ao potencial da ação da AdEPorto nos domínios da energia e do ambiente relacionado com a energia com vista à melhoria da qualidade de vida dos seus Munícipes. O PA2013 poderá ser consultado aqui.LIPOR entrega o resultado da 7ª Fase da Operação Tampinhashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=226A LIPOR promove hoje, dia 05 de dezembro, o Evento de entrega dos Donativos resultantes da 7ª fase da Operação Tampinhas. Com a Operação Tampinhas, a LIPOR e os seus Municípios associados incentivaram a Sociedade Civil a separar tampas em plástico de embalagens, entregá-las separadamente na LIPOR, ou nas Instalações das Câmaras Municipais associadas, bem como em Instituições Públicas e Privadas da Região. Nesta fase da Operação Tampinhas LIPOR que decorreu entre janeiro e dezembro de 2011, acumulou-se um total de cerca de 58 toneladas, que dá um total de cerca de 42.300,00 EUR de receita, tendo sido contempladas 56 entidades (individuais/coletivas). O produto da venda das tampinhas reverte integralmente a favor da compra de material/equipamento ortopédico e similar para doação a Instituições e particulares. Esta iniciativa iniciou-se em Abril de 2006 e no total das 7 fases já apoiamos 264 Entidades e/ou pessoas em nome individual. As Instituições e as pessoas em nome individual foram seleccionadas com base numa análise dos pedidos que foram chegando durante o período em que decorreu a 7.ª fase, e tendo por base os critérios definidos nas Normas de Aplicação da Operação Tampinhas, disponível em www.lipor.pt Este é o resultado de uma vontade comum, Escolas, Municípios, Cidadãos anónimos, Sociedade Ponto Verde e a empresa Micronipol, entre muitos outros, que através de um pequeno gesto, defendem duas causas, o ambiente e a solidariedade.A 'Projecto Casa' e a Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=220A 'Projecto Casa' e a EnergiaExponor - 6 a 9 de Dezembro de 2012 A AdEPorto - Agência de Energia do Porto, que promove os interesses sobre a energia e o ambiente dos Municípios da Área Metropolitana do Porto a Norte do Douro, estará presente mais uma vez este ano na Projecto Casa. Projecto - Feira poliédrico em torno do tema 'Casa' vem este ano com temas inovadores sobre a Arquitectura e a Energia, nomeadamente, sobre Estratégias para a 'Casa Eficiente'. Uma das conferências é sobre o tema 'PassivHaus Zero Energy', uma ideia contestada na Alemanha mas sobretudo perigosa porque peregrina em Portugal. Portugal tem uma regulamentação que, se bem conduzida - o que infelizmente não vai acontecendo nem pelos Órgãos do Estado, nem pelos profissionais do edificado - levaria aos objectivos de eficiência energética e de conforto desejados nas condições climáticas próprias de Portugal. A PassivHaus em Portugal é como uma manobra de diversão altamente nefasta aos objectivos estratégicos da regulamentação nacional, nomeadamente, do RCCTE na sua versão genuína de Regulamento para os edifícios sem sistemas energéticos centralizados. A seguir virão as tecnologias dos'igloos', as 'casas que seguem o sol', as 'casas enterradas' e o país, que tem um problema grave de má construção em termos de energia e de conforto ambiente, será desviado dos verdadeiros interesses societários por extravagâncias de Feira. Eduardo de Oliveira FernandesInauguração do RLab - Laboratório de Reutilizaçãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=227Foi inaugurado hoje, 23 de novembro, o RLab - Laboratório de Reutilização. Este projeto é uma parceria entre a Lipor e a ERP Portugal que objetiva novas valências para a gestão de resíduos. A Lipor assume como pilar estratégico a Promoção do Desenvolvimento da Sociedade em termos educacionais, sociais e ambientais, a procura pela melhoria contínua em todas as áreas de atuação, apostando no desenvolvimento e aplicação de projetos e ações diferenciadores que respondam e antecipem as exigências de quem servimos e que permitam desenvolver e promover uma estratégia e atuação alicerçadas na prevenção de resíduos e na utilização sustentável dos recursos naturais. Pretende-se com o RLab criar um projeto de inovação que reforce e sensibilize para a necessidade de uma gestão adequada dos recursos e resíduos e mais concretamente para a correta gestão de um fluxo emergente, como os resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos. Na ocasião da sua inauguração, foi doado um equipamento à Escola E.B. 2/3 de Frei João de Vila do Conde, marcando simbolicamente o arranque do projeto.Certificação em Investigação, Desenvolvimento e Inovaçãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=228Sendo a Inovação uma prioridade e um objetivo estratégico para a LIPOR, foi decisão da Administração, apostar na implementação da Norma Portuguesa, NP 4457:2007, norma de requisitos do sistema de gestão da IDI - Investigação, Desenvolvimento e Inovação, como a ferramenta, para estruturar a prática da Inovação a todos os níveis da Organização. No dia 12 de novembro de 2012, dia comemorativo dos 30 anos de vida da LIPOR, obtivemos a certificação na NP 4457:2007, pela APCER - Associação Portuguesa de Certificação, no âmbito da Investigação, Desenvolvimento e Inovação de soluções sustentáveis de gestão de resíduos. Esta certificação, vem tornar a LIPOR na primeira entidade do setor dos resíduos em Portugal, a obter este reconhecimento externo, reforçando o compromisso e o empenho da LIPOR em continuar no caminho da Inovação, de modo a potenciar mais Ideias, mais Projetos e novas Oportunidades de Negócio, que potenciem os proveitos da Organização! Sobre o IDI Inovar é implementar uma nova ou significativamente melhorada solução para a empresa, novo produto, processo, método organizacional ou marketing, com o objetivo de reforçar a posição competitiva, aumentar o desempenho ou o conhecimento. A aposta da Lipor nesta área passa por potenciar o conhecimento interno, promovendo uma cultura de inovação e criatividade, aumentando o valor da Organização. Assim, a Lipor pretende aumentar os seus proveitos, potenciando produtos e serviços adequados e inovadores, promovendo a inovação na organização e nos parceiros. Estabelecimentos de ensino galardoados com a Bandeira Verde - Galardão Eco-Escolashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=218O Concelho da Trofa estará representado na edição 2012 do Dia das Bandeiras Verdes - Galardão Eco-Escolas, promovida pela Associação Bandeira Azul da Europa, a 10 de outubro. Desta forma, nessa data decorrem no Pavilhão Municipal de Gondomar diversas atividades, onde se destacam exposições, jogos e oficinas direcionadas a todas as escolas. Durante a manhã, decorrerá uma sessão especialmente dedicada aos municípios, onde será realizado um balanço do Programa, das novidades e dos desafios 2011/2012, e ao longo do dia proceder-se-á à entrega da Bandeira Verde Eco-Escola 2012, aos estabelecimentos de ensino que mais se destacaram pela sua acção ambiental, em prol do desenvolvimento sustentável. Enquadrado nesta cerimónia do Galardão, é de ressalvar a presença de cinco escolas Trofenses, que irão receber a Bandeira Verde, nomeadamente a Escola Secundária da Trofa, a EB2,3 de Alvarelhos, a EB2,3 de S. Romão do Coronado, a EB1 Estação-Muro e o JI de Feira Nova. Projeto ECOPONTO EM CASAhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=230O projeto Ecoponto em Casa baseia-se na distribuição de conjuntos de contentores para deposição seletiva e indiferenciada, que permitem aos munícipes separar os resíduos sem sair de casa. Trata-se de um projeto inovador, que reflete uma vez mais o pioneirismo do município da Maia. Para além da distribuição de contentores, o projeto engloba uma recolha porta-a-porta com calendário pré-definido, otimizando os circuitos e frequências de recolha. O Ecoponto em Casa tem como objetivo facilitar a separação de resíduos e otimizar os processos de recolha de resíduos no município, contribuindo para um serviço mais sustentável e eficiente. O projeto arrancou dia 15 de Outubro, e terá uma distribuição de contentores faseada, dividida por diferentes zonas do concelho. A recolha porta-a-porta começará dia 29 de outubro em Águas Santas e Pedrouços. Será acompanhado por uma campanha de comunicação e sensibilização que envolverá, entre outros, a decoração das viaturas de distribuição dos contentores, assim como de recolha, a distribuição de folhetos e calendários com os horários das recolhas, e também outdoors e mupis a serem distribuídos pelo município. A distribuição dos contentores será acompanhada por uma viatura itinerante, decorada com a imagem Ecoponto em Casa, e que transmitirá o spot de rádio da campanha, uma forma ligeira e divertida de comunicar o novo serviço de gestão de resíduos da Maia. O projeto Ecoponto em Casa é uma iniciativa da Maiambiente, com apoio da Lipor e da Sociedade Ponto Verde, cofinanciado pelo QREN, ON2 - O Novo Norte e União Europeia. LIPOR e MAIAMBIENTE promovem a entrega de equipamentos ortopédicoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=229No dia 26 de Setembro de 2012, teve lugar no Salão Nobre da Câmara Municipal da Maia a cerimónia de entrega de equipamentos ortopédicos a dois cidadãos portadores de deficiência física. A iniciativa insere-se no maior, mais complexo e mais inovador projeto de gestão de resíduos alguma vez realizado ao nível de uma autarquia, que a MAIAMBIENTE se encontra a desenvolver, e que irá alargar a recolha seletiva porta-a-porta a toda a área do município da Maia. Também a LIPOR, enquanto parceira institucional, muito contribuiu para o evento, designadamente através da Operação Tampinhas cujas receitas já possibilitaram o apoio a 269 entidades com um total de 895 unidade de equipamento ortopédico e similar. Para além dos objetivos ambientais, designadamente o aumento da taxa de reciclagem, o projeto pretende potenciar relações com todos os parceiros de negócio, promovendo iniciativas de carácter social e de inclusão, orientadas para a comunidade local. Destaque especial para a OTTO Multiservei que patrocinou a aquisição dos equipamentos, e para a Junta de Freguesia de Baguim do Monte e a Semente - Associação de Voluntários Lipor, que muito contribuíram para que esta entrega fosse uma realidade. Os Cidadãos, Renata Tavares Oliveira de 21 meses residente em Baguim do Monte, município de Gondomar, e Tomás Alves Ferreira Silva de 39 anos, residente em Avioso (Santa Maria), município da Maia, receberam equipamentos adaptados à sua necessidade físicas, no valor de 4.000EUR e 16.500EUR. Deseja-se que esta entrega represente uma mudança radical na qualidade de vida destes dois Cidadãos e das suas famílias que, fruto das limitações físicas e das dificuldades financeiras, viviam dificuldades acrescidas por não terem um equipamento adequado à sua condição.Lipor associou-se a Semana Europeia da Mobilidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=216A Lipor dedicou o mês de Setembro à Mobilidade e destacou algumas iniciativas que integraram o programa de actividades da Semana Europeia da Mobilidade promovido pela AdEPorto com os Municípios seus Associados. Assim a assinalar o dia de arranque da SEM 2012, o Parque Aventura acolheu uma caminhada, passeios livres de bicicleta e foi possível a fruição livre dos percursos pedonais, além de se terem realizado demonstrações de Artes Marciais, um Atelier de Reutilização e uma Sessão dedicada à Mobilidade Sustentável. No dia 22 de Setembro, data em que se assinala o Dia Europeu sem Carros, o Parque Aventura da Lipor disponibilizou Passeios a Cavalo, além de ser possível usufruir do passeios livres de bicicleta e dos percursos pedonais, bem como das diversas actividades que o Parque habitualmente proporciona.Seminário 'Mobilidade Sustentável'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=215'Mobilidade Sustentável' foi o tema do Seminário promovido pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto, uma iniciativa integrada no programa da Semana Europeia da Mobilidade e que hoje decorreu no Teatro Rivoli. A sessão de abertura contou com intervenções do Vereador do Urbanismo e Mobilidade, Gonçalo Gonçalves, do Presidente daquela Agência de Energia, Eduardo de Oliveira Fernandes, além de Américo Pires da Costa, vogal do Conselho Executivo da Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto, Álvaro Costa, da Faculdade de Engenharia da U.P. e de Hauke Juergensen, responsável mundial da Siemens para a Mobilidade Urbana, entidade parceira na organização do evento. Para o autarca, "não se pode almejar a ter uma cidade sustentável em termos de mobilidade sem uma rede de transportes públicos capaz". Gonçalo Gonçalves salientou a importância que, a esse nível, a instalação do Metro representou no tecido urbano da cidade ao nível de "uma nova realidade", em relação à qual é necessário que os outros operadores de transportes saibam adaptar-se". O Vereador do Urbanismo e Mobilidade deu ainda conta das preocupações da autarquia ao nível da criação de mais ciclovias ou percursos cicláveis. "Sem a criação de condições físias concretas no terreno não podemos esperar que as pessoas utilizem esse tipo de transporte", observou. Por seu lado, Oliveira Fernandes, com a sua habitual comunicabilidade e pedagogia, desenvolveu o conceito da "energia da mobilidade". Na óptica da AdEPorto, as cidades do futuro, entre as quais a do Porto, no ajuste da sua bússola ambiental, resolvidas ou apontadas as soluções de gestão da água e de resíduos, têm que concentrar-se com mais afinco no ordenamento e diversificação das suas soluções de transporte e de mobilidade, prioritárias pela sua relevância face aos objectivos da sustentabilidade ambiental, económica e social explicitados na Estratégia para a Sustentabilidade, aprovada em 2010 pelo Executivo Municipal. Consulte aqui as intervenções: A Energia da MobilidadeEduardo de Oliveira Fernandes, AdEPorto - Agência de Energia do Porto Contribuição do Transporte Público na MobilidadeAmérico Pires da Costa - Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto Mobility ChallengesHauke Juergensen - Siemens Santo Tirso vence a Final Intermunicipal do 'À Velocidade do Sol'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=217O Centro de Educação Ambiental do Parque do Covelo no Porto acolheu a Final Intermunicipal - Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol'. Este passatempo foi promovido no início do ano lectivo de 2011/2012 junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto - Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos solares. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. Esta iniciativa envolveu mais de 300 alunos, 42 professores e 33 estabelecimentos de ensino (3º ciclo e secundário). As equipas inscritas nos diferentes Municípios entregaram os seus carrinhos originais e participaram numa corrida municipal realizada durante a Semana da Energia e do Ambiente e que permitiu apurar os 3 vencedores que representaram nesta final o respectivo Município. Estaprova intermunicipal estava prevista para se realizar igualmente durante a Semana da Energia e do Ambiente, mas devido às condições meteorológicas teve de ser adida, passando assim a integrar o programa de iniciativas da Semana Europeia da Mobilidade a decorrer de 16 a 22 de Setembro. Nesta final estiveram envolvidos 93 alunos, 21 Professores e 21 estabelecimentos de ensino de 3º ciclo e secundário. O primeiro lugar do pódio foi ocupado pela equipa do 'ESDAH Solar' concebido pelos alunos do 10º ano: Adélio Pacheco, Bruno Machado, Danilo Cunha, João Gouveia, Jorge Vieira e Tiago Leite coordenados pelo Professor Pedro Martins da Escola Secundária D. Afonso Henriques em Santo Tirso. O segundo lugar desta final intermunicipal foi para o 'Solaris' da Escola Secundária da Maia. Os alunos Sara Guimarães, Ana Margarida Dias, Sara Fernandes, Marcos Sousa, Francisco Ferreira e José Ramalho que frequentavam o 9º ano foram orientados pela Professora Maria Isabel Pinto. O 'Solar 9B' da Escola D. Pedro IV de Mindelo - Vila do Conde arrecadou o terceiro lugar desta final. Esta equipa, constituída também por alunos do 9º ano, era totalmente masculina: João Filipe Silva, Pedro Silva, Bruno Viegas, Ricardo Azevedo, João Silva e João Rocha foi coordenada pelo Profesoor José Leão Costa.AdEPorto promove Seminário 'Mobilidade Sustentável'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=214Amanhã, no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade 2012, terá lugar das 9h30 às 12h30, o Seminário 'Mobilidade Sustentável' no Pequeno Auditório do Rivoli Teatro Municipal, no Porto, cuja participação é livre. A problemática dos transportes e da mobilidade apresenta várias facetas críticas na sociedade dos nossos dias: é o consumo elevado de energia, em particular de combustíveis, directa ou indirectamente pela via da electricidade e é o problema prejuízo para a qualidade do ambiente urbano com os aspectos do ruído, da poluição atmosférica e do 'atravancamento' das cidades tornando-as menos amigáveis e ambientalmente atraentes ao fruir do espaço urbano. As cidades do futuro, e dentre estas, a cidade do Porto, no ajuste da sua bússola ambiental, resolvidas ou apontadas as soluções de gestão da água e de resíduos, têm que concentrar-se com mais afinco no ordenamento e diversificação das suas soluções de transporte e de mobilidade prioritárias pela sua relevância face aos objetivos da sustentabilidade ambiental, económica e social tão bem explicitados na Estratégia para a Sustentabilidade aprovada em 2010 pelo executivo camarário do Porto. A sessão de abertura do Seminário estará a cargo do Vereador do Urbanismo e Mobilidade da Câmara Municipal do Porto, Gonçalo Gonçalves. Seguir-se-á a intervenção do Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, sob o tema à 'Energia da Mobilidade'. A Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto estará representada por Américo Pires da Costa que centrará a sua comunicação na 'Contribuição do Transporte Público na Mobilidade'. Álvaro Costa da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto intervirá sobre as 'Soluções para a Mobilidade'. A enriquecer o leque de comunicações, estará o responsável mundial da Siemens para a Mobilidade Urbana, Hauke Juergensen, cuja comunicação terá como temática 'Mobility Challenges'. A entrada é livre, mas sujeita a inscrição através do email sem@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. Consulte aqui o programa do Seminário ' Mobilidade Sustentável'. Consulte aqui o programa da Semana Europeia da Mobilidade 2012.Final Intermunicipal de Carrinhos Solares no âmbito da Semana Europeia da Mobilidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=213O Centro de Educação Ambiental do Parque do Covelo no Porto acolhe amanhã, às 14h30, a Final Intermunicipal - Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol'. Este passatempo foi promovido no início do ano lectivo de 2011/2012 junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto - Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos solares. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. As equipas inscritas nos diferentes Municípios entregaram os seus carrinhos originais e participaram numa corrida municipal que permitiu apurar os 3 vencedores que representarão na final de amanhã o Município.SEM 2012 arranca com Meia Maratona Sportzonehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=212Os quenianos Benson Barus e Alice Mogire ganharam, este domingo, a sexta Meia Maratona do Porto. Para além da transmissão para todo o País pela RTP 1, a prova teve a participação de mais de 12 mil atletas, distribuídos pela Meia Maratona e a mini maratona/caminhada e marcou o arranque da programação da Semana Europeia da Mobilidade, que começou a ser assinalada um pouco por toda a Área Metropolitana do Porto. A prova masculina foi dominada pelos atletas quenianos, que ocuparam 10 dos 11 primeiros lugares, apenas falhando o quarto posto, ocupado pelo etíope Gebretsadik Adhina. O melhor português foi Rui Silva (individual), que ocupou precisamente o 12º lugar. Já a nível feminino, o pódio foi ocupado pelas etíopes Alice Mogire (1º), e Kiros Reda (2º). O terceiro lugar foi ocupado pela atleta portuguesa do Maratona, Leonor Carneiro. O valor adquirido pela organização com a inscrição dos atletas reverteu, desta vez, para a Associação "No Meio do Nada", que se dedica a prestar apoio moral e material a indivíduos ou grupos de indivíduos deles carentes. Os prémios aos primeiros classificados foram distribuídos, entre outros, pelo Vereador do Urbanismo e Mobilidade, Gonçalo Gonçalves. A Meia Maratona Sportzone é uma organização da RunPorto que conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto, através da PortoLazer, e que, este ano, integrou, pela primeira vez, o programa de iniciativas da Semana Europeia da Mobilidade promovido pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto. Exposição 'A Bicicleta'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=219Integrada no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade está patente, no Centro de Pedagogia Ambiental, uma exposição sobre a bicicleta. A exposição é constituída por 6 painéis e por vários modelos de bicicletas. Os painéis, para além da história e futuro da bicicleta, abordam as suas relações com a saúde, o ambiente, a economia e o desporto. Esta iniciativa, que decorre de 18 a 23 de setembro do corrente ano, tem como objetivo sensibilizar a comunidade para a temática da mobilidade sustentável.Semana Europeia da Mobilidade 2012 http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=211Entre 16 e 22 de Setembro, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto com os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde) assinalam a Semana Europeia da Mobilidade. O programa oferecerá um conjunto de actividades de carácter técnico, co-organizadas com a Siemens, de carácter desportivo em parceria com a SportZone, para além de um vasto e diversificado programa de carácter lúdico e pedagógico com o apoio do Andante, CP, Metro do Porto e STCP. As diversas iniciativas contam ainda com o patrocínio da EDP Distribuição, APDL, EDP Gás e LIPOR. A Semana arranca no dia 16 de Setembro com várias actividades, nomeadamente, o Clean Up the World na Póvoa de Varzim; uma Caminhada e Passeios Livres de Bicicleta e pelos Percursos Pedonais no Parque Aventura da Lipor; a actividade desportiva 'NIA - Navegar através da Inspiração do Ar' no Parque Urbana da Rabada em Santo Tirso; e a Meia-Maratona SportZone, entre o Freixo e o Fluvial, no Porto. Nos dias 17 e 19 de Setembro será possível participar durante a manhã na Escola de Prevenção Rodoviária instalada na EB 2/3 de Fânzeres - Gondomar (inscrição: ambiente@cm-gondomar.pt) e ao final da tarde (17h-19h) estarão disponíveis diversos rastreios 'Para uma Mobilidade Sustentável - Caminhe de Forma Saudável' na Ciclovia da Avenida da Conduta: Espaço Idade Mais em Fânzeres. No dia 20 de Setembro, terá lugar na Quinta do Covelo, no Porto, às 14h30, a Final Intermunicipal de Carrinhos Solares 'À Velocidade do Sol'. Nesta corrida participarão os 3 carrinhos vencedores de cada um dos seguintes Municípios: Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso e Vila do Conde. No dia 21 de Setembro decorrerá, das 9h30 às 13h00, o Seminário 'Mobilidade Sustentável' no Pequeno Auditório do Rivoli Teatro Municipal no Porto. A entrada é livre, mas sujeita a inscrição através do email sem@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. Neste mesmo dia, estarão disponíveis a Escolinha de Trânsito de Matosinhos e a Escola de Prevenção Rodoviária da EB 2/3 de Fânzeres - Gondomar (inscrição: ambiente@cm-gondomar.pt). No dia 22 de Setembro, pelas 10 horas, arranca o Mobipaper Intermunicipal nos 8 Municípios Associados da AdEPorto: Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde. O vencedor de cada percurso receberá como prémio uma bicicleta oferecida pela SportZone. No Parque Aventura da Lipor realizar-se-ão Passeios de Cavalo, de Bicicleta e estarão disponíveis os Percursos Pedonais. Em Gondomar, poderá ver uma demonstração de Veículos Eléctricos da responsabilidade da Gamobar e uma demonstração de BTT a cargo da Associação de Cicloturismo do Porto. Durante toda a Semana realizar-se-ão várias iniciativas, nomeadamente, a Exposição 'A Bicicleta' no Centro de Pedagogia Ambiental de Vila do Conde; a Escolinha de Trânsito do Porto estará instalada na Praça do General Humberto Delgado das 10h às 18h; em Gondomar, por marcação, realizar-se-ão Sessões de Prevenção Rodoviária nos Estabelecimentos de Ensino (inscrição: ambiente@cm-gondomar.pt). A iniciativa 'Aprende a viajar de... autocarro, comboio, metro' terá lugar pela primeira vez este ano e será dirigida aos alunos do 4º ano dos Estabelecimentos de Ensino de 1º ciclo dos Municípios Associados. Esta actividade será dinamizada em parceria com a CP, Metro do Porto e STCP. Consulte aqui o programa. Tratamento de resíduos evita emissão de 9.670,29 t CO2http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=209Durante o mês de Junho, a LIPOR recepcionou e tratou cerca de 41.884 toneladas de resíduos. Ao dar um destino final adequado aos resíduos, valorizando-os por reciclagem multimaterial, compostagem e produção de energia eléctrica foi possível evitar a emissão de 9.670,29 t CO2. E apenas durante o mês de Junho!Mais informação aqui. INESC TEC reforça posição na área das redes eléctricas inteligentes http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=206A Unidade de Sistemas de Energia (USE) do INESC TEC integra dois consórcios que pretenderam dar resposta a chamadas específicas lançadas pela Comissão Europeia na área das redes eléctricas inteligentes. As propostas de projecto associadas a cada um dos consórcios foram aprovadas e passaram à fase de negociação com a Comissão Europeia, que se iniciou no passado dia 22 de Junho. Um dos consórcios, liderado pela EDP Distribuição e onde INESC TEC está responsável pela coordenação técnico-científica do projecto, desenvolveu a proposta intitulada SuSTAINABLE - Smart distribution System operaTion for mAximizing the INtegration of renewABLE generation. O consórcio conta ainda com a participação da EFACEC, da Universidade de Manchester (Reino Unido), da Universidade Técnica de Berlim (Alemanha), da Universidade Pontifícia Comillas - Madrid (Espanha), da Universidade Técnica de Atenas (Grécia) e da Public Power Corporation (Grécia). Trata-se de uma proposta inovadora que tem por objectivo proporcionar ferramentas avançadas para a operação e planeamento da rede de distribuição. As futuras infraestruturas laboratoriais da USE proporcionarão condições especiais para a validação de conceitos a desenvolver, sendo que estes serão posteriormente testados na InovCity em Évora. O outro consórcio desenvolveu a proposta denominada STABALID - STAtionary Batteries LI-ion safe Deployment, centrada na tecnologia de baterias de iões de lítio enquanto solução promissora para permitir aumentar os níveis de integração de fontes renováveis nas redes de distribuição. O objectivo principal do STABALID é facilitar a implementação baterias estacionárias de lítio, sendo que para isso será desenvolvido um novo procedimento de teste para este tipo de baterias. O projecto é liderado pelo European Virtual Institute for Integrated Risk Management - EU-VRi (Alemanha), e conta com a participação do INESC TEC, da EDP Distribuição, do Institut National de l'Environnement Industriel et des Risques - INERIS (França) e do TÜV SÜD Battery Testing GmbH (Alemanha).AdEPorto e a EDP promoveram uma sessão de formação http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=208AdEPorto e a EDP promoveram uma sessão de formação para dar a conhecer a existência e as funcionalidades disponíveis na ferramenta EDP Online. Esta iniciativa surge na sequência do desenvolvimento pela AdEPorto da ferramenta AGE! (Ferramenta Autárquica de Gestão de Energia) para apoio à gestão de energia das infra-estruturas da autarquia e da sua interligação automatizada a fontes existentes de informação como por exemplo o EDP Online. O EDP Online disponibiliza a gestão dos contratos de fornecimento de energia eléctrica, apresentando informações relevantes na perspectiva da gestão da utilização de energia, seja enquanto energia de per si bem como dos custos e informações de facturação. O enfoque da AdEPorto e da AGE! é na gestão de energia final, enquanto que o EDP Online é também uma ferramenta valiosa para a parte financeira/contabilística. De um ponto de vista financeiro/contabilístico é possível organizar as contas (BTN-BTE/MT), fazer a ligação dos ficheiros disponibilizados pelo software de dados (GBRI) com a factura, com o EDPonline e a integração directa dos dados das facturas constantes das relações valorizadas nos sistemas contabilísticos das Câmaras através dos ficheiros XML (actuais e em arquivo). A+http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=210Desde ontem, dia 1 de julho de 2012, que a classe energética mínima possível para que qualquer equipamento de refrigeração possa ser colocado no mercado comunitário passou a ser a de A+.Isto significa que, nos modelos novos de frigoríficos, combinados, congeladores e arcas comercializados posteriormente a esta data, as classes de eficiência energética disponíveis serão apenas três: A+, A++ e A+++, correspondendo a primeira à hipótese menos eficiente e a última à mais eficiente. A etiqueta energética continuará a apresentar a escala de A+++ a D, embora a classe A+ seja a pior opção possível.Esta medida, que não abrange os equipamentos de armazenagem de vinhos e os frigoríficos por absorção, surge no âmbito do Regulamento (CE) Nº 643/2009 da Comissão, que estabelece os requisitos de conceção ecológica aplicáveis aos aparelhos de refrigeração para uso doméstico, os quais devem ser cumpridos para que os modelos possam ser colocados no mercado. Estes requisitos têm vindo a ser implementados de forma progressiva, com um calendário estabelecido para permitir a adaptação faseada dos fabricantes. Nos primeiros tempos que se seguirem à entrada em vigor desta medida, será ainda possível que os consumidores encontrem nas superfícies de venda alguns aparelhos de refrigeração de classe A, colocados no mercado em data anterior a 1 de julho de 2012.A Quercus considera que esta maior exigência vai ao encontro de uma política energética europeia que se pretende ambiciosa, bem como às necessidades de poupança dos consumidores face ao aumento do preço da eletricidade, possibilitando o acesso a equipamentos menos consumidores de energia.Categorias de refrigeração atualizadas em Topten.ptAcompanhando a implementação desta medida, a Quercus procedeu recentemente à atualização das duas categorias de equipamentos de frio presentes na ferramenta online www.topten.pt, nomeadamente frigoríficos e congeladores/arcas. O objetivo é disponibilizar ao consumidor, nesta e nas demais categorias, informação o mais atualizada possível sobre os produtos existentes no mercado. Após esta última atualização, as duas marcas mais representadas em ambas as categorias são a Liebherr e a Bosch.A Quercus apurou ainda, a partir de um questionário de opinião disponível na página do projeto, que as categorias de refrigeração são as mais consultadas pelos utilizadores antes de efetuarem uma compra. O projeto Topten.pt é financiado pelo programa europeu "Intelligent Energy - Europe" (IEE) da Comissão Europeia. Em Portugal, a sua gestão é da responsabilidade da Quercus, sendo co-financiado pela Agência para a Energia (ADENE).Energia para a Sustentabilidade, Universidade de Coimbra | MIT Portugal | Mestrado e Especializaçãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=207Em articulação com a área de Sistemas Sustentáveis de Energia [SSE] do Programa MIT Portugal (que envolve também: IST, ISEG, FCUL e FEUP), a Universidade de Coimbra disponibiliza, UC, através da iniciativa Energy for Sustainability EfS, um programa de formação avançada dirigido a arquitectos, engenheiros economistas, gestores e outros profissionais com interesse na área. Este programa inclui o Mestrado (2º. Ciclo) em Energia para a Sustentabilidade [3 Semestres] e o Curso de Especialização em Energia para a Sustentabilidade [2 Semestres]. Áreas de especialização: Sistemas de Energia e Políticas Energéticas; Edifícios e Ambientes Urbanos e Climatização e Conforto. A 2ª fase de candidaturas decorre de 1 a 12 de Julho de 2012, através do sistema on-line da UC, na página https://inforestudante.uc.pt/nonio/security/candidaturas.do. Mais informações em www.uc.pt/efsJá há acordo para a Directiva para a Eficiência Energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=203Depois de meses de difíceis negociações, o Parlamento e o Conselho Europeus chegaram, na última quinta-feira, a um acordo provisório relativamente à futura Directiva para a Eficiência Energética. O novo texto exige que os Estados-Membros definam para si próprios objectivos indicativos nacionais e apresentam um plano nacional de acção para a eficiência energética a cada três anos (2014, 2017 e 2020). Em 2014, a Comissão fará uma avaliação dos progressos alcançados. Os países terão também de renovar anualmente 3% da área total "de edifícios aquecidos e/ou arrefecidos que sejam propriedade e ocupados pelos governos centrais", aplicando-se a edifícios com uma área total útil superior a 500 m2 e, a partir de Julho de 2015, a 250m2. Relativamente à obrigação das empresas fornecedoras de energia de alcançarem poupanças energéticas junto dos consumidores, foi acordado que estas alcançassem uma "meta de poupanças no uso final de energia cumulativa", que deve ser, no mínimo, equivalente a 1,5% das vendas de energias anuais aos consumidores finais, em termos de volume. Esta obrigação vai excluir as vendas de energia para fins de transporte e a determinadas actividades industriais. Em Dezembro de 2015, os Estados-Membros devem apresentar à Comissão uma análise compreensiva, de custo-benefício, do potencial da utilização da cogeração de elevada eficiência e das redes de aquecimento e arrefecimento urbano. O texto terá de ver votado pelo Comité para a Energia, o que deverá acontecer no próximo mês de Julho, e dois meses depois, em plenário. "Este acordo vai alavancar a economia europeia e ajudar a alcançar a nossa segurança energética e os objectivos climáticos", afirmou o eurodeputado Claude Turmes (Os Verdes), que esteve à frente das negociações. "A nova regulamentação para a eficiência energética define medidas vinculativas que vão contribuir para preencher a actual lacuna que a União Europeia enfrenta para cumprir o seu compromisso de reduzir o consumo energético em 20% em 2020. A legislação inclui um número crucial de medidas que vão proporcionar poupanças energéticas concretas", antecipou.Executivo do Porto aprovou Sistema Municipal de Incentivos Fiscais à Valorização Energética na Reabilitação Urbana http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=204O Executivo do Porto aprovou na reunião desta terça-feira o Sistema de Incentivos Fiscais à Valorização Energética na Reabilitação Urbana proposto pelo Pelouro do Urbanismo e Mobilidade na sequência do trabalho desenvolvido pela CESEA Comissão de Promoção de Edifícios Sustentáveis na Perspectiva Energético-Ambiental. Esta iniciativa insere-se na execução do Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto (PAES-P), aprovado pelo Executivo em Outubro de 2010 e pela Comissão Europeia em Junho de 2011 na sequência da assinatura do Pacto dos Autarcas (Fevereiro de 2009). O PAES-P estabelece como meta a redução em 2020 de 45% das emissões de CO2. imputando ao edificado cerca de 67% deste esforço. Este Sistema de Incentivos visa promover a valorização energética dos edifícios a reabilitar na Cidade, mais especificamente na Área Crítica de Recuperação e Reconversão Urbanística, atribuindo vantagens fiscais associadas a objectivos energéticos que vão muito para além da regulamentação nacional, actualmente em revisão. O objectivo é melhorar as condições de conforto com menor procura de energia para o aquecimento ambiente e para a preparação de águas quentes sanitárias (AQS). O acesso aos incentivos fiscais para a valorização energética dos edifícios de habitação sujeitos a reabilitação, para além de satisfazer os requisitos mínimos do RCCTE1, requer a satisfação cumulativa de critérios específicos, entre outros, de renovação do ar, de inércia térmica, de sombreamento e de água quente sanitária nos termos do GTR2. Os edifícios de serviços, para além dos requisitos mínimos do RSECE3, terão de garantir cumulativamente os limites de potência específica de iluminação de 10 W/m2 e de energia primária anual associada ao uso dos sistemas de iluminação e AVAC (Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado) de 50 kWh/m2.ano para edifícios de escritórios ou de 80 kWh/m2.ano para as restantes tipologias de edifícios de serviços. O benefício concedido de isenção de 10 anos de IMI será atribuído mediante a certificação da execução da acção de reabilitação por parte do Município ou da Porto Vivo SRU, bem como da verificação da valorização energética pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto. 1 RCCTE - Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (Decreto-Lei n.º 80/2006).2 Guia de Termos de Referência para a Reabilitação Energético Ambiental de Edifícios no Centro Histórico do Porto (disponível em: http://www.portovivosru.pt/Guia_Termos_Referencia.pdf).3 RSECE - Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (Decreto-Lei n.º 79/2006). Dia Aberto - Central de Valorização Energética LIPORhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=205No âmbito da Sustainable Energy Week promovida pela Comissão Europeia, que decorrerá entre os dias 18 e 22 de junho, a LIPOR - Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, abre as portas da Central de Valorização Energética a todos os cidadãos que queiram visitar esta Unidade, no próximo dia 22 de junho (sexta-feira), entre as 09h00 e as 17h00, sendo as visitas acompanhadas pelos técnicos LIPOR. A Central de Valorização Energética situada na Maia, tem como objetivo a valorização, na forma de energia elétrica, da fração de resíduos que não possa ser aproveitada através dos processos de compostagem e reciclagem.Numa perspetiva de responsabilidade social e ambiental a LIPOR tem implementado um completo Programa de Monitorização Externa, que engloba um vasto conjunto de descritores ambientais, aspetos psicossociais e de saúde pública das populações. Esta Central foi ainda pioneira, no seu sector de atividade, na obtenção da certificação do Sistema de Gestão de Qualidade, Ambiente e Segurança pelas normas NPEN ISO 9001, NPEN ISO 14001 e OHSAS 18001/NP4397 respetivamente. Mais informações em http://www.eusew.eu/Entrega de Prémios do Concurso de Desenho ' Mobilidade Sustentável'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=190Amanhã, 5 de Junho - Dia Mundial do Ambiente, às 14h30 realizar-se-á a cerimónia de entrega de prémios do concurso de desenho 'Mobilidade Sustentável' promovido pela Agência de Energia do Porto. Este concurso foi lançado no início do ano lectivo, dirigindo-se a todos os alunos do 2º Ciclo (5º e 6º Ano) que frequentassem estabelecimentos de ensino localizados nos Municípios Associados da AdEPorto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde). O objectivo desta iniciativa é sensibilizar os participantes a defender atitudes e comportamentos que contribuam para melhorar o ambiente do seu município e, consequentemente, a sua qualidade de vida. Deste concurso de desenho 'Mobilidade Sustentável' serão seleccionados três desenhos que constituirão a imagem de divulgação e promoção da Semana Europeia da Mobilidade 2012. A cerimónia terá lugar no Colégio de Santa Teresa de Jesus em Santo Tirso.Cerimónia de Entrega de Prémios do Concurso de Desenho ' Mobilidade Sustentável'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=202A assinalar o Dia Mundial do Ambiente e a marcar o encerramento da edição de 2012 da Semana da Energia e do Ambiente realizou-se, no Colégio de Santa Teresa de Jesus em Santo Tirso, a cerimónia de entrega de prémios do concurso de desenho 'Mobilidade Sustentável' promovido pela Agência de Energia do Porto. A AdEPorto recepcionou mais de uma centena de desenhos que foram submetidos à avaliação de um júri constituído por cinco membros oriundos de áreas diversificadas do conhecimento: Maria do Carmo Rola (Escola Secundária Aurélia de Sousa), Maria João Vasconcelos (Museu Nacional Soares dos Reis), Maria João Samúdio (AdEPorto), Américo Pires da Costa (Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto) e Miguel Freitas (Miguel Freitas Design). Este concurso foi lançado no início do ano lectivo, dirigindo-se a todos os alunos do 2º Ciclo (5º e 6º Ano) que frequentassem estabelecimentos de ensino localizados nos Municípios Associados da AdEPorto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde). O objectivo desta iniciativa é sensibilizar os participantes a defender atitudes e comportamentos que contribuam para melhorar o ambiente do seu município e, consequentemente, a sua qualidade de vida. Os três desenhos vencedores constituirão a imagem de divulgação e promoção da Semana Europeia da Mobilidade 2012. O 1º lugar foi atribuído ao desenho «Reduzir e Minimizar» da autoria das alunas Alice Reis, Beatriz Lameirinhas, Beatriz Rodrigues, Margarida Vasconcelos e Sancha Mendes do 6º Ano Turma 5 da Escola Básica de Leça da Palmeira - Matosinhos com a orientação da Professora Ana Cristina de Queiroz Morêda. O 2º lugar foi conquistado pelo desenho do aluno Jorge Fonseca do 5º Ano Turma B do Colégio de Santa Teresa de Jesus com o apoio da Professora Sandra Moreira. O 3º lugar foi atribuído ao desenho «Trabalho Colectivo» do 6º Ano Turma C da Escola Básica do Castro - Trofa sob a orientação das Professoras Edite Sá Azevedo e Ana Correia.Matosinhos acolheu a Caminhada 'Todos a Andar com EDP Gás'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=201A Marginal de Matosinhos acolheu, esta manhã, a Caminhada 'Todos a Andar com a EDP Gás' integrada no programa de iniciativas da edição de 2012 da Semana da Energia e do Ambiente que é promovida anualmente pela Agência de Energia do Porto em parceria com os Municípios seus Associados. A organização desta Caminhada, responsabilidade da EDP Gás, resulta de uma parceria entre esta e a Câmara Municipal de Matosinhos - ambas Associadas da AdEPorto. Esta iniciativa, que contou com a participação de 973 pessoas, foi desenvolvida em favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro. A participação na Caminhada implicava o pagamento simbólico de 1EUR que reverteu integralmente para a Liga Portuguesa Contra o Cancro. Na cerimónia de entrega do cheque ao representante da Liga Portuguesa Contra o Cancro esteve o Presidente da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, e José Syder da EDP Gás. Adiamento da Corrida de Carrinhos Solares - Final Intermunicipal http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=200Devido às condições meteorológicas verificadas na manhã do dia 2 de Junho, a organização da Semana da Energia e do Ambiente considerou não existirem as condições mínimas para a realização com sucesso da Corrida de Carrinhos Solares - Final Intermunicipal marcada para as 10 horas no Parque do Covelo no Município do Porto. Assim e dada a aproximação do final do ano lectivo, esta corrida realizar-se-á, em data a anunciar, durante a Semana Europeia da Mobilidade que decorrerá de 16 a 22 de Setembro.Carrinhos Solares animaram o Pavilhão Multiusos de Gondomarhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=198O Pavilhão Multiusos em Gondomar acolheu esta tarde uma corrida de carrinhos movidos a energia solar, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol', uma iniciativa da edição de 2012 da Semana da Energia e do Ambiente, que contou com a presença do Vereador do Pelouro do Ambiente, Joaquim Castro Neves. A organização da Semana da Energia e do Ambiente apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, sendo a concepção e a construção do carrinho resultado da imaginação e do trabalho desenvolvido pelas equipas participantes. O desafio 'À Velocidade do Sol' foi lançado no início do ano lectivo junto das escolas do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto - Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos movidos a energia solar. Das 11 equipas inscritas no Município de Gondomar, 7 entregaram os seus carrinhos originais. A concepção dos protótipos foi avaliada por um júri, constituído por elementos da AdEPorto e da Câmara Municipal de Gondomar, que hoje anunciou os nomes das equipas vencedoras. Assim, quanto à concepção, ficou em primeiro lugar 'O Bassouras' da Escola Básica e Secundária de Medas da autoria dos alunos do 7º Ano: Daniel Costa, Fábio Rocha, Pedro Gonçalves, Rui Soares, Carlos Rocha e Tiago Viana e que conquistou também o primeiro lugar do pódio. O segundo lugar da concepção foi atribuído ao 'Pão de Forma' que na corrida conquistou a mesma posição. Os alunos David Neves, Gonçalo Koch, Gonçalo Teles, José Pedro Rocha, Nuno Teles, Pedro Filipe Mendes e Pedro Monteiro do 9º Ano da Escola Secundária c/ 3º CEB de Gondomar foram os autores deste protótipo. O terceiro lugar da concepção foi conquistado pelo 'Need4Sun Unlimited' da Escola Profissional de Gondomar. Os alunos do 1º Ano do Curso Técnico de Energias Renováveis autores deste carrinho foram: André Silva, Ricardo Borges, Ana Catarina Carneiro, Elísio, André Cardoso e Paulo Tiago. O terceiro lugar do pódio foi ocupado pelos alunos Telmo Rocha, José Gabriel e Miguel Ângelo do 10º Ano da Escola Secundária c/ 3º CEB de Gondomar com o carrinho 'Solaresg2'. À Velocidade do Sol 2012 Resultados do Município de Gondomar Corrida1º O Bassouras (Escola Básica e Secundária de Medas)2º Pão de Forma (Escola Secundária c/ 3º CEB de Gondomar)3º Solaresg2 (Escola Secundária c/ 3º CEB de Gondomar) Concepção 1º O Bassouras (Escola Básica e Secundária de Medas)2º Pão de Forma (Escola Secundária c/ 3º CEB de Gondomar)3º Need4Sun Unlimited (Escola Profissional de Gondomar)Corrida de Carrinhos Solares no Parque de Jogos em Vila do Condehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=199O Parque de Jogos de Vila do Conde acolheu hoje uma Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol', uma iniciativa da edição de 2012 da Semana da Energia e do Ambiente. Este passatempo foi promovido no início do ano lectivo junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto - Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos solares. Das 19 equipas inscritas no Município de Vila do Conde, 11 entregaram os seus carrinhos originais e participaram na corrida para disputar os 3 lugares do pódio. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. O primeiro lugar do pódio foi ocupado pela equipa do carrinho 'ZHS' concebido pelos alunos: Roberto Macedo, José Henrique e Pedro Pires do 8º Ano da Escola Básica 2/3 Júlio Saul Dias. O segundo lugar na corrida foi conquistado pelo 'Solar 9B' da Escola D. Pedro IV - Mindelo que resultou do trabalho dos alunos João Filipe Silva, Pedro Silva, Bruno Viegas, Ricardo Azevedo, João Silva e João Rocha e que se distinguiu com o primeiro lugar no que diz respeito à concepção. O terceiro lugar do pódio coube ao carrinho 'CT1Solar' da responsabilidade de Diogo Mota, António Abade, Cândido Lopes, Ricardo Alves, Marta Ferreira e Eliana Moreira do 12º Ano Escola Secundária José Régio. Quanto à concepção, ficou em segundo lugar o 'Solar P.IV' concebido pelos alunos do 9º Ano: Tiago Macedo, Tiago Carvalho, Rui Santos, Tiago Ribeiro, João Pedro Alves e Mariana Ribeiro da Escola D. Pedro IV - Mindelo. O terceiro lugar da concepção foi atribuído ao 'Rodolfo' do 7º Ano da Escola Básica 2/3 Júlio Saul Dias. À Velocidade do Sol 2012 Resultados do Município de Vila do Conde Corrida1º ZHS (Escola Básica 2/3 Júlio Saul Dias)2º Solar 9B (Escola D. Pedro IV - Mindelo)3º CT1Solar (Escola Secundária José Régio) Concepção 1º Solar 9B (Escola D. Pedro IV - Mindelo)2º Solar P.IV (Escola D. Pedro IV - Mindelo)3º Rodolfo (Escola Básica 2/3 Júlio Saul Dias) Corridas de Carrinhos Solares em Gondomar e Vila do Condehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=195Amanhã, dia 31 de Maio, às 14h30, realizar-se-ão as Corridas de Carrinhos Solares dos Municípios de Gondomar (no Pavilhão Multiusos) e de Vila do Conde (no Parque de Jogos) organizadas no âmbito da edição de 2012 da Semana da Energia e do Ambiente. O desafio 'À Velocidade do Sol' foi lançado no início do ano lectivo junto das escolas do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto - Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos movidos a energia solar. No Município de Gondomar estiveram envolvidas neste desafio 11 equipas e no Município de Vila do Conde 19. Participarão na corrida de amanhã para disputar os 3 lugares do pódio 7 equipas em Gondomar e 11 em Vila do Conde, correspondendo àquelas que entregaram os seus carrinhos originais. De salientar que a organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo da habilidade e imaginação dos alunos das equipas participantes. Quanto à concepção os carrinhos já foram avaliados por um júri e os nomes das equipas vencedoras serão anunciados amanhã depois da corrida. No próximo Sábado, 2 de Junho, às 10 horas, se as condições climatéricas permitirem, realizar-se-á uma final intermunicipal no Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo no Porto.Carrinhos Solares animaram a Praça do Município na Maiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=197A Praça Vieira de Carvalho na Maia acolheu esta tarde uma Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol', uma iniciativa da edição de 2012 da Semana da Energia e do Ambiente, que contou com a presença do Presidente da autarquia, António Bragança Fernandes. O desafio 'À Velocidade do Sol' foi lançado no início do ano lectivo junto das escolas do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto - Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos movidos a energia solar. A organização da Semana da Energia e do Ambiente apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, sendo a concepção e a construção do carrinho resultado da imaginação e do trabalho desenvolvido pelas equipas participantes. Das 22 equipas inscritas no Município da Maia, 18 entregaram os seus inéditos e originais carrinhos. A concepção dos protótipos foi avaliada por um júri, constituído por elementos da AdEPorto e da Câmara Municipal da Maia, que hoje anunciou os nomes das equipas vencedoras. Assim, quanto à concepção, ficou em primeiro lugar o 'SUNBEAN' da EB 2/3 da Maia (Ana Cerqueira, Marco Sousa e Miguel Oliveira), em segundo lugar o 'Fast Light' da Escola Secundária da Maia (Bruno Santos, Diogo Carvalho, João Maciel, Marcelo Gomes e Rui Marques) e em terceiro lugar o '9-A' também da Escola Secundária da Maia (Ana Esperança, Catarina Maia, Cláudia Gomes, João Miguel Silva, José António Silva e Maria Inês Gomes). A participação na corrida permitiu apurar os 3 carrinhos mais rápidos em pista sendo os lugares do pódio ocupados pelas seguintes equipas:1º 'Solari' da Escola Secundária da Maia (Ana Margarida Dias, Daniela Moreira, Francisco Ferreira, José Ramalho, Mariana Carvalho e Pedro Leite);2º 'Solar Speed Race' da EB2/3 do Castelo da Maia (Carlos Silva, Humberto Viegas, Miguel Ferreira, Ricardo Rede e Rui Oliveira);3º 'Sun Weels' da EB 2/3 da Maia (João Vidinha, Bruno Silva e Daniel Lewis). À Velocidade do Sol 2012 Resultados do Município da Maia Corrida1º Solari (Escola Secundária da Maia)2º Solar Speed Race (EB2/3 do Castelo da Maia)3º Sun Weels (EB 2/3 da Maia) Concepção 1º SUNBEAN (EB 2/3 da Maia)2º Fast Light (Escola Secundária da Maia) 3º 9-A (Escola Secundária da Maia)Seminário 'A Energia, os Municípios e as Autarquias'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=191Amanhã, dia 29 de Maio, às 9 horas, para assinalar o Dia Nacional da Energia, a AdEPorto promove, em parceria com o IDMEC-FEUP, o Seminário 'A Energia, os Municípios e as Autarquias' cuja abertura estará a cargo dos Presidentes da Junta Metropolitana do Porto, da Câmara Municipal da Maia e do Conselho de Administração da AdEPorto. Este encontro, que se realiza no âmbito da 5ª edição da Semana da Energia e do Ambiente, terá lugar no Fórum Municipal da Maia e centrar-se-á nas questões da Energia na perspectiva da acção nos Municípios e nas Autarquias. 'Energia, Planeamento e Gestão Municipal' será o título da comunicação de Eduardo de Oliveira Fernandes, precisamente após o primeiro ano e meio desde o alargamento da área territorial de actuação da AdEPorto a mais sete Municípios da Área Metropolitana do Porto a Norte do Douro, nomeadamente, Gondomar, Maia, Matosinhos, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde. Neste contexto, Hans Nilsson da International Energy Agency dedicará a sua intervenção 'À Energia Eficiente nas Cidades', enquanto Sérgio Figueiredo da EDP Produção se centrará nos 'Recursos Energéticos e Municípios - Benefícios para as Populações'. 'Um Roteiro para a Economia Verde: Conhecimento e Inovação ao Serviço das Políticas de Clima e Energia' será a temática da participação neste encontro do representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Jorge Moreira da Silva. A tarde iniciar-se-á com a intervenção de Carla Pedro da Cisco Systems sobre as 'Smart Cities: Novos Modelos de Desenvolvimento Urbano Sustentável'. Américo Pires da Costa, da Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto, enriquecerá o painel com a questão da 'Mobilidade e Transportes'. Espaço ainda para a apresentação da Matriz de Energia da Área Metropolitana do Porto a Norte do Rio Douro, por Vitor Leal da Fundação Gomes Teixeira da Universidade do Porto. A encerrar o Seminário será apresentada, pelo Director Técnico da AdEPorto, Alexandre Varela, a 'Ferramenta Autárquica de Gestão de Energia' - um instrumento de gestão concebido e desenvolvido especificamente para os Municípios Associados da AdEPorto. A entrada é livre, mas sujeita a inscrição através do email sea@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. Consulte aqui o programa.Corrida de Carrinhos Solares na Maia Praça do Municípiohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=194Amanhã, dia 30 de Maio, às 14h30, realizar-se-á a Corrida de Carrinhos Solares do Município da Maia organizada no âmbito da edição de 2012 da Semana da Energia e do Ambiente. O passatempo 'À Velocidade do Sol' foi promovido no início do ano lectivo junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto - Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos movidos a energia solar. Das 22 equipas inscritas no Município da Maia, 18 entregaram os seus carrinhos originais e participarão na corrida para disputar os 3 lugares do pódio. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. Quanto à concepção os carrinhos já foram avaliados por um júri e os nomes das equipas vencedoras serão anunciados amanhã depois da corrida. No próximo Sábado, 2 de Junho, às 10 horas, se as condições climatéricas permitirem, realizar-se-á uma final intermunicipal no Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo no Porto.Seminário 'A Energia, os Municípios e as Autarquias'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=196A assinalar o Dia Nacional da Energia, a AdEPorto promoveu, em parceria com o IDMEC-FEUP, o Seminário 'A Energia, os Municípios e as Autarquias' cuja abertura esteve a cargo dos Presidentes da Câmara Municipal da Maia, António Bragança Fernandes, e do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes. Este encontro, que teve lugar no Fórum Municipal da Maia, realizou-se no âmbito da 5ª edição da Semana da Energia e do Ambiente e as intervenções centraram-se numa abordagem à energia nas diferentes perspectivas e nos diferentes níveis de acção, desde as de políticas de clima e energia, ao planeamento das cidades. A sessão contou com mais de uma centena de participantes. 'Energia, Planeamento e Gestão Municipal' foi o título da comunicação de Eduardo de Oliveira Fernandes que fez a contextualização da temática da energia e da sua relação com o ambiente, da vertente de planeamento e gestão ao nível territorial do município e da cidade, precisamente após o primeiro ano e meio desde o alargamento da área territorial de actuação da AdEPorto a mais sete Municípios da Área Metropolitana do Porto a Norte do Douro, nomeadamente, Gondomar, Maia, Matosinhos, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde. Neste contexto, Hans Nilsson da International Energy Agency dedicou a sua intervenção 'À Energia Eficiente nas Cidades', e Carla Pedro da Cisco Systems às 'Smart Cities: Novos Modelos de Desenvolvimento Urbano Sustentável'. A primeira, de Hans Nilsson, que relevou o papel preponderante das cidades no combate às alterações climáticas e elencou as várias vertentes de acção de um município enquanto: consumidor, criador de políticas, concretizador e facilitador; a segunda, com as 'SmartCities' e os novos modelos de desenvolvimento urbano muito conectados com as tecnologias de informação e comunicação. Ao nível da Oferta de energia, a intervenção de Sérgio Figueiredo da EDP Produção centrou-se nas implicações da geração de energia e os seus benefícios para as populações. Américo Pires da Costa, da Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto, enriqueceu o painel com a questão da 'Mobilidade e Transportes', abordando o tema da Mobilidade, enquanto componente de peso no planeamento e na gestão urbana. As duas últimas intervenções foram já centradas nos oito municípios associados da Agência de Energia do Porto que correspondem à margem Norte do Rio Douro da Área Metropolitana do Porto. Vitor Leal da Fundação Gomes Teixeira apresentou os diagnósticos energéticos da área territorial de acção da AdEPorto. Esta apresentação demonstrou que os resultados dos oito municípios são bastantes diferentes mas que são perfeitamente alinhados e traduzem as realidades socioeconómicas dos mesmos. Genericamente, constata-se que os sectores mais energívoros são o dos transportes e o dos edifícios e que é nesses que as acções de promoção da eficiência energética se deverão centrar. Alexandre Varela da AdEPorto apresentou a 'Ferramenta Autárquica de Gestão de Energia' - um instrumento de gestão concebido e desenvolvido especificamente para os Municípios Associados da AdEPorto, bem como as suas potencialidades na gestão das infra-estruturas e frotas das Câmara Municipais. O encerramento do Seminário este a cargo do Vice-Presidente da Câmara Municipal da Maia, António Silva Tiago, que sublinhou a importância do trabalho desenvolvido pela Agência de Energia do Porto e o facto da Maia ter já nomeado um Gestor Local de Energia. Consulte aqui as comunicações: Energia, Planeamento e Gestão MunicipalEduardo de Oliveira Fernandes, AdEPorto Energy Efficiency in CitiesHans Nilsson, International Energy AgencyRecursos Energéticos e Municípios - Benefícios para as Populações (disponível brevemente)Sérgio Figueiredo, EDP Produção Um roteiro para a economia verde: conhecimento e inovação ao serviço das políticas de clima e energiaJorge Moreira da Silva, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Smart Cities: novos modelos de desenvolvimento urbano sustentávelCarla Pedro, Cisco Systems Mobilidade e TransportesAmérico Pires da Costa, Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto Matriz da Energia da AMP_NVitor Leal, Fundação Gomes Teixeira da Universidade do Porto Ferramenta Autárquica de Gestão de EnergiaAlexandre Varela, AdEPorto Semana da Energia e do Ambiente arrancou com Corrida de Carrinhos Solareshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=189O Centro de Educação Ambiental da Quinta do Covelo no Porto acolheu hoje uma Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol', marcando o arranque da edição de 2012 da Semana da Energia e do Ambiente. Este passatempo foi promovido no início do ano lectivo junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário dos Municípios Associados da AdEPorto - Agência de Energia do Porto (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde) tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos solares. Das 15 equipas inscritas no Município do Porto, 14 entregaram os seus carrinhos originais e participaram na corrida para disputar os 3 lugares do pódio. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. O primeiro lugar do pódio foi ocupado pelo 'Faisca' concebido pelos alunos Ana Barbosa, Maria Machado, Miguel Pacheco, Nuno Maltês e Miguel Furriel do 9º Ano A da EB 2/3 Augusto Gil. O segundo lugar na corrida foi conquistado pelo 'Invictus Solar' que resultou do trabalho dos alunos Fábio Martins, Helder Oliveira e Pedro Silva do 12º Ano do CENFIM - Porto e que se distinguiu com o primeiro lugar no que diz respeito à concepção. O terceiro lugar do pódio coube ao carrinho 'FAISCA' da responsabilidade de João Rocha e Rogério Almeida do 12º Ano G da Escola Secundária Infante D. Henrique que também conquistou a terceira posição a nível de concepção. Ainda quanto à concepção, ficou em segundo lugar o foton GT concebido pelos alunos do 8º Ano F: Ricardo Leite, Helena Sousa, Raquel Aleixo, João Campos e José Pinto da EB 2/3 Gomes Teixeira. À Velocidade do Sol 2012 Resultados do Município do Porto Corrida1º Faísca (EB 2/3 Augusto Gil)2º Invictus Solar (CENFIM - Porto)3º FAISCA (Escola Secundária Infante D. Henrique) Concepção 1º Invictus Solar (CENFIM - Porto)2º foton GT (EB 2/3 Gomes Teixeira)3º FAISCA (Escola Secundária Infante D. Henrique) Semana da Energia e do Ambiente 2012http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=185Entre 23 de Maio e 5 de Junho, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto e os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde) promovem a Semana da Energia e do Ambiente agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho). O programa oferecerá um conjunto de actividades diversificadas, de carácter técnico, desportivo, lúdico e pedagógico de modo a envolver todos os cidadãos. No dia 23 de Maio, terá lugar na Quinta do Covelo, às 14h30, a Corrida de Carrinhos Solares do Município do Porto, promovida no âmbito do passatempo À Velocidade do Sol. No dia 26 de Maio, às 10h, realizar-se-ão as Corridas dos Municípios de Gondomar no Pavilhão Multiusos, da Maia na Praça do Município e de Vila do Conde no Parque de Jogos. A assinalar o Dia Nacional da Energia, 29 de Maio, realizar-se-á, em parceria com o IDMEC-FEUP, o Seminário 'A Energia, os Municípios e as Autarquias' que terá lugar no Fórum Municipal da Maia às 9h. A entrada é livre, mas sujeita a inscrição através do email sea@adeporto.eu ou do telefone 222 012 893. Os três carrinhos vencedores de cada corrida municipal representarão o Município numa Final Intermunicipal - Corrida de Carrinhos Solares que se realizará no dia 2 de Junho na Quinta do Covelo, no Porto, às 10h. No dia 3 de Junho, às 10h, realizar-se-á a Caminhada 'Todos a Andar com EDP Gás' que implica o pagamento simbólico de 1EUR que reverterá integralmente para a Liga Portuguesa Contra o Cancro. Os participantes receberão uma t-shirt, um boné e uma mochila. As inscrições poderão ser realizadas no local de partida: Marginal - Matosinhos. No dia 5 de Junho, Dia Mundial do Ambiente, realizar-se-á às 14h30 no Colégio de Santa Teresa de Jesus, em Santo Tirso, a Cerimónia de entrega de prémios do Concurso de Desenho 'Mobilidade Sustentável' promovido junto dos alunos do 5º e 6º ano das escolas dos Municípios Associados da AdEPorto. A comunidade escolar terá oportunidade de participar, durante toda semana, em visitas à Casa Termicamente Optimizada e nas actividades que decorrerão nos diversos municípios. Consulte aqui o programa. Semana da Energia e do Ambiente 2012 arranca amanhãhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=188Entre 23 de Maio e 5 de Junho, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto e os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde) promovem a Semana da Energia e do Ambiente (SEA) agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho). O programa, que é patrocinado pela EDP Distribuição, APDL, EDP Gás e LIPOR e apoiado na divulgação pela STCP, oferecerá um conjunto de actividades diversificadas, de carácter técnico, desportivo, lúdico e pedagógico de modo a envolver todos os cidadãos. Amanhã, 23 de Maio, terá lugar na Quinta do Covelo, às 14h30, a Corrida de Carrinhos Solares do Município do Porto, promovida no âmbito do passatempo À Velocidade do Sol. Este passatempo foi promovido no início do ano lectivo junto dos estabelecimentos de ensino de 3º ciclo e Secundário dos municípios associados da AdEPorto e terminará com a realização de uma final intermunicipal no próximo dia 2 de Junho. O Município do Porto, através do Pelouro do Ambiente e Juventude, irá acolher a iniciativa de abertura da 5ª edição da Semana da Energia e do Ambiente, com uma corrida de 14 carrinhos solares que vão disputar os 3 lugares do pódio. Nesta data, serão igualmente anunciadas as três equipas que se destacaram pela concepção dos carrinhos. Parque do Covelo, junto ao Centro de Educação Ambiental/Horta Pedagógica - Rua do Bolama - Porto.Exposição Responsabilidade Ambientalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=193O Planeta e a Humanidade enfrentam atualmente desafios decorrentes de uma perspectiva errada quanto à exploração dos recursos. Reduzir o consumo de electricidade nos espaços urbanos ao mínimo é um grande passo para o desenvolvimento sustentável. O cuidado com o ambiente tem uma incidência direta e imediata sobre a nossa qualidade de vida. Viver mais simplesmente para que todos possam simplesmente Viver. A Câmara Municipal de Santo Tirso convida para visitar a exposição Responsabilidade Ambiental", que decorrerá no próximo dia 25 de Maio, na CMST, pelas 11h00.A exposição produzida pelo curso de Operador de Fotografia da OFICINA - Escola Profissional do INA está englobada na Semana da Energia e do Ambiente 2012 que decorre entre 23 de Maio e 5 de Junho nos Municípios Associados da AdEPorto."Concurso de Desenho - projecto europeu 10ACTIONhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=187Através da Plataforma Escola Sustentável (www.escolasustentavel.com), a DECO está a colaborar com a ADENE num concurso de desenhos por crianças lançado pelo projecto europeu 10ACTION. Os desenhos concorrentes serão avaliados por um júri nacional e os 3 primeiros classificados, para além de receberem caixas de experiências sobre energia solar, terão acesso directo à participação na competição internacional, cuja entrega de prémios terá lugar em Setembro em Madrid, durante a 2ª edição do Solar Decathlon Europe (www.sdeurope.org). Os trabalhos deverão ser inseridos directamente na plataforma, até ao final do mês de Maio. Exponor - Utilização obrigatória de iluminação de alta eficiência energética http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=186A EXPONOR está empenhada em melhorar continuamente o serviço que presta aos seus expositores, o que implica o uso dos recursos existentes de forma sustentável. Neste enquadramento - e em sintonia com as medidas nacionais e europeias em prol da eficiência energética e da preservação ambiental -, a partir de 1 de setembro de 2012 a EXPONOR vai pôr em prática a regra de utilização obrigatória de aparelhos de iluminação de alta eficiência energética na iluminação dos stands de todas as suas feiras e eventos. Apesar do seu custo mais elevado, as lâmpadas de alta eficiência oferecem vantagens indiscutíveis em relação às suas predecessoras incandescentes, já que duram 6 a 10 vezes mais e consomem um quarto ou um quinto da eletricidade. As lâmpadas de tecnologia LED oferecem ainda mais vantagens. São tão eficientes quanto as fluorescentes compactas e não contêm mercúrio. A utilização de lâmpadas de alta eficiência energética, por outro lado, também permitirá diminuir as emissões de CO2 em até 15 milhões de toneladas por ano em toda a Europa, reduzindo o seu impacto nas alterações climáticas mundiais. Informação sobre as novas normas de eficiência energética da União Europeia: http://ec.europa.eu/energy Como estamos numa fase de transição, até 31 de dezembro de 2012, a EXPONOR está disponível para analisar situações de exceção por motivos de força maior. Caberá aos expositores submeter essas solicitações prévia e atempadamente à aprovação da EXPONOR, acompanhadas de justificação técnica, económica ou outra. O uso de iluminação de baixa eficiência energética pelos expositores ficará pendente de aprovação por escrito da EXPONOR. Num momento em que todos somos chamados a assumir uma responsabilidade ecológica, esperamos poder contar com a sua colaboração ativa nesta iniciativa inovadora de preservação do ambiente. O planeta agradece! Eco-Caminhada pelo Caminho da Costa a Santiago de Compostelahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=192Já se inscreveu na Eco-Caminhada pelo Caminho da Costa a Santiago de Compostela? Saiba que ainda pode fazê-lo. As inscrições continuam abertas e podem ser efetuadas através do número de telefone 252090002 ou através do endereço eletrónico museu@cm-pvarzim.pt. Esta Eco-Caminhada vai acontecer no sábado, 26 de Maio, e conjugará um passeio pelo litoral poveiro e uma sessão de educação ambiental. Lembramos que a roupa e o calçado deverão ser confortáveis e a garrafa de água não deve ser esquecida, pois a Eco-Caminhada começará na Capela de Santiago, às 9h00, e terminará na Estela, no Rio Alto. Aí haverá um autocarro para trazer os participantes de volta ao ponto de partida. Aproveitando a planura da costa, por este caminho passavam caminhantes e peregrinos que seguiam para Santiago, ou faziam pequenos percursos, entre as povoações costeiras. Hoje, a costa tem utilizações muito diferentes, mas guarda, ainda, muitos recantos onde a pureza natural está preservada e as limpas areias recebem os veraneantes que, de todo o Norte, acorrem à Póvoa.Arqueologia, etnografia, história, zoologia e botânica, de um espaço único que todos os poveiros podem desfrutar, serão temas a abordar nesta atividade pela costa do concelho.Matriz de Energia da Área Metropolitana do Porto - Norte apresentada na Junta Metropolitana http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=184O Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, apresentou hoje os resultados da Matriz de Energia da Área Metropolitana do Porto - Norte aos representantes dos Municípios envolvidos (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde), no seguimento da habitual reunião da Junta Metropolitana do Porto. A Matriz de Energia é um instrumento de diagnóstico que faz parte do processo de planeamento da gestão da energia à escala municipal mas, também, à escala metropolitana dado que a energia não se restringe às fronteiras dos municípios, do que é exemplo evidente a associada ao sector dos transportes. A Matriz de Energia permite identificar, tanto ao nível municipal como metropolitano, quais os vectores e sectores mais intensivos na utilização de energia e, com base nessa informação, definir prioridades de intervenção e concertar estratégias nos casos em que haja dependência intermunicipal. Este instrumento permite ainda o 'benchmarking' energético e energético-ambiental (emissões de CO2), hoje em dia tão em voga. Uma vez elaborado o diagnóstico, seguir-se-ão os planos de acção para a energia sustentável, os quais deverão explicitar os objectivos de política e as metas de acordo com as da Comissão Europeia e do Governo nacional no que respeita à eficiência energética, à promoção das energias renováveis de proximidade e, consequentemente, à redução das emissões de CO2. Trata-se de um trabalho desenvolvido pela AdEPorto que traz informação sobre uma realidade até agora imersa. O conhecimento do perfil energético constitui a base de uma vertente nova e relevante para a gestão municipal à luz do significado do protagonismo dos Municípios para a consecução das metas da Comissão Europeia para 2020.Rede Espanhola de Cidades Inteligenteshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=183Murcia, que preside o grupo de trabalho sobre energia da Rede Espanhola de Cidades Inteligentes, irá apresentar, na segunda reunião da rede, uma proposta de estudo para determinar a concepção e implementação de 'Smart Cities'.Neste encontro da rede de 19 cidades espanholas composta por Barcelona, Burgos, Cáceres, Castellón, A Coruña, Logroño, Huesca, Madrid, Málaga, Murcia, Palencia, Pamplona, Salamanca, Santander, Segóvia, Sevilha, Valência, Valladolid e Vitoria-Gasteiz cada grupo de trabalho apresentará projectos para que juntos possam desenvolver um modelo de sustentabilidade e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. A rede é constituída por cinco grupos de trabalho:- Energia, liderado pelo Murcia;- Inovação social por A Coruña;- Meio ambiente, infra-estrutura, construção e desenvolvimento urbano e habitabilidade por Vitoria;- Mobilidade urbana por Burgos e Valladolid;- Governo, comércio e economia por Valencia. 2012 - Ano Internacional da Energia Sustentável para Todoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=170A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos (International Year of Sustainable Energy for All). O objectivo principal desta escolha é melhorar o acesso generalizado à energia e consciencializar a população mundial para a necessidade de promover uma utilização sustentável dos recursos energéticos, duplicando o peso global da energia renovável e melhorando a eficiência energética até 2030. Segundo dados da ONU, 1,4 mil milhões de pessoas em todo o mundo não tem acesso universal à electricidade e mil milhões só tem acesso parcial, uma realidade que prejudica gravemente o nível de desenvolvimento e a qualidade de vida destas populações devido à permanente carência no acesso a outros bens, nomeadamente, materiais, mas também à educação, à saúde e ao lazer. Reduzir o consumo de combustíveis fósseis, como o petróleo, responsáveis pela emissão de gases com efeito de estufa e aumentar o recurso a energias renováveis (solar, eólica, etc.) é um dos caminhos apontados para se atenuar as desigualdades entre os países mais desenvolvidos e os restantes. O lançamento deste tema constitui mais uma oportunidade para se debater a distribuição da energia disponível e da que é necessária a nível planetário, destacando com especial enfoque as formas de energia mais sustentáveis e acessíveis a todos, promovendo um desenvolvimento mais equilibrado e a construção de sociedades mais justas. Poderá acompanhar o International Year of Sustainable Energy for All através: http://www.sustainableenergyforall.org/Lipor distinguida com o European Business Awardshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=60A Lipor foi distinguida na categoria Gestão, com o European Business Awards for the Environment - Prémio de Inovação para a Sustentabilidade. O prémio dsitinguiu o projecto 'Rumo à sustentabilidade'.AdEPorto no 3º Encontro de Autarcashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=182No passado dia 13 realizou-se o 3º Encontro de Autarcas - Cidades de Futuro: Comunidades Inteligentes e Conectadas no âmbito da 8ª URBAVERDE a decorrer na Exponor entre os dias 12 e 14 de Abril.Centrado na estratégia europeia para 2020, que procura assegurar a saída da crise e preparar a economia da UE para a próxima década, o 3º Encontro de Autarcas constituiu um espaço para se debater as exigências, as metas e as necessidades das cidades e dos seus habitantes, em Portugal e na Europa, bem como encontrar soluções e novos desafios para o seu futuro. A AdEPorto associou-se a esta iniciativa através da participação do Presidente do Conselho de Administração, Eduardo de Oliveira Fernandes, na Mesa Redonda dedicada ao Pacto de Autarcas: Um Futuro Inteligente para as Cidades, onde apresentou o trabalho desenvolvido na Cidade do Porto. Durante a manhã, também, o Director Técnico da AdEPorto, Alexandre Varela, participou no painel dedicado à Gestão de Energia nas Cidades de Futuro, apresentando a experiência intermunicipal da AdEPorto - A Energia nas Cidades: a Perspectiva Intermunicipal. Dia Nacional dos Centros Históricoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=181Respondendo positivamente ao repto lançado pela Câmara Municipal do Porto, várias entidades sediadas no Centro Histórico vão abrir as suas portas e promover um conjunto concertado de atividades no próximo dia 31 de março - Dia Nacional dos Centros Históricos. A maior parte das atividades são gratuitas, outras têm custo mais reduzido e abrangem visitas guiadas a monumentos, circuitos pelas ruas históricas, passeios de barco pelo Rio Douro, passeios de segway, feiras, exposições, workshops , filmes para os mais novos, oficinas pedagógicas e outras iniciativas que são um convite irrecusável à sua participação. Trata-se de um dia que se quer dedicado ao Centro Histórico do Porto, classificado em 1996 como Património Cultural da Humanidade, estando todos convidados a visitar este lugar repleto de História, onde em cada rua, em cada largo, há elementos novos a descobrir. Recorde-se que o Porto celebra, desde 2008, o Dia Nacional dos Centros Históricos, aderindo assim às comemorações oficiais promovidas pela Associação Nacional de Municípios com Centro Histórico de 28 de Março, data do nascimento do seu patrono, Alexandre Herculano. Consulte o programa em http://centrohistorico.portodigital.pt AdEPorto no 3º Encontro de Autarcas - Cidades de Futuro: Comunidades Inteligentes e Conectadashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=235Pelo 3.º ano consecutivo, os responsáveis das nossas cidades reúnem-se num encontro dedicado ao debate das soluções para as cidades de hoje e do futuro. A AdEPorto participará no 3º Encontro de Autarcas - Cidades de Futuro: Comunidades Inteligentes e Conectadas, conferência de carácter internacional integrada na 8ª UrbaVerde - Feira das Cidades Sustentáveis, apresentará no dia 13 de Abril na Exponor, as mais recentes e inovadoras abordagens às cidades inteligentes, focando-se nas soluções ao nível da gestão de energia nas cidades, redes de energia e progressos da eficiência no espaço urbano. Centrado na estratégia europeia para 2020, que procura assegurar a saída da crise e preparar a economia da UE para a próxima década, o 3º encontro de Autarcas é essencial para compreender e debater as exigências, as metas e as necessidades das cidades e dos seus habitantes, em Portugal e na Europa, bem como encontrar soluções e novos desafios para o futuro das cidades. A sessão de abertura será presidida por Pedro Afonso Paulo, Secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território. Soluções Câmara da Trofa assinala Dia Mundial dos Direitos do Consumidorhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=178A Trofa não deixa passar em branco o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor e está a preparar uma iniciativa para assinalar esta data junto da população Trofense, em parceria com a DECO Norte - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor. A Câmara Municipal da Trofa através do SCMIC - Serviço do Centro Municipal de Informação ao Consumidor vai assinalar esta data com a colocação de um stand no Trofashopping, no dia 15 de Março. Assim, durante todo o dia um técnico da Autarquia estará ao dispor de todos os munícipes de forma a esclarecer e informar sobre todas as dúvidas que possam ter enquanto consumidores. De salientar que o Serviço do Centro Municipal de Informação ao Consumidor é um gabinete de resolução extrajudicial de conflitos de consumo, e, dentro do seu âmbito de atuação, presta, de forma gratuita, informação e apoio aos consumidores Trofenses, em matéria de consumo, devendo, por isso o assunto a tratar resultar de uma relação de consumo, que não deve ser objeto de tratamento jurídico simultâneo por outra entidade, nem ser objeto de ação judicial. Este serviço da Autarquia Trofense está assim ao dispor de todos os munícipes na Rua Conde S. Bento, Centro Comercial da Vinha, r/c loja 13 ou através do telefone 252 403 690 ou do e-mail cmic@mun-trofa.pt. 5º aniversário da Agência de Energia do Porto http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=176A AdEPorto - Agência de Energia do Porto completa o seu quinto aniversário. Tendo sido criada em Março de 2007 como Agência no âmbito do Município do Porto, desde 2011 que a AdEPorto pode alargar o seu âmbito territorial a oito Municípios da Área Metropolitana do Porto, a norte do Rio Douro, contando agora com um total de 33 associados incluindo, Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde. A AdEPorto tem como missão promover a inovação, o exercício de boas práticas e de exemplos a seguir por parte dos responsáveis da gestão municipal e, em geral, junto de todos os agentes do mercado e dos cidadãos, contribuindo para o desenvolvimento sustentável através da utilização inteligente da energia e do seu interface com o ambiente. Dos diferentes projectos em curso, destaca-se a elaboração da Matriz da Energia da Área Metropolitana do Porto - Norte (AMP-N), um trabalho de diagnóstico integrado que permite caracterizar ainda os perfis de uso da energia dos diferentes Municípios e que brevemente será publicamente apresentada.IDMEC promove Conferências sobre Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=177Por ocasião do 20º aniversário do IDMEC - FEUP, instituto de investigação na área da Engenharia Mecânica com mais de trezentos investigadores integrados, irá realizar-se um ciclo de conferências que integra o programa comemorativo da efeméride e que contemplará a área da energia e do clima.«CiVitAs» Bus - Autocarro gratuito já circula http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=179Entrou ontem em funcionamento um novo serviço de transporte, sem custo para o utilizador, que visa facilitar a mobilidade no polo da Asprela. O serviço que resulta de uma parceria entre a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), a STCP e a Câmara do Porto - fará a ligação entre o Hospital de São João, Faculdade de Engenharia, Pólo Universitário, Agra e ISEP, sempre no mesmo sentido, funcionando como um circuito, nos dias úteis, entre as 7h30 e as 20h30. O autocarro foi desenvolvido pela FEUP e o serviço será gerido em parceria com a STCP, no âmbito do Projeto Europeu CIVITAS-Elan, co-financiado pela União Europeia. O autocarro foi construído em Portugal e está a ser monotorizado, em termos ambientais, pelos alunos do curso de engenharia mecânica da FEUP. STCP poupou 18 milhões de euros com veículos a gás naturalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=180A conhecida aposta da STCP nos autocarros a gás, que já representam 54% dos 468 veículos da empresa, revelou-se uma opção acertada. Para além dos efeitos ambientais, decorrentes da menor quantidade de poluentes emitida, a transportadora pública do Porto terá poupado 18 milhões de euros desde que, em 2001, decidiu começar a comprar, de forma pioneira em Portugal, os seus primeiros 75 autocarros movidos a gás natural. Os números constam do relatório e contas da empresa, e têm em linha de conta o sobrecusto destes veículos mas também o diferencial de preço entre o gasóleo e o gás natural ao longo destes anos. E, se um autocarro a gás até custa vinte por cento mais do que os 150 mil euros necessários para a compra de um movido a gasóleo, a escalada no preço dos combustíveis foi tornando cada vez mais vantajosa a aposta da empresa, prosseguida por sucessivas administrações ao longo desta década. Só em 2011, ano com o preço do gasóleo em alta e a obrigar a empresa a gastar 6,6 milhões de euros em combustível, mais 834 mil que no ano anterior, a poupança com a utilização dos 253 autocarros a gás foi de 4,3 milhões de euros. Ou seja, se toda a frota fosse a diesel, a STCP gastaria só em combustível 10,9 milhões de euros. As vantagens para a STCP são de tal ordem que o valor pago pela aquisição de veículos a gás, em contratos de leasing operacional de 13 anos, é recuperado em menos de metade desse tempo, explica a presidente da empresa, Fernanda Meneses. E com o risco por defeitos nos veículos a ser assumido pelo fornecedor, a STCP ganha também nos custos de manutenção, que, além do mais, passam a ser mais previsíveis. Já em termos ambientais, assinala Fernanda Meneses, foram 1626 as toneladas de dióxido de carbono emitidas só no ano passado. Neste aspecto, a STCP poderia conseguir melhor desempenho, se conseguisse aumentar um pouco a velocidade comercial, cujo valor médio até baixou de 16,1 quilómetros/hora em 2010 para 15,9 km/h. É que, mais do que a lentidão dos autocarros, o valor médio, baixo, deixa antever o pára-arranca a que estes estiveram sujeitos ao longo dos mais de 29 milhões de quilómetros percorridos durante o ano passado. Contudo, essa é uma questão que não depende da empresa mas do desenho da rede viária dos seis concelhos onde actua, e principalmente, do Porto: uma cidade de ruas estreitas, já de si nada fáceis para a circulação destes veículos, e onde o estacionamento desregrado, em segunda ?la, e os picos de tráfego em algumas zonas, a determinadas horas, quase obrigam o transporte público a parar. Há anos que no Porto não se criam novas faixas bus. Curiosamente, num estudo sobre a qualidade do ar, de 2005, era referido que, numa análise feita pela Câmara do Porto à hipótese de criação de sete novas faixas prioritárias para transporte público na cidade, se previa que a deslocação do tráfego automóvel para as ruas sem faixas bus acabaria por prejudicar a velocidade média dos autocarros que circulam no Porto. Metro obtém Certificação em Gestão da Qualidade e do Ambientehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=175O Metro do Porto obteve a certificação no seu Sistema de Gestão nas áreas da Qualidade e Ambiente de acordo com os referenciais Normativos EN ISO 9001 e NP EN ISO 14001, respetivamente. A certificação insere-se no âmbito da concepção, operação e manutenção do Sistema de Metro Ligeiro da Área Metropolitana do Porto (AMP) e representa, para os clientes/stackolders uma garantia de que a empresa empenha-se, em cumprir com os requisitos de Ambiente e Qualidade impostos pelas normas internacionais. A certificação foi atribuída pela Bureau Veritas Certification a 20 de Dezembro de 2011. Esta certificação traduz-se em mais um passo dado pela Metro do Porto, S.A, no sentido de contribuir de forma decisiva para a mobilidade sustentada na AMP, no respeito pelos mais elevados padrões de Qualidade e Ambiente. Ainda ao longo deste ano a Metro do Porto acredita também conseguir a certificação em segurança, já se encontrando a trabalhar nesse sentido. Câmara da Trofa desafia Escolas a elaborar Jornal sobre questões ambientaishttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=173Procurar despertar o interesse dos mais jovens para o meio ambiente, para as questões ambientais, para a reciclagem e para a natureza é um dos objetivos da Câmara Municipal da Trofa que lançou o repto aos estabelecimentos de ensino do Concelho para a criação do Jornal SOS. Este projeto surge no âmbito da candidatura ao Eixo prioritário III - Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial - Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, do Programa Operacional Regional do Norte. Desde o início do ano letivo que os alunos do 2º e 3º ciclo estão a trabalhar para a elaboração de um Jornal Escolar dedicado ao tema da Proteção Civil. Estão a participar neste momento, neste projeto, a EB 2,3 de S. Romão do Coronado, a APPACDM e o Colégio da Trofa. No final todos os estabelecimentos de ensino participantes receberão um diploma de participação e uma enciclopédia digital sobre a temática da Natureza. A escola vencedora receberá uma máquina fotográfica digital. No âmbito desta mesma candidatura a Autarquia Trofense, está a dinamizar ações de sensibilização e informação. Estas ações irão abordar, essencialmente, três grandes temas Prevenção Rodoviária, Perigos de Incêndio e Casa Segura junto dos estabelecimentos de ensino básico. Depois das primeiras ações de sensibilização sobre a Prevenção Rodoviária na EB1 e JI de Feira Nova, na EB1 de Giesta 1, no Colégio da Trofa, na EB1 de estação e na EB1 Cerro 1 com as temáticas da Prevenção Rodoviária, Perigos de Incêndio e Casa Segura, seguem-se a 27 de fevereiro a EB1 de Bairros que vai receber a ação de sensibilização sobre a temática Prevenção Rodoviária. No mesmo dia mas na EB1/JI de Paranho decorre a ação de sensibilização sobre Perigos de Incêndio e Casa Segura, enquanto o Centro Social e Paroquial de S. Martinho de Bougado recebe a ação de sensibilização sobre Casa Segura no dia 7 de março, bem como a EB1/JI de Vila. Durante todas estas ações de sensibilização, destinadas aos alunos do 1º ciclo e do ensino pré-escolar será distribuído junto das escolas um Manual do Professor e Educador que permitirá dar continuidade aos temas abordados nas sessões. Este manual inclui conteúdos temáticos, com enfoque nos Riscos Naturais e nos Riscos tecnológicos, bem como curiosidades e sugestões de atividades para os alunos. Para mais informações:Câmara Municipal da TrofaDivisão de Ambiente e Espaços Urbanosambiente@mun-trofa.pt Tel: 252 409 850 | Fax: 252 409 869MOVE-ME: Os Transportes Todos Ligadoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=174O MOVE-ME é um protótipo de uma aplicação para smartphone desenvolvido pela empresa OPT - Optimização e Planeamento de Transportes, S.A., que permite o acesso a um conjunto diversificado de informação sobre transportes públicos em tempo real. Completamente inovador em Portugal, a aplicação permite integrar informação proveniente de diferentes operadores e planear rotas intermodais em tempo real e planeado, integrando diferentes meios de transporte. A aplicação foi desenvolvida no âmbito do projeto CIVITAS Elan com a colaboração da ANTROP, Metro do Porto e STCP. O protótipo encontra-se implementado na área metropolitana do Porto, integrando informação em tempo real da STCP e Metro do Porto, e informação planeada de 13 operadoras privadas associadas da ANTROP: Albano E. Martins, ARRIVA, A.V. Landim, A.V. Minho, A.V. Pacence, A. V. Tâmega, E.T. Gondomarense, Joalto Douro, Mondinense, Rodonorte, Transcovizela, Transdev e VALPI. O sistema MOVE-ME está disponível para ambiente Android e pode ser descarregado gratuitamente através do endereço: www.move-me.mobi Caso não disponha de tecnologia Android, qualquer utilizador pode aceder ao serviço e beneficiar de todas as suas vantagens, desde que tenha acesso à internet. Através do mesmo endereço ponha à prova o sistema e experimente as funcionalidades que estão disponíveis na versão do website! Para continuamente disponibilizarmos um serviço que esteja de acordo com as suas expectativas, não deixe de colaborar no projeto e faça-nos chegar a sua opinião através do e-mail civitas@opt.pt. Câmara da Trofa desenvolve Oficinas de Educação Ambiental nas Escolashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=131Mais de 700 crianças participam nas oficinas de reciclagem, poupança de água, poupança energética e compostagem. Para conseguir o desenvolvimento de uma consciência ambiental activa e participativa no Concelho, a Câmara Municipal da Trofa está a trabalhar na alteração de comportamentos e de hábitos ao nível das actividades do dia-a-dia, junto da comunidade escolar através de Oficinas de Educação Ambiental a decorrer nas escolas do concelho. A Câmara Municipal da Trofa, através da Divisão de Ambiente e Espaços Urbanos tem a decorrer até Março um conjunto de Oficinas de Educação Ambiental sobre as temáticas como a reciclagem, a poupança de água, a poupança energética e a compostagem. Estas oficinas, destinadas aos Jardins-de-infância e Escolas Básicas de Primeiro Ciclo, têm sido muito participadas, envolvendo, neste momento, mais de 700 alunos. Porque a Autarquia Trofense considera que a Educação Ambiental não pode basear-se em acções esporádicas e limitadas no tempo, aposta num processo de educação e sensibilização contínuo de forma a produzir resultados positivos eficazes. A Educação Ambiental constitui, desta forma, um dos vectores estratégicos de acção para promover o Desenvolvimento Sustentável do Município, uma vez que para a Câmara Municipal da Trofa, preparar as gerações futuras, em termos de sustentabilidade ambiental, é uma prioridade. Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto aprovado em Executivo Municipalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=99A Câmara Municipal do Porto, na sequência das responsabilidades assumidas com a adesão ao Pacto dos Autarcas, aprovou hoje em reunião de executivo, o 'Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto' elaborado na sequência da 'Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto'. A adesão do município ao Pacto dos Autarcas foi aprovada por unanimidade a 4 de Novembro de 2008 e foi formalizada em Bruxelas durante a European Union Sustainable Energy Week a 10 de Fevereiro de 2009. A Comissão Europeia entende que deve ser nas cidades que se têm que desenvolver esforços de política centrados na eficiência energética pois cerca de 70% da população vive em centros urbanos, pelo que lançou a iniciativa do Pacto dos Autarcas, em que as cidades se comprometem a reduzir as suas emissões de CO2 em mais de 20% até 2020. Ao subscrever o Pacto dos Autarcas, a cidade do Porto comprometeu-se a elaborar um inventário de referência das emissões de CO2 que a Matriz Energética do Porto (publicada em Março de 2008) encerra e que constitui a base para o plano de acção em matéria de energia sustentável. O Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto seguiu a metodologia proposta pelo Pacto dos Autarcas adaptada à realidade socioeconómica local e fazendo as melhores estimativas sobre a sua evolução até 2020 e o consequente reflexo na energia usada, quer em natureza quer em quantidade. As áreas prioritárias de intervenção e as acções elencadas quando implementadas permitirão reduzir as emissões de CO2 na cidade do Porto em 45%, sendo que cerca de metade deste valor é directamente imputável às iniciativas locais, sejam do Município ou de outros stakeholders na cidade, e o restante expressão das políticas energéticas nacionais de electricidade mais verde e de biocombustíveis.Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto apresentado aos dirigentes da autarquiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=172O Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto - Agência de Energia do Porto apresentou, esta manhã, aos dirigentes da autarquia o Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto (PAES-P), o primeiro português a ser aprovado pela Comissão Europeia entre os 1142 submetidos a apreciação até à data. A sessão, que contou com a presença de quatro vereadores reuniu cerca de 80 chefias e outros dirigentes. O PAES-P foi elaborado pela Agência de Energia do Porto na sequência das responsabilidades assumidas pelo município portuense com a subscrição, em Fevereiro de 2009, do Pacto dos Autarcas, tendo sido aprovado por unanimidade em Outubro de 2010 pela Câmara Municipal do Porto. A execução do PAES-P dependerá da acção Municipal na sua própria actuação enquanto responsável pela gestão de actividades materiais de diversa natureza (parque edificado, veículos, iluminação pública, etc.) mas, também, pelo estímulo e enquadramento das iniciativas e a acção dos stakeholders e dos cidadãos em geral através de acções imateriais de política municipal. O PAES-P define as áreas prioritárias de intervenção e elenca as acções que permitirão reduzir as emissões de CO2 na cidade do Porto estabelecendo a ambiciosa meta de 45%, sendo que cerca de metade deste valor é directamente imputável às iniciativas locais, sejam da autarquia ou de outros stakeholders na cidade, e o restante é expressão do efeito das políticas energéticas nacionais de electricidade mais verde e da incorporação de biocombustíveis no gasóleo.7º Concurso Reciclar é Ganhar já decorre nas escolas básicas do Concelho da Trofa http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=171Câmara Municipal da Trofa lançou, através da Divisão de Ambiente e Espaços Urbanos, o 7º Concurso Reciclar é Ganhar, direcionado para as crianças dos estabelecimentos de ensino do Concelho. Depois do sucesso das edições passadas, a Autarquia Trofense continua a incentivar os Trofenses de palmo e meio para as questões da reciclagem bem como a importância da mesma. A decorrer já nas escolas desde o início do mês, este concurso tem como principal finalidade sensibilizar as crianças para a preservação da Natureza e promover uma consciência ambiental, nomeadamente através da separação de papel e cartão por parte dos alunos envolvidos no projeto. Este ano, os estabelecimentos de ensino envolvidos neste concurso são: EB1 Giesta1, EB1 Giesta 2, EB1 Feira Nova, JI Feira Nova, EB1 Bairros; EB1/JI Esprela, EB1 Paradela, EB1/JI de Portela e EB1/JI Querelêdo. A escola que, durante 4 meses, conseguir obter a maior quantidade de resíduos separados pelos alunos sairá vencedora, recebendo como prémio uma visita de estudo ao Visionário no Europarque, em Santa Maria da Feira. As restantes escolas participantes receberão um jogo didático - Cartas do Ecoponto. A Câmara Municipal da Trofa continua a promover este concurso, já que ano após ano, a quantidade de resíduos devidamente separados para reciclagem tem vindo a superar os objetivos propostos. Fomentar a consciência cívica dos mais jovens para as questões ambientais, bem como para os benefícios da separação de resíduos junto dos alunos e encarregados de edução são a grande motivação deste projeto desenvolvido pela Autarquia Trofense. Para mais informações:Câmara Municipal da TrofaDivisão de Ambiente e Espaços Urbanosambiente@mun-trofa.pt Tel: 252 409 850 | Fax: 252 409 869 Câmara Municipal da Póvoa de Varzim assinala Dia Mundial da Florestahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=132A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, através do Pelouro do Ambiente, irá celebrar o Dia Mundial da Floresta. Assim, na segunda-feira, 21 de Março, às 10h00, perto de 80 crianças vão juntar-se, no Parque da Cidade, para realizarem diversas actividades que promovem o contacto com a fauna e flora existentes no espaço. A iniciativa irá contar com a presença de Aires Pereira, Vice-Presidente e Vereador do Pelouro do Ambiente da Câmara Municipal. Com o objectivo de sensibilizar os mais novos para a protecção das florestas, ser-lhes-á proposto a plantação de árvores, num gesto simbólico. Para além disso, terão oportunidade de conhecer as aves e árvores que predominam no Parque da Cidade. As instituições participantes são o Infantário Monsenhor Pires Quesado, o Centro Social Bonitos de Amorim e o Jardim-de-infância Pedra Branca.SITMe é o nome do projecto que nos próximos seis meses vai circular na linha 207 da STCPhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=236SITMe (Serviços Integrados para Transportes Metropolitanos) é o nome do sistema de Internet e televisão digital desenvolvido por um consórcio liderado pela Xarevision, no qual participaram o INESC TEC e as Faculdades de Engenharia (FEUP) e de Economia (FEP) da Universidade do Porto, para os autocarros da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP). Este sistema já se encontra disponível para os utilizadores na linha 207 (Campanhã/Mercado da Foz) da STCP. Com uma duração de seis meses, o SITMe vai estar presente em 11 autocarros e, através de dois ecrãs instalados nos veículos, vai disponibilizar notícias, informação e entretenimento aos passageiros. O Semanário Grande Porto e o Porto Canal são os meios responsáveis por disponibilizar informação atualizada sobre a região do Grande Porto. Múltiplas tecnologias garantem conectividade permanente Este equipamento de comunicações para transportes públicos é capaz de usar várias tecnologias de redes sem fios tais como 3G, Wi-Fi ou WiMax. O equipamento escolhe de forma inteligente e cognitiva a tecnologia que garanta maior largura de banda (bit/s) em cada ponto do percurso da linha de autocarros, oferecendo uma extensa capacidade de comunicação aos passageiros do autocarro. A experiência dos utilizadores dos transportes públicos da área metropolitana do Porto sai assim melhorada porque este sistema de comunicações garante um acesso à Internet com largura de banda máxima em todos os pontos do percurso, sendo capaz de atingir débitos na ordem dos 40 Mbit/s. Além dos serviços de Internet e TV Digital para os utilizadores, o SITMe pode ainda vir a ser usado na implementação de serviços de videovigilância ou de serviços de apoio ao condutor do veículo, contribuindo assim para uma gestão mais segura e eficiente da rede de transportes públicos. Intermodalidade no horizonte do SITMe A arquitectura de comunicações desenvolvida encontra-se preparada para que no futuro possa incluir metros e táxis, permitindo que os passageiros usem o serviço de forma contínua durante uma viagem que inclua diferentes tipos de transporte. O projeto SITMe teve início em Setembro de 2009, desde então foi desenhada a arquitectura do sistema actual e desenvolvido todo o software que está neste momento em funcionamento nos autocarros. Com menos de um mês de operação, o piloto conta já com milhares de utilizadores do serviço de acesso à Internet a bordo dos autocarros e com dezenas de GByte de tráfego transferidas. SITMe é base para novos projetos de redes sem fios Tânia Calçada, investigadora do INESC TEC envolvida no SITMe, afirma que este projecto abre as portas para novas iniciativas no âmbito das redes sem fios. Após os seis meses de duração do piloto, o SITMe chegará ao fim. Mas, na área de redes sem fios da Unidade de Telecomunicações e Multimédia do INESC TEC vão continuar os trabalhos de investigação no âmbito das redes de comunicações sem fios vocacionadas para transportes. A experiência e o conhecimento adquiridos durante este projecto deram já origem a novas ideias que serão exploradas em novos projectos de I&Metro cresce mais de 3,5%http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=169O Metro do Porto transportou em 2011 mais de 55,5 milhões de clientes, o que representa uma taxa de crescimento superior a 3,5% face a 2010. No ano passado registaram-se novos aumentos de procura no Metro, que continua a evidenciar uma tendência sólida, apenas interrompida nos meses de Setembro e Outubro, sendo que, em todos os outros, se verificam ganhos face ao período homólogo. Com a excepção da Linha Azul (A), todas as linhas da rede do Metro do Porto registaram um aumento do número de clientes face a 2010. A Linha Violeta (E) foi a que alcançou um maior crescimento, atingindo um aumento na ordem dos 19% - a Estação do Aeroporto, por si só, cresceu 27% no último ano. Seguem-se a Linha Vermelha, com um acréscimo de clientes em cerca de 3,9%, depois a Linha Verde (C), com 3,3 %, a Linha Amarela (D), com 1,9%, e o tronco comum entre a Senhora da Hora e o Estádio do Dragão, que registou um aumento de cerca de 1,1%. Em relação à totalidade de clientes por linha no ano de 2011, a Linha Amarela continua a liderar esta lista, tendo conseguido mais de 15,3 milhões de validações. Em segundo lugar está a Linha Azul, que obteve um total acima de 3,4 milhões. Depois apresenta-se a Linha Vermelha com mais 2,7 milhões, a Linha Verde, que registou cerca de 2,4 milhões de movimentações, a Linha Laranja, com um total de mais de 1,2 milhões, e, por fim, a Linha Violeta com 600 mil clientes no período em causa. Já no tronco comum às linhas A, B, C, E e F viajaram no ano passado mais de 30 milhões de clientes. Trindade, Casa da Música, Campanhã, S. Bento, Bolhão, Senhora da Hora, João de Deus, D. João II, 24 de Agosto e Marquês compõem o top dez das estações mais procuradas em 2011. A velocidade média do Metro fixou-se nos 27,1 km/hora e a taxa de ocupação dos veículos rondou os 20%. O período de maior movimentação continua a ser entre as 17h00 e as 20h00. O mês de maior procura em 2011 foi, como habitualmente sucede, Maio, com quase 5,5 milhões de clientes. Metro chegou a Gondomar há um anohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=168A Linha Laranja (F) completa um ano de vida em movimento e regista um volume de validações em crescimento. Ao longo deste ano, mais de um milhão e 250 mil clientes utilizaram a Linha que liga a Senhora da Hora a Fânzeres, uma ligação que mantém uma média de clientes em dia útil na ordem dos 10 mil (5 mil validações/dia nas estações que a integram). Levada, Campainha, Fânzeres e Contumil foram as estações mais procuradas durante este primeiro ano de linha laranja. A estação da Levada, que também permite o acesso ao centro comercial Parque Nascente, registou 23,6% do total de validações. Seguem-se a estação de Campainha com uma procura anual na ordem dos 14,5%, a estação de Fânzeres com 12,6% e a estação de Contumil com 12,3%. A Linha que serve o concelho de Gondomar foi inaugurada no dia 2 de Janeiro de 2011 e com ela somaram-se à rede do Metro do Porto dez novas estações, quatro parques de estacionamento e sete quilómetros de extensão. Com esta Linha, o Metro do Porto conseguiu assegurar a ligação entre sete concelhos (Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Maia, Matosinhos, Porto, Vila Nova de Gaia e Gondomar), um marco notável e que ilustra a vontade do Metro querer chegar, cada vez mais, a um número maior de pessoas. Além disso, e porque o Metro se preocupa em proporcionar o melhor serviço aos seus clientes, a Linha de Gondomar é, apesar da sua cor laranja, bastante verde.Desde a sua inauguração que conta com 2.241 plantações de espécies arbóreas e 3.693 espécies arbustivas e trepadeiras, num total de 123.722m2 de áreas verdes, dos quais 30.231m2 são de relvado. Trata-se do troço mais verde de toda a rede, proporcionando uma agradável vista aos seus utilizadores. O Metro do Porto voltou-se para zona oriental da cidade e hoje a rede disponibiliza um meio de transporte útil a milhares de pessoas, com a garantia de um serviço rápido, pontual, seguro, eficaz e agradável a nível paisagístico. Renováveis atingem os 12,4% em 2010 na UEhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=167A União Europeia (UE) alcançou uma quota de 12,4% de renováveis no consumo de energia final em 2010, revelam números do barómetro EurObserv'ER. Este valor representa uma subida de 0,9% comparativamente ao registado em 2009. Portugal é o quinto país com uma maior quota de renováveis, com 24,7% (igual a 2009), com uma meta de 31% definida para 2020. À sua frente, estão a Suécia (46,9%), Letónia (34,3%), Finlândia (33,6%) e Áustria (30,7%), que ocupam as posições cimeiras, enquanto o Reino Unido (3,3%), Luxemburgo (2,6%) e Malta (0,3%) estão no fim da lista. Os dados constam do relatório "The state of renewable energy in Europe", que deverá ser publicado pelo EurObserv'ER durante este mês. Segundo a fonte, este crescimento está relacionado com um maior consumo bruto de energia final com origem em fontes de energia renováveis: 145 Mtep (milhões de toneladas equivalentes de petróleo) num consumo bruto de energia final total de 1.170,7Mtep (em 2009, as renováveis correspondiam a 131,6Mtep). Neste sentido, entre 2009 e 2010, a fatia do consumo bruto de energia final com origem em fontes renováveis cresceu 10,2% (+13,4Mtep), face a um aumento de 2,1% (+24,4Mtep) no consumo bruto total de energia final. Com base nestes resultados, os Estados-Membros têm de gerar mais uma centena de Mtep de energia final com origem renovável - o equivalente a uma média anual de 10Mtep por ano - para alcançar a meta europeia definida para 2020 (uma quota de 20% de renováveis). O relatório mostra ainda que a percentagem de renováveis no consumo de electricidade subiu de 18,2% em 2009 para 19,8% em 2010. Também no consumo doméstico de energia foi registado um aumento da quota de renováveis de 9,1% para 9,9%, respectivamente. O barómetro EurObserv'er é um projecto apoiado pela Comissão Europeia, em particular pelo programa Energia Inteligente Europa. O relatório "The state of renewable energy in Europe" poderá ser consultado em www.eurobserv-er.org. Município da Póvoa de Varzim estabeleceu protocolo para Melhor(Ar) a Norte http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=166A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim estabeleceu, em Abril de 2009, um Protocolo de Cooperação com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), que visa a melhoria dos principais indicadores da qualidade do ar da região norte. O protocolo celebrado, entre as entidades supracitadas, visa uma eficiente e fiável concretização de medidas propostas no âmbito do Programa de Melhoria da Qualidade do Ar na Região Norte cujo objectivo fundamental refere-se à melhoria dos principais indicadores da qualidade do ar da região norte, designadamente de partículas em suspensão, principal causa da diminuição da qualidade do ar nesta região. Neste protocolo, a Autarquia assumiu então, a execução de algumas medidas, que contribuem para a efectiva redução dos níveis de partículas da região norte respondendo ao desafio colocado pela CCDR-N. Essas medidas de execução passam pela sensibilização e formação da população em geral sobre a poluição atmosférica, renovação das frotas de veículos de recolha de Resíduos Sólidos e Urbanos (RSU), corte de ruas ao trânsito, inventariação e reforço da fiscalização do licenciamento das unidades comerciais e industriais, redução das emissões da combustão residencial e redução das emissões de partículas das obras de construção civil. Comissão Europeia apresenta Roteiro para a Energia 2050http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=163A Comissão Europeia apresentou, a 15 de Dezembro, em Bruxelas o "Roteiro para a Energia 2050", que define a estratégia para alcançar um sector energético seguro, competitivo e hipocarbónico. Com a meta de reduzir mais de 80% das emissões de carbono até 2050, o documento indica qual o caminho a seguir sem que o aprovisionamento energético e a competitividade sejam prejudicados. O Roteiro para a Energia analisa vários cenários, nos quais são exploradas as consequências de um sistema energético isento de carbono, assim como o quadro de políticas necessário para esse efeito. Bruxelas pretende que este seja um guia de orientação para Estados-Membros na tomada de decisões no âmbito da energia e no sentido de estes conseguirem criar um clima empresarial estável para o investimento privado, especialmente até 2030. O comissário europeu para a Energia, Gunther Oëttinger, explicou, durante a apresentação do documento, que esta "análise se baseia em cenários ilustrativos, resultantes da combinação, sob diversas formas, das quatro principais vias de descarbonização (eficiência energética, energias renováveis, energia nuclear e captação e fixação do carbono). Nenhum dos cenários é passível de se materializar, mas todos indicam claramente, para os próximos anos, um conjunto de opções que 'não comprometem'". O Roteiro para a Energia 2050 defende que a descarbonização do sistema energético é técnica e economicamente viável, destacando o papel crucial da eficiência energética, das energias renováveis e de uma abordagem europeia comum que inclui um mercado comum da energia. De acordo com a estratégia, investimentos precoces podem evitar custos mais dispendiosos nos próximos vinte anos. É também necessário conter a subida dos preços. "Os investimentos feitos hoje abrirão caminho aos melhores preços no futuro", refere a Comissão. "Os preços da electricidade deverão subir até 2030, mas poderão baixar em seguida, graças à diminuição do custo do aprovisionamento, a políticas de poupança e ao aperfeiçoamento das tecnologias. Os custos serão contrabalançados pelo nível elevado de investimento sustentável injectado na economia europeia, pela correspondente criação de emprego local e por uma menor dependência em relação às importações. Todos os cenários chegam à descarbonização sem grandes diferenças em termos de custos globais ou de implicações no respeitante à segurança do aprovisionamento", explica. A este Roteiro, de acordo com a Comissão Europeia, seguir-se-ão outras iniciativas durante os próximos anos para domínios específicos de política energética, começando com propostas sobre o mercado interno, as energias renováveis e a segurança nuclear já em 2012.LIPOR ganha 4º lugar no ranking do Índice ACGEhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=165O Índice ACGE (Alterações Climáticas e Gestão de Empresas) que estabelece um ranking anual para avaliar a resposta das empresas ao desafio das alterações climáticas e a uma economia de baixo carbono, promovido pela Euronatura - Centro para o Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentado, classificou a LIPOR entre as 10 melhores, a par de grandes empresas nacionais, tendo ocupado a LIPOR o 4º lugar do referido ranking. Relativamente ao ano anterior a LIPOR subiu uma posição no ranking (em 2010, ocupou o 5º lugar) ficando à frente de grandes empresas como a EDP, Vodafone, BES, Sonaecom, Millenium BCP, entre outras. Esta classificação reconhece o compromisso da LIPOR e dos Municípios seus associados com o Desenvolvimento Sustentável e significa a plena integração da questão das alterações climáticas na sua atividade. Sobre o Índice ACGE:O Índice ACGE, na sua 7ª edição anual, estabelece um ranking que permite avaliar a resposta das empresas ao desafio das alterações climáticas e a uma economia de baixo carbono; torna possível a confrontação dos resultados das políticas de gestão de diversos actores, numa perspectiva de competitividade e melhoria de desempenho, assumindo também uma dimensão de sensibilização e informação pública. Recolha Selectiva de Óleos Alimentares Usados arrancou em Matosinhoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=164No passado dia 19 de Dezembro, arrancou em Matosinhos, o projecto de recolha selectiva de óleos alimentares Usados (OAU). O MAR Shopping foi o palco escolhido para, de forma simbólica, marcar este arranque. A LIPOR está actualmente empenhada, juntamente com os Municípios Associados, em implementar uma Rede de Recolha Seletiva Supramunicipal de Óleos Alimentares Usados (OAU) na sua área de intervenção. O Município de Matosinhos é o quarto Município da área de intervenção da LIPOR a avançar com este projecto. Até ao final do ano o projeto estará em vigor nos restantes Municípios. Matosinhos conta já com a instalação de 31 oleões em espaços de acesso público. Com esta estratégia da LIPOR o que se pretende é: o Dotar os Municípios com equipamento adequado (oleões) para deposição de OAU, de acordo com as exigências do DL nº 267/2009 de 29 de setembro;o Envolver os Cidadãos na correcta deposição destes resíduos;o Sensibilizar a população para a adopção das melhores práticas a nível da gestão dos OAU;o Demonstrar as vantagens da reciclagem dos OAU, nomeadamente na produção de biodiesel, o que permite melhorias a nível de impacto ambiental;o Garantir um destino final adequado aos OAU;o Contribuir para o cumprimento dos objectivos da política energética, para a redução das emissões de GEE e para o cumprimento do Protocolo de Quioto. Este projecto resulta de uma parceria entre LIPOR, Municípios e EGI - Gestão de Resíduos, esta última entidade responsável pela manutenção e recolha dos oleões e pela valorização dos OAU, que serão transformados em biodiesel. A Eco-Magia do Natal na Póvoa de Varzimhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=162Nesta quadra, como já vem sendo hábito, o Pelouro do Ambiente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, através do Gabinete de Interpretação Ambiental, lançou o desafio às instituições educativas do concelho, públicas e privadas, de participar nos concursos Eco-Rotundas e Eco-Presépios, colorindo, criativamente, as rotundas da cidade, e trabalhando um dos elementos mais simbólicos da quadra natalícia, o Presépio, recorrendo apenas a materiais recicláveis. Concluídos os trabalhos, nos últimos dias, foi tempo de fazer a instalação das produções artísticas pelas rotundas seleccionadas e, na entrada do edifício dos Paços do Concelho, expor os Eco-Presépios. Agora, é tempo de desfrutar das obras de arte e sentir a magia e a emoção em cada uma das instalações, que se prolongará até 6 de Janeiro de 2012. Verificará, em cada uma das peças realizadas, quer seja nas Eco-Rotundas, quer nos Eco-Presépios, a expressão da comunidade educativa, com o envolvimento dos alunos, dos professores, dos pais e dos técnicos auxiliares, evidenciando-se a atenção pela pedagogia, o interesse na aprendizagem de novas competências, o carinho na selecção e na aplicação dos materiais, enfim, uma verdadeira acção de educação e de Boas Festas! Não se prevê tarefa fácil para o Júri que irá avaliar e decidir sobre os prémios a atribuir, tal é a qualidade dos trabalhos realizados. É natural, por isso, que neste momento se apresentem os parabéns a todos os envolvidos, sem excepção, aos que dinamizam e aos que participam, e de igual modo se convide a comunidade a visitar os vários trabalhos porque, efectivamente, desse modo estará a valorizar o esforço e o empenho dos participantes e assim, talvez, a conceder o melhor e mais significativo prémio para a iniciativa. Os participantes deste ano no concurso Eco-Rotundas são: os utentes do MAPADI - Movimento de Apoio de Pais e Amigos ao Diminuído Intelectual, que irão dar luz à rotunda da Central de Camionagem; os alunos da Educar e Prevenir que, por sua vez, vestem a rotunda da Telecom; o Colégio Amorim, que participa dando cor à rotunda da Via B e, finalmente, o Colégio Contemporâneo, que traz alegria à rotunda do Hospital. Este concurso conta ainda com o patrocínio da INB Recicla, Motoventura, JMVendeiro e Papelaria Locus. Para uma viagem antecipada pelas rotundas, pode consultar directamente aqui. No que respeita ao concurso Eco-Presépios, temos os seguintes participantes: Centro Social de Beiriz; Colégio de Amorim; Educar e Prevenir; EB1 do Desterro; Escola Básica do Teso e a Escola de Barros, na Estela e a Escola Básica da Aldeia, na Aguçadoura sendo que os patrocinadores deste concurso são o ITRON, Fernando Lopes, Unipessoal e Domus Mate. Esta é uma exposição diversificada, rica em imaginação, cor e simbolismo e que pode ser visitada na entrada dos Paços do Concelho. Ainda assim, levantamos um pouco o véu sobre a exposição, convidando a uma viagem virtual aqui. Esta iniciativa procura motivar todos os visados a viver a quadra de forma mais intensa, harmoniosa e amiga, ao mesmo tempo, que espalha a notícia à população em geral, e às novas gerações em particular, sobre a necessidade de introduzir nos seus hábitos as boas-práticas no que concerne ao ambiente, evitando o desperdício de materiais, reduzindo, reutilizando, reciclando, isto é, ensaiando uma nova atitude em que Poupar, significa Viver Melhor e, com isso, ganhar um Concelho de Bom Ambiente!Recolha Selectiva de Óleos Alimentares Usados arrancou em Vila do Condehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=161No passado dia 13 de dezembro, arrancou em Vila do Conde, o projecto de recolha selectiva de Óleos Alimentares Usados (OAU). A Escola EB 2.3 Júlio - Saúl Dias foi o palco escolhido para, de forma simbólica, marcar este arranque. A LIPOR está actualmente empenhada, juntamente com os Municípios Associados, em implementar uma Rede de Recolha Selectiva Supramunicipal de Óleos Alimentares Usados na sua área de intervenção. O Município de Vila do Conde é o quinto Município da área de intervenção da LIPOR a avançar com este projecto. Até ao final do ano o projeto estará em vigor nos restantes Municípios. Vila do Conde conta já com a instalação de 29 oleões no Município em espaços de acesso público. Com esta estratégia da LIPOR o que se pretende é: o Dotar os Municípios com equipamento adequado (oleões) para deposição de OAU, de acordo com as exigências do DL nº 267/2009 de 29 de Setembro;o Envolver os Cidadãos na correcta deposição destes resíduos;o Sensibilizar a população para a adoção das melhores práticas a nível da gestão dos OAU;o Demonstrar as vantagens da reciclagem dos OAU, nomeadamente na produção de biodiesel, o que permite melhorias a nível de impacto ambiental;o Garantir um destino final adequado aos OAU;o Contribuir para o cumprimento dos objectivos da política energética, para a redução das emissões de GEE e para o cumprimento do Protocolo de Quioto. Este projecto resulta de uma parceria entre LIPOR, Municípios e EGI - Gestão de Resíduos, esta última entidade responsável pela manutenção e recolha dos oleões e pela valorização dos OAU, que serão transformados em biodiesel. Metro do Porto comemora nove anos de operaçãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=160O Metro do Porto comemora nove anos de operação e regista um cada vez maior número de clientes. Ao todo, desde o «primeiro dia» o Metro transportou já mais de 330 milhões de pessoas, numa rede que cobre os principais municípios da Área Metropolitana do Porto e que gera benefícios ambientais, económicos e sociais estimados em cerca de 8 mil milhões de euros. O Sistema Ligeiro da Área Metropolitana do Porto foi oficialmente inaugurado a 7 de Dezembro de 2002 pelo então Primeiro-ministro Durão Barroso. Na altura, entrou em funcionamento apenas a Linha Azul (A), numa extensão de 12 quilómetros, entre a Trindade e o Senhor de Matosinhos e servindo 18 estações. Nove anos depois, o sistema conta com seis linhas, servindo sete municípios, e integra 81 estações ao longo de 67 quilómetros de extensão. O Metro do Porto transporta cerca de 5 milhões de clientes por mês, numa média superior a 200 mil por dia útil. A tendência de crescimento do sistema é ininterrupta e está consolidada. O Metro conta já mais 330 milhões de clientes transportados desde a entrada em operação comercial. No ano de 2011 e até ao momento, o Metro do Porto transportou perto de 2 milhões de clientes a mais do que no mesmo período do ano anterior, apresentando um taxa de crescimento acumulada que ronda os 4%. A repartição da procura pelas várias linhas demonstra uma forte predominância do tronco comum entre as estações da Senhora da Hora e do Estádio do Dragão, bem como da Linha Amarela (Hospital de S. João - Santo Ovídio). As restantes linhas da rede, mais dadas a movimentações de natureza pendular, atingem valores relativos inferiores. De acordo com os dados mais recentes (ainda sem dados relevantes quanto à mais recente estação da rede, Santo Ovídio), o «Top 10» de procura nas estações é liderado pela da Trindade (mais de 40 mil validações diárias, em média dia útil), elenca sete estações na cidade do Porto, duas em Vila Nova de Gaia e uma em Matosinhos: Trindade 19,0% Casa da Música 5,9% Campanhã 4,7% São Bento 4,4% Bolhão 4,3% Senhora da Hora 3,9% João de Deus 3,4% D. João II 2,8% 24 de Agosto 2,5% Sete Bicas 2,5% Restantes 46,6% De realçar é ainda o facto de 62% dos clientes do Metro terem menos de 35 anos, o que faz com que o público jovem seja, até ao momento, o que mais beneficia do serviço. Além disso, 30% dos clientes são estudantes. Os nove anos de operação do Metro do Porto traduzem um conjunto de vantagens ambientais, económicas e sociais conhecidas e valorizadas pelos cidadãos, sendo que, de acordo com os números da avaliação de retorno do projecto (num profundo estudo levado a cabo pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e pela Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, tornado público em Março de 2008), o valor actualizado líquido ronda os 8 mil milhões de euros de benefícios. Do ponto de vista, individual, os benefícios são avaliados em 340 euros anuais para cada cidadão da Área Metropolitana do Porto (não cliente do Metro) e em cerca de 1.300 euros anuais para cada cliente. Redes para carros eléctricos só na próxima décadahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=158Nos próximos 10 anos não haverá necessidade de investir nas infraestruturas principais das redes eléctricas europeias para suportar a ligação dos veículos elétricos à rede durante o carregamento das baterias porque o carregamento das baterias será feito preferencialmente em casa dos consumidores, ou em áreas privadas (como é o caso de centros comercial e de parques de estacionamento privados). A conclusão é do projecto europeu MERGE (Mobile Energy Resources in Grids of Electricity), liderado pelo INESC TEC e que também integra a portuguesa Rede Eléctrica Nacional (REN).Em comunicado, a instituição afirma que "até 2020, a rede eléctrica existente nos países europeus está preparada para acomodar o crescimento dos consumos que resultam do carregamento das baterias dos veículos eléctricos, dado que "a entrada dos veículos elétricos está a ser feita de forma moderada, sobretudo devido aos preços elevados dos veículos e à baixa autonomia das baterias". Assim, "estima-se que em 2020 a frota automóvel portuguesa movida a electricidade será residual, não ultrapassando os 2% do parque total".A instituição acredita que "só entre 2020 e 2030 é que será necessário começar a adotar estratégias de controlo e gestão avançadas das redes eléctricas".O MERGE iniciou-se em Setembro de 2009. Liderado cientificamente pelo INESC TEC (Laboratório Associado coordenado pelo INESC Porto), com um orçamento de 4,5 milhões de euros, trata-se do "maior projecto de investigação com financiamento da UE e propõe-se a preparar o sistema eléctrico europeu para a massificação da utilização de veículos automóveis eléctricos"."Município da Maia nomeou 'Gestor Local de Energia'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=159A Câmara Municipal da Maia deliberou, por unanimidade, nomear como 'Gestor Local de Energia' a Chefe de Divisão de Conservação e Manutenção de Edifícios e Equipamentos Municipais, Adelina Magalhães Rodrigues, mestre em Gestão de Energia. Esta nomeação, que surge em ligação com a parceria da Câmara Municipal da Maia com a 'nova' AdEPorto - Agência de Energia do Porto, agora envolvendo oito Municípios da AMP (norte do Douro) irá permitir que a actividade do Município no domínio da energia, responda aos novos desafios da energia sustentável bem como ao que está previsto no Programa de Eficiência Energética na Administração Pública -- ECO.AP.Mobilidade Eléctrica e Redes Eléctricas Inteligentes http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=154O Colégio de Engenharia Electrotécnica da Região Norte promoveu, no dia 22 de Setembro, na sede da Região Norte, a palestra "Mobilidade Eléctrica e Redes Eléctricas Inteligentes", proferida pelo Coordenador do Colégio, João Peças Lopes. Esta sessão, inserida no programa da Semana Europeia da Mobilidade 2011 da AdEPorto - Agência de Energia do Porto , abordou os desafios que se impõem ao Sistema Eléctrico de Energia e o papel dos operadores da rede eléctrica.Na sua intervenção, Peças Lopes deu a conhecer os resultados de questionários aplicados para compreender o comportamento dos condutores de veículos eléctricos, onde entre outros dados, se pode verificar os locais de preferência para carregamento do veículo eléctrico e as horas a que seria feito, sendo a residência e o final do dia as escolhas mais apontadas. Peças Lopes referiu ainda os impactos da integração do veiculo eléctrico na rede, afirmando que de forma a minimizar a necessidade de efectuar investimentos adicionais que venham a dificultar o desenvolvimento da mobilidade eléctrica, é fundamental que o desenvolvimento deste paradigma seja efectuado procurando adoptar soluções inteligentes que minimizem a necessidade de reforço e, portanto, de investimento nas infraestruturas do sistema electroprodutor e da rede eléctrica associada. Sessões Participativas do Plano de Mobilidade Sustentável da Maiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=153No passado dia 16 de Setembro de 2011, inseridos no programa da Semana Europeia da Mobilidade 2011, que se realizou entre 16 e 22 de Setembro, teve lugar o 1.º workshop Participativo e o 1.º Fórum Participativo, previstos no plano de comunicação do Plano de Mobilidade Sustentável do Concelho da Maia, que decorreram no TECMAIA e no Fórum da Maia, respectivamente. Em ambas as sessões, foi efectuada, por parte da equipa técnica que se encontra a elaborar o plano, uma apresentação dos objectivos do plano e das diversas fases que o mesmo integra, bem como dos resultados preliminares da Fase 1 - Levantamento e Diagnóstico. No caso do workshop, a sessão centrou-se no diagnóstico dos aspectos positivos e negativos associados ao sistema de transportes e mobilidade da Maia e na definição das prioridades de intervenção, tendo-se organizado em três grupos de trabalho com os participantes, que integravam, para além de elementos da Câmara Municipal, representantes do Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável, das empresas de transporte do concelho e das juntas de freguesia. Quanto ao Fórum Participativo, aberto à população em geral, o programa desenvolveu-se com um período de debate no qual se auscultaram as principais preocupações quanto à mobilidade no concelho. As conclusões retiradas, quer do workshop quer do fórum, são importantes e serão devidamente integradas no documento final da Fase 1 - Levantamento e Diagnóstico. Este tipo de acções, essencial no envolvimento dos principais stakeholders" e da população em geral na discussão da problemática e na auscultação dos mesmos, será repetido ao longo das diferentes fases do Plano, na certeza que o envolvimento de todos constitui um dos pilares fundamentais para o sucesso do mesmo."AdEPorto promoveu Mobipaper Intermunicipal http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=149A AdEPorto - Agência de Energia do Porto promoveu, pela primeira vez, em parceria com os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde), um Mobipaper Intermunicipal. Esta iniciativa organizada no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade 2011 contou com o apoio do CIVITAS Porto, da Autoridade Metropolitana de Transportes do Porto, Andante, CP e EDP Gás. A temática proposta para a edição de 2011 da Semana Europeia da Mobilidade foi a Mobilidade Alternativa, pelo que a organização do Mobipaper Intermunicipal procurou incentivar o uso do transporte colectivo e dos modos leves de transporte nas deslocações entre Municípios. O Mobipaper propunha 8 percursos alternativos que ligavam dois Municípios. As ligações entre os dois Municípios de cada percurso estão asseguradas por serviço de transporte colectivo, no entanto, alguns participantes optaram por utilizar a bicicleta e recorrer à caminhada. Em cada percurso, os participantes deveriam visitar postos de controlo, onde tinham de responder a 2 perguntas: uma sobre 'Mobilidade' e outra sobre o 'Município' onde se encontravam. Esta iniciativa contou com 33 participantes. Nos próximos dias serão apurados os 8 vencedores, um por cada Município, que irão receber como prémio uma bicicleta. Veja aqui a reportagem da Porto Canal em Gondomar.AdEPorto representada na Transnational Conference - Katowicehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=150Entre 15 e 16 de Setembro de 2011, os 13 programas transnacionais que operam actualmente no âmbito do objectivo Cooperação Territorial Europeia reuniram, pela primeira vez, numa conferência conjunta que contou com a presença do Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, demonstrando como a cooperação transnacional pode melhorar a qualidade de vida nas regiões europeias. O evento foi um grande sucesso para a Cooperação Transnacional Europeia e contou com cerca 1000 participantes (incluindo uma audiência on-line). Brevemente poderá consultar o site da conferência aqui onde poderá ficar a conhecer tudo o que aconteceu em Katowice, assistir aos destaques, ver as fotografias, bem como conhecer os conteúdos das sínteses e conclusões.Praça General Humberto Delgado acolhe Escolinha de Trânsitohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=151A Praça do General Humberto Delgado está a acolher desde a passada sexta-feira uma Escolinha de Trânsito com o objectivo de sensibilizar as crianças para a segurança rodoviária e meios de transportes sustentáveis. Esta iniciativa, promovida pela Câmara Municipal do Porto no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade (SEM), irá decorrer até ao dia 22 de Setembro, data em que encerram as comemorações da edição de 2011 da SEM dedicada ao tema Mobilidade Alternativa. A escolinha de trânsito está em funcionamento durante os dias úteis das 9h às 18h e a sua utilização está condicionada às escolas previamente inscritas No fim-de-semana a utilização foi livre, para crianças com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos, e o horário alargado até às 19h.Matosinhos promoveu Caminhadahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=156A assinalar a Semana Europeia da Mobilidade, o Município de Matosinhos promoveu, na manhã do dia 18 de Setembro, a caminhada Põe-te a Mexer... nas Marginais. A caminhada que percorreu a marginal de Matosinhos contou com 300 participantes de todas as idades. Esta iniciativa, para além dos 6 km a pé, incluiu também exercícios básicos de mobilização, alongamento e relaxamento, devidamente acompanhados por técnicos de desporto e de saúde.Tofa assinalou a Semana Europeia da Mobilidade com várias iniciativashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=157O Município da Trofa promoveu, ao longo de todo o dia 18 de Setembro, várias iniciativas para assinalar a Semana Europeia da Mobilidade que tiveram lugar no Parque de Nossa Senhora das Dores. Foram organizados jogos lúdico-pedagógicos para sensibilizar as crianças para a problemática da mobilidade alternativa e sustentável e organizada uma Corrida de Carros a Pedal que contou com a participação de 163 crianças. A caminhada Rota de Castro de Alvarelhos que partiu do Parque de São Pedro de Avioso contou com 81 participantes e o passeio de bicicleta Pedalar na Trofa com 83 cicloturistas. Foram ainda desenvolvidas várias actividades de consciencialização para a saúde, nomeadamente, através da realização de rastreios a mais de uma centena de pessoas. A par destas actividades realizou-se uma exposição e demonstração de Veículos Alternativos. Recolha Seletiva de Óleos Alimentares Usados (OAU) arranca no Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=152Hoje, 16 de Setembro, arranca no Porto, o projecto de recolha selectiva de óleos alimentares usados (OAU). O Parque do Covelo foi o palco escolhido para, de forma simbólica, marcar este arranque. A LIPOR está actualmente empenhada, juntamente com os Municípios Associados, em implementar uma Rede de Recolha Seletiva Supramunicipal de Óleos Alimentares Usados (OAU) na sua área de intervenção. Com esta estratégia da LIPOR o que se pretende é: o Dotar os Municípios com equipamento adequado (oleões) para deposição de OAU, de acordo com as exigências do DL nº 267/2009 de 29 de Setembro;o Envolver os Cidadãos na correcta deposição destes resíduos;o Sensibilizar a população para a adopção das melhores práticas a nível da gestão dos OAU;o Demonstrar as vantagens da reciclagem dos OAU, nomeadamente na produção de biodiesel, o que permite melhorias a nível de impacto ambiental;o Garantir um destino final adequado aos OAU;o Contribuir para o cumprimento dos objectivos da política energética, para a redução das emissões de GEE e para o cumprimento do Protocolo de Quioto. O Município do Porto é o segundo Município da área de intervenção da LIPOR a avançar com este projecto. Até ao final do ano o projecto estará em vigor nos restantes Municípios. O Porto, que de acordo com o já referido DL deveria ter instalado até ao dia 31/12/2011 30 oleões, conta já com a instalação de 44 oleões no Município. Este projecto resulta de uma parceria entre LIPOR, Municípios e EGI - Gestão de Resíduos, esta última entidade responsável pela manutenção e recolha dos oleões e pela valorização dos OAU, que serão transformados em biodiesel. Plano de Mobilidade Sustentável no Concelho da Maiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=148O forte crescimento da taxa de motorização, decorrente da melhoria generalizada da qualidade de vida da população, associada aos crescentes processos de urbanização difusos - aos quais o sistema de transportes não consegue responder de forma eficaz satisfazendo as necessidades de mobilidade da população - tem tido como consequência a utilização massiva do transporte individual. De facto, os actuais padrões de mobilidade - fortemente sustentados no transporte individual, e as suas consequências apontam para a necessidade de mitigar os seus efeitos negativos contribuindo assim para um desenvolvimento mais sustentável do território. Grande parte das questões mais prementes relacionadas com o sistema de acessibilidades e transportes são essencialmente de natureza local ou regional e, como tal, necessitam de soluções desse âmbito. Importa assim delinear uma estratégia de intervenção para o concelho da Maia que responda à necessidade de desenvolver um sistema de transportes sustentável. Com a elaboração do Plano de Mobilidade Sustentável do concelho da Maia pretende-se obter um documento estratégico de intervenção para o município em matéria de acessibilidades e gestão da mobilidade, através da definição de um conjunto de medidas operacionais que têm como objectivo a transferência modal para modos de deslocação mais sustentáveis (transportes públicos, modos suaves), ou seja, modos de transportes compatíveis com a prosperidade responsável, coesão social e defesa do meio ambiente e melhoria da eficiência energética, garantindo uma melhor qualidade de vida aos cidadãos. Em resultado de uma candidatura apresentada pelo Município da Maia ao Eixo IV - Valorização e Qualificação do Sistema Urbano, do Programa Operacional da Região Norte do Quadro de Referência Estratégico Nacional 2007-2013, a Câmara Municipal viu contemplada a candidatura para a elaboração do designado Plano de Mobilidade Sustentável do Concelho da Maia. 6ª fase da Operação Tampinhashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=147A LIPOR entregou mais de 70.000,00 EUR de donativos, no âmbito da 6ª fase da Operação Tampinhas. Nesta fase da Operação, que decorreu entre Janeiro e Dezembro de 2010, a LIPOR acumulou um total de cerca de 91 toneladas, que dá perto de 70.100,00 EUR de receita. O produto da venda das tampinhas reverteu integralmente a favor da compra de material, o equivalente a 113 equipamentos ortopédicos e similares, agora doado a 48 instituições e/ou particulares. Esta iniciativa iniciou-se em Abril de 2006 e no total das seis fases, a LIPOR já angariou 285.100,00EUR, apoiando 208 entidades e/ou pessoas em nome individual com a entrega de cerca de 800 equipamentos. Com a Operação Tampinhas, a LIPOR e os seus Municípios associados incentivaram a sociedade civil a separar tampas em plástico de embalagens, entregá-las separadamente na LIPOR, ou nas instalações das Câmaras Municipais associadas (Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Valongo e Vila do Conde), bem como em instituições públicas e privadas da região.As instituições e as pessoas em nome individual foram seleccionadas com base numa análise dos pedidos que foram chegando durante o período em que decorreu a 6.ª fase, e tendo por base os critérios definidos nas Normas de Aplicação da Operação Tampinhas, disponível em www.lipor.pt Este é o resultado de uma vontade comum, Escolas, Municípios, Cidadãos anónimos, Sociedade Ponto Verde e a empresa Micronipol, entre muitos outros, que através de um pequeno gesto, defendem duas causas, o ambiente e a solidariedade.Município da Póvoa de Varzim aderiu ao projecto de recolha selectiva de Óleos Alimentares Usadoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=146Dando continuidade ao vasto rol de iniciativas já implementadas, o Município da Póvoa de Varzim aderiu ao projecto de recolha selectiva de Óleos Alimentares Usados (OAU). Neste sentido, foram colocados, por todo o concelho, vários pontos de recolha, os oleões, nos quais a população deverá depositar o óleo alimentar usado. Consulte aqui a localização dos oleões nas várias freguesias.Recorde-se que já em 2008, a autarquia lançou uma campanha de reciclagem de OAU com a instalação de dois pontos de recolha, um no Parque de Viaturas e outro no Ecocentro. Esta é uma iniciativa que permite a poupança, pois ao colocar correctamente o óleo nos pontos de recolha em vez de o despejar pelo lava-loiça e outros sistemas de drenagem, a população evita a contaminação das águas, um bem que é escasso e implica elevados custos para o seu tratamento. A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim é o primeiro município da área de intervenção da LIPOR a avançar com este projecto. Até ao final do ano, o projecto estará em vigor nos restantes municípios (Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Valongo e Vila do Conde). A LIPOR está actualmente empenhada, juntamente com os municípios associados, em implementar uma Rede de Recolha Selectiva Supramunicipal de Óleos Alimentares Usados (OAU) na sua área de intervenção.Com esta estratégia, a LIPOR pretende dotar os Municípios com equipamento adequado (oleões) para deposição de OAU, de acordo com as exigências do DL nº 267/2009 de 29 de Setembro; envolver os cidadãos na correcta deposição destes resíduos; sensibilizar a população para a adopção das melhores práticas a nível da gestão dos OAU; demonstrar as vantagens da reciclagem dos OAU, nomeadamente na produção de biodiesel, o que permite melhorias a nível de impacto ambiental; garantir um destino final adequado aos OAU; contribuir para o cumprimento dos objectivos da política energética, para a redução das emissões de GEE e para o cumprimento do Protocolo de Quioto.e2p - Energias endógenas de Portugalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=145O projecto e2p foi apresentado no passado mês de Junho e consiste na elaboração e disponibilização online de uma base de dados de todas os Centros Electroprodutores (CEPs) de produção de electricidade de origem renovável em regime especial. Este é um projecto pioneiro, resultante da colaboração entre a APREN e o INEGI, pois pela primeira vez em Portugal reúne-se num site a listagem de todos os CEPs, georeferenciados e com dados sobre a potência instalada e promotor. A Base de Dados poderá ser acedida a partir de três diferentes menus - Tecnologia, Distrito/Região Autónoma e CEP. Os dois primeiros funcionam em conjunto: o utilizador pode escolher uma tecnologia e posteriormente um Distrito/Região Autónoma ou vice-versa. Em alternativa, o terceiro menu possibilita a pesquisa individual de cada CEP, listados por ordem alfabética. Visite o Website da Base de Dados e2p em: http://e2p.inegi.up.pt Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto é actualmente o único dos das cidades portuguesas já aprovado pela Comissão Europeiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=143O Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto (PAES-P) é um dos 5 aprovados pela Comissão Europeia entre os 671 submetidos a apreciação até à data. As restantes cidades que contam com os seus PAES aprovados são: Génova (Itália), Vitória-Gasteiz (Espanha), Nitra (Eslováquia) e Växjö (Suécia). O Porto é a única cidade portuguesa que já viu o seu PAES-P aprovado entre as nacionais que já procederam à sua entrega: Almada, Cabeceiras de Basto, Cascais, Lisboa, Nazaré, Oeiras, Pinhel e Vila Nova de Gaia. Recorde-se que o Porto foi igualmente convidado a apresentar o PAES-P na Conferência Anual do ManagEnergy, no âmbito da European Union Sustainable Energy Week 2011 em Bruxelas organizada pela Comissão Europeia e presidida pelo Comissário da Energia, Günther Oettinger. O PAES-P foi elaborado pela Agência de Energia do Porto na sequência das responsabilidades assumidas pelo município portuense com a subscrição, em Fevereiro de 2009, do Pacto dos Autarcas, tendo sido aprovado em Outubro passado pela Câmara Municipal do Porto. O Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto define as áreas prioritárias de intervenção e elenca as acções que permitirão reduzir as emissões de CO2 na cidade do Porto em 45%, sendo que cerca de metade deste valor é directamente imputável às iniciativas locais, sejam da autarquia ou de outros stakeholders na cidade, e o restante expressão das políticas energéticas nacionais de electricidade mais verde e de biocombustíveis. Pode consultar o documento em: http://www.cm-porto.pt/users/0/58/PlanodeAcoEnergia_add2b8487de45646013f133b09bdf58b.pdf Mais informação em: http://www.eumayors.eu/actions/sustainable-energy-action-plans_en.htmlFAUP lança Curso de Estudos Avançados em Património Arquitectónicohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=142Entre os dias 15 de Junho e 15 de Julho de 2011, estão abertas as candidaturas ao Curso de Estudos Avançados em Património Arquitectónico (CEAPA), promovido pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. O CEAPA visa proporcionar formação especializada de nível pós-graduado (terceiro ciclo) na área do restauro, recuperação e reabilitação do património construído, que assegure a aquisição de competências e aptidões relevantes para as actividades de projecto e de investigação na área da salvaguarda do património arquitectónico. O curso de estudos avançados tem a duração de um ano lectivo em regime de tempo parcial diurno. O plano de estudos organiza-se, na sua componente de prática projectual, e no âmbito da unidade curricular de Metodologias de Projecto, em torno da abordagem crítica de três temas, Património Arqueológico, Edificado e Urbanístico, constituindo uma síntese do universo suscitado pela problemática da intervenção no património arquitectónico. Em alternativa, e num contexto e com objectivos necessariamente distintos, o estudante poderá optar pela frequência de um Seminário de Investigação, que se pretende que constitua um espaço privilegiado para o desenvolvimento de uma prática de investigação no domínio do património arquitectónico, nas áreas da teoria, história, projecto e tecnologia da construção. Na sua componente teórica, o plano de estudos organiza-se essencialmente em três áreas disciplinares que, globalmente, integram as questões essenciais colocadas pela intervenção projectual no património arquitectónico, balizada entre o edifício e a cidade: _ Teoria e História _ Tecnologia da Construção _ Gestão do Património A possibilidade de frequência, e correspondente creditação, de unidades curriculares avulsas do curso encontra-se igualmente contemplada. O curso de estudos avançados que aqui se propõe deverá apresentar, num muito curto prazo, uma forte relação com o programa de doutoramento da Faculdade de Arquitectura, partilhando algumas das unidades curriculares que constituirão a parte curricular de um perfil de estudos na área do património arquitectónico, cuja criação se prevê possa ter lugar já no ano lectivo de 2012-2013. Essa partilha permitirá a creditação no programa de doutoramento de uma parte da formação previamente obtida no curso de estudos avançados, podendo este fornecer uma formação especializada de base na área do património arquitectónico, e possibilitar, desta forma, com todas as vantagens inerentes, um aprofundamento de matérias que pela sua natureza não encontram espaço cabal num plano de formação como aquele que preside ao actual modelo compacto de mestrados integrados em Arquitectura. Corpo docente Francisco Barata Fernandes, Marta Oliveira, Pedro Alarcão, Rui Fernandes Póvoas, Rui Tavares | FAUP Aníbal Costa | Universidade de Aveiro, José Aguiar | FAUTL, José Amorim Faria | FEUP, Lino Tavares | Ministério da Cultura. Docentes convidados Anton Capitel | ETSA Madrid, Armando Pinto | LNEC, Carolina Di Biase | Politecnico di Milano, Daniele Vitale - Politecnico di Milano, Delgado Rodrigues | LNEC, Eduarda Moreira da Silva | UCP, Helena Cruz | LNEC, João Viegas | LNEC, Joaquim Caetano | APCRP, Manuel Portaceli | ETSA Valencia, Manuela Martins - ICS UM, Maria Fernandes | IGESPAR, Maria Ramalho | IGESPAR, Miguel de La Iglesia | ETSA Valladolid, Nuno Proença | Nova Conservação, Lda, Paulo Pereira | FAUTL, Rosário Veiga | LNEC, Vasco Freitas | FEUP. Mais informações em www.arq.up.ptSEA 2011 nos diferentes Municípioshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=144Todos os Municípios programaram actividades lúdico-pedagógicas a realizar durante a SEA 2011 que envolveram cerca de 5850 crianças e jovens. Em todos os Municípios foram distribuídos pelos participantes bonés da SEA, bem como foram oferecidas t-shirts aos participantes no Passatempo 'À Velocidade do Sol' e às equipas vencedoras da oficina 'A Energia no nosso dia-a-dia'. Gondomar 23 Maio a 5 Junho 2011 - Escolas do Concelho Dinamização de jogos ambientais, realização da palestra 'A Energia no nosso dia-a-dia', acções de formação 'O Som dos Resíduos' e o 'Mistério das Plantas', exposição 'Reciclar com Arte' e dos trabalhos do concurso 'Histórias Ambientais'. Maia 5 Junho 2011 - Parque de São Pedro de Avioso (espaço aberto) Dinamização de ateliês de reutilização de materiais, jogos tradicionais, visitas guiadas e projecção do filme 'A Energia no nosso dia-a-dia'. Matosinhos 2 e 3 Junho 2011 - EB 1 Quatro Caminhos (Senhora da Hora) e EB 2/3 de Leça do Balio Dinamização da oficina e da palestra 'A Energia no nosso dia-a-dia'. Porto 30 Maio a 3 Junho 2011 - Centros de Educação Ambiental e Quinta da Bonjóia Dinamização de jogos pedagógicos e tradicionais, eco-paper 'À descoberta da biodiversidade da Quinta da Bonjóia', animação circense - todas as actividades realizadas centraram-se em preocupações ambientais, como o consumo sustentável, o uso racional da energia, a separação de resíduos, a preservação de espaços públicos e a protecção da fauna e flora urbana. Póvoa de Varzim 3 Junho 2011 - EB1 da Giesteira Dinamização da oficina e palestra 'A Energia no nosso dia-a-dia'. Santo Tirso 3 Junho 2011 - Escola Secundária D. Dinis e Colégio Santa Teresa Acção de demonstração da actividade da protecção civil no domínio florestal, acção de sensibilização sobre sustentabilidade, energia, ambiente, entre outros. Trofa: 1 Junho 2011 - Parque Nossa Senhora das Dores Jogos e actividades no âmbito da protecção civil, sustentabilidade, energia, ambiente, segurança rodoviária, jogos lúdico-desportivos, dança, pintura, palhaços, insufláveis, entre outros. Vila do Conde 1 a 5 Junho - Parque Polis João Paulo II Exposição 'Muitas espécies. Um planeta. Um futuro.' - elaborada no âmbito da Biodiversidade e da sua articulação com Ano Internacional das Florestas. Exposição 'DinoResíduos' - conjunto de trabalhos, nomeadamente, dinossauros, elaborados pelos alunos das escolas do concelho com recurso à reutilização de resíduos. A equipa da AdEPorto dinamizou ainda duas palestras por solicitação directa de estabelecimentos de ensino: Escola Secundária de Ermesinde (40 participantes) no dia 30 de Maio e Escola Secundária da Maia (30 participantes) no dia 2 de Junho.Seminário 'Energia e Ambiente no Quadro Metropolitano'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=141A AdEPorto - Agência de Energia do Porto promoveu, no âmbito da Semana da Energia e do Ambiente 2011, o Seminário 'Energia e Ambiente no Quadro Metropolitano', cuja abertura esteve a cargo do Presidente da Comissão Executiva da Junta Metropolitana do Porto, Lino Ferreira, e do Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes. Neste encontro foram apresentados os primeiros números da Matriz da Energia da Área Metropolitana do Porto Norte, pelo Director Técnico da AdEPorto, Alexandre Varela. Até ao momento, é possível verificar-se que cada município apresenta consumos distintos e com uma distribuição sectorial relacionada com seu contexto socioeconómico. Paulo Pinho da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto centrou a sua apresentação na vertente da energia no metabolismo urbano enquanto instrumento do planeamento do território. João Marrana, da Autoridade Metropolitana de Transportes, enriqueceu o painel com a questão da 'Energia, Mobilidade e Ambiente', centrando-se na introdução de novos modos de transporte na Área Metropolitana do Porto, com particular destaque para o impacto da entrada em circulação do Metro do Porto associado à intermodalidade. 'Energia e Ambiente Interior no Parque Edificado' estiveram no centro da segunda parte do Seminário em que Miguel Nery, da Ordem dos Arquitectos - Secção Regional Norte, focalizou a sua intervenção na problemática da 'Arquitectura, Clima e Energia', tendo apresentado dois casos de estudo: o projecto Norte 41 em que se integra o novo edifício sede da Ordem dos Arquitectos - SRN, e uma análise comparativa do desempenho energético de 3 edifícios de serviços (escritórios) existentes.Vitor Leal, do MIT Portugal - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, centrou-se na questão dos 'Edifícios enquanto Sistemas Energéticos Térmicos', enquadrando as diferentes utilizações da energia nos edifícios numa perspectiva europeia, fazendo ressaltar o impacto das diferentes opções construtivas no seu comportamento térmico. Poderá consultar aqui as comunicações:'Energia e Ambiente no Quadro Metropolitano' - Eduardo de Oliveira Fernandes'Energia, Cidade e Território' - Paulo Pinho (não utilizar o material em qualquer publicação ou comunicação sem o consentimento prévio do autor) 'Energia, Mobilidade e Ambiente' - João Marrana 'Arquitectura, Clima e Energia' - Miguel Nery'Edifícios enquanto Sistemas Energéticos Térmicos' - Vitor Leal Gondomar acolheu a Caminhada do Dia Nacional da Energia - 'Todos a Andar com a EDP Gás'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=140A frente fluvial da Ribeira de Abade em Gondomar acolheu, na manhã do passado dia 29 de Maio, a Caminhada 'Todos a Andar com a EDP Gás' para assinalar o Dia Nacional da Energia. Esta iniciativa, que contou com a participação de mais de 400 pessoas, foi desenvolvida pela EDP Gás com o apoio da Runporto, integrando o programa da Semana da Energia e do Ambiente 2011 que é promovida anualmente pela Agência de Energia do Porto em parceria com os Municípios seus Associados. A participação nesta Caminhada implicava o pagamento simbólico de 1EUR que reverteu integralmente para a Liga Portuguesa Contra o Cancro. Na cerimónia de entrega do cheque à representante da Liga Portuguesa Contra o Cancro, Maria Odete de Oliveira Fernandes, esteve o Presidente do Município de Gondomar, Valentim Loureiro, o Presidente da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, e José Syder da EDP Gás.'À Velocidade do Sol' abre a Semana da Energia e do Ambiente 2011http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=139O Centro de Educação Ambiental do Parque do Covelo acolheu no passado Sábado, a Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol'. Este passatempo foi promovido no início do ano lectivo junto dos estabelecimentos de ensino do 3º ciclo e secundário da cidade do Porto tendo como principal objectivo a concepção e construção de carrinhos solares. Esta foi a 2ª edição desta iniciativa integrada na Semana da Energia e do Ambiente organizada pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto em parceria com os municípios seus Associados. Das 22 equipas inscritas no passatempo, apenas 13 entregaram os seus carrinhos originais e participaram na corrida para disputar os 3 lugares do pódio. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico, um motor e uma guia, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. O primeiro lugar do pódio foi ocupado pelo 'Sunny Move' da Escola Salesiana Colégio dos Órfãos do Porto que conquistou, também, o 2º lugar no que à concepção diz respeito. O segundo lugar na corrida foi conquistado pelo 'Carocha' concebido pelos alunos André Monforte, Francisca Freitas, Henrique Lobo e Rodrigo Wandschneider, sob orientação da Prof. Maria da Luz Carvalheira da Escola Secundária Aurélia de Sousa. O terceiro lugar do pódio coube ao carrinho 'Lucirraptor' que conquistou esta mesma posição no que diz respeito à concepção. Quanto à concepção saiu vencedora a equipa orientada pelo Prof. Manuel Santos Ribeiro, pertencente ao CENFIM. O grupo constituído por três elementos: Flávio Pinto de Oliveira, Marco Ferreira e Rafael Pinto de Almeida foi o responsável pela concepção que levou à vitória o 'Invictus Solares'. O segundo lugar foi conquistado por Álvaro Martins, José Pedro Monteiro e Teresa Carvalho, da Escola Salesiana Colégio dos Órfãos do Porto, que contaram com o apoio da Prof. Maria de Lourdes Leitão para conceberam o 'Sunny Move'. O terceiro lugar foi atribuído à Escola EB 2/3 Augusto Gil, ao carrinho 'Lucirraptor' cuja equipa constituída por Diana Rosário, Domingos Oliveira, Miguel Furriel e Nuno barros foi orientada pelos Professores Manuela Lopes e Serafim Azevedo. Participaram, ainda, equipas das Escolas EB 2/3 do Viso e Maria Lamas, da Escola Secundária Filipa de Vilhena e Externato Ribadouro. À Velocidade do Sol 2011 Concepção 1º Invictus Solares2º Sunny Move3º Lucirraptor Corrida1º Sunny Move2º Carocha 3º LucirraptorSemana da Energia e do Ambiente 2011http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=138Entre 28 de Maio e 5 de Junho, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto irá promover, em parceria com os Municípios seus Associados (Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde), a Semana da Energia e do Ambiente 2011 (SEA 2011), agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia - 29 de Maio e do Dia Mundial do Ambiente - 5 de Junho. O programa oferecerá um conjunto de actividades diversificadas, de carácter técnico, desportivo, lúdico e pedagógico de modo a envolver todos os cidadãos. A comunidade escolar terá oportunidade de participar, durante toda semana, em visitas à Casa Termicamente Optimizada e nas actividades que decorrerão nos diversos municípios. No dia 28 de Maio, às 10:30, no Parque do Covelo no Porto, realizar-se-á a Corrida de Carrinhos Solares no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol'. No dia 29 de Maio, a assinalar o Dia Nacional da Energia, o município de Gondomar irá acolher, pelas 10:30, a Caminhada 'Todos a Andar com a EDP Gás' com partida na zona fluvial da Ribeira de Abade. As inscrições poderão ser efectuadas através do site da Runporto (www.runporto.com) ou no próprio dia no local. A participação na Caminhada implica o pagamento simbólico de 1EUR que reverterá integralmente para a Liga Portuguesa Contra o Cancro. Os participantes receberão uma t-shirt, um boné e uma mochila. No dia 30 de Maio realizar-se-á o Seminário 'ENERGIA E AMBIENTE NO QUADRO METROPOLITANO' que terá lugar no Auditório da LIPOR, às 9h30m, com abertura pelos Presidentes da Junta Metropolitana do Porto, Rui Rio, e do Conselho de Administração da AdEPorto, que apresenta um programa concebido tendo em atenção o interesse desta fase de implantação da AdEPorto enquanto instituição de âmbito territorial metropolitano - norte do Douro. Este encontro constituirá uma oportunidade para conhecer os 'Primeiros Números da Matriz da Energia da Área Metropolitana do Porto Norte' e colocará em destaque problemáticas de relevo relacionadas com a Energia e o Ambiente na perspectiva do Território, da Mobilidade, da Arquitectura e do Edificado, com intervenções de destacados especialistas, cujo programa poderá consultar aqui. A entrada no Seminário é livre, mas sujeita a inscrição através do email: sea@adeporto.eu ou do telefone: 22 201 28 93. Conheça aqui as actividades de alguns dos Municípios: Câmara Municipal de Gondomar Câmara Municipal da Maia Câmara Municipal de Matosinhos Câmara Municipal do Porto Câmara Municipal da Trofa Câmara Municipal de Vila do Conde Ciclo de Seminários Técnicoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=137A LIPOR vai realizar durante 2011 um Ciclo de Seminários Técnicos. Numa altura em que o momento actual da gestão de resíduos está em constante mutação, em que a legislação está em actualização, torna-se necessário incrementar o conhecimento técnico e fomentar o benchmarking interno e com a Europa. Nesta realidade actual, a troca de ideias, de experiências e de sucessos e fracassos passa pela realização de um Ciclo de Seminários Técnicos. Os objectivos do Ciclo de Seminários são: o potenciar a troca e partilha de ideias e opiniões; o promover o Benchmarking; o divulgar soluções inovadoras neste sector de actividade; o responder aos Indicadores Estratégicos da Organização. o dinamizar Sessões Técnicas; o promover uma comunicação mais eficaz; o responder aos desafios lançados pelos nossos parceiros. O primeiro é já no dia 12 Maio: "Carbono: Que podemos fazer e que devemos fazer?" - Ver Programa PreliminarPlano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto apresentado em Bruxelashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=136O Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto foi apresentado em Bruxelas na Conferência Anual do ManagEnergy, no âmbito da European Union Sustainable Energy Week organizada pela Comissão Europeia e presidida pelo Comissário da Energia, Gunther Oettinger. A cidade do Porto e apenas mais três outros municípios de outros tantos países, foi convidada pela Comissão Europeia para apresentar o seu Plano de Acção para a Energia Sustentável, do universo dos quase 400 já submetidos ao Covenant of Mayors. O Porto esteve representado pelo Director Municipal da Presidência da autarquia portuense, Manuel de Novaes Cabral, e pelo Presidente do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto, Eduardo de Oliveira Fernandes. O Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto seguiu a metodologia proposta pelo Pacto dos Autarcas adaptada à realidade socioeconómica local e fazendo as melhores estimativas sobre a sua evolução até 2020 e o consequente reflexo na energia usada, quer em natureza quer em quantidade. As áreas prioritárias de intervenção e as acções elencadas quando implementadas permitirão reduzir as emissões de CO2 na cidade do Porto em 45%, sendo que cerca de metade deste valor é directamente imputável às iniciativas locais, sejam do município ou de outros stakeholders na cidade, e o restante expressão das políticas energéticas nacionais de electricidade mais verde e de biocombustíveis. Consulte aqui: Apresentação do Presidente do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto, Eduardo de Oliveira Fernandes. Discurso do Director Municipal da Presidência, Manuel de Novaes Cabral.Março 2011: Melhor mês de sempre no Metro do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=135A tendência positiva do aumento da procura permitiu que o mês de Março se tornasse no melhor de sempre na história do Metro. Pela quarta vez, o Metro do Porto ultrapassou a barreira dos 5 milhões de validações num mês, estabelecendo um novo record: um total de 5, 196 milhões, que corresponde a um aumento de 4% face a Março do ano passado. O Metro do Porto registou um forte aumento na procura no primeiro trimestre de 2011. O número de validações cresceu 7,5% relativamente ao período homólogo de 2010 - para um total de 14.424.865 de validações. Os últimos recordes estabelecidos ocorreram em Outubro de 2008 - com 5, 182 milhões de validações -, em Outubro de 2009 - 5, 009 milhões - e Maio de 2010 - 5, 068 milhões. Em Março, a procura distribuiu-se pelas várias linhas da seguinte forma: Linha Azul (A) - 6% Linha Vermelha (B) - 5% Linha Verde (C) - 4% Linha Amarela (D) - 27% Linha Violeta (E) - 1% Linha Laranja (F) - 2% Tronco Comum Senhora da Hora - Estádio do Dragão (comum às linhas A, B, C, E e F) - 55% Assembleia Geral aprovou Relatório de Actividades e Contas 2010http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=134A Assembleia Geral da AdEPorto, reunida a 28 de Março, no Auditório da Casa do Infante, aprovou o Relatório de Actividades e Contas de 2010. Nesta votação registou-se apenas a abstenção do município de Matosinhos que, no âmbito do alargamento da área territorial de acção da AdEPorto, só passou a integrar a Agência de Energia do Porto em Dezembro de 2010. Múrcia premiada pela organização da Semana Europeia da Mobilidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=133Na passada semana a Comissão Europeia entregou em Bruxelas os prémios da Semana Europeia da Mobilidade 2010, nos quais Múrcia - uma das comunidades do Consórcio do IEE a par do Porto - resultou premiada pela sua organização da Semana Europeia da Mobilidade 2010 de entre as 2221 cidades de toda Europa. Assim, Múrcia encontra-se entre as três cidades que receberam una pontuação mais alta da Comissão Europeia que entregou o Prémio da Semana Europeia da Mobilidade 2010 à cidade de Almada, seguida por Múrcia e por Riga também pertencente ao consórcio do IEE. Com esta nomeação, Múrcia volta a ser seleccionada pelo terceiro ano consecutivo entre as dez melhores cidades para obter o galardão. Almada vence European Mobility Week Award 2010 http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=129Foi hoje anunciada em Bruxelas a atribuição do European Mobility Week Award 2010 sendo Almada a grande vencedora. As outras duas cidades nomeadas para o galardão eram Riga e Múrcia. Almada tinha sido já sido nomeada duas vezes para este prémio, em 2004 e 2008, tendo nesses anos sido vencedores Liubliana e Budapeste, respectivamente. A Semana Europeia da Mobilidade, que em 2010 contou com a adesão recorde de 2221 Cidades, é uma campanha promovida pela COMISSÃO EUROPEIA e organizada pela EUROCITIES, ENERGY-CITÉS E CLIMATE ALLIANCE. Esta iniciativa visa a adopção, pelas cidades aderentes, de medidas e acções que contribuam para uma mobilidade mais sustentável e promovam junto da população local o uso de modos de transporte mais amigos do ambiente, nomeadamente os transportes públicos e os modos suaves (andar a pé, de bicicleta...). Mais informações em www.mobilityweek.eu Em Almada, a Semana Europeia da Mobilidade é organizada há 10 anos consecutivos pela Câmara Municipal de Almada e pela AGENEAL - Agência Municipal de Energia de Almada, mas conta com uma vasta rede de parceiros locais e nacionais que colaboram na realização dos eventos constantes dos seus programas e contribuem decisivamente para o seu sucesso. Decreto-Lei que regula a produção de electricidade unidades de miniproduçãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=130Foi publicado o Decreto-Lei n.º 34/2011, de 8 de Março, referente ao regime jurídico aplicável à produção de electricidade, a partir de recursos renováveis, por intermédio de unidades de miniprodução, que em resumo: - Tarifa de referência 250EUR/MWh, com redução anual de 7%; - Energia máxima vendida é limitada a 2,6 MWh/ano por kW pico; - Potência não pode exceder 50% da potência contratada; - Existem 3 escalões de potência: Escalão I < 20 kW; 20 kW < Escalão II < 100 kW; 100 kW < Escalão III < 250 kW; - Entidades terceiras (como, por exemplo, empresas de serviços energéticos), quando autorizadas pelo titular da instalação de consumo, podem instalar uma unidade de miniprodução no local; - O registo é feito no Sistema de Registo da Miniprodução (SRMini); - O acesso à actividade de miniprodução deve preencher os seguintes requisitos: Dispor de uma instalação de utilização de energia eléctrica; A miniprodução ser instalada nesse local; A potência de ligação da unidade de miniprodução não pode ser superior a 50% da potência contratada; A energia consumida na instalação de utilização seja igual ou superior a 50% da energia produzida pela unidade, sendo tomada por referência a relação entre a energia produzida e consumida no ano anterior, no caso de instalações em funcionamento há mais de um ano, e a relação entre a previsão anual de produção e de consumo, para as instalações que tenham entrado em funcionamento há menos de um ano. - A entrega de electricidade produzida efectua-se ao nível de tensão constante no contrato de aquisição, excepto nos casos de aquisição em MT com contagem em BT, caso em que a contagem de electricidade pode ser efectuada nesse nível de tensão, com desconto das perdas verificadas no transformador; - O ingresso no regime bonificado depende da realização de uma auditoria energética e implementação de medidas identificadas com período de retorno: Escalão I - 2 anos; Escalão II - 3 anos; Escalão III - 4 anos; - No caso do local de consumo se enquadrar no SCE, o acesso ao regime bonificado depende do CE que demonstre que após a implementação de medidas, incluindo a unidade de miniprodução, o edifício alcance a classe B, se for um edifício novo, ou C se for um existente; - A remuneração no regime bonificado é: Escalão I - com base na tarifa de referência; Escalão II e II - com base na tarifa mais alta que resultar das maiores ofertas de desconto à tarifa de referência apuradas nos respectivos escalões; - As entidades instaladoras deverão ser titulares de alvará emitido pelo Instituto da Construção e do Imobiliário (InCI), e podem inscrever-se no SRMini para conhecimento e divulgação pública. Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto será apresentado na Conferência Anual do ManagEnergyhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=126A cidade do Porto foi uma das convidadas, e a única portuguesa, para apresentar, na Conferência Anual do ManagEnergy, o Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto, elaborado no âmbito do Pacto dos Autarcas, e em reconhecimento do trabalho que tem sido desenvolvido localmente. Neste encontro, que terá lugar em Bruxelas, durante a Semana Europeia da Energia Sustentável, o Porto será representado pelo Director Municipal da Presidência, Manuel de Novaes Cabral, e pelo Presidente do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto, Eduardo de Oliveira Fernandes. Consulte aqui o documento. Consulte aqui o Programa.AdEPorto organiza encontro 'Energia para as Cidades do Futuro'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=127No dia 11 de Abril, a AdEPorto organiza o encontro final do consórcio do Intelligent Energy Europe dedicado à temática 'Energia para as Cidades do Futuro'. Os trabalhos terão lugar no Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett e contarão com a presença de representantes de várias cidades, entre elas, as pertencentes ao consórcio no qual a AdEPorto foi criada: Bordéus, Latina, Múrcia e Riga. Estão previstas intervenções para além do Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio, do Presidente do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto, Eduardo de Oliveira Fernandes, de Norela Constantinescu da Direcção-Geral de Energia da Comissão Europeia, de Damien Cocard da Executive Agency for Competitiveness and Innovation (EACI), de Mário Rui Silva da Comissão Directiva do ON.2 e de Cristina Daniel da RNAE - Associação das Agências de Energia e Ambiente - Rede Nacional, para além das exposições de cada uma das cidades/comunidades do consórcio presentes. Será ainda apresentado o Plano de Acção para a Energia Sustentável do Porto elaborado pela AdEPorto para o Município no âmbito do Pacto dos Autarcas subscrito em 2009. O encontro terá lugar no Auditório da Biblioteca Almeida Garrett a partir das 09:30 e o encerramento dos trabalhos está programado para as 18:00 Consulte aqui o programa. A participação é gratuita, no entanto, limitada à lotação da sala, pelo que solicitamos que efectue a sua inscrição através do email: geral@adeporto.eu ou do telefone 22 201 28 93.Metro regista crescimento de 10% nos primeiros dois meseshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=125O Metro do Porto registou, nos primeiros dois meses do ano, um crescimento de 10% no número de utentes, com um total de 9,3 milhões de validações contabilizadas em 2011, mais 840 mil do que nos dois primeiros meses do ano passado. Leia aqui a notícia completa.Quarto aniversário da Agência de Energia do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=124A Agência de Energia do Porto completa hoje o seu quarto aniversário contando já com 33 Associados. Actualmente e respondendo a um objectivo de ampliação, o seu âmbito territorial de acção alargou-se a um universo de mais sete municípios localizados a norte do Rio Douro, para além do Porto: Gondomar, Maia, Matosinhos, Póvoa do Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde. Ao longo deste curto percurso desenvolveu diversos estudos, diagnósticos, estratégias, projectos, destacando-se a Matriz Energética do Porto, a Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto, o Guia de Termos de Referência Enegético-Ambiental para a Reabilitação de Edifícios no Centro Histórico do Porto, o Plano de Acção para a Energia Sustentável da Cidade do Porto.Está, agora, em preparação a Matriz Energética da Área Metropolitana do Porto Norte.Após 20 anos os Autocarros de 2 pisos regressam ao Porto http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=128Os novos autocarros da STCP têm capacidade para 91 lugares sentados e 35 lugares em pé, o que assegura o transporte dos clientes em óptimas condições de conforto nas linhas em que é necessária uma melhor cobertura de percursos longos em picos de maior procura. Tal facto permite que os clientes possam viajar sentados evitando assim o desconforto de uma viagem em pé. Os novos autocarros satisfazem os requisitos mais exigentes de respeito pelo meio ambiente - a sua motorização de 320 CV satisfaz a rigorosa norma EEV relativa às emissões poluentes. Estes novos veículos a gasóleo contribuem para a política de diversificação energética da frota da STCP, somando aos 217 autocarros a gasóleo que compõem a frota juntamente com os 255 autocarros a gás natural. Os novos autocarros de dois pisos e três eixos da marca alemã MAN são a última expressão do desenvolvimento tecnológico em viaturas para transporte público deste género e circulam em outras cidades europeias, nomeadamente Berlim. Os autocarros dispõem de três portas duplas, duas para entrada e uma para saída de passageiros, duas escadas de acesso ao piso superior onde só existem lugares sentados (os lugares em pé são permitidos apenas no piso inferior), encontrando-se os locais para passageiros especiais no piso inferior onde estão devidamente assinalados. O facto de se tratar de uma viatura de dois pisos não dificulta a manobra por menor visibilidade da parte traseira do autocarro pois este dispõe de uma câmara que permite a realização dessas manobras com o mais elevado índice de segurança. Passados vinte anos em que os últimos autocarros de dois pisos circularam nas linhas da STCP, temos de novo o seu regresso ao Porto, com o objectivo de contribuir para a melhoria da qualidade da mobilidade dos clientes. Características técnicas dos novos autocarros de 2 pisos: Comprimento - 13,73 metrosAltura - 4,06 metrosLotação sentada - 91 lugaresNº eixos - 3 eixosPotência do motor - 235 Kw (320 CV)Norma emissão poluentes - EEVFabricante chassis - MANFabricante carroçaria - MANNº de portas - 3Nº de escadas de acesso ao 2º piso - 2Trofa - Projecto de Requalificação dos Parqueshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=123A Câmara Municipal da Trofa vai apresentar, hoje, sexta-feira, 25 de Fevereiro, às 21h30, na Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, em sessão pública, o Projecto de Requalificação dos Parques Sra. das Dores e Dr. Lima Carneiro - uma obra emblemática que vai transformar a cidade e o concelho de forma profunda e definitiva, dando vida aos parques e propondo a renovação de hábitos, rotinas e práticas que permitirão a aproximação da população ao seu património natural e ambiental. Atrair visitantes aos Parques criando condições para que todos possam usufruir das novas valências devolvendo qualidade de vida às populações é um dos principais objectivos deste projecto. Esta transformação dos Parques vai permitir criar mais espaços verdes tornando os parques num local onde as crianças e os jovens possam brincar e ocupar os tempos livres. O projecto de Requalificação dos Parques Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro foi aprovado, no âmbito de uma Candidatura ao eixo ON2, do Programa Operacional Regional do Norte, intitulado Parcerias para a Regeneração Urbana, com um investimento elegível total de 9.383.500 Euros, cujo financiamento de Fundos Estruturais Europeus corresponde a 80% e uma Contrapartida Local correspondente a 20%. Esta obra assenta numa estratégia mais alargada de renovar, requalificar, regenerar e reorganizar a cidade e o concelho, apostando na instalação e criação de novas Infra-estruturas e equipamentos, na reestruturação e dinamização económica, no apoio e acção social, promoção da saúde e desporto e na descentralização e diversificação da oferta cultural. Para conhecer este futuro próximo da Trofa, a Câmara Municipal convida a população da Trofa a descobrir os futuros Parques da cidade da Trofa e toda a estratégia envolvente a este projecto. Colectores Solares Térmicos na Habitação Socialhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=121O Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, explicou no Telediário, do Porto Canal, de 9 de Fevereiro, as vantagens da instalação de colectores solares térmicos na habitação social. Se desejar poderá ver aqui a intervenção.Documento de Referência para a Eficiência Energética da Iluminação Públicahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=119A Estratégia Nacional de Energia 2020 engloba um conjunto alargado de programas e medidas consideradas fundamentais para alcançar os objectivos da eficiência na utilização final de energia e dos serviços energéticos. A eficiência energética na Iluminação Pública (IP) constitui um desses programas. Em Portugal, a iluminação pública é responsável por 3% do consumo eléctrico total, sendo que os respectivos custos energéticos constituem, em alguns casos, mais de 50% nas despesas dos Municípios com energia, verificando-se nos últimos anos uma tendência de aumento análoga à melhoria dos níveis de iluminação da região (cerca de 4 a 5% por ano). Existem no mercado diversas soluções e tecnologias que permitem melhorar a eficiência energética da IP, facilitando uma gestão mais eficiente. Estes sistemas podem também permitir economias directas nos consumos de energia e/ou levar a um aumento da vida útil das lâmpadas, permitindo uma redução dos custos de manutenção das instalações de IP. O potencial de redução de consumos com IP pode chegar aos 700GWh/ano (redução de consumos de CO2 de 260.000 ton/ano). Nesse sentido, a Secretaria de Estado da Energia e da Inovação, no Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, em parceria com a RNAE- Associação das Agência de Energia e Ambiente, a ADENE - Agência para a Energia, a EDP Distribuição, o Lighting Living-Lab em Águeda, o CPI - Centro Português de Iluminação Pública e a Associação Nacional de Municípios - ANMP, promoveu o desenvolvimento de um manual de boas práticas para a melhoria do desempenho energético da IP. Com o documento agora editado pretende-se uma efectiva redução dos consumos de energia associados à iluminação pública sem perda dos níveis de efectivos de iluminação adequados a diferentes situações. Consulte aqui o documento.Presidente do Conselho de Administração na Antena 1 http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=117O Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, participou no programa 'Portugal em Directo', da Antena 1, do passado dia 1 de Fevereiro. Se desejar, poderá ouvir aqui a intervenção.Presidente do Conselho de Administração no Porto Canalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=118O Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, participou no programa 'Porto Alive', do Porto Canal, do passado dia 1 de Fevereiro. Se desejar, poderá ouvir aqui a intervenção.ManagEnergy Newsletter - January 2011http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=115Já foi publicada a edição de Janeiro da ManagEnergy Newsletter. Se desejar poderá consultá-la aqui.Bairro faz do sol energia há 15 anoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=59Há 15 anos foram colocados painéis solares num bairro social em Vila do Conde, passando os moradores a gastar menos dinheiro nas facturas do gás e da electricidade. Leia aqui a notícia completa.Programa Intelligent Energy Europe vai apoiar 44 novos projectos de renováveis e eficiência energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=113Das 349 propostas de projectos ao programa Intelligent Energy Europe (IEE) em 2010, 44 foram escolhidos e estão agora, e até Março, em fase de negociações para usufruírem dos apoios europeus. Ao todo, para 2010 estavam disponíveis 58 milhões de euros destinados a projectos que contribuíssem para um maior uso das energias renováveis e para aumentar os níveis de eficiência energética na Europa. As propostas recebidas foram apresentadas por cerca de três mil organizações dos 27 Estados-Membros, mas também da Islândia, Liechtenstein, Noruega e Croácia. Perto de metade das candidaturas foram apresentadas por pequenas e médias empresas, seguidas por um número substancial de autoridades públicas e organizações não governamentais. De entre os projectos seleccionados, nenhum com coordenação portuguesa foi escolhido. O IEE tem como missão reforçar os esforços da União Europeia para cumprir com as suas metas energéticas de 2020 e garantir um fornecimento de energia seguro e competitivo ao nível económico enquanto combate as alterações climáticas. Seguindo estas temáticas principais, todos os anos são definidas áreas de actuação e lançadas candidaturas para novos projectos. O programa decorre desde 2007 e até 2013, dispondo de um orçamento total de 730 milhões de euros e cobrindo até 75% dos projectos escolhidos. De acordo com a Comissão Europeia, até hoje foram apoiados aproximadamente 450 projectos no âmbito do IEE. Projecto Europeu SUNFLOWER http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=120O Instituto de Engenharia Mecânica (IDMEC), Pólo do Instituto Superior Técnico, através do Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável (RGESD), é parceiro do projecto Europeu SUNFLOWER (Working towards Sustainable Energy Communities throughout Europe) financiado pelo programa Intelligent Energy Europe, da Comissão Europeia. O projecto é coordenado pela Câmara Municipal de Moura e tem como objectivo a promoção, disseminação e implementação de acções baseadas na produção de energia utilizando recursos energéticos renováveis que contribuam para o desenvolvimento sustentável de uma comunidade. Ao longo do projecto pretende-se também juntar stakeholders, decisores políticos e investidores de forma a ultrapassar as barreiras existentes à criação de um mercado de energias renováveis, com o intuito de facilitar o desenvolvimento de projectos a nível local e regional. Com este projecto pretende-se também envolver recém-licenciados e jovens empreendedores no desenvolvimento regional e local através da criação de novas empresas. Neste âmbito, organizaram-se duas sessões de formação dirigidas a este público, com o objectivo de desenvolver know-how para a criação de empresas na área das energias renováveis. O website do projecto é: http://www.sunflowerproject.euRegulamento para a gestão do Fundo de Eficiência Energética aprovado http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=114O Governo aprovou no início desta semana o regulamento para a gestão do Fundo de Eficiência Energética (FEE), cuja criação está prevista na lei desde Maio do ano passado (DL nº50/2010), fazendo parte das medidas do Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE). O FEE terá uma dotação inicial de 1,5 milhões de euros, conforme previsto anteriormente, e visa três objectivos fundamentais: incentivar a eficiência energética, apoiar projectos de eficiência energética em áreas onde até agora esses projectos ainda não tinham sido desenvolvidos e promover a alteração de comportamentos nesta matéria. A Portaria nº26/2011, que entrou em vigor no dia seguinte à sua publicação em Diário da República, ou seja, a 11 de Janeiro, "estabelece o regime de apoio financeiro às medidas e programas elegíveis pelo FEE", com o objectivo de "coordenar os processos de financiamento e apoio a projectos enquadrados nos critérios do artigo 4º que visem a implementação de programas e medidas que conduzam à redução da procura de energia final de uma forma energeticamente eficiente e optimizada, contribuindo para o cumprimento dos objectivos nacionais em matéria de metas de eficiência energética". De acordo com o artigo 4º, o FEE vai apoiar projectos que conduzam à concretização directa das medidas definidas no PNAEE, projectos de eficiência energética adicionais ao PNAEE e que contribuam para os mesmos objectivos, prevendo-se ainda que os regulamentos específicos de cada medida possam vir a estabelecer outras condições de elegibilidade. O FEE vai contar com três períodos de candidaturas por ano, a realizar a 28 de Fevereiro, 30 de Junho e 30 de Outubro, "caso se justifique". A aceitação, avaliação, selecção e aprovação das candidaturas ficará ao cargo da comissão executiva do PNAEE, definida em Dezembro passado pela Portaria nº 1316/2010. Esta comissão vai ser composta por representantes de várias entidades, entre elas a Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG), o Comité Executivo da Comissão para as Alterações Climáticas (CECAC), a Direcção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF), a ADENE, o Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), etc.. A nomeação dos membros para esta comissão deverá acontecer até ao final de Janeiro. No âmbito das atribuições de gestão técnica do Fundo, esta fica também ao cargo da comissão executiva, remetendo-se a gestão de tesouraria e de outros eventuais activos financeiros para a DGTF. O FEE foi uma das medidas previstas no PNAEE em 2008, lançado no sentido de ajudar Portugal a cumprir as metas comunitárias definidas pela Directiva Europeia relativa à Eficiência na Utilização Final de Energia e aos Serviços Energéticos (2006/32/CE). O PNAEE prevê a poupança energética de pelo menos 1% anualmente até 2016 e "alcançar até 2015 a implementação de medidas de melhoria de eficiência energética equivalentes a 10% do consumo final de energia". Curso: Urbanismo e Sustentabilidade Ecológica - sistemas urbanos de baixo custo em carbonohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=122O desígnio da sustentabilidade ecológica apresenta um impacto particular nos sistemas urbanos. As restrições às emissões atmosféricas provenientes do sistema produtivo procuram escalas apropriadas de aplicação, sendo a escala urbana uma expressão privilegiada do metabolismo social que transforma recursos em resíduos e emissões. Falamos, por exemplo, das restrições estabelecidas pelo Pacote Energia-clima que dá continuidade ao Protocolo de Quioto. A obrigação de desenvolver e implementar modelos urbanos mais sustentáveis compromete todos os operadores urbanos responsáveis pela definição de políticas, especialmente, os políticos, gestores e planeadores urbanos. Deste modo, desencadeia uma série de questões a serem resolvidas para que os agentes que actuam no território abordem essa exigência com o enfoque mais adequado. Que temas devem ser considerados para potenciar a necessidade da sustentabilidade à escala urbana? Quais as opções e modelos disponíveis? Com que instrumentos, conceptuais e operativos, devemos enfrenta-los? Em que medida os instrumentos tradicionais de ordenamento urbano podem ser úteis? Que mudanças devem ser introduzidas para adequar esses instrumentos territoriais? Que outros instrumentos serão precisos para abordar a sustentabilidade à escala urbana? O curso pretende fomentar a interdisciplinaridade e a qualidade na investigação, reforçar a ligação ao tecido empresarial e social, a valorização económica e social e os acordos de cooperação com escolas e institutos, nacionais e internacionais. Curso Formação Contínua - 2011 28 Fevereiro a 8 Julho 2011 Coordenação Científica - Manuel Fernandes de Sá | Professor Catedrático, Presidente do Conselho Científico, FAUP - Albert Cuchí | Professor Arquitecto, Universidade Politécnica da Catalunha Coordenação do curso Alberto Lage | Assistente, FAUP Apoio institucional: - AdEPorto, Agência de Energia do Porto - ETSAV-UPC, Escola de Arquitectura de Vallès da Universidade Politécnica da Catalunha - OA e OASRN/Norte 41º, Ordem dos Arquitectos - Secção Regional do Norte Para obter mais informações, contacte: Secretariado Académico | Dr. Suzana Araújo Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Rua do Gólgota 512 4150-755 Porto PORTUGAL Telefone +351 226 057 100 Fax +351 226 057 199 use-info@arq.up.pt Decreto-lei assume meta de 31% de renováveis em 2020 e cria entidade para garantir origens http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=112O Governo publicou, a 31 de Dezembro, o Decreto-lei (nº141/2010) que transpõe parcialmente a Directiva Europeia para as Renováveis (2009/28/CE) e que fixa as metas nacionais de utilização de energia proveniente de fontes renováveis no consumo final bruto de energia em 31%. É criada ainda a Entidade Emissora de Garantias de Origem (EEGO), cuja responsabilidade foi atribuída ao Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG). De acordo com o decreto-lei, passa a ser possível para os "produtores de electricidade ou energia para A&A solicitar garantias de origem da energia produzida por si" à EEGO, estabelecendo o respectivo enquadramento legal destas garantias e regulando a actividade da EEGO. A EEGO entrou em funcionamento no início deste ano, refere o Decreto-lei. O consumo final bruto de energia proveniente de fontes renováveis é definido como o resultado da soma do consumo final bruto de electricidade e de energia para fins de aquecimento e arrefecimento (A&A) e de energia para transportes que tenham origem em fontes de energia renováveis. Para além da meta de 31%, foram também definidas metas intercalares de 22,6% para 2011 e 2012, 23,7% em 2013 e 2014, 25,2% em 2015 e 2016 e, finalmente, 27,3% para 2017 e 2018. Recentemente e no âmbito das metas europeias para as renováveis em 2020, análises feitas pela European Wind Energy Association (EWEA) e pelo European Renewable Energy Council (EREC) aos planos nacionais de acção para as energias renováveis (PNAER) entregues pelos Estados-Membros à Comissão Europeia no ano passado confirmam que a União Europeia deve conseguir ultrapassar ligeiramente os objectivos de 20% (20,7%). Dos 27, 15 países prevêem ultrapassar as suas metas internas, alguns com um excedente considerável: caso da Bulgária (+2,8%), Espanha (+2,7%), Grécia (+2,2%) e Hungria (+1,7%). Dez Estados-Membros vão cumprir as suas metas e apenas o Luxemburgo (-2,1%) e a Itália (-0,9%) informaram a Comissão de que só conseguirão alcançar as suas metas recorrendo aos mecanismos de cooperação (através de outro Estado-Membro). Portugal será um dos países que deverá cumprir os seus objectivos.A Sociedade Portuguesa de Energia Solar - SPES fez 30 anoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=110A Sociedade Portuguesa de Energia Solar, criada em 18 de Dezembro de 1980, celebrou no passado sábado em Lisboa o seu 30º aniversário. Na ocasião, e após uma leitura partilhada do contexto histórico do desenvolvimento da energia solar a partir de meados dos anos 50, com a criação da ISES (International Solar Energy Society) de que a SPES é subsidiária, do impulso que recebeu com as sucessivas crises do petróleo a partir de 1973 e, da experiência da 'autonomia' de vectores da energia solar como a energia eólica e a electricidade fotovoltaica, a SPES deliberou 'regressar' ao cerne da sua missão: a promoção do conhecimento científico, tecnológico e das boas práticas com especial atenção à educação e informação sobre a energia solar e a energia, em geral, e com particular empenho nos valores da sustentabilidade energética. Os novos corpos sociais eleitos contam com Maria Teresa Ponce Leão, Eduardo de Oliveira Fernandes e Carlos Pimenta como presidentes, respectivamente, da Assembleia-Geral, do Conselho Director e do Conselho Fiscal.Nova Linha Laranja (F) - Metro do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=105A sexta linha do Metro do Porto entra em operação comercial regular a 2 de Janeiro de 2011. São 10 novas estações, 4 parques e 7 quilómetros a somar à rede, ligando a Senhora da Hora a Fânzeres. Antes disso, haverá ainda um período de viagens experimentais gratuitas, em datas a anunciar brevemente. A abertura da Linha Laranja (F) marca uma nova etapa na história do Metro do Porto e no dia-a-dia dos habitantes do concelho de Gondomar. O Metro do Porto volta-se assim para a zona oriental da cidade e passa a disponibilizar um novo meio de transporte a dezenas de milhar de pessoas na Área Metropolitana, com um serviço cómodo, económico, rápido, eficaz e seguro. A Linha Laranja liga a Estação da Senhora da Hora e a Estação de Fânzeres sem necessidade de transbordo. As novas estações Contumil, Nasoni, Nau Vitória (as três no concelho do Porto), Levada, Rio Tinto, Campainha, Baguim, Carreira, Venda Nova e Fanzeres (Gondomar), estão equipadas com máquinas de venda e carregamento de títulos, validadores e novos suportes de informação ao público. Tempos de viagem A partir de Janeiro, uma deslocação de Fânzeres à Senhora da Hora passa a demorar cerca de 39 minutos e cerca de 18 minutos de Fânzeres ao Estádio do Dragão. Para chegar a Rio Tinto a partir do Estádio do Dragão, serão necessários apenas 9 minutos, de Fânzeres à Trindade uns 26 minutos e até à Casa da Música serão 30 minutos. O título de viagem necessário para ir de Fânzeres ou de Rio Tinto até à Senhora da Hora, Trindade ou Casa da Música será o Z3 (1,25 euros). Serviço A Linha Laranja (F) oferece o serviço de qualidade já conhecido dos clientes Metro do Porto. A pontualidade e a regularidade continuam a ser marcas dominantes da operação. O horário de funcionamento mantém-se. Durante 19 horas por dia (entre as 6H00 e a 1H00), 365 dias por ano, o Metro está em circulação. A frequência de circulação dos veículos na Linha Laranja será de 15 minutos (entre as 7H00 e as 21H00, nos dias úteis e aos sábados). Parques Metro A criação de parques de estacionamento públicos na generalidade das estações - sempre que tal é possível -, é um dos princípios inovadores da rede do Metro do Porto. Assim, nas estações de Campainha, Baguim, Venda Nova e Fânzeres estão disponíveis parques de estacionamento automóvel, gratuitos, com capacidade para acolher um total de 462 veículos. O objectivo é sempre aumentar a qualidade de vida e a mobilidade de toda a população da zona envolvente. Com o início das verificações técnicas - que irão prolongar-se até ao final deste ano -, o Metro passa a constituir um novo elemento no meio urbano, pelo que peões e automobilistas devem observar um conjunto de regras. A segurança é a maior prioridade do Metro do Porto: consulte, aqui, os cuidados que deve ter. Conheça, aqui, o traçado da nova linha. Assembleia-Geral aprovou o Plano de Actividades e Orçamento 2011http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=104A Assembleia-Geral da Agência de Energia do Porto aprovou, por unanimidade, o Plano de Actividades e Orçamento para 2011 na reunião que teve lugar, na passada sexta-feira, no auditório da Casa do Infante. Neste momento, a Agência de Energia do Porto conta com o Município do Porto, que foi o seu fundador, e com a participação dos municípios de Gondomar, Maia, Matosinhos, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila do Conde, entre os seus Associados. Valongo afirma poder juntar-se proximamente. A nova realidade da Agência de Energia do Porto representa um objectivo de primeira hora e, sobretudo, corresponde à dimensão e abrangência territorial que favorece a eficácia da acção de uma instituição deste domínio.Programa de Eficiência Energética na Administração Pública - Eco.APhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=106O Conselho de Ministros de 9 de Dezembro aprovou a Resolução que lança o Programa de Eficiência Energética na Administração Pública - Eco.AP, de forma a alcançar um aumento da eficiência energética de 20% até 2020. Esta Resolução cria o Programa de Eficiência Energética na Administração Pública, o Eco.AP. através do qual visa obter até 2020, nos serviços públicos e organismos da administração pública, um amento do nível de eficiência energética de 20%. O Eco.AP apoia-se nas melhores práticas internacionais, é um programa evolutivo, que se traduz num conjunto de medidas de eficiência energética para execução a curto, médio e longo prazo nos serviços, organismos e equipamentos públicos e que tem por objectivo alterar comportamentos e promover uma gestão racional dos serviços energéticos, nomeadamente através da contratação de empresas de serviços energéticos (ESE). Com a aprovação do Eco.AP o Governo toma, desde já, medidas susceptíveis de, a curto prazo, poderem conduzir à redução da factura energética nos seus serviços e organismos, decidindo cumulativamente estimular a economia através da criação do quadro legal das empresas de serviços energéticos (ESE) e da contratação pública de gestão de serviços energéticos. A Resolução permite, também estabelecer medidas que passam pela: i) criação da figura do gestor local de energia responsável pela dinamização e verificação das medidas comportamentais de eficiência energética em cada serviço ou organismo da Administração Pública, ii) implementação do barómetro da eficiência energética destinado a divulgar os consumos energéticos de todos os edifícios e serviços, iii) selecção em cada Ministério dos organismos ou serviços que representam os maiores consumos de energia a fim de iniciarem os procedimentos de contratação tendentes a aumentar a eficiência energética e a redução do consumo em 2011, iv) intervenção em todos os edifícios e serviços até 2013. A implementação desta Resolução irá contribuir para a concretização dos objectivos estabelecidos no Programa Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC), uma vez que, através da redução do consumo de energia, vai permitir a redução da emissão de gases com efeito de estufa, e tem sinergias óbvias com os planos sectoriais de baixo carbono que cada Ministério deverá elaborar até ao final de 2012.Decreto-Lei que estabelece o regime jurídico aplicável aos contratos de gestão de eficiência energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=107O Conselho de Ministros de 9 de Dezembro aprovou o Decreto-Lei que estabelece o regime jurídico aplicável à formação e execução dos contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar entre as entidades públicas e as empresas de serviços energéticos. Este Decreto-Lei estabelece um regime de contratação, por parte do Estado e demais entidades públicas, de serviços energéticos, com vista à implementação de medidas de eficiência energética nos edifícios públicos e equipamentos afectos à prestação de serviços públicos de modo a cumprir o compromisso assumido por Portugal, no contexto das políticas europeias de combate às alterações climáticas (Pacote Energia-Clima 2020), de aumentar em 20% a sua eficiência energética até 2020. Assim, este diploma consagra o papel que o sector público deve desempenhar no contexto da promoção de um mercado de serviços energéticos e da adopção de medidas de melhoria da eficiência energética. A contratação de empresas de serviços energéticos (ESE), mediante um processo concorrencial, permitirá que estas identifiquem potenciais poupanças energéticas nos edifícios e equipamentos públicos, e apliquem procedimentos com vista a potenciar ganhos de eficiência energética com reflexos na factura final de energia. O Decreto-Lei prevê, também, a instituição de regras procedimentais aplicáveis à formação e celebração dos contratos a celebrar com as ESE, com uma aposta clara num modelo de avaliação das propostas tão simplificado e objectivo quanto possível. Assim, com o objectivo de agilizar e conferir maior celeridade ao procedimento de formação dos contratos de gestão de eficiência energética a celebrar para cada edifício ou equipamento público, prevê-se, para a fase pré-contratual, a instituição de um ou vários sistemas de qualificação de operadores económicos, ficando as entidades seleccionadas habilitadas a participar nos posteriores procedimentos de formação de contratos. É ainda previsto, no diploma, que no caso de o edifício a concurso dispor já de uma auditoria energética, a entidade adjudicante possa dispensar algumas fases do concurso e adoptar um procedimento de formação dos contratos de gestão de eficiência energética apenas com convite e apresentação de propostas finais, a que se segue a adjudicação. Estes contratos promovem eficiência energética e não implicam a realização de investimento ou despesa pública.Sustainable Energy Europe Campaign Newsletterhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=116Consulte aqui o número de Dezembro de 2010 da Sustainable Energy Europe Campaign Newsletter.Agência de Energia do Porto na Projecto Casahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=109A Agência de Energia do Porto participou na segunda edição da Projecto Casa - Evento de Arquitectura e Design".Cerca de 12 mil visitantes passaram pela Exponor, durante os quatro dias de realização do certame, que decorreu de 25 a 28 de Novembro e contou com cerca de uma centena de expositores."Cidades Sustentáveis - II Jornadas Quercus de Arquitectura http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=108O painel 'Cidades Sustentáveis' encerrou, no passado Sábado, as II Jornadas Quercus de Arquitectura. Os 'Centros Históricos' constituíram a temática de arranque dos trabalhos, moderados pelo geógrafo José Rio Fernandes. Ana Pinho apresentou uma comunicação onde procurou demonstrar como a reabilitação de edifícios e de áreas urbanas contribui de uma forma mais alargada para o desenvolvimento sustentável. Ana Paula Delgado da Porto Vivo, SRU trouxe a conhecimento público como tem sido preparada a reabilitação do Centro Histórico do Porto, nomeadamente o caso da Sé. O Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, apresentou o projecto da RUTE - Rede Urbana de Energia Térmica. A ADENE esteve representada por Manuel Casquiço que centrou a sua comunicação nas questões da 'Eficiência Energética de Edifícios'. As 'Cidades Sustentáveis - Cidades do Futuro' foram o tema central da tarde, desta vez, com a moderação a cargo do geógrafo Álvaro Domingues. Luís Moya apresentou alguns exemplos de projectos que se podem obter numa rede contínua de espaços livres verdes como forma de matriz urbana. Seguiu-se a comunicação 'European Carbon Atlas - Apresentação do Contributo Português' por Brandão Alves. O principal objectivo deste projecto internacional consistiu em investigar, de entre uma rede de 19 países europeus, de que forma se podem alcançar reduções de emissões de C02 através do desenho e da gestão apropriados do ambiente urbano construído. Um estudo sobre o Porto foi apresentado pelos arquitectos Catarina Cadima e Luís Guimarães com o tema 'ECOVIA Oriental do Porto - um conceito integrado de urbanismo sustentável'. Expuseram as potencialidades e a possibilidade de aplicação concreta do conceito de ECOVIA através de um caso de estudo na área Oriental da Cidade do Porto. Este encontro constituiu oportunidade, ainda, para a apresentação de António Santos da IBM que se centrou nas 'Smarter Cities', um processo inovador de ver a cidade e as redes sociais. Para terminar, a apresentação do projecto das 'Natura Towers', com a explanação de todos os aspectos relevantes para uma arquitectura mais sustentável.ManagEnergy Newsletter - November 2010http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=103Já foi publicada a edição de Novembro da ManagEnergy Newsletter. Se desejar poderá consultá-la aqui.Roteiro Nacional de Baixo Carbono 2020http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=100Foi aprovada, no passado dia 11 de Novembro, a Resolução do Conselho de Ministros que determina a elaboração do Roteiro Nacional de Baixo Carbono 2020 e de planos sectoriais de baixo carbono, bem como do Programa Nacional para as Alterações Climáticas 2020. Esta Resolução formaliza o início dos trabalhos para o desenvolvimento de instrumentos importantes da política das alterações climáticas: o Roteiro Nacional de Baixo Carbono 2020 (RNBC 2020), os respectivos planos sectoriais de baixo carbono para cada ministério, e o Programa Nacional para as Alterações Climáticas para o período 2013-2020 (PNAC 2020). O RNBC 2020 é um instrumento orientador para a definição das políticas a prosseguir e as metas nacionais a alcançar em termos de controlo de emissões de gases com efeito de estufa, até 2020, de forma a colocar a economia nacional no sentido da sustentabilidade, da eficiência, e da competitividade. O PNAC 2020 identifica as políticas, medidas e instrumentos a adoptar, as responsabilidades sectoriais, o financiamento e o mecanismo de monitorização e controlo, tendo em vista dar resposta à limitação de emissões para os sectores não abrangidos pelo Comércio Europeu de Licenças de Emissão. Estes instrumentos são necessários como forma de garantir o cumprimento das obrigações de Portugal no âmbito da União Europeia, do Protocolo de Quioto da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas e das negociações em curso sobre o regime climático pós-2012, relativamente à redução de emissões de GEE, de aumento do recurso a fontes de energia renovável e de promoção da eficiência energética. Diário da República.Promoção da produção e aproveitamento de biomassa florestalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=101O Conselho de Ministros do passado dia 11 de Novembro aprovou o Decreto-Lei que estabelece as medidas destinadas a promover a produção e aproveitamento de biomassa florestal. Este Decreto-Lei insere-se na Estratégia Nacional para a Energia 2020, através da qual foi definida a aposta nas energias renováveis como forma de promoção do crescimento económico, do desenvolvimento tecnológico e de diminuição da dependência energética nacional. Assim, é estabelecido um conjunto de medidas para promover a produção e aproveitamento de biomassa (produtos, resíduos e detritos de origem biológica provenientes da floresta ou de outras plantações) nomeadamente pela definição de um incentivo à venda da electricidade associada ao cumprimento dessas medidas. O incentivo consiste no aumento da remuneração diferenciada da energia produzida nas centrais de biomassa, que é definido através de um coeficiente que passa do valor de 8,2 para 9,6. O diploma prevê, ainda, que para beneficiarem deste incentivo, as centrais dedicadas a biomassa florestal devem cumprir determinados deveres, nomeadamente a organização de sistemas de registos de dados que permitam avaliar, auditar e fiscalizar a tipologia da biomassa consumida na central, bem como a elaboração de um plano de acção visando a sustentabilidade a prazo do aprovisionamento das centrais e a coordenação dos programas de manutenção das centrais com o operador da rede de transporte. Estabelece-se, também, que a aplicação deste incentivo fica dependente, em especial, da entrada em exploração das centrais, até final de 2013 ou 2014, em casos especiais. Semana Europeia de Prevenção da Produção de Resíduos http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=102A Semana Europeia de Prevenção da Produção de Resíduos irá decorrer entre 20 e 28 de Novembro, com o apoio do programa LIFE+ da Comissão Europeia. Organizada pela Agência Portuguesa de Ambiente e tendo como parceiro a LIPOR - Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, esta iniciativa contemplará a realização de diversas acções no sentido de promover boas práticas e proporcionar a participação activa de todos os cidadãos. O grande objectivo é alertar os cidadãos para a necessidade de uma efectiva redução na produção de resíduos e para a criação de uma consciência contra o desperdício. A necessidade de se conceberem, adquirirem e utilizarem produtos duráveis, que não se tornem rapidamente em resíduos, terá de ser uma prática do quotidiano em prol da construção de um planeta mais sustentável e com melhor qualidade de vida. Durante esta Semana serão dinamizadas variadas iniciativas, estando o programa completo disponível em www.eunaofacolixo.com. O evento oficial de lançamento da Semana terá lugar no próximo dia 20 de Novembro, pelas 11 horas, na Rua de Santa Catarina no Porto) - BatucaMob. O BatucaMob é um evento que decorrerá no mesmo dia, à mesma hora, em vários países e cidades europeias: Espanha - Barcelona, França - Paris, Bélgica - Bruxelas, Portugal - Porto, entre muitos outros. Apareça, participe e leve instrumentos musicais reutilizados para o BatucaMob do Porto! Vamos fazer barulho pela Prevenção! O Ambiente agradece!APREN e Negócios debatem amanhã o futuro da Electricidade Renovávelhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=94O impacto do desenvolvimento do sector da electricidade nos diferentes sectores da economia portuguesa e as perspectivas de futuro desta área serão os temas fortes em debate na Conferência. José António Vieira da Silva, ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento será o orador da sessão de abertura, a que se seguirá um debate sobre o "Impacto Macro-económico das Energias Renováveis", com as participações de Aníbal Fernandes, da ENEOP, Gustavo Fernandes, da Martifer Solar, José Teixeira, do Grupo DST, Fernando Vaz, da Efacec e José Ricardo Rodrigues, da Portucel-Soporcel, que apresentarão os casos das suas empresas. O "Impacto das Energias Renováveis na Investigação" será debatido por João Abel Peças Lopes, do INESC Porto e por Paulo Ferrão, do MIT Portugal, enquanto o "Impacto na Economia Local e no Ambiente" serão apresentados por Artur Trindade, da Associação Nacional de Municípios Portugueses, Joaquim Borges Gouveia, da RENAE, e Nuno Lacasta, da Comissão para as Alterações Climáticas. Finalmente, o "Impacto no Mercado Financeiro e Serviços" será avaliado por Sérgio Monteiro, da Caixa BI Banco de Investimento, Miguel Moreno, da Tranquilidade e Diogo Horta Osório, da Cuatrecasas Gonçalves Pereira. Da parte da tarde, duas mesas-redondas debaterão as perspectivas a dez anos. José Perdigoto, da DGEG, Eduardo de Oliveira Fernandes, da Agência de Energia do Porto, António Sá da Costa, da APREN e Carlos Pimenta, da CEEETA, são os participantes no debate sobre a "Aposta para 2020", enquanto Victor Batista, da REN, Francisco Ferreira, da Quercus, Jorge Vasconcelos, da New Energy Solutions e João Manso Neto, da EDP, discutirão os "Desafios em 2020".Alargamento do âmbito territorial de acção da AdEPorto aprovado em Assembleia-Geralhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=98Na passada sexta-feira realizou-se a 9ª Assembleia-Geral da AdEPorto - Agência de Energia do Porto onde foi aprovada por unanimidade a admissão de novos Associados, nomeadamente, de Municípios da margem Norte do Rio Douro da Área Metropolitana do Porto e da Ordem dos Arquitectos - Secção Regional do Norte. O alargamento do âmbito territorial de acção da AdEPorto constituiu uma vontade manifesta desde a sua instalação, em Março de 2007, que o programa ON.2 permitiu concretizar através da apresentação da candidatura do projecto 'Agência de Energia Intermunicipal da Área Metropolitana do Porto Norte'. Assim, a Agência de Energia do Porto passará a contar também, para além do Município do Porto, com a participação dos municípios de Gondomar, Maia, Matosinhos, Póvoa do Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde, entre os seus Associados. Valongo afirma poder juntar-se proximamente. A nova realidade da Agência de Energia do Porto representa um objectivo de primeira hora e, sobretudo, corresponde à dimensão e abrangência territorial que favorece a eficácia da acção de uma instituição deste domínio.Alargamento do âmbito territorial de acção da AdEPorto em Assembleia-Geralhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=97Amanhã, dia 22 de Outubro, às 11 horas, irá realizar-se, na Casa do Infante, a 9ª Assembleia-Geral da AdEPorto - Agência de Energia do Porto com vista à admissão de novos Associados, nomeadamente, de Municípios da margem Norte do Rio Douro da Área Metropolitana do Porto e da Ordem dos Arquitectos - Secção Regional do Norte. O alargamento do âmbito territorial de acção da AdEPorto constituiu uma vontade manifesta desde a sua instalação, em Março de 2007, que o programa ON.2 permitiu concretizar através da apresentação da candidatura do projecto 'Agência de Energia Intermunicipal da Área Metropolitana do Porto Norte'. Assim, a Agência de Energia do Porto passará a contar também, para além do Município do Porto, com a participação dos municípios de Gondomar, Maia, Matosinhos, Póvoa do Varzim, Trofa, Santo Tirso e Vila do Conde, entre os seus Associados. Valongo afirma poder juntar-se proximamente. A nova realidade da Agência de Energia do Porto representa um objectivo de primeira hora e, sobretudo, corresponde à dimensão e abrangência territorial que favorece a eficácia da acção de uma instituição deste domínio.AdEPorto convidada para caso de estudo da Executive Agency for Competitiveness http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=96A AdEPorto - Agência de Energia do Porto foi uma das agências convidadas a participar num estudo da Executive Agency for Competitiveness & Innovation que teve como objectivo avaliar a relevância dos fundos comunitários nas agências de energia locais e regionais europeias. Além da AdEPorto, foram, no total, avaliadas 11 agências de energia de diferentes regiões da Europa em termos de estrutura de financiamento, estrutura institucional e pontos críticos no seu funcionamento, a saber: - Klimaschutzagentur Region Hannover, na Alemanha;- Agencia Municipal de la Energía de Málaga, em Espanha;- Arc de Seine Energie, em França;- Energy and Sustainable Development Agency em Modena - Itália;- Podkarparcka Agencja Energetyczna na Polónia;- Gävle Dala Energikontor na Suécia;- Pomurje Energy Agency na Eslovénia; - ALIenergy no Reino Unido;- Life Cycle Services of Buildings Unit na Finlândia; - REGEA North-west Croatia Regional Energy Agency na Croácia;- Energy Agency Plovdiv na Bulgária. Este estudo poderá ser consultado em pormenor no site ManagEnergy.Projecto Porto Gravítico - Joaquim Poças Martins em entrevistahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=111O Projecto Porto Gravítico começou a ser implementado em 2007 pela Águas do Porto. Consiste no abastecimento gravítico de água a toda a Cidade, sem recurso a sistemas de circulação forçada, ou seja, sem utilização de energia eléctrica para bombear a água dos eixos principais para os reservatórios existentes. O abastecimento de água à Cidade do Porto realiza-se através de 2 eixos adutores principais: um a Norte, através da Circunvalação, e outro a Sul que abastece o reservatório de Nova Sintra.O projecto permite uma redução nos custos anuais na ordem dos 1,1MEUR e estima-se que anualmente o consumo eléctrico seja reduzido em 8 000 MWh o que equivale a 3 900 t de CO2 evitadas. Leia aqui a entrevista completa.Corrida de Carrinhos Solares encerra Semana Europeia da Mobilidade http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=93Os campos desportivos das instalações da Escola Secundária Filipa de Vilhena acolheram, ontem, a Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol'. Este passatempo foi promovido no ano lectivo passado junto dos alunos do 3º ciclo e ensino secundário da cidade no âmbito da Semana da Energia e do Ambiente co-organizada pela AdEPorto e pela autarquia portuense e que teve lugar em Maio último. Das 22 equipas que participaram na iniciativa apenas 8 compareceram para disputar os 3 lugares do pódio, procurando provar o desempenho dos seus veículos. Recorde-se que a 29 de Maio não foi possível realizar-se esta prova devido às más condições climatéricas pelo que a organização optou por agendá-la na Semana Europeia da Mobilidade. Depois de uma manhã tipicamente portuense, ao início da tarde o sol brilhou, possibilitando a realização da prova perante mais de meia centena de espectadores entusiasmados. O primeiro lugar do pódio foi ocupado pelo 'KIT Solar' construído pelos alunos: Catarina Botelho, Daniel Fernandes, João Ferreira, Paulo Fernandes, Raul Gonçalves e Ricardo Ribeiro, com o apoio dos Professores José Calisto Gomes e Maria de Lourdes Leitão, da Escola Salesiana Colégio dos Órfãos do Porto, que em 17s e 75m percorreu os cerca de 17 metros da pista. O segundo lugar foi conquistado pelo 'Sun Shot' da Escola Secundária Rodrigues de Freitas. Os alunos Alexandre Granhão, Catarina Gomes, Hugo Ferreira e Joana Bencatel sob orientação da Prof. Maria Fernanda Viegas conseguiram percorrer a pista em 23s e 25m. O terceiro lugar do pódio voltou a ser do 'Thurster - O Pacote Sobre Rodas' que havia conquistado esta mesma posição no que diz respeito à concepção. A construção do 'Thurster' este a cargo de um grupo de seis elementos: Beatriz Vilarinho, Bernardo Machado, Carlos Teixeira, Francisco Pinto, Jessica Monteiro e Inês Villegas e foi igualmente orientada pela Prof. Maria Fernanda Viegas da Escola Secundária Rodrigues de Freitas. Relembra-se que a organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. No que diz respeito à concepção saiu vencedora a equipa orientada pela Prof. Ana Maria Neves, pertence à Escola Secundária Filipa de Vilhena que gentilmente foi a anfitriã desta corrida. O grupo constituído por cinco elementos: André Leal, David Faria, Jaime Pignatelle, Luís Ferreira e Tomás Pinto foi o responsável pela vitória do 'Black Arrows'. O segundo lugar foi para a Escola Secundária Aurélia de Sousa. André Almeida, Diogo Ivo Múrias, Henrique Lobo, Rodrigo Wandschneider e Tiago Peixoto com o apoio da Prof. Maria da Luz Carvalheira conceberam o 'Fire Blade'. Participaram, ainda, equipas da Escola Secundária António Nobre e das Escolas Básicas Pêro Vaz de Caminha, Nicolau Nasoni e Ramalho Ortigão. À Velocidade do Sol 2010 Concepção Corrida 1º 'Black Arrows' 1º 'KIT Solar' = 17s 75m 2º 'Fire Blade' 2º 'Sun Shot' = 23s 25m 3º 'Thurster - O Pacote Sobre Rodas' 3º 'Thurster - O Pacote Sobre Rodas' = 36s 31mConferência 'A Energia da Mobilidade'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=88No próximo dia 21 de Setembro irá realizar-se a Conferência A Energia da Mobilidade co-organizada pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto e pela autarquia portuense no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade que se assinala de 16 a 22 de Setembro. A conferência, com sessão de abertura marcada para as 17h30, contará com a presença do Vereador do Pelouro do Urbanismo e Mobilidade, Gonçalo Gonçalves, e terá lugar no Átrio dos Paços do Concelho. As intervenções estarão a cargo de Eduardo de Oliveira Fernandes da AdEPorto, que apresentará 'A Mobilidade no Plano de Acção para a Energia Sustentável do Porto', e de João Peças Lopes do INESC Porto, que apresentará 'A Perspectiva do Veículo Eléctrico nas Cidades'. A entrada na conferência é livre, mas está sujeita a inscrição prévia para o seguinte endereço de email: dmvp@cm-porto.ptConferência 'A Energia da Mobilidade'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=92O Átrio do edifício dos Paços do Concelho do Porto acolheu ontem a Conferência 'A Energia da Mobilidade' co-organizada pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto e pela Câmara Municipal do Porto no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade que se assinala de 16 a 22 de Setembro. A sessão de abertura esteve a cargo do Vereador do Pelouro do Urbanismo e Mobilidade, Gonçalo Gonçalves, que depois de dirigir palavras de agradecimento aos oradores, salientou a necessidade de, por um lado, se debaterem as questões relacionadas com a mobilidade urbana e, por outro, levar-se a cabo iniciativas de sensibilização da população. A primeira intervenção esteve a cargo de Eduardo de Oliveira Fernandes, Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, que recordou os compromissos da cidade do Porto junto da Comissão Europeia ao subscrever, em Fevereiro de 2009, o Pacto dos Autarcas. O Porto, a par de mais de 1800 cidades, está a trabalhar para superar os objectivos definidos pela UE para os Estados Membros para 2020 e que são: reduzir os GEE em mais 20%, reduzir o consumo energético em 20% através do aumento da eficiência energética e assegurar 20% das necessidades energéticas a partir de fontes renováveis. Para tal, está em elaboração o Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) que está em fase de apreciação pelos stakeholders. Nesta sessão foram relevados os principais projectos e intervenientes na vertente dos transportes e da mobilidade e a redução das emissões de CO2 que se prevê atingir com a sua implementação. A segunda intervenção foi conduzida por João Peças Lopes do INESC Porto, que apresentou 'A Perspectiva do Veículo Eléctrico nas Cidades'. Uma apresentação em que para além dos aspectos tecnológicos relativos a estes veículos, vantagens e desvantagens, se focou na questão do carregamento inteligente dos veículos para garantir a compatibilização e a minimização do impacto nas redes de transporte e de distribuição de electricidade e no sistema electroprodutor.EUSEW 2011 em preparaçãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=95A Semana Europeia da Energia Sustentável de 2011 já se encontra em preparação.Este ano realizar-se-á entre 11 e 15 de Abril, esperando reunir centenas de eventos organizados em toda a Europa mostrando, promovendo e discutindo a problemática da eficiência energética e das energias renováveis. No âmbito da EUSEW, todas as cidades estão convidadas a organizar um 'Energy Day' entre 11 e 15 de abril de 2011 (fim de semana antes e depois também são aceites). Esta inicitiva contempla qualquer evento que tenha como objectivo promover a eficiência energética e a energia renovável - a partir de exposições, conferências, eventos on-line, performances, visitas guiadas, portas abertas, oficinas, campanhas nos media, espectáculos, etc.. A cidade do Porto participa nesta iniciativa desde 2009, estando representada pela AdEPorto em Bruxelas e organizando um evento descentralizado localmente. Obtenha mais informações aqui. Poderá visitar o site www.eusew.org ou contactar o secretariado através do email: eusew@sustenergy.org Semana Europeia da Mobilidade 2010http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=91A Câmara Municipal do Porto irá assinalar, de 16 a 22 de Setembro, a Semana Europeia da Mobilidade (SEM 2010) com um programa que prevê diversas iniciativas. A AdEPorto - Agência de Energia do Porto associou-se à autarquia portuense co-organizando, no dia 21 de Setembro, pelas 17h30, no Átrio dos Paços do Concelho, a Conferência A Energia da Mobilidade. No dia do encerramento da SEM 2010, 22 de Setembro, pelas 14h30, a Escola Secundária Filipa de Vilhena irá acolher a Corrida de Carrinhos Solares, organizada no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol'. Este passatempo foi promovido ao longo do último ano lectivo junto dos alunos das Escolas Secundárias da cidade no âmbito da Semana da Energia e do Ambiente que teve lugar em Maio último. Os 22 carrinhos que participaram na iniciativa vão disputar os 3 lugares do pódio, procurando provar o desempenho dos seus veículos. Hoje foi instalada na Praça do General Humberto Delgado uma escolinha de trânsito e serão organizadas actividades radicais (escalada e slide). Na Praça da Liberdade serão disponibilizados simuladores de condução de risco: álcool e capotamento. Ainda no dia de arranque da SEM 2010 realizar-se-á, pelas 17h30, no Átrio dos Paços do Concelho, a Conferência Segurança Rodoviária no Porto, onde serão apresentados os resultados de um estudo sobre sinistralidade na cidade e terá lugar o lançamento da campanha Atenção, Todos Somos Peões!, resultado de uma parceria entre a Câmara Municipal do Porto e o Automóvel Clube de Portugal. Na sexta-feira, pelas 21h00, realizar-se-á um passeio de bicicleta pela cidade, Porto Bike Nocturno, que terá uma extensão de 20 km. Este evento já atingiu o limite de inscrições e contará com 240 participantes. No Sábado, dia 18 de Setembro, realizar-se-á, na Avenida dos Aliados, uma exposição de soluções de mobilidade inovadoras que contará com a presença de diversas instituições/empresas. Vai ser possível aos visitantes efectuarem test-drives de carros eléctricos, scooters eléctricas, bicicletas eléctricas, skates eléctricos e segways. No Domingo, durante a manhã, na Praça da Liberdade será possível efectuar diversos rastreios e acções de prevenção na área da saúde. Pelas 10h30, realizar-se-á uma caminhada de 2,3 km, Porto a Caminhar, para a qual ainda se aceitam inscrições através do sítio da Câmara Municipal do Porto: www.cm-porto.pt. No dia 21 de Setembro, no âmbito do Projecto Europeu CiViTAS (www.civitas.eu), será inaugurada, pelas 15h00, uma Loja da Mobilidade na Asprela (ao Hospital de São João), o respectivo sítio na internet e o serviço de carpooling. Serão ainda inaugurados os sistemas de informação de transportes públicos em tempo real (percursos, horários, destinos, paragens, tempos de espera, etc.), instalados no Hospital de São João e na Faculdade de Medicina. A entrada nas conferências é livre, mas está sujeita a inscrição prévia para o seguinte endereço de email: dmvp@cm-porto.pt Apresentado Retrato da Biodiversidade da AMPhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=89A Área Metropolitana do Porto (AMP) tem já um Retrato da Biodiversidade da região, documento apresentado, recentemente, durante o Conselho Metropolitano de Vereadores do Ambiente. Pretende-se com este documento ajudar a traçar um ponto de situação sobre os espaços mais importantes, as espécies destacadas e alguns esforços levados a cabo para proteger a paisagem e a biodiversidade no território metropolitano. "É um documento da maior importância. Dá a conhecer os valores naturais e da biodiversidade desta região, pretendendo que todos assumam uma consciência maior para estes assuntos", frisa o Coordenador do Conselho e Vereador do Ambiente da Câmara Municipal do Porto, Álvaro Castello-Branco. O estudo envolveu, para além da Junta Metropolitana, a Universidade Católica. A sua responsável, Marta Pinto, declarou à TVPorto que "este tipo de trabalho é pioneiro. Não existia nenhum documento que sistematizasse toda informação. É de salientar o esforço da Área Metropolitana do Porto na preservação e conservação das áreas de biodiversidade existentes neste território. Agora, é preciso envolver todos os cidadãos na conservação destes sítios". A renovação energética de edifícios não pode ser negligenciadahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=87O sector da construção na União Europeia (EU) sublinha a necessidade de dar especial atenção aos edifícios na futura estratégia ou política de Eficiência Energética da EU. Depois do anúncio, em Julho, pelo Comissário da Energia, Günther Oettinger, da intenção da Comissão Europeia de adoptar uma nova estratégia ou plano de acção para a eficiência energética no início de 2011, o sector da construção publicou um documento que demonstra a necessidade de implementar metas ambiciosas e realistas para a renovação energética de edifícios. O documento afirma que sem se dar atenção imediata aos edifícios, será impossível atingir os objectivos da UE para reduzir as emissões de CO2 em 80-95% até 2050 comparativamente aos níveis de 1990. Esta iniciativa que reúne 'stakeholders' do sector da construção a nível europeu tem sido conduzida pelo Conselho de Arquitectos da Europa (ACE), com o objectivo de desenvolver um documento com propostas amplamente aceites para apresentar à Comissão Europeia, Parlamento Europeu e a outros decisores. A ideia é que as futuras deliberações contemplem estas propostas em matéria de poupança de energia no que se refere aos edifícios e às construções existentes. É reconhecida a necessidade de melhorar a eficiência energética da UE, apesar de já ser tarde para enfrentar o desafio de limitar o aquecimento global abaixo dos 2°C por comparação aos níveis pré-industriais. Na área específica da eficiência energética, a UE tem uma meta indicativa de 20% de poupança de energia para 2020. As estratégias e políticas da EU para o sector da energia devem ter como eixo central da acção a eficiência energética na reabilitação de edifícios existentes. Por outro lado, deverão ser potenciadas medidas de acompanhamento nas áreas afins, tais como um aumento da investigação, educação e formação, a capacidade de renovação e fabricação de sistemas de certificação para edifícios de alta qualidade, incentivos fiscais e financeiros, entre outras. O documento preparado pelo ACE poderá ser consultado em:http://www.ace-cae.eu/public/contents/getdocument/content_id/868Praias do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=90Rui Rio, acompanhado pelo Vice-Presidente da CMP, Álvaro Castello-Branco, e por Poças Martins, da Águas do Porto, hasteou simbolicamente na Praia da Luz uma das três bandeiras azuis atribuídas este ano às zonas balneares do Porto. As restantes bandeiras serão, agora, hasteadas pelos presidentes das juntas de freguesia de Nevogilde e Foz do Douro. Assim, as três bandeiras azuis com que as zonas balneares do Porto foram este ano contempladas abrangem um contínuo litoral, que vai da Foz ao Castelo do Queijo, englobando sete praias: Luz, Ingleses, Ourigo e Carneiro (Zona Balnear da Foz); Gondarém e Molhe (Zona Balnear de Gondarém) e Homem do Leme, a primeira a obter aquele estatuto e que dá nome à respectiva Zona Balnear. A praia do Castelo do Queijo ainda não o alcançou, uma vez que a solução para elevar a qualidade da sua água ultrapassa o âmbito exclusivo de competências do concelho do Porto. O Presidente da CMP corroborou Poças Martins, que tem assumido a liderança técnica do processo de recuperação das praias da cidade, quando este recordou que, antes de 2006, todas elas estavam pura e simplesmente interditas ao público, devido à sua forte poluição. De então para cá, tem vindo a ser desenvolvido um trabalho, profundo e sustentado, cujos resultados começaram a surgir logo em 2007, quando passou a ser possível frequentá-las em segurança, do ponto de vista sanitário, o que representou um avanço assinalável a nível ambiental, económico e social. "Tem havido uma melhoria em crescendo e os resultados têm sido cada vez melhores", salientou Poças Martins, assinalando que, neste momento, o índice de poluição é zero, o que já permite que a costa esteja a ser de novo habitada por estrelas do mar e robalos, além de outras espécies marinhas. Embora a adesão das populações tenha já sido apreciável ao permitir a ligação das suas casas ao saneamento, há ainda um caminho importante a percorrer a nível cívico, como destacou aquele perito, que não se cansa de alertar para que as pessoas não levem cães para as praias. Praias todas "azuis" até 2013 Por seu lado, o Presidente da CMP recordou a evolução que o processo tem vindo a conhecer, desde que em 2008 foi atribuída a primeira Bandeira Azul. O desafio - lembrou - é conseguir que, até 2013, todas as praias da cidade ostentem o símbolo distintivo de excelência, incluindo a do Castelo do Queijo, que, apesar de ainda não exibir essa chancela, pode perfeitamente ser frequentada do ponto de vista balnear.RNAE - Sessão de Assinatura de Protocolos de Colaboraçãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=86Decorreu no passado dia 27 de Julgo uma sessão de assinatura de protocolos de colaboração entre a RNAE - Associação de Agência de Energia e Ambiente - Rede Nacional e diversas entidades e empresas do sectores energético e ambiental, nomeadamente: ABAE, ADENE, APEA, APEMETA, APISOLAR, APVE, Biological, CPI, Ecochoice, EnergiaViva, GalpEnergia, GEOTA, IrRadiare, iSBS, i-Sete, PlanetAzul, Quercus e TerraSystemics. A sessão contou com a presença de mais de 90 participantes sendo que na mesa de honra estiveram: Professor Manuel Laranja, assessor do Secretário de Estado da Energia e da Inovação, Dr. Lino Ramos, Vereador da Câmara Municipal de Sintra, Eng.º Ângelo Correia, Presidente da Mesa da Assembleia Municipal de Sintra, Professor Delgado Domingos, Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da RNAE, e Professor Borges Gouveia, Presidente da Direcção da RNAE. A formalização destas parceria, com vista à promoção, fomento e desenvolvimento de actividades e iniciativas conjuntas e de interesse mútuo, trará certamente mais e melhores oportunidades de cooperação e de contributo para as metas definidas nos planos e estratégias energético-climáticas definidos para Portugal e para a Europa. Lipor - Um Caminho de Sustentabilidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=85A salvaguarda do Ambiente, desde sempre tem preocupado a Lipor, tendo assumido nestes últimos anos um papel activo na implementação de projectos e iniciativas com vista a um desenvolvimento mais sustentado da região, nomeadamente promovendo programas na área da gestão de resíduos sólidos, que permitem um cada vez maior aproveitamento das potencialidades dos Resíduos, designadamente na Reciclagem e na Compostagem. Por outro lado, cada vez mais as preocupações da Lipor têm ultrapassado a perspectiva imediata do ambiente para se concentrarem também nas questões sociais, trabalhando diariamente para atingir a Sustentabilidade da organização, evoluindo no sentido de alcançar a justiça social, uma economia forte e sustentada e, claro está, a protecção ambiental na região do Porto. Numa época em que a sociedade e o tecido empresarial vivem uma situação em que nada é garantido e as premissas globais se alteram todos os dias, sendo disso exemplo, o clima de crise em que nos encontramos; a deslocalização empresarial; as alterações climáticas; o aumento do fosso entre as classes sociais; e o esgotamento dos recursos naturais, entre outros, cabe às organizações de vanguarda tomarem um caminho que permita inverter esta situação e tornar a colocar o equilíbrio entre recursos gastos e resultados obtidos, contribuindo assim para o futuro de todos. Para a Lipor, esta urgência é tanto maior quanto actuamos numa área sensível, com estreita ligação a questões sociais, a questões de salubridade e de saúde pública.A forma de encarar o futuro tem que, necessariamente, considerar cada vez mais o longo prazo e o papel da sociedade como um todo, implicando uma mudança da nossa visão e da nossa estratégia. Não podemos esperar que os nossos problemas sejam resolvidos por outros, temos que ser nós próprios a caminhar na direcção certa e a ser os agentes motivadores de mudança, na nossa comunidade e na sociedade.Esta Visão do Conselho de Administração da Lipor assenta em princípios fundamentais e de futuro, essencialmente a Inovação, o Espírito de Iniciativa e o Exemplo. Neste sentido, tem sido promovido e desenvolvido um grande número de projectos, em diversas áreas, que têm, aos poucos, transformado a organização e melhorado significativamente o seu desempenho.Estes projectos abarcam diversos sectores estratégicos, desde a Área Técnica de Gestão de Resíduos, à Inovação, ao Controlo de Gestão, até à Educação e Sensibilização Ambiental e à Economia Social. Uma vez que o Relatório de Sustentabilidade pretende ser uma ferramenta que permita comunicar e apresentar o desempenho e o caminho percorrido em direcção à Sustentabilidade, a sua leitura permitirá descobrir todos os projectos desenvolvidos e como estes afectam o nosso crescimento e desenvolvimento, bem como os principais indicadores de desempenho da Lipor. Pode, ainda, conhecer todos os projectos da Lipor e iniciativas em pormenor explorando a página na internet www.lipor.pt bem como as páginas específicas de alguns destes projectos.Plano de Acção para a Energia Sustentável - PAES do Município do Porto http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=84A AdEPorto entregou recentemente à autarquia portuense o Relatório Preliminar do Plano de Acção para a Energia Sustentável - PAES do Porto elaborado no âmbito do Pacto dos Autarcas. O PAES elenca as acções relevantes para a energia sustentável, no espaço da iniciativa do Município e dos outros stakeholders, que em conjunto contribuirão para o objectivo da redução de emissões de CO2 na cidade em 20% no ano de 2020, relativamente a 2004 (ano de referência do diagnóstico energético - Matriz Energética do Porto). O Pacto dos Autarcas, promovido pela Comissão Europeia, é uma iniciativa de cooperação e responsabilização das autarquias e dos seus dirigentes, acompanhada e monitorizada, que cria um conjunto de compromissos fazendo dos autarcas dinamizadores da sustentabilidade energética das cidades. A Câmara Municipal do Porto assinou o Pacto dos Autarcas em Fevereiro de 2009, depois da sua adesão ter sido aprovada por unanimidade em reunião de executivo.A elaboração do Plano de Acção para a Energia Sustentável para a Cidade do Porto seguiu a metodologia proposta pelo Pacto dos Autarcas, adaptada à realidade socioeconómica local e fazendo as melhores estimativas sobre a sua evolução até 2020 e sobre o seu reflexo na energia usada, quer em natureza quer em quantidade, com as simplificações e os riscos associados a este tipo de estudo.O PAES elenca medidas concretas quantificando a energia envolvida e as emissões de CO2 correspondentes. Este plano estrutura-se de acordo com as regras e práticas próprias do sector energético estando organizado em: lado da 'oferta' e lado da 'procura', em que a primeira se refere, lato sensu, aos 'fornecedores dos vectores da energia final' e a segunda aos 'utilizadores dessa energia final'.O documento está em análise pela Câmara Municipal do Porto e pelos restantes stakeholder's e será posteriormente colocado a consulta pública.Observatório para a Sustentabilidade Energético-Ambiental dos Edifícios da Cidade do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=240Hoje, pelas 12h, o Vereador do Pelouro do Urbanismo da Câmara Municipal do Porto, Lino Ferreira, e o Presidente do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto, Eduardo de Oliveira Fernandes, vão assinar um protocolo que visa a implementação de um Observatório para a Sustentabilidade Energético - Ambiental dos Edifícios na Cidade do Porto. A cerimónia terá lugar na Sala D. Maria do edifício dos Paços do Concelho e contará, ainda, com a presença do Presidente da autarquia portuense, Rui Rio, bem como de Paulo Pinto de Almeida, Vogal do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto. O Observatório é uma unidade operacional externa ao processo de licenciamento que tem por missão verificar o desempenho energético-ambiental dos edifícios licenciados (novos ou grandes reabilitados) na cidade do Porto. Esta iniciativa, estruturante e, seguramente, pioneira em Portugal, visa salvaguardar que, desde a primeira hora da aprovação de uma nova intervenção no edificado, tudo seja feito, se possível indo além da aplicação da própria regulamentação, para que a gestão dos recursos energéticos nos edifícios contribua para a promoção do objectivo: Porto - Cidade Sustentável".TIC e Eficiência Energética: o Estado deve dar o exemplo http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=74A Administração Pública (AP) tem um enorme potencial de aumento da eficiência energética. Existem já bons exemplos, mas é preciso replicar e generalizar as boas práticas a todo o Estado. Induzindo, ao mesmo tempo, comportamentos mais sustentáveis ambientalmente na economia e na sociedade. O Executivo já está a preparar um novo programa nesta área. Só a factura energética do aparelho estatal é superior a 500 milhões de euros por ano, de acordo com um estudo apresentado em mais este debate da APDC. Está já em preparação uma actualização do Programa Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE). O anúncio foi feito hoje pelo Secretário de Estado da Energia e Inovação na sessão de abertura do Workshop "TIC e Eficiência Energética: o Estado deve dar o exemplo". Segundo Carlos Zorrinho, o aumento do contributo do Estado na área da eficiência energética é considerado uma prioridade. Até porque, segundo os resultados do PNAEE 2009, o contributo do Estado para a eficiência energética do País é um dos mais baixos entre os diversos sectores avaliados e ainda está longe do ideal. O Barómetro Permanente de Eficiência Energética, anunciado pelo Governo aquando da apresentação dos resultados do PNAEE 2009, vai ser alargado à AP segundo um plano de eficiência energética específico. Este incluirá o incentivo à minigeração e integrará um forte incentivo à introdução de sistemas inteligentes na gestão energética em edifícios públicos e escolas, nomeadamente através do programa Escolas Verdes. O projecto vai avançar nos próximos meses. Nos edifícios e escolas públicas serão também definidos programas específicos de promoção da eficiência no consumo de energia. O governante adiantou ainda que o Executivo quer regulamentar, até 2020, os contratos dos serviços de eficiência energética, com base na garantia de resultados, seguindo as boas práticas internacionais. E envolvendo toda a sociedade neste desafio. Carlos Zorrinho salientou a importância das TIC na área da sustentabilidade ambiental. "A capacidade de liderança tecnológica é absolutamente crítica para podermos atingir os objectivos que pretendemos. Ter redes e soluções interligadas é uma aposta fundamental que garante a sustentabilidade do modelo de eficiência energética", referiu. "O Estado quer dar e vai dar o exemplo. E a APDC é um forte estímulo para que essa ambição se realize". Também Diogo Vasconcelos, presidente da APDC, que fez a sua intervenção através de videoconferência, destacou o muito trabalho que há para fazer na área da AP em termos de eficiência energética. Tendo algumas das melhores práticas nesta área, há que estendê-las a toda a AP. E faz um "apelo para a acção. Temos de ganhar escala para se conseguir que Portugal tenha na AP um grande exemplo de eficiência energética. Foram aprovados recentemente os planos de crescimento europeu para a próxima década, no Europa 2020. Para impulsionar o crescimento inteligente e sustentável. E isso passa necessariamente pelas TIC e pela eficiência energética." Para o líder da APDC "é necessário, mais do que nunca, reforçar o investimento em inovação. Numa altura de crise, devemos focar-nos no que é essencial, na preparação do futuro e das novas fontes de crescimento. Na capacidade de gerar novas oportunidades para a AP e as empresas. Há que impulsionar para dar escala à eficiência energética pública em Portugal". Estudo APDC: 500 milhões anuais de factura energética De acordo com um estudo promovido pela APDC e liderado por Jorge Vasconcelos, presidente do grupo de trabalho da APDC TIC e Energia e perito responsável por este workshop no âmbito da sessão "Eficiência Energética na Europa e em Portugal", a factura energética da AP ultrapassa os 500 milhões de euros por ano. Neste trabalho realizado em colaboração com a ADENE e com a ANCP, só em iluminação pública, o nosso País gasta anualmente 150 milhões de euros. Acrescem mais 260 milhões de euros no consumo energético dos edifícios do Estado. No total, representam cerca de 9% do consumo de electricidade em Portugal. E os valores estão a crescer. Entre 1994 e 2008, o consumo de electricidade nacional cresceu 77%, mas nos edifícios do Estado a percentagem foi o dobro da média. A estes valores acrescem ainda os do consumo de energia em diversas áreas, como a frota automóvel do Estado ou dos data centers. Só os custos de refrigeração de um servidor representam hoje 50% do valor de aquisição do equipamento e vão chegar rapidamente aos 66%. O estudo conclui também que não existe informação suficiente e coerente que permita quantificar e caracterizar adequadamente o consumo de energia na AP, facto pelo qual se torna impossível monitorizar a evolução da eficiência energética pública de forma sistemática. Segundo Jorge Vasconcelos, "a promoção da eficiência energética na Administração Pública é parte integrante e importante das políticas nacional e da UE. Mas ainda há um longo caminho a percorrer". Só um incremento de 1% da eficiência energética na AP poderá significar menos 5 milhões de euros de impostos que o Estado tem de cobrar aos contribuintes. O estudo recomenda que no âmbito da AP, se proceda à recolha, tratamento e publicação regular de informação sobre o seu consumo de energia, nomeadamente quantidades, custos e padrões de consumo. É também apontada a necessidade de manter informação actualizada sobre os parques de edifícios, equipamentos e viaturas do Estado. E é lançado o desafio ao poder legislativo de definir indicadores de eficiência energética na AP central, regional e local, incluindo iluminação pública, bem como de promover comparações inter-sectoriais e inter-nacionais. Nesta sessão participou também Philip Lowe, Director-Geral de Energia, da DG da Comissão Europeia. Para quem esta altura de recessão Na Europa e de instabilidade monetária é a "altura para pensar de forma radical na maneira como usamos os nossos recursos. A mobilização das TIC para promover a eficiência energética e a economia de banco carbono". Com especial destaque na AP europeia. Mas, para concretizar esse objectivo, é necessário envolver toda a gente e ter dados fiáveis. "Precisamos de ter uma quantificação de quais as poupanças que são possíveis e a que níveis. Como ultimo objectivo, queremos criar na Europa um mercado para um melhor uso da energia. Com um pacote regulamentar e standards que levem as pessoas a adoptar medidas." Alexandre Fernandes, Director-Geral da ADENE - Agência para a Energia, abordou em detalhe os resultados das medidas nacionais tomadas nos últimos anos no âmbito do PNAEE. Problema de política e de iniciativa da AP O problema da eficiência energética é, sobretudo, "um problema de política. O incentivo já é um detalhe. E os comportamentos têm de ser induzidos". Esta é a opinião de Eduardo Fernandes, presidente da Agência de Energia do porto. Na sessão sobre "Eficiência Energética na Administração Local e Regional", abordou o caso concreto do Porto e das medidas que estão a ser tomadas. Para este responsável, os desafios das cidades são "a descoberta da energia como um novo valor de gestão urbana, o benchmarking e a superação dos prazos políticos. E a eficiência energética é "um desafio de conhecimento, de consciência, de perseverança e de objectividade". José Vieira, Director Regional da Energia da Região Autónoma dos Açores abordou também o caso concreto das medidas que estão a ser tomadas naquela região em termos de eficiência dos edifícios públicos. E José Simões, presidente da ISA, referiu-se ao projecto europeu "Safe Energy", assim como aos produtos desenvolvidos pela organização que integra. E garante que a tecnologia existe e não é um impedimento para termos melhores práticas em termos de eficiência energética. O foco tem de estar, para este responsável, mas políticas públicas. A "Eficiência Energética na Administração Central" foi analisada na sessão seguinte. Teresa Ponce Leão, presidente do LNEG, apresentou o caso concreto do projecto de eficiência energética na Presidência da República, um exemplo pioneiro de adesão a tecnologias limpas. E Jorge Fernandes e Fraga Carneiro, da Parque Escolar, referiram em detalhe o projecto de requalificação do parque escolar português, que abrange 350 escolas, num processo a desenvolver até 2015. Só a intervenção em 205 escolas implicará um investimento da ordem de 2,5 mil milhões de euros. Alfredo Filipe, Director de Serviços de Instalações e Equipamentos da DGCI, abordou o projecto de modernização da DGCI ao nível informático, destacando que a redução de custos como principal motivação para as medidas de eficiência energética ainda tem muito peso na AP. Numa sessão moderada por Carla Pedro, gestora do projecto CUD na Cisco, Luís Quaresma, director Executivo de Energia e Utilities da Novabase, centrou a sua intervenção nos veículos eléctricos e na necessidade da sua adopção pelo Estado, que com uma frota de cerca de 30 mil veículos, pode exercer um efeito mobilizador sobre os demais sectores de actividade. Vários exemplos internacionais de eficiência energética na AP foram analisados na última sessão deste workshop. Foi o caso das embaixadas britânicas que, segundo Alexander Ellis, Embaixador do Reino Unido em Portugal, estão a tomar medidas de eficiência energética em todas as frentes, com o grande objectivo de poupança de custos. Para este responsável, "se não podemos medir, não podemos cortar e há que atacar o que tem mais impacto em termos energéticos. Se não pouparmos dinheiro, todo este esforço de eficiência energética não tem grande interesse para os meus chefes". Steve Whitworth, Change Director da Johnson Controls, e Sophia Flucker, HP Critical Facilities Services Mechanical Engineer, apresentaram vários exemplos de eficiência energética. Tal como Paulo Luz, Managing Director Financial Sector & Public Sector da Logica Iberia, que deixou bem patente que este não é de todo um problema tecnológico. As soluções existem. Jorge Moreira da Silva, do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, fez uma abordagem mundial e europeia da temática. Não tem dúvidas de que a eficiência energética assumirá um papel central nas políticas públicas de combate às mudanças climáticas. E que haverá necessidade de convocar a tecnologia, os compromissos políticos e os comportamentos para alcançarem metas cada vez mais ambiciosas. Há no entanto que assegurar que a economia do carbono gera competitividade e sustentabilidade. E não tem dúvidas de que" o Estado deve dar o exemplo: com um papel como legislador, fiscalizador e criador de um mercado competitivo e transparente". Mas "não chega legislar. É necessário que o Estado dê o exemplo e mostre que devemos estar dentro da lei com a melhor performance". Ver as apresentações. Sector da Energia - Que Oportunidades?http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=73Cerca de meia centena de representantes de empresas do sector das energias renováveis do Norte de Portugal participaram numa jornada de apresentação para profissionais do projecto europeu ER-INNOVA, organizada pela NET - Novas Empresas e Tecnologias, S.A. - Business and Innovation Centre do Porto (NET-BIC Porto). A jornada concluiu-se com a adesão de várias das empresas participantes ao projecto, as quais se somam às que NET - BIC Porto tinha recrutado já anteriormente, graças aos contactos que tem vindo a manter desde Março com associações empresariais do sector das energias renováveis e às PME galegas que foram captadas em jornadas similares à de ontem nas cidades espanholas de Ferrol e Ourense. A sessão técnica, que teve lugar no Auditório PROMONET, completou-se com as intervenções sobre o panorama das energias renováveis na Região do Norte de Portugal e a energia no âmbito do Programa Operacional Regional do Norte (ON2), e com um debate no qual os participantes tiveram oportunidade de colocar perguntas sobre ER-INNOVA, bem como questões pertinentes sobre o sector. O projecto ER-INNOVA foi apresentado pelo director geral de NET - BIC Porto, José de Almeida Martins, que explicou que é um projecto dirigido a incrementar a competitividade das pequenas e médias empresas do sector das energias renováveis que desenvolvem sua actividade na Euro-Região Galiza/Norte de Portugal. O objectivo é melhorar as condições de trabalho, o posicionamento no mercado e a capacidade das empresas para cooperar em projectos de envergadura mediante a implantação de ferramentas baseadas nas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e desenhadas especificamente para atender às suas necessidades, principalmente em relação ao sector de actividade no qual operam e à sua pequena dimensão. O projecto é co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) da União Europeia no âmbito do Programa Operativo de Cooperação Transfronteiriça Espanha - Portugal 2007-2013. Este é um projecto bianual (2009-2010) e conta com um financiamento total de 931.693,68 EUR, dos quais, 75% são provenientes do FEDER. O director geral de NET-BIC Porto explicou que no final de 2010 o projecto será materializado em benefícios importantes a longo prazo para as empresas: consolidar novas iniciativas empresariais nascidas na Euro-Região no âmbito do recente boom, graças a um contexto administrativo e sócio económico favorável das energias renováveis; apoiar as PME do sector para que possam contar, por um lado, com sistemas de gestão que lhes permitam ser competitivas, e por outro, com estruturas colaborativas que lhes permitam canalizar a sua inovação de forma coordenada; e impulsionar a criação de um sector de energias renováveis forte e competitivo que actue como agente catalisador na reconversão meio ambiental da Euro-Região Galiza/Norte de Portugal. As PME aderentes ao projecto entrarão numa fase piloto na qual serão formadas para utilizar as ferramentas TIC. Dois tipos de ferramentas Os empresários participantes na jornada foram informados da evolução do projecto, iniciado em 2009. Durante os primeiros meses, iniciaram-se os contactos com o tecido empresarial do sector das energias renováveis na Euro-Região mediante consultas directas ou através das associações. O objectivo deste processo foi conhecer em primeira-mão as necessidades e carências das PME de ambos lados da fronteira que desenvolvem sua actividade no sector, de forma a desenhar as ferramentas de apoio mais eficazes e úteis. Com o primeiro diagnóstico realizado iniciou-se o processo de desenho e desenvolvimento de dois tipos de ferramentas TIC em código aberto. O âmbito de actuação destas ferramentas será, em primeiro lugar, o da gestão interna para a optimização dos processos empresariais básicos, através de aplicações de escritório tais como sistemas de planeamento de recursos empresariais (ERP) e de administração da relação com os clientes (CRM). Em segundo lugar, ferramentas online orientadas para fomentar a cooperação em I+D+i e a venda por internet. O resultado será uma plataforma Web para a articulação de projectos colaborativos na área da investigação, do desenvolvimento e da inovação com o objectivo de impulsionar as transacções on-line entre os diferentes agentes que operam no mercado das tecnologias renováveis, com especial incidência na implantação da factura electrónica. Os parceiros do projecto são, além de NET-BIC Porto, a Associação de Empresas Galegas Adicadas a Internet e ás Novas Tecnoloxías (EGANET); a Fundação para o Fomento da Calidade Industrial e o Desenvolvemento Tecnolóxico de Galícia; e o Tecnópole (Parque Tecnolóxico de Galicia). Intervenções complementares O Presidente do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto (AdEPorto), Eduardo de Oliveira Fernandes, apresentou uma panorâmica das energias renováveis no Norte de Portugal, centrada na renovação do sector, nas perspectivas de evolução, com cenário de fim de século que aponta para 90% de produção de energia através de renováveis. Oliveira Fernandes abordou ainda os próximos passos que serão implementados na região, exemplificando com alguns projectos já implementados, sobretudo no que respeita ao aproveitamento da luz natural dos edifícios. Mário Rui Silva, membro da Comissão Directiva do ON2, apresentou os instrumentos de política regional que dão suporte ao investimento sustentável no sector, concretamente os relativos à energia no Programa Operacional Regional do Norte (ON2).Primeira fase do Parque Oriental foi inaugurada http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=75Os primeiros 10 hectares do Parque Oriental foram inaugurados pelo Presidente da Câmara Municipal do Porto, num acto público que contou, igualmente, com a presença de Álvaro Castello-Branco, Vice-Presidente da autarquia e responsável pelo Pelouro do Ambiente, e ainda do arquitecto Sidónio Pardal, autor do projecto. A parcela agora oficialmente aberta à população corresponde sensivelmente a um quinto da área total do Parque e a um investimento da ordem do milhão e meio de euros (sem contar com o valor dos terrenos e com os recursos do próprio município que para ali foram canalizados). Para Rui Rio, a inauguração, ao fim de muitos anos, desta primeira fase do Parque Oriental constitui "um momento importante" para a cidade, em particular para uma zona urbana bastante carenciada e deprimida, como tem sido o caso da de Azevedo/Campanhã, onde o Parque está inserido. A segurança e preservação deste espaço são questões que não preocupam particularmente o Presidente da CMP, que se mostrou convicto de que a população saberá cuidar de um espaço que é de toda a comunidade e que se encontra localizado nas imediações do Bairro do Lagarteiro, que em breve será alvo de profunda reabilitação. "O comportamento das pessoas depende, também, e muito, da atenção que os poderes públicos lhes dispensam", observou o autarca. "Ora, se estamos aqui a dar-lhes essa atenção que elas merecem, com certeza que as pessoas saberão retribuir, preservando este espaço criado e construído com dinheiro público", adiantou. Despoluição do Rio Tintoé o passo seguinte O processo de despoluição do Rio Tinto, que tem vindo a ser conduzido pela Águas do Porto , é um aspecto nuclear no desenvolvimento do Parque Oriental e que foi devidamente salientado quer pelo Presidente da Câmara, quer por Sidónio Pardal, autor do projecto. "Perspectivar o futuro é continuar a despoluir o rio, um trabalho que tem vindo a ser efectuado pela empresa municipal Águas do Porto, mas que necessita, também, da colaboração de outros municípios, designadamente do de Gondomar", vincou Rui Rio. Por seu lado, Sidónio Pardal chamou a atenção para necessidade da inserção do Parque Oriental na malha urbana do Porto. "O Porto tem no vale do Rio Tinto um espaço com uma poética e com uma memória de paisagem rural, que é sentida como algo que falta integrar no tecido da cidade", referiu o arquitecto. "Com esta simples obra, já pudemos assisitr à forma feliz como a população já se 'apropriou' do parque, mesmo antes da sua inauguração, com as crianças que ali já correm e brincam", notou. A "sinfonia" e o "concerto" Para o arquitecto paisagista, "nas últimas décadas assistiu-se a um declínio da actividade agrícola neste vale", o que, na sua óptica, implica agora promover e introduzir "as transformações necessárias com vista à sua integração, enquanto espaço nobre da cidade do Porto". Convidado a explicar o que quis dizer ao afirmar que se o Parque da Cidade - cujo projecto também assinou - é uma sinfonia, este é um concerto, Sidónio Pardal foi claro em descodificar a metáfora. "Num concerto, há sempre um determinado instrumento que prevalece. Há concertos para piano, para violino, etc. Neste caso do Parque, trata-se de um concerto para o rio", referiu."O vale e a estrutura do rio formam um elemento central do Parque Oriental, que ainda não está trabalhado, sendo por isso um desafio para os próximos anos, assim como a despoluição do rio Tinto, a cargo de uma equipa da empresa Águas do Porto, que tem trabalhado intensivamente para que nele voltem a existir trutas, como dantes acontecia", concluiu. Oficinas de Verão nos Centros de Educação Ambientalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=79O Pelouro do Ambiente e da Juventude da Câmara Municipal do Porto promove durante os meses de Verão diversas 'Oficinas', que se realizarão na rede de Centros de Educação Ambiental (CEA) do município. O programa conta com variadas actividades pedagógicas para toda a família, convidando ainda a que desfrutem dos espaços verdes envolventes aos cinco CEA: Quinta do Covelo, Parque de S. Roque, Núcleo Rural do Parque da Cidade, Parque da Pasteleira e Jardins do Palácio de Cristal. A participação nas 'Oficinas' requer inscrição prévia no CEA onde decorrerá, algumas são gratuitas e outras sujeitas a pagamento.Consulte aqui o programa.CMP e AdEPorto assinalaram o Dia Nacional da Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=70No âmbito da Semana da Energia e do Ambiente, a CMP e a AdEPorto assinalaram o Dia Nacional da Energia (29 de Maio) com a entrega de prémios, pela concepção e construção de carrinhos solares, às equipas participantes no Passatempo 'À Velocidade do Sol'. Durante a manhã de Sábado a Praça D. João I esteve muito animada com o público que se juntou a mais de uma centena de alunos e professores dos oito estabelecimentos de ensino da cidade que abraçaram este desafio. Recorde-se que, em Outubro, a CMP e a AdEPorto lançaram o Passatempo 'À Velocidade do Sol' - concepção e construção de carrinhos solares, dirigido aos alunos do 3º ciclo e do ensino secundário da cidade. A organização apenas forneceu um painel solar fotovoltaico e um motor, estando a concepção e a construção do carrinho a cargo do engenho das equipas participantes. Reunido o júri, saiu vencedora a equipa orientada pela Prof. Ana Maria Neves, pertence à Escola Secundária Filipa de Vilhena. O grupo constituído por cinco elementos: André Leal, David Faria, Jaime Pignatelle, Luís Ferreira e Tomás Pinto estava manifestamente satisfeito pela vitória do 'Black Arrows'. O segundo lugar foi para a Escola Secundária Aurélia de Sousa. André Almeida, Diogo Ivo Múrias, Henrique Lobo, Rodrigo Wandschneider e Tiago Peixoto com o apoio da Prof. Maria da Luz Carvalheira conceberam o 'Fire Blade'. O terceiro lugar do pódio foi para o 'Thurster - O Pacote Sobre Rodas' da Escola Secundária Rodrigues de Freitas. A Prof. Maria Fernanda Viegas orientou um grupo de seis elementos: Beatriz Vilarinho, Bernardo Machado, Carlos Teixeira, Francisco Pinto, Jessica Monteiro e Inês Villegas. Participaram, ainda, equipas da Escola Salesiana Colégio dos Órfãos do Porto, Escola Secundária António Nobre e das Escolas Básicas Pêro Vaz de Caminha, Nicolau Nasoni e Ramalho Ortigão. No programa estava prevista a realização de uma corrida entre os 22 carrinhos solares inscritos neste passatempo que devido às condições climatéricas acabou por não se realizar, mas que será agendada oportunamente. Seminário ENERGIA E SOCIEDADE - Inovação Tecnológica o Eficiência Energética o Cidades do Futurohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=72No âmbito das actividades paralelas à Ambinergia - Feira Internacional de Ambiente, Energia e Sustentabilidade, a AdEPorto e a Exponor co-organizaram o Seminário 'ENERGIA E SOCIEDADE - Inovação Tecnológica o Eficiência Energética o Cidades do Futuro' que contou com mais de 130 participantes inscritos. Dois painéis: Tecnologias e Sistemas Energéticos e Cidades e Desenvolvimento Sustentável foram os pilares temáticos deste encontro. As prelecções estiveram a cargo de oradores de reconhecido mérito em ambas as áreas, nomeadamente, Manuel Matos do INESC Porto, Jorge Vasconcelos da Newes, João Farinha Mendes do LNEG, Vítor Rodrigues da TÜV Rheinland Portugal, Jérôme Adnot vindo de Mines Paris Tech, Vítor Leal da FEUP e do MIT|Portugal, João Peças Lopes do INESC Porto, Roberto Pagani do Politecnico de Torino e, ainda, de Miguel Mata da COGEN. A abertura do Seminário esteve a cargo do Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes. Consulte aqui as intervenções Tecnologias e Sistemas Energéticos Perspectivas para as Tecnologias da Energia Manuel Matos, INESC Porto Tecnologias de Informação e Comunicação na Energia Jorge Vasconcelos, Newes Casos de Estudo Urgentes para Portugal Solar Térmico: Impacto no Balanço Energético João Farinha Mendes, LNEG Solar Térmico: Qualidade e Boas práticas Vítor Rodrigues, TÜV Rheinland Portugal Bomba de Calor Jérôme Adnot, Mines Paris Tech Iluminação Eléctrica Vítor Leal, FEUP e MIT|Portugal Automóvel Eléctrico João Peças Lopes, INESC Porto Cidades e Desenvolvimento Sustentável Smart Cities - O Caso do Porto Eduardo de Oliveira Fernandes, AdEPorto Planeamento, Urbanismo, Infra-estruturas e Energia Roberto Pagani, Politecnico de Torino Cogeração Urbana Miguel Mata, COGEN 'Festa do Ambiente' http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=71No próximo dia 2 de Junho, durante todo o dia vai comemorar-se antecipadamente o Dia Mundial do Ambiente nos Centros de Educação Ambiental do Município. A 'Festa do Ambiente' contará com mais de 2000 crianças que frequentam habitualmente os Centros de Educação Ambiental sendo, no entanto, aberta à participação de todos. Na 'Festa do Ambiente' haverá muita animação: jogos pedagógicos, peças de teatro, desfiles com materiais reciclados e animação circense - actividades estas que terão sempre como pano de fundo preocupações ambientais, como o consumo sustentável, o uso racional da energia, a separação de resíduos, a preservação de espaços públicos e a protecção da fauna e flora urbana.Destaques: Semana da Energia e do Ambiente http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=69A Semana da Energia e do Ambiente (SEA), uma iniciativa, promovida pela Câmara Municipal do Porto e a AdEPorto - Agência de Energia do Porto, que agrega as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho) já arrancou. O arranque da 3ª edição da SEA foi simultâneo à abertura da Ambinergia - Feira Internacional de Ambiente, Energia e Sustentabilidade na Exponor. De destacar, amanhã, no âmbito das actividades paralelas à Ambinergia, o Seminário 'ENERGIA E SOCIEDADE - Inovação Tecnológica o Eficiência Energética o Cidades do Futuro' cuja a entrada é livre, mas sujeita a inscrição (www.ambinergia.exponor.pt > Actividades Paralelas). Dois painéis temáticos: Tecnologias e Sistemas Energéticos e Cidades e Desenvolvimento Sustentável são os pilares deste encontro que contará com a presença de do Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, de Jérôme Adnot, vindo de Mines Paris Tech, Roberto Pagani, do Politécnico de Torino, Miguel Mata da Cogen, entre outros intervenientes de relevo em ambas as temáticas. No dia 29 de Maio, Dia Nacional da Energia, pelas 10 horas, na Praça D. João I, realiza-se uma Corrida de Carrinhos Solares no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol' - uma iniciativa promovida junto dos estabelecimentos de ensino da cidade.Semana da Energia e do Ambiente http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=68Entre 27 de Maio e 5 de Junho, a Câmara Municipal do Porto e a AdEPorto - Agência de Energia do Porto promovem, pelo terceiro ano consecutivo, a Semana da Energia e do Ambiente agregando as comemorações do Dia Nacional da Energia (29 de Maio) e do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho). O programa oferece um conjunto de actividades diversificadas, de carácter técnico, científico, lúdico, desportivo e pedagógico de modo a envolver todos os cidadãos. A comunidade escolar e docente terá oportunidade de participar em visitas à Casa Termicamente Optimizada e nas várias oficinas que decorrem, durante toda a semana, nos Centros de Educação Ambiental. Esta semana temática contempla ainda um seminário 'ENERGIA E SOCIEDADE - Inovação Tecnológica o Eficiência Energética o Cidades do Futuro' que se realizará no âmbito do programa de iniciativas paralelas à Ambinergia - Feira Internacional de Ambiente, Energia e Sustentabilidade a decorrer na Exponor de 27 a 30 de Maio. A entrada é livre, mas sujeita a inscrição (www.ambinergia.exponor.pt > Actividades Paralelas). No dia 29 de Maio, pelas 10 horas, na Praça D. João I, realiza-se uma Corrida de Carrinhos Solares no âmbito do passatempo 'À Velocidade do Sol'. O dia 2 de Junho será assinalado com diferentes actividades nos Centros de Educação Ambiental onde se comemorará o Dia Mundial do Ambiente e no dia 7 de Junho será inaugurado o Parque Oriental. Consulte aqui o Programa. Sessão de apresentação da Campanha Europeia de Energia Sustentável http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=67A AdEPorto promoveu, no Palacete dos Viscondes de Balsemão, uma sessão de apresentação da Campanha Europeia de Energia Sustentável (Sustainable Energy Europe Campaign). Esta Campanha é uma iniciativa da responsabilidade da Comissão Europeia desenvolvida no âmbito do Intelligent Energy Europe (programa europeu 'Energia Inteligente') ao abrigo do qual a AdEPorto - Agência de Energia do Porto foi criada. Lançada em 2005, esta iniciativa destina-se a apoiar a União Europeia na prossecução dos seus objectivos a nível de Política Energética para 2020 no domínio das fontes de energias renováveis, da eficiência energética, dos transportes menos poluentes e dos combustíveis alternativos. A apresentação esteve a cargo de David Crous Duran, um dos responsáveis pela Campanha, e contou com a presença de representantes de inúmeros Municípios, de outras agências de energia e de instituições associadas da AdEPorto. Seminário 'Viver Melhor em Condomínio'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=66No próximo dia 6 de Maio, pelas 14h30, a DECO, a AdEPorto - Agência de Energia do Porto e a ADENE, promovem o Seminário 'Viver Melhor em Condomínio', que terá lugar no Salão do Palacete dos Viscondes de Balsemão no Porto. Quem vive num condomínio partilha um espaço comum com os restantes moradores o que exige que todos respeitem um conjunto de regras, direitos e deveres indispensáveis a uma boa gestão e vivência diária. Este seminário tem como objectivo a sensibilização dos participantes para a importância da eficiência energética não só nos espaços comuns do condomínio mas, também, nas habitações. O aumento da eficiência energética poderá traduzir-se em benefícios tangíveis nas facturas energéticas das famílias e na melhoria da sua qualidade de vida, para além dos benefícios ambientais dai decorrentes. Este seminário destina-se, especialmente, aos administradores e gestores de condomínios que, enquanto decisores e orientadores, necessitam de actualizar e aprofundar os seus conhecimentos para um exercício pleno das suas funções. A participação é livre, no entanto, sujeita a inscrição através do email: deco.norte@deco.pt, fax: 222 019 990 ou telefone: 223 391 965. Consulte aqui o programa.Alterações Climáticas e Eficiência Energética na Escola Secundária de Alfenahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=82A Escola Secundária de Alfena promoveu no âmbito do projecto Twist - a tua energia faz a diferença", uma conferência sobre Alterações Climáticas e Eficiência Energética. Este encontro, moderado por Maria do Céu Tostão, contou com a participação de diversos oradores de várias instituições, nomeadamente, António Guerner Dias da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, de Paulo Calhau da ADENE, de João Vicente da DECO e de Emanuel Sá da AdEPorto.Para o grupo ""Twist"" a conclusão é que é ""necessário promover a participação de todos na defesa dos valores ambientais e na utilização mais eficiente da energia""."Estratégia Nacional para a Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=78A cerimónia de apresentação pública da Estratégia Nacional para a Energia, com o horizonte de 2020 (ENE 2020), realizou-se no passado mês de Março em Lisboa. O evento contou com a participação do Primeiro Ministro, José Sócrates, do Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Vieira da silva, da Ministra do Ambiente e do Ordenamento do Território, Dulce Pássaro, e do Secretário de Estado da Energia e da Inovação, Carlos Zorrinho. 'A ENE 2020 define uma agenda para a competitividade, o crescimento e a independência energética e financeira do país através da aposta nas energias renováveis e da promoção integrada da eficiência energética'. Estabelece como principais metas a redução da dependência energética face ao exterior para 74% em 2020 e a produção, nesta data, de 31% da energia final a partir de recursos endógenos. A ENE 2020 assenta sobre cinco eixos principais: - Competitividade, Crescimento e Independência Energética e Financeira; - Aposta nas Energias Renováveis; - Promoção da Eficiência Energética; - Garantia da Segurança de Abastecimento; - Sustentabilidade da Estratégia Energética. A implementação desta estratégia permitirá a Portugal cumprir os compromissos assumidos no contexto das políticas europeias de combate às alterações climáticas, onde se incluiu a redução do consumo de energia final em 20% e que 60% da electricidade produzida tenha origem em fontes renováveis. A Estratégia Nacional para a Energia 2020 foi aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 29/2010 e publicada no Diário da República nº 73 Série I de 15 de Abril. Álvaro Castello-Branco visitou obras do Parque Orientalhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=81O Vice-Presidente da CMP e Vereador do Ambiente, Álvaro Castello-Branco, visitou esta terça-feira as obras em curso no Parque Oriental, cuja primeira parcela, compreendendo uma área de 10 hectares, abrirá ao público no próximo mês de Junho durante a Semana da Energia e do Ambiente. Esta primeira parte corresponde a sensivelmente um quinto da área total do Parque e a um investimento de cerca de um milhão e 200 mil euros. Está localizada, parcialmente, na margem esquerda do Rio Tinto, que acompanha a Alameda de Azevedo. "Apesar de alguns contratempos relacionados com as condições meteorológicas que se fizeram sentir nos últimos meses, os trabalhos têm decorrido melhor até do que o previsto, o que nos permite ter a expectativa de podermos inaugurar oficialmente esta primeira parcela no início de Junho", confirmou o autarca. A ideia é, portanto - segundo referiu - criar, juntamente com o Parque da Cidade, dois grandes espaços verdes nucleares, que funcionem como pólos de atracção e de lazer, em duas zonas diametralmente opostas da cidade. Em termos de afluência, as perspectivas são as melhores. Como salientou Álvaro Castello-Branco, assim que o tempo começou a melhorar foram às centenas as pessoas que não resistiram a "invadir" o Parque aos fins-de-semana, mesmo antes da sua abertura. "Ora isto constitui um indicador de que o Parque Oriental será objecto de uma procura enorme, similar à do Parque da Cidade, tanto por parte da população local, como até de potenciais utilizadores oriundos de zonas mais afastadas, mas incluídas no perímetro geográfico da Área Metropolitana do Porto", acentuou. Concomitantemente aos trabalhos no terreno, está igualmente em curso a despoluição do Rio Tinto, prevendo-se que, em 2011, "já possa estar em condições aceitáveis". Como a construção de um parque desta natureza é um processo permanente e contínuo - como oportunamente foi sublinhado pelo arquitecto Sidónio Pardal, autor de ambos os projectos - Álvaro Castello-Branco não duvida de que a obra é para prosseguir ao longo de vários mandatos. "Vamos continuar a alargar o Parque até ao fim do nosso mandato, mas é óbvio que a obra é para continuar, por parte de quem vier a assumir responsabilidades na Câmara do Porto", concluiu.STCP ganha prémiohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=64A Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP) venceu o Prémio Acessibilidade aos Transportes do Instituto da Mobilidade e Transportes Terrestres.Rede Eurocities reúne-se no Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=65A Câmara Municipal do Porto, através do Europe Direct Porto, e a Porto Vivo, SRU receberam, durante os últimos três dias, o Grupo de Trabalho dedicado ao tema Regeneração Urbana, da rede Eurocities, a maior associação de cidades metropolitanas da Europa da qual o Porto é membro desde 1990. O grupo foi recebido, nos Paços de Concelho, pelo Vereador do Urbanismo, Gonçalo Gonçalves. O grupo, composto pelas cidades de Berlim, Oslo, Dresden, Preston e Haia, tem como objectivo o debate e troca de experiências no âmbito de projectos de regeneração urbana. O encontro no Porto, o terceiro do Grupo, teve enfoque no projecto de reabilitação da Baixa e Centro Histórico. O programa incluiu visitas a diferentes entidades e projectos que para ele contribuem, como sejam os casos da ADDICT, AdEPorto - Agência de Energia do Porto, Cidade das Profissões, Porto Digital, Fundação da Juventude, Universidade do Porto e a Porto Vivo, SRU. Conferência 'Sustentabilidade Energética e Boas Práticas para Eficiência do Consumo' http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=77A convite da Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento em Santo Tirso, a AdEPorto e a Lipor cooperaram na dinamização da Conferência 'Sustentabilidade Energética e Boas Práticas para Eficiência do Consumo' organizada no âmbito da participação daquele estabelecimento de ensino no projecto Eco-Escolas. Esta iniciativa dirigiu-se não só aos alunos e a toda a comunidade educativa, como também aos encarregados de educação e população em geral.Palestra 'Tu Controlas as Alterações Climáticas' http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=76A palestra 'Tu Controlas as Alterações Climáticas' estreou, no passado mês de Março, tendo como destinatárias três turmas do 9º ano da Escola EB 2/3 Francisco Torrinha. O ciclo de palestras 'A falar é que a gente se ambienta' é uma iniciativa da Câmara Municipal do Porto direccionada para os alunos do 9º ao 12º ano de escolaridade e engloba 6 palestras sobre diversos temas da actualidade. A realização de uma palestra pode ser solicitada em qualquer altura do ano lectivo. O objectivo é suscitar o debate e a reflexão, podendo, igualmente, constituir o ponto de partida para projectos temáticos a desenvolver ou como reforço pontual a uma disciplina. A AdEPorto - Agência de Energia do Porto e o LQAI - Laboratório de Qualidade do Ar Interior da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto desenvolveram os conteúdos técnicos de algumas das palestras, nomeadamente 'A Energia no nosso dia-a-dia', 'O Ar interior e o bem-estar' e a recentemente apresentada 'Tu Controlas as Alterações Climáticas'.CMP e Porto Vivo apresentaram Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=63A Câmara Municipal do Porto e a Porto Vivo, SRU - Sociedade de Reabilitação Urbana da Baixa Portuense, S.A. apresentaram o Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental aplicado à reabilitação de edifícios no Centro Histórico do Porto. A apresentação teve lugar, em sessão presidida pelo Vereador do Pelouro do Urbanismo da Câmara Municipal do Porto, Gonçalo Gonçalves, no quadro do Seminário 'Eficiência Energética na Reabilitação de Centros Históricos: o Caso do Porto', inserido no programa de conferências do IMOBITUR - VI Salão Imobiliário do Porto a decorrer na Exponor. O Guia de Termos de Referência foi desenvolvido pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto para a Porto Vivo, tendo sido elaborado por um grupo de trabalho que contou, ainda, com a colaboração técnica do Laboratório de Física das Construções da Universidade do Porto, liderado por Vasco Peixoto de Freitas, e de representantes da Direcção Regional de Cultura do Norte e da Sociedade de Reabilitação Urbana. Rui Quelhas, administrador executivo da Porto Vivo, salientou a importância deste documento para os promotores. Por seu lado, Jorge da Costa, em representação da Direcção Regional de Cultura do Norte, destacou a relevância do Guia na medida em que potencia a reabilitação sem desvirtuar as características que consignaram os edifícios como património cultural. De acordo com o Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, o documento agora divulgado valoriza as questões energético-ambientais dos edifícios reabilitados procurando assegurar a melhoria das condições de conforto a partir de judiciosa intervenção ao nível das condições construtivas e apontando soluções de energia menos emissoras de CO2 do que a electricidade, tais como o gás natural e colectores solares térmicos, no respeito dos valores culturais e patrimoniais de uma área classificada pela Unesco como Património Mundial da Humanidade. O Guia de Termos de Referência tem como ambição a criação de condições favoráveis à promoção de melhores soluções tecnológicas em correspondência com os novos valores do conforto e da sustentabilidade ambiental na Cidade do Porto, subscritora do Pacto dos Autarcas, tendo presente as condicionantes urbanísticas específicas e contribuindo, assim, para novas práticas no processo de reabilitação urbana do edificado. Para o Vereador do Pelouro do Urbanismo da autarquia portuense, Gonçalo Gonçalves, trata-se de um documento 'inovador' a nível nacional, que 'não pretende ser normativo, mas sim um manual de boas práticas, contribuindo assim para acabar de vez com o mito de não ser possível reabilitar bem, tratando ao mesmo tempo das questões relacionadas com a eficiência energética e com o ambiente'. A apresentação do Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental integrou, igualmente, o programa da European Union Sustainable Energy Week 2010 enquanto evento descentralizado realizado no Porto. Seminário 'Eficiência Energética na Reabilitação de Centros Históricos: o Caso do Porto' - comunicações apresentadas: Política Energética do Porto - a Reabilitação no Centro Histórico, Eduardo de Oliveira FernandesPresidente do Conselho de Administração da AdEPorto - Agência de Energia do Porto O Guia de Termos de Referência: Exemplo de Aplicação, Vasco Peixoto de FreitasLaboratório de Física das Construções - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Reabilitação de Edifícios do Centro Histórico do Porto Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental Notícia da TVPorto disponível aqui.Apresentação do Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=62A Câmara Municipal do Porto e a Porto Vivo - SRU promovem o Seminário 'Eficiência Energética na Reabilitação de Centros Históricos: O Caso do Porto' no âmbito do IMOBITUR, VI Salão Imobiliário do Porto, na EXPONOR, onde será apresentado o Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental aplicado à reabilitação de edifícios no Centro Histórico do Porto. Este Guia foi desenvolvido pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto para a Porto Vivo - SRU, tendo sido elaborado por um grupo de trabalho que contou ainda com a colaboração técnica do Laboratório de Física das Construções - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e de representantes da Direcção Regional de Cultura do Norte e da Porto Vivo - SRU. O Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental valoriza as questões energético-ambientais dos edifícios reabilitados procurando assegurar a melhoria das condições de conforto a partir de judiciosa intervenção ao nível das condições construtivas e apontando soluções de energia menos emissoras de CO2 do que a electricidade, tais como o gás natural e colectores solares térmicos, no respeito dos valores culturais e patrimoniais de uma área classificada pela Unesco como Património Mundial da Humanidade. Este documento tem como ambição a criação de condições favoráveis à promoção de melhores soluções tecnológicas em correspondência com os novos valores do conforto e da sustentabilidade ambiental na Cidade do Porto, subscritora do Pacto dos Autarcas, tendo presente as condicionantes urbanísticas específicas e contribuindo, assim, para novas práticas no processo de reabilitação urbana do edificado. A apresentação do Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental integra o programa da European Union Sustainable Energy Week 2010 enquanto evento descentralizado. Unanimidade marca a 8ª Assembleia-Geral da AdEPortohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=61Realizou-se a 23 de Março, no Palacete dos Viscondes de Balsemão, a 8ª Assembleia-Geral da AdEPorto - Agência de Energia do Porto, que contou com a presença de vinte e um representantes das vinte e cinco instituições Associadas, num grau de adesão que permanece imutável desde a primeira hora, há três anos, quando a AdEPorto foi criada. Na reunião, presidida por Álvaro Castello-Branco, foi aprovado o Relatório de Actividades e Contas 2009 e eleitos os órgãos sociais para o triénio 2010-2013, tendo as deliberações sido tomadas por unanimidade, a testemunhar o reconhecimento da actividade da Agência e o apreço pelo desempenho dos seus órgãos sociais. O Conselho de Administração, presidido por Eduardo de Oliveira Fernandes, integra ainda Manuel de Novaes Cabral, Paulo Pinto de Almeida e Fernando Leite, foi reconduzido. De salientar que, segundo os estatutos da AdEPorto, o mandato do Presidente do Conselho de Administração é coincidente e tem a mesma duração dos mandatos dos Órgãos Representativos do Município do Porto pelo que o Presidente já havia sido reconduzido no cargo de quatro anos por decisão unânime do Executivo da Câmara Municipal do Porto de 15 de Dezembro de 2009. A presidir à Mesa da Assembleia-Geral continuará Álvaro Castello-Branco, secretariado por Jorge Rui Freire de Sousa e Ana Paula Dias Delgado. O Conselho Fiscal, presidido por Luíz de Oliveira Dias, integra Maria Teresa Ponce de Leão e António Monteiro de Magalhães, em representação de António Magalhães & Carlos Santos, SROC. Do Conselho Consultivo a que presidirá Joaquim Poças Martins, fazem parte Alberto Barbosa, Alexandre Alves Costa, António Lacerda, Emídio Gomes, João Marrana, João Peças Lopes e Paulo Gomes. Nesta Assembleia-Geral foi tomado conhecimento de que, com o apoio da Junta Metropolitana, a AdEPorto irá preparar uma candidatura ao Concurso da ON.2 referente à 'Promoção e Desenvolvimento da Rede Territorial de Agências de Energia da Região Norte' para a criação da Agência de Energia que irá abranger os Municípios da Área Metropolitana do Porto a Norte do Rio Douro. Oficinas Sazonais de Primavera http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=80A edição Primavera da iniciativa "Oficinas Sazonais", promovida pelo Pelouro do Ambiente e da Juventude da Câmara Municipal do Porto, já tem programa definido. Durante este e os próximos meses de Abril e Maio, este programa contará com 38 actividades pedagógicas para toda a família com a possibilidade de desfrutarem dos espaços verdes envolventes aos cinco centros de educação ambiental do município. Como tem sido hábito nas edições anteriores as "Oficinas Sazonais" têm lugar nos cinco centros de educação ambiental - Quinta do Covelo, Parque de S. Roque, Núcleo Rural do Parque da Cidade e Parque da Pasteleira - e coincidem, maioritariamente, com os períodos de férias escolares ao longo do ano: Natal, Carnaval, Páscoa e Verão. Proporcionam o contacto com a natureza dos espaços verdes envolventes aos centros e a realização de oficinas temáticas com recurso à reutilização de materiais, imaginação e criatividade. Nesta edição junta-se a esta rede de equipamentos, a Quinta da Bonjóia, numa pareceria com a Fundação Porto Social, que se estenderá, brevemente, também aos Campos de Verão. Esta extensa oferta pedagógica desafia todos os interessados para que venham por exemplo aprender a fazer cosméticos ou detergentes naturais, decorar ovos de Páscoa, preparar um lanche florido, dar nova vida a velhas peças de vidro e de seda ou a aprender como se forma o arco-íris e a trovoada. A participação nas "Oficinas Sazonais" requer inscrição prévia no centro de educação ambiental onde decorre. O programa detalhado das Oficinas Sazonais pode ser consultado aqui.3º Aniversário da AdEPortohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=58A AdEPorto celebra hoje o seu 3º aniversário. Três anos passados num ápice cheios de estudos, diagnósticos, estratégias, projectos e metas para o futuro da Cidade do Porto. Celebrar não é assinalar nenhum ponto de chegada mas é deixar um marco na estrada do futuro, consolidando as motivações e reagrupando as forças para prosseguir, assim, ou com outra configuração, amanhã. Tudo isso encarado numa perspectiva integrada e integradora pensando na Cidade e seus compromissos no âmbito do Pacto dos Autarcas, isto é, pensando no clima global mas, também, nos cidadãos, em termos de maior conforto e de menor custo na aquisição dos serviços de energia. Tudo isso para ser feito não pela Agência mas por cada munícipe e por todas as instituições com interesses no Porto, desde logo, a Câmara Municipal e as instituições mais representativas, muitas delas associadas da AdEPorto. A RUTE, rede de energia térmica (calor e frio) será em breve um grande projecto na Cidade, a expressão da sustentabilidade urbana porventura mais visível da AdEPorto. Preparamos já tudo para a sua concretização. Não passará, certamente, mais um ano antes de sentirmos a sua emergência na Cidade.RNAE formalmente constituídahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=57A RNAE - Associação das Agência de Energia e Ambiente - Rede Nacional foi formalmente constituída no passado dia 28 de Janeiro. Foi, ainda, criada uma Comissão Instaladora constituída por representantes das seguintes agências de energia: AMES, AREANATejo, AREAM, ENA e ENERGAIA.AdEPorto participa em estudo do Executive Agency for Competitiveness http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=56A AdEPorto foi uma das agências convidadas a participar num estudo do Executive Agency for Competitiveness & Innovation que tem como objectivo avaliar a relevância dos fundos comunitários nas agências de energia locais e regionais europeias.Até ao momento, foram já trabalhadas oito agências de diferentes regiões da Europa, nomeadamente, a de Hannover na Alemanha, a de Málaga em Espanha, Arc de Seine em França, a de Modena em Itália, e ainda, a de Rzeszow na Polónia, a de Gävle na Suécia, a de Argyll no Reino Unido, bem como Pomurje Energy Agency na Eslovénia.No total serão avaliadas 12 agências de energia em termos de estrutura de financiamento, estrutura institucional e pontos críticos no seu funcionamento, estando agora a decorrer os trabalhos na do Porto e de Helsínquia.Comité Português para o Ano Internacional da Biodiversidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=55Para assinalar o Ano Internacional da Biodiversidade, que se comemora em 2010 por proposta da ONU, o Governo Português decidiu criar o Comité Português para o Ano Internacional da Biodiversidade, numa iniciativa conjunta dos Ministérios dos Negócios Estrangeiros e do Ambiente e do Ordenamento do Território, destinada a implementar um programa de actividades comemorativas a nível nacional e no âmbito da CPLP. O Comité Português para o Ano Internacional da Biodiversidade funcionará sob a égide da Comissão Nacional da UNESCO, tendo como parceiro o Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade, e será constituído por uma Comissão de Honra, uma Comissão de Entidades Representadas e um Comité Executivo. Entre as áreas em que se espera vir a aprofundar a cooperação entre o Comité Português e delegações representantes dos parceiros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, incluem-se as Alterações Climáticas, a Biodiversidade e as Geociências, nomeadamente, no campo da investigação e formação de estudantes e docentes da CPLP. Esta cooperação assume particular importância na prevenção dos desastres naturais, como cheias e secas, que afectam a maioria dos países em desenvolvimento e põem consequentemente em risco a prossecução dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. Entre as iniciativas já previstas no âmbito das comemorações do Ano Internacional da Biodiversidade, que será lançado nos dias 21 e 22 de Janeiro, em Paris, com uma exposição itinerante, contam-se ainda um concurso a implementar nas escolas sobre «Alterações Climáticas e a Biodiversidade», um Encontro Internacional de Jovens Cientistas do Futuro e uma acção de formação destinada a professores de Cabo Verde.Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto em Israelhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=54O Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto foi convidado pelo Ministro das Infra-Estruturas de Israel para participar numa sessão plenária privada, constituída apenas por especialistas internacionais, e apresentar a experiência da cidade do Porto. A apresentação que, terá como título 'Cities as Major Actors in the Future Energy Issue', dirigir-se-á a representantes daquele Ministério, da União das Autoridades Locais, da Corporação Eléctrica de Israel e, ainda, aos mais relevantes lideres da região.Depois deste encontro que terá lugar em Tel-Aviv, Eduardo de Oliveira Fernandes irá participar na 3ª Conferência Internacional de Energias Renováveis que se realizará em Eilat de 16 a 18 de Fevereiro. 'A Eficiência Energética nas Cidades' será o tema do painel da mesa-redonda onde irá participar o Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto.Cimeira de Copenhagahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=537 de Dezembro de 2009 passará a ser um marco a reter em matéria de Ambiente e Alterações Climáticas a nível mundial. Esta data marca o arranque da Cimeira de Copenhaga, que discutirá os caminhos a seguir contra o aquecimento global e onde se encontra reunida durante as próximas duas semanas parte da comunidade internacional. Acredita-se que esta conferência promovida pela ONU será a que vai garantir a presença de mais líderes mundiais e que traçará um novo tratado para suceder ao Protocolo de Quioto. Se desejar, poderá acompanhar aqui.CMP assina Declaração sobre as Alterações Climáticas http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=52A Cidade do Porto, representada pelo Vereador da Protecção Civil, Controlo Interno e Fiscalização, Manuel de Sampaio Pimentel, assinou, em Estocolmo, a Declaração sobre as Alterações Climáticas das Eurocities, a maior rede de cidades metropolitanas da Europa. A Declaração sobre as Alterações Climáticas consiste no mais importante compromisso político assumido pelas cidades metropolitanas desta Rede Europeia perante a questão das alterações climáticas e representa o seu contributo para a futura Conferência das Nações Unidas, a decorrer em Copenhaga, na qual se pretende obter um acordo que suceda ao anterior Protocolo de Quioto. Este compromisso político foi assumido por mais de 70 cidades. Esta acção reforça o compromisso do Município, assumido com a assinatura, pelo Presidente Rui Rio, do Pacto dos Autarcas, em Fevereiro deste ano, em Bruxelas. Com esta acção, o Porto assumiu politicamente o objectivo de redução das emissões de CO2 em mais de 20% até 2020, através da implementação de medidas no domínio da eficiência energética e da promoção de energias renováveis vertidos em planos de acção para a energia sustentável. De destacar um outro importante resultado político do evento: uma Declaração Conjunta entre a Eurocities e a Conferência Norte Americana de Presidentes de Câmara, designada Apelo de Estocolmo", na qual os Municípios Europeus e Norte Americanos demonstram a sua união e compromisso perante os objectivos de combate às alterações climáticas, de promoção de políticas sustentáveis e apelam ao Estados o reconhecimento das Cidades como agentes privilegiados de intervenção nesta matéria."A Energia no Porto e os desafios para 2020http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=51No próximo dia 12 de Novembro, pelas 21h15, irá ter lugar mais um Serão da Bonjóia, que contará com a participação da Directora Executiva da AdEPorto, integrando o Ciclo de Debates sobre Assuntos Europeus que se tem realizado no âmbito desta iniciativa promovida pela Fundação Porto Social. 'A protecção dos valores do ambiente, seja a que escala for - local, regional ou global - encontra uma das principais oportunidades ao nível das cidades já que, por definição, é nas cidades que se concentram as pessoas, isto é, os destinatários de todos os recursos naturais que formam o ambiente: a água, o ar, os alimentos, os materiais, a energia, etc.. As últimas décadas vieram marcar a dimensão global do impacte das cidades no ambiente ao identificar as emissões de CO2 de origem humana como a causa do aquecimento global e, por via deste, das prováveis alterações climáticas. Uma vez que não há actividade humana que não careça de energia, o desafio que se coloca às cidades do futuro é o de, antes de mais, usarem apenas a energia de que precisam. A cidade do Porto assinou o Pacto dos Autarcas onde se comprometeu a convergir com os objectivos da Comissão Europeia para 2020: aumento da eficiência energética, redução das emissões de CO2 e aumento da penetração das energias renováveis, quantificados em 20% cada.' Quais as acções e os projectos da e para a Cidade do Porto para alcançar estes objectivos será o tema do próximo Serão da Bonjóia. Open Days 2009 - Semana Europeia das Regiões e Cidadeshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=50Alexandre Fernandes, actual Presidente da Rede Europeia de Energia (EnR), participou como palestrante do "Open Days 2009 - Semana Europeia das Regiões e Cidades" que teve lugar na Comissão Europeia, no Workshop dedicado ao Pacto de Autarcas. Apresentação de Alexandre Fernandes.AdEPorto na Concretahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=49A AdEPorto - Agência de Energia do Porto irá estar presente na Galeria 2 na edição de 2009 da Concreta - Feira internacional de Construção e Obras Públicas, que terá lugar de 20 a 24 de Outubro, na Exponor.O Presidente do Conselho de Administração, Eduardo de Oliveira Fernandes, irá participar no Congresso Concreta 09 - Reabilitar.Habitar, que se realizará no Grande Auditório da Exponor, âmbito do programa paralelo à feira. Mais informações em: http://www.concreta.exponor.pt/Paul Bevan, Secretário-Geral das Eurocities no Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=48A Directora Executiva da AdEPorto - Agência de Energia do Porto participou num encontro promovido pela autarquia portuense na sequência da visita ao Porto do Secretário-Geral das Eurocities, Paul Bevan, e do seu Assessor para a Cooperação Internacional, Bernardo Rodrigues.Este representante da maior rede de cidades europeias, deslocou-se ao Porto para apresentar os objectivos estratégicos da associação para as diversas áreas, nomeadamente, a Energia e as Alterações Climáticas, as Tecnologias de Informação e Comunicação, a Mobilidade e a Reabilitação Urbana. Por outro lado, este encontro teve também o propósito de auscultar as instituições representativas destes domínios no que diz respeito aos seus objectivos estratégicos e às suas expectativas face aquela instituição.A AdEPorto teve a oportunidade de expor o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no Porto em prol dos objectivos europeus em termos de eficiência energética e de combate às alterações climáticas nomeadamente a Matriz Energética e a Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto. Lipor inaugura Parque Aventurahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=16No próximo Sábado, dia 5 de Setembro, a Lipor irá inaugurar um Parque Aventura. Este novo equipamento irá surgir no espaço do antigo Aterro Sanitário de Ermesinde - Baguim do Monte que se transformou numa zona de lazer, ideal para a prática de desporto e destinada a toda a população.Neste espaço haverá Jogos Tradicionais, Eco-Basket, Escalada, Slide, Rappel, Insufláveis, Body Combat, Step Local, Tiro com Arco, entre outros.Visite o novo Parque Aventura e desfrute deste novo espaço, onde a energia e o movimento são uma constante.Para marcação de visitas posteriores à inauguração, contacte lipor@lipor.ptGreen Project Awards - Candidaturas aprovadashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=47As duas candidaturas apresentadas na categoria de Comunicação pela AdEPorto - Agência de Energia do Porto aos Green Project Awards foram aceites. A Semana da Energia e do Ambiente 2008 e a Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto foram os projectos apresentados. Esta iniciativa do Grupo GCI - Gestão de Comunicação Integrada, Agência Portuguesa do Ambiente e Quercus tem como objectivo premiar as boas práticas implementadas em Portugal em termos de desenvolvimento sustentável e que promovam a consciencialização e mobilização da sociedade em torno dos três pilares: ambiental, social e económico.5.º Encontro da Rede Nacional de Agências de Energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=46A cidade de Portalegre acolheu o 5.º Encontro da Rede Nacional de Agências de Energia co-organizado pela AREANATejo e pela RENAE e que contou com a participação da AdEPorto.Este encontro anual, dedicado ao tema "As Agências de Energia como Actores de Promoção da Eficiência Energética nos Edifícios" pretende dar a conhecer as actividades das Agências, especificamente, ao nível das medidas aprovadas pelo PPEC, constituindo também uma oportunidade para alargar o debate a outros agentes do mercado.O programa permite dar a conhecer o que estão a desenvolver as Agências de Energia de Norte a Sul do país e contemplou apresentações da AREANATejo, da ENERGAIA, da AMES e da AdEPorto que se associou igualmente ao evento. Enquanto agentes dinamizadores da alteração dos comportamentos e padrões de consumo da energia em Portugal, as Agências de Energia apoiam a concretização de estratégias e políticas - comunitárias, nacionais, regionais e municipais - relativas à eficiência energética, às energias renováveis e às respectivas contribuições para a inovação tecnológica, o combate às alterações climáticas e a promoção do desenvolvimento sustentável.Como actores do sector energético do lado da procura a proximidade aos utilizadores finais da energia representa um dos seus principais activos estratégicos. Por isso, a troca de informação e experiência, bem como a cooperação técnica e científica entre as Agências de Energia reveste-se de particular importância no desenvolvimento e articulação das iniciativas individuais e na obtenção de resultados de reconhecido impacto nacional.Ambinergia com 5537 visitanteshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=43A inovação ambiental e o debate sectorial concentraram durante três dias na EXPONOR a oferta e a procura de vários segmentos empresariais, com a energia e a sustentabilidade a funcionarem como forças motrizes da AMBINERGIA. A 1.ª Feira Internacional de Ambiente, Energia e Sustentabilidade encerrou portas e, para além dos negócios concretizados e potenciados pelos cerca de 70 expositores presentes na estreia, será a intensa troca de ideias e experiências que perpassou pelo Centro de Congressos - congregando cerca de 100 conferencistas e perto de mil assistentes na abordagem às temáticas mais prementes - a constituir a marca de água do evento para a edição de 2010, que está já a ser desenhada pela equipa de trabalho da EXPONOR. A feira, essa, recebeu 5.537 visitas, uma das quais foi a do secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, que no dia inaugural contactou com o tecido empresarial presente e participou em três conferências.Visite www.buildup.euhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=44A Comissão Europeia lançou um portal destinado à eficiência energética no edifícios que pode ser visitado em www.buildup.euConferência http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=45As comunicações da conferência "Energia e Alterações Climáticas" promovida pela Associação Portuguesa de Engenharia do Ambiente já estão disponíveis para consulta e audição. A Agência de Energia do Porto partcipou neste evento que teve lugar na Maia no passado mês de Abril. Para saber mais, clique aqui.Inaugurado Jardim das Cidades Geminadas http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=42O Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto e Vereador do Ambiente, Álvaro Castello-Branco, inaugurou hoje o Jardim das Cidades Geminadas, localizado na Avenida das Tílias dos Jardins do Palácio de Cristal. Esta iniciativa está inserida na Semana da Energia e do Ambiente, que decorre até amanhã, e pretende ser uma homenagem a todas as cidades com as quais o Porto tem um protocolo de geminação. A CMP decidiu expor num jardim público algumas das plantas mais simbólicas e representativas das suas "cidades-irmãs", como forma de transmitir aos portuenses, e a todos que passam por aquele local, a proximidade que existe com os municípios e os seus cidadãos, espalhados um pouco por todo o mundo. A ideia do Jardim das Cidades Geminadas remonta a 2007, ano em que a CMP, através da Direcção Municipal dos Serviços da Presidência/Divisão Municipal de Relações Internacionais, dinamizou com a cidade japonesa de Nagasaki, uma das geminações mais antigas da cidade do Porto, uma iniciativa em memória do desastre nuclear de 1945. Na altura, os Jardins do Palácio de Cristal receberam um diospireiro (kaki) vindo de Nagasaki, descendente de uma árvore sobrevivente à bomba atómica, tendo sido desenvolvido um conjunto de iniciativas com a comunidade escolar do Porto. O sucesso desta acção fizeram, desde logo, surgir a ideia de alargar o espaço em que esse mesmo diospireiro se encontra num jardim com plantas provenientes das diferentes cidades geminadas com o Porto (Liège-Bélgica, Bordéus-França, Bristol-Reino Unido, Vigo-Espanha, Duruelo de la Sierra-Espanha, Xangai-China, Léon-Espanha e Brno-República Checa). A inauguração do Jardim das Cidades Geminadas incluiu uma visita guiada, protagonizada pelas próprias "aves residentes" dos jardins do Palácio de Cristal, numa encenação original que envolveu a elaboração de guarda-roupa e pesquisa documental por parte dos alunos de uma turma do 3º ano da Escola EB1 do Bom Sucesso. Esta acção foi dinamizada pelo Gabinete do Ambiente (Centro de Educação Ambiental dos Jardins do Palácio de Cristal) e constituiu um pretexto para abordar num registo informal e pedagógico a origem e características das espécies que se podem encontrar no jardim, bem como aspectos particulares das cidades que as adoptaram como símbolo. Em paralelo, foi inaugurado na Biblioteca Municipal Almeida Garrett um pequeno núcleo expositivo, no qual o artista Jesper Andersen, jovem artista plástico residente no Porto, explica o processo de criação do painel de azulejos que assinala o Jardim das Cidades Geminadas. Esta mostra estará patente ao público até ao dia 19 de Junho. Semana da Energia e do Ambiente arrancou hojehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=246A Agência de Energia do Porto e a Câmara Municipal do Porto assinalaram hoje o Dia Nacional da Energia com o arranque da Semana da Energia e do Ambiente. Pelo segundo ano consecutivo, esta iniciativa inédita arrancou simbolicamente no dia 29 de Maio (Dia Nacional da Energia) com um Seminário sobre O Gás Natural e a Sustentabilidade", que teve lugar no Auditório da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e que contou com a presença do Vereador do Pelouro do Ambiente da Câmara Municipal do Porto, Álvaro Castello-Branco.II Grande Prémio de Carrinhos de Rolamentoshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=41Durante o próximo fim-de-semana, o programa de actividades da Semana da Energia e do Ambiente promete trazer muita animação às ruas da Invicta.No sábado, pelas 14 horas, terá lugar o II Grande Prémio de Carrinhos de Rolamentos" cujas inscrições excederam todas as expectativas da organização. A prova será, certamente, animada, pois a pista localizar-se-á na declivosa Rua D. Pedro V, em Massarelos.A 9ª edição do "Pedalar pelo Ambiente" realizar-se-á na manhã de domingo. Um desafio à resistência dos participantes num percurso inédito que percorrerá toda a periferia da cidade num total de 28 km. A partida está marcada para as 9 horas no Parque da Cidade na entrada da Circunvalação."Delegação de Alessandria recebida nos Paços do Concelhohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=40A delegação do executivo e de representantes das actividades económicas de Alessandria que se encontra de visita ao Porto foi, hoje, recebida no edifício dos Paços do Concelho, pelo Vice-Presidente da autarquia portuense, Álvaro Castello-Branco. Uma adversidade de última hora impediu o Presidente daquela cidade italiana, Piercarlo Fabbio, de realizar esta visita ao nosso país tendo sido substituído pelo seu Vice-Presidente, Serafino Vanni Lai. A comitiva, acompanhada pelo Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes, e por técnicos da Porto Vivo - SRU visitou, durante a manhã, o Quarteirão das Cardosas e o Morro da Sé. Durante a tarde, os técnicos da DomusSocial conduziram a visita ao Agrupamento Habitacional das Antas. A problemática da Sustentabilidade Energético-Ambiental na Renovação dos Edifícios do Centro Histórico e Baixa do Porto e a Instalação de Colectores Solares Térmicos na Habitação Social da cidade estiveram no centro das perspectivas apresentadas. Amanhã, a comitiva parte para Moura onde terá lugar um encontro de trabalho do projecto 'Concerto Al Piano'. No domingo irá realizar-se um Seminário dedicado à 'Sustentabilidade Urbana' no qual o Presidente da AdEPorto intervirá sobre a Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto e os compromissos inerentes à adesão ao Pacto dos Autarcas. Delegação de Alessandria visita o Porto no âmbito do projecto europeu 'Concerto - AL Piano'http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=245Na próxima sexta-feira, dia 8 de Maio, a cidade do Porto irá receber uma delegação do executivo e de representantes das actividades económicas da cidade italiana de Alessandria. Esta visita ao Porto realiza-se no âmbito da participação da Câmara Municipal do Porto no projecto europeu 'Concerto - AL Piano que tem a sua expressão urbana em termos de reabilitação do edificado e de soluções energéticas sustentáveis na cidade de Alessandria.Conselho de Arquitectos da Europa lança recomendaçõeshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=39Durante a Assembleia-Geral do Conselho de Arquitectos da Europa (CAE) que teve lugar em Helsinkia, a 24 de Abril, as Organizações membro analisaram a situação da profissão face à crise económica e financeira global que afecta todos os países. O CAE está convencido que o relançamento económico que está em curso não pode prosseguir com os mesmos objectivos nem seguir a mesma lógica que prevaleceram durante as últimas décadas. Os apelos para o desenvolvimento sustentável, centrados nas preocupações ambientais e sociais, requerem novas abordagens e novas soluções no domínio do ordenamento do território, do desenvolvimento urbano, da arquitectura, da construção e das infra-estruturas. Este organismo considera importante alertar os responsáveis políticos sobre a necessidade imperiosa de assegurarem que, em tempos de crise profunda, todas as instituições e governos, a todos os níveis, irão assumir as suas responsabilidades sociais de acordo com os conceitos de qualidade e sustentabilidade do ambiente construído, em que os cidadãos europeus vivem, trabalham e descansam. Neste contexto, conscientes da intervenção dos arquitectos, é importante assegurar que a selecção e a procura de serviços de arquitectura pelos promotores de obras públicas tenham por base critérios de qualidade, excluindo eventuais efeitos reversos sobre a qualidade arquitectónica e o interesse público. O CAE apela a que todos os decisores políticos potenciem a oportunidade de fazer a regeneração da economia global intervindo em domínios críticos, como o investimento na eficiência energética, o desenvolvimento a grande escala de projectos que utilizem energias alternativas, a renovação e o renivelamento das habitações sociais e colectivas e das infra-estruturas. O CAE estima que esta postura permitirá criar numerosos empregos e, simultaneamente, assegurar o desenvolvimento de uma conjuntura favorável à melhoria da qualidade de vida. É precisamente em tempos de crise que o facto de se investir em projectos com uma forte componente social, pode ser particularmente benéfico para se assegurar um desenvolvimento sustentável e estimular a inovação. Os arquitectos devem contribuir para a concretização destes objectivos e para a aplicação e desenvolvimento destes métodos e contributos. O CAE apela, em particular, a todos os candidatos às eleições europeias de 2009, a terem presentes estes princípios nos seus programas e nas suas campanhas e, no caso de serem eleitos, a desencadearem todos os esforços de concretização destas medidas. Neste sentido, o CAE elaborou, com a colaboração das organizações membros do CAE, um conjunto de recomendações políticas que serão enviadas a todos os candidatos. Projectos da AdEPorto considerados exemplos de boas práticashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=244Os projectos da Agência de Energia do Porto foram considerados como exemplos de boas práticas na implementação de políticas energéticas pelas autoridades locais, na sequência da apresentação que teve lugar durante manhã em Riga e que contou com a presença do Comissário Europeu para a Energia, Andris Piebalgs. Aquele responsável Europeu apelou hoje aos municípios para que apresentem projectos mais ambiciosos na área da energia, sublinhando os efeitos multiplicadores dessas acções de nível local e regional".Projectos da Agência de Energia do Porto apresentados em Rigahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=38Na próxima segunda-feira, dia 6 de Abril, os projectos da Agência de Energia do Porto, desenvolvidos no âmbito da política energética da Cidade promovida pela autarquia portuense, serão apresentados num encontro que terá lugar em Riga, na Letónia. O Observatório para a Sustentabilidade Energético-Ambiental dos Edifícios e a Instalação de Colectores Solares Térmicos nos Complexos de Habitação Social da Cidade, serão apresentados pelo Vice-Presidente da Agência de Energia do Porto e Director Municipal da Presidência da Câmara Municipal do Porto, Manuel de Novaes Cabral. Esta apresentação, inserida numa iniciativa Europeia em que estarão representações, para além de Portugal e da Letónia, de Espanha, França, Lituânia, Itália, Finlândia e Estónia, contará com a presença do Comissário Europeu para a Energia, Andris Piebalgs, bem como do Primeiro-Ministro do país anfitrião, Valdis Dombrovskis. O encontro, fomentado pelo programa europeu Intelligent Energy, irá centrar-se no papel e responsabilidades das autoridades locais na implementação das políticas energéticas.Colóquio Internacional Energia e Sustentabilidade - Os Grandes Desafios para o Século XXIhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=37A Fundação Friedrich Ebert e a Fundação Res Publica, em parceria com o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento, vão promover no dia 22 de Abril de 2009, em Lisboa, um Colóquio Internacional subordinado ao tema: Energia e Sustentabilidade - Os Grandes Desafios para o Século XXI. O programa prevê a intervenção de diversos especialistas, entre os quais o Presidente da Agência de Energia do Porto, Eduardo de Oliveira Fernandes, bem como responsáveis políticos da Alemanha e de Portugal, estando, também, prevista a presença do Ministro da Economia, Manuel Pinho.Este Colóquio tem em vista a discussão das linhas mestras de uma política energética para o Século XXI sob três aspectos, nomeadamente, em relação ao critério da sustentabilidade, ao desafio energético como estímulo para a competitividade e o emprego e, last not least, à questão dos actores para um modelo energético sustentável. O evento, que terá lugar no Hotel Real Palácio (Rua Tomás Ribeiro, 115), tem início marcado para as 10h.Assembleia-Geral aprova Relatório de Actividades e Contas de 2008http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=36A Assembleia-Geral da Agência de Energia do Porto reuniu hoje para avaliar o Relatório de Actividades e Contas de 2008. O encontro, que teve lugar no Palacete dos Viscondes de Balsemão, contou com uma participação significativa dos membros deste órgão social que aprovou por unanimidade o Relatório de Actividades e Contas de 2008. Reunião do Conselho Consultivohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=35O Conselho Consultivo da Agência de Energia do Porto reuniu, no dia 17 de Março, para analisar o Relatório de Actividades de 2008. O encontro, que teve lugar no Palacete dos Viscondes de Balsemão, contou com uma participação significativa dos membros deste órgão.Porto assinala Dia Mundial dos Direitos dos Consumidoreshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=34Tendo como objectivo assinalar o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, a Câmara Municipal do Porto e a DECO - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, promovem, entre 16 e 20 de Março, um conjunto de iniciativas que visam sensibilizar os cidadãos para as questões da defesa dos direitos dos consumidores. O palco será a Praça da Liberdade e o espaço um nostálgico autocarro do século passado (anos 60), gentilmente cedido pela Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP), que ficará estacionado junto à Estátua de D. Pedro IV, entre as 9h30 e as 17h30. Durante a iniciativa, os cidadãos poderão obter aconselhamento jurídico em matéria de direito do consumo, endividamento e sobreendividamento, consumo sustentável, entre outros. Simultaneamente, serão desenvolvidas actividades especialmente dirigidas às crianças, nomeadamente na área da reciclagem, contando para isso com a colaboração de técnicos do Gabinete do Ambiente da Câmara Municipal do Porto, da Lipor e da AdEPorto - Agência de Energia do Porto. Actividades a desenvolver Aconselhamento Jurídico aos cidadãos Distribuição de material didáctico/ informativo Distribuição de modelo de gestão do orçamento familiar Informação sobre o Gabinete de Apoio ao Sobreendividado (GAS) Informação sobre alternativas de resolução extrajudicial de conflitos de consumo Informação sobre como proceder em situação de conflitos de consumo Sensibilização dos consumidores para os seus direitos e deveres Informação e respostas a questões de Direito do Consumo Prestação de informação sobre temas transversais, nomeadamente de ambiente, poupança e gestão do orçamento familiar Oficinas diversas de reciclagem de materiais Concurso para sistema solar térmico no Agrupamento Habitacional das Antashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=33A DomusSocial, EM lançou no passado dia 2 de Março um concurso público para o co-financiamento, concepção, projecto, construção, aquisição, instalação, concessão, exploração e manutenção de um sistema solar térmico no Agrupamento Habitacional das Antas, situado na freguesia de Campanhã. Para mais informações o anúncio publicado no Diário da República encontra-se disponível em: http://www.dre.pt/sug/2s/cp/gettxt.asp?s=dia&iddip=401469027 ISO publica norma sobre eficiência energética de edifícioshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=31A ISO (International Organization for Standardization) publicou recentemente a norma ISO 23045:2008 - "Building environment design - Guidelines to assess energy efficiency of new buildings". Esta norma acentua a importância do processo integrado de concepção dos edifícios para a melhoria da eficiência energética. Ao fornecer directrizes relativas à poupança de energia e valores-alvo de eficiência energética, a ISO 23045:2008 fomenta o design sustentável dos novos edifícios e constitui um importante passo para a sustentabilidade. A mudança de atitude passa pelo progresso na área da eficiência energética, o que irá depender da consciência e envolvimento do sector da construção. A informação e o estabelecimento de normas podem efectivamente contribuir para que todos os profissionais deste sector estejam cientes da importância desta questão e que fiquem motivados e com vontade de agir. Apresentação da Ambinergia http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=32 A primeira edição da Ambinergia - Feira Internacional de Ambiente, Energia e Sustentabilidade, que terá lugar entre 4 e 7 de Junho, na Exponor, foi hoje apresentada. A Ambinergia é uma das principais novidades do calendário de 2009 da Exponor e irá envolver diversas entidades nacionais, nomeadamente, a APA - Agência Portuguesa do Ambiente; a ADENE - Agência para a Energia; a AdEPorto - Agência de Energia do Porto; o BCSD - Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável e a APCER - Associação Portuguesa para a Certificação. Este certame, que pretende ser o maior evento do género no país, irá abordar de forma integrada as três temáticas: ambiente, energia e sustentabilidade, e foi, sobretudo, pensado para profissionais. AdEPorto na European Union Sustainable Energy Weekhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=30A Agência de Energia do Porto (AdEPorto) esteve respresentada na Conferência Anual ManagEnergy 2009, que se realizou no âmbito da European Union Sustainable Energy Week, através da participação do Presidente do Conselho de Administração, Eduardo de Oliveira Fernandes, no painel: "Cities and Local Energy Actors working successfully together - What does current experience and good practice tell us? Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal já se encontra disponívelhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=29 O Plano de Acção para a Promoção da Energia Sustentável no Norte de Portugal de já se encontra disponível no site da CCDRN. Este documento, elaborado no âmbito do Pacto Regional para a Competitividade da Região do Norte de Portugal, pretende constituir uma referência em termos de investimento a nível regional. Trata-se de uma edição da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte e do Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional cuja equipa técnica integrou Eduardo de Oliveira Fernandes, na qualidade de perito coordenador responsável pelo plano, e Vítor Leal, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.Apresentação da Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=242A Câmara Municipal do Porto e a Agência de Energia do Porto apresentaram a Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto, no âmbito da 3ª edição da European Union Sustainable Energy Week 2009.A apresentação, que teve lugar no Pequeno Auditório do Rivoli Teatro Municipal, contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio, de Maria da Graça Carvalho, Conselheira Principal do Presidente da Comissão Europeia, e do Presidente do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto, Eduardo de Oliveira Fernandes.Mais de uma centena de convidados compareceram na sessão de apresentação para ficarem a conhecer sumariamente a Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto. O documento define linhas orientadoras, tendo como objectivo tornar-se num instrumento de referência ao nível da implementação de políticas concertadas e de planos de acção para a Cidade, perspectivando uma equitativa e coerente interligação dos três níveis de actuação do desenvolvimento sustentável: ambiental, social e económico.O Presidente da autarquia portuense destacou a necessidade de se encontrar um quadro de referência que permitisse identificar e potenciar os pontos fortes da Cidade, no sentido de iniciar um processo de transformação à luz dos valores da sustentabilidade facilitando, por um lado, a sua afirmação como Cidade ambiental e socialmente sustentável e, por outro, economicamente atractiva, progressiva, equitativa e solidária".Porto subscreve Pacto dos Autarcashttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=28O Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio, subscreveu a 10 de Fevereiro, em Bruxelas, o Pacto dos Autarcas no âmbito da European Union Sustainable Energy Week 2009 (EUSEW2009). A proposta de adesão da Invicta ao "Pacto dos Autarcas" foi aprovada por unanimidade em Novembro de 2008 pelo Executivo da autarquia portuense, depois de, no início do ano, a cidade ter sido pioneira na manifestação de intenção de subscrever este compromisso.O "Pacto dos Autarcas" é considerado o desafio mais ambicioso na luta contra o aquecimento global lançado pela Comissão Europeia. As cidades europeias aderentes têm como principal objectivo a redução das emissões de CO2 em mais de 20% até 2020, graças a medidas no domínio da eficiência energética e da promoção de energias renováveis vertidos em planos de acção para a energia sustentável.Assumindo as suas responsabilidades neste domínio, a Câmara Municipal do Porto liderou, em 2007, a criação da Agência de Energia do Porto (AdEPorto). A AdEPorto e a CMP apresentaram, em Março de 2008, a Matriz Energética do Porto onde são identificadas as vias para a redução da capitação de CO2 até 2020.Para além do Porto, o "Pacto dos Autarcas" será também assinado pelas autarquias de Almada, Aveiro, Cascais, Ferreira do Alentejo, Guarda, Lisboa, Moura e Vila Nova de Gaia. Ainda no âmbito da EUSEW, enquanto evento descentralizado, a AdEPorto e a CMP irão apresentar a Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto que constituirá um útil instrumento para a mobilização da cidade na prossecução daquele objectivo. Na fotografia em cima: Comissário Europeu Responsável pela Área da Energia, Andris Piebalgs, com os membros do consórcio Intelligent Energy Europe que subscreveram o Pacto dos Autarcas, à direita - Presidente do Município de Múrcia e Presidente Município de Riga, à esquerda - Presidente do Município do Porto, Rui Rio. Na fotografia: Comissário Europeu Responsável pela Área da Energia, Andris Piebalgs, com os membros do projecto "CONCERTO AL Piano" - Presidente do Município do Porto, Rui Rio, Presidente do Município de Moura, José Maria Pós-de-Mina, Presidente e Vereador do Município de Alessandria. Portugal dos melhores da Europa no processo de certificação energéticahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=26Portugal dos melhores da Europa no processo de certificação energético diz Bruxelas Portugal é um dos cinco países da União Europeia com o melhor processo de certificação energética dos edifícios, afirmou hoje à Lusa Martin Elsberger, responsável na Comissão Europeia pelos trabalhos de implementação da Directiva a nível europeu. Portugal faz parte do "Top 5", junto com a Dinamarca, Holanda, Alemanha e Irlanda, dos países com os melhores processos de certificação energética a nível europeu, afirmou o responsável, que se reuniu em Lisboa com a ADENE-Agência para a Energia, para discutir o processo de implementação do Sistema de Certificação Energética em Portugal. "O que vimos em Portugal é que as autoridades encontraram uma solução para implementar a Directiva de forma eficiente e pragmática", afirmou à Lusa. "Do que vi até agora e do que temos monitorizado, Portugal escolheu uma forma bastante eficaz de implementar a Directiva, com uma boa focagem nos pontos cruciais deste ponto da legislação", acrescentou. A qualidade dos certificados de performance energética e o nível de exigência nos requisitos para os especialistas de certificação, para além da formação específica que recebem, foram alguns dos pontos destacados pelo responsável europeu. Martin Elsberger recomendou que Portugal "continue a trabalhar da forma que está a trabalhar" neste processo. "Mantenham este esquema porque alguns Estados-membros escolheram uma forma menos eficaz e talvez de menor controle dos mecanismos de certificação, o que irá, quase de certeza, ter efeitos negativos para esses países", acrescentou. O responsável sublinhou a importância da certificação energética dos edifícios como instrumento fundamental da política europeia de combate às alterações climáticas através do aumento da eficiência energética. Mas destacou também a importância dos mesmos para impulsionar a indústria da construção numa altura de crise económica global. "Isto vai, em primeiro lugar, estimular a indústria de construção de novos edifícios, mas também o mercado de renovação dos edifícios", defendeu. Martin Elsberger está ainda convicto que a certificação energética dos edifícios permitirá a Portugal atingir o objectivo fixado pelo Governo de reduzir o consumo de energia em 15 por cento até 2015. "Penso que é um objectivo exigente, mas é alcançável quando se reage desde o início e de forma adequada num dos sectores que mais consome, o dos edifícios", afirmou. "O consumo médio de energia nos edifícios a nível europeu é de 40 por cento do total de energia consumida e sabemos que poderemos poupar entre 12 a 13 por cento desse total", explicou. "O facto de estarem à frente na certificação energética dos edifícios poderá significar que a maior parte do objectivo português pode ser atingida nesse sector", concluiu. ACF. Lusa/fim 30Jan2009Parlamento recomenda Plano Nacional de Promoção da Bicicletahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=27A Assembleia da República aprovou a Resolução n.º 3/2009 recomendando ao Governo a criação de um grupo de trabalho com vista à elaboração, aprovação e apresentação de um plano nacional de promoção da bicicleta e outros modos de transporte suave.Os deputados da Assembleia da República (AR) aprovaram uma Resolução recomendando ao Governo a elaboração de um plano nacional de promoção da bicicleta e outros modos de transporte suave.O plano destina-se a sensibilizar cidadãos, associações, entidades públicas e privadas apresentando estratégias inovadoras, propostas e recomendações de promoção da mobilidade suave, ou seja, de velocidade reduzida, ocupando pouco espaço, com pouco impacto na via pública e sem emissões de gases para a atmosfera.O desenvolvimento de campanhas e estratégias de sensibilização e acções de educação, o apoio a projectos de investigação e à implementação de projectos piloto em espaço urbano, a interacção com os sistemas de transportes públicos e a promoção do cicloturismo são outras das medidas apontadas na Resolução da AR.O documento indica, ainda, que o grupo de trabalho para estudo do plano deverá contar com a presença de representantes dos ministérios responsáveis pelas áreas dos transportes, do ambiente e ordenamento do território e da educação, bem como de representantes da ANMP, da ANAFRE e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Sustentável com vista à sua elaboração, aprovação e apresentação à AR.ADENE emitiu 14.000 certificados energéticos provisórios até ao final de 2008http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=25Energia: ADENE emitiu 14.000 certificados energéticos provisórios até ao final de 2008 A ADENE - Agência para a Energia, responsável pelo sistema de certificação energética dos edifícios em Portugal, emitiu 14.000 certificados energéticos provisórios até ao final de 2008, afirmou à Lusa fonte da entidade. Em Janeiro, mês que marcou o arranque da terceira e última fase do processo de certificação dos edifícios, com o alargamento a todos os edifícios vendidos ou arrendados, a ADENE já emitiu mais 6.600 declarações de conformidade regulamentar, ou seja, um certificado energético emitido em fase de projecto. O objectivo da ADENE é ter uma correspondência superior a 90 por cento entre as licenças de construção emitidas e as transacções de imóveis usados e os certificados energéticos. Os dados da ADENE mostram que no final de Dezembro mais de três quartos (89 por cento) dos novos licenciamentos de edifícios tinham o processo de certificação iniciado, contra 26 por cento em Julho do ano passado. Dos 14.000 certificados energéticos provisórios, 94 por cento dizem respeito a edifícios de habitação e 6 por cento aos serviços. Os distritos com maior número de certificados emitidos foram Faro, com 3.043, seguindo de Lisboa, com 2.200 e Setúbal, com 2.021. A classe energética com maior número de certificados é a A, com 45 por cento, seguida da B, com 29 por cento, da A+, com 14 por cento, e da B-, com 12 por cento. A ADENE refere que 30 por cento dos novos edifícios de serviços prevêem sistemas de climatização e 97 por cento das habitações prevêem a instalação de painéis solares. A ADENE já tem 822 peritos qualificados, dos quais 647 já receberam a carteira profissional e 175 estão em processo de reconhecimento. A primeira fase do sistema de certificação começou a 01 de Julho de 2007 com a obrigatoriedade de certificação para os edifícios novos destinados à habitação, com área útil superior a 1000 metros quadrados, e edifícios de serviços novos ou que tenham sido objecto de grandes obras de remodelação. A segunda fase começou a 01 de Julho de 2008 e abrangeu todos os edifícios novos, independentemente da sua área ou utilização. A terceira fase iniciou-se a 01 de Janeiro deste ano e alargou a certificação aos restantes edifícios, incluindo os existentes. Quem quiser vender ou alugar a casa terá agora de possuir um certificado que classifica o seu desempenho energético, sem o qual a transacção não ficará concluída. Quem não cumprir está sujeito a coimas que variam entre os 300 e os 3.000 euros. A classificação energética varia entre a classe A+, para os edifícios mais eficientes, e a classe G, para os menos eficientes. Os certificados energéticos contêm informação sobre as necessidades energéticas do edifício numa utilização normal e também as suas características de construção, factores que determinam a sua maior ou menor eficiência energética. Os custos de certificar um edifício ou fracção variam entre os 1,5 e os 4 euros por metro quadrado para o sector residencial e os 1 a 2 euros e os 4 a 5 euros para o sector de serviços, a que acrescem 45 euros de registo no caso do sector residencial e 250 euros no caso dos serviços. ACF. Lusa/Fim 30Jan2009 Eduardo de Oliveira Fernandes na CITYFUTUREShttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=24CITYFUTURES - assim se designa a conferência internacional que decorrerá em Milão (Itália), nos próximos dias 4 e 5 de Fevereiro, onde estará presente o professor Oliveira Fernandes como um dos seis 'keynote speakers' vindos de todo o Mundo. O professor da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), que desempenhou funções governativas nos governos de Mário Soares e de António Guterres, falará acerca dos desafios energéticos que se impõem aos grandes centros urbanos à luz do conceito da sustentabilidade. Esta conferência, que se insere na preparação da EXPO 2015 em Milão, debruçar-se-á sobre os problemas que as regiões metropolitanas um pouco por todo o mundo enfrentam, não só ao nível da energia, mas também do ambiente, transportes, pressão social, qualidade de vida e muitos outros factores que interpelam os valores da sustentabilidade. Cientistas e peritos reconhecidos no panorama internacional vão debater o tipo de arquitectura, o design, a gestão, as ferramentas conceptuais e as tecnologias que constituirão, no futuro, as cidades. Promovido pela Associação Italiana de Arquitectura e Tecnologia (SITdA), a conferência CITYFUTURES pretende sobretudo servir de plataforma de reflexão para a cidade de hoje e a que encontraremos em 2050. Para isso reuniu um grupo seleccionado de especialistas que terão oportunidade de apresentar os resultados das suas reflexões e experiências neste domínio. Numa altura em que se avançam cenários em todas as vertentes da sociedade sobre o que o futuro nos reserva, é tempo de avaliar também o papel das cidades: a conferência internacional CITYFUTURES pretende, assim, oferecer uma visão alargada e sugerir os instrumentos mais adequados para esta transição que certamente provocará alterações na vida de muitos cidadãos que vivem em centros urbanos. RP/FEUPObservatório para a Sustentabilidade Energético-Ambiental dos Edifícios da Cidade do Porto http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=83O Observatório é uma unidade externa ao processo de licenciamento da Câmara Municipal do Porto a cargo da AdEPorto. Tem por missão verificar o desempenho energético-ambiental dos edifícios no sentido de, para além do estabelecido no SCE1, ajudar à criação de políticas municipais para a excelência no edificado. Está em funcionamento desde Setembro de 2008 mas reporta aos processos de pedido de licença de obra de edificação entrados a partir de Julho de 2007, início da aplicação do SCE.A análise até agora efectuada permite inferir que a qualidade energética do edificado licenciado no período em apreço se caracteriza por um desempenho mediano. Dos edifícios do âmbito do RCCTE2, 65% de fracções, apresentam classe de desempenho energético A ou A+ por força da importância relativa dominante dos sistemas de água quente solar cujo efeito positivo esconde a menor qualificação do comportamento térmico da envolvente. Nos edifícios de âmbito RSECE3 a classe energética maioritária na amostra analisada é a classe B-, ou seja, o mínimo necessário para cumprir o regulamento. O comportamento térmico de um edifício no Inverno e no Verão pode ser avaliado pelo rácio Nic/Ni e Nvc/Nv, respectivamente. Estes rácios representam a razão entre as necessidades de energia para aquecimento e arrefecimento em condições nominais (padrão) e o máximo permitido pelo RCCTE, dando assim uma indicação do quão próximo o comportamento térmico do edifício está da excelência traduzida por valores mais baixos daqueles coeficientes. Verifica-se que 60% da área licenciada do âmbito do RCCTE apresenta um rácio Nic/Ni entre 75% e 100%, ou seja, próximo do limite máximo permitido de energia em condições nominais. No que respeita à estação de arrefecimento (Verão), embora na maioria dos edifícios não se preveja protecção solar exterior, os valores nominais de necessidades calculados são muito baixos e portanto passíveis de não se converterem em consumos reais como, aliás, é a situação previsivelmente normal em todo o edificado residencial, convenientemente projectado, no nosso país.Em termos de área licenciada, os edifícios do âmbito do RSECE correspondem a cerca do dobro da dos edifícios do âmbito do RCCTE ainda que em termos de fracções autónomas sejam apenas 12 % do total. No que diz respeito aos edifícios do âmbito do RSECE, sabendo que se reporta a consumos reais de energia importa assegurar que se atinge quanto possível as classes A ou A+.Os resultados da análise mostram que uma maior eficiência na iluminação e uma maior integração de energias renováveis podem abrir caminho ao cumprimento deste objectivo. Verificam-se também valores para a potência de climatização por área útil de pavimento em geral muito elevados, o que deverá merecer a atenção dos projectistas.Face às lições que resultaram da análise dos resultados do Observatório o Urbanismo da Câmara Municipal do Porto irá constituir um grupo de trabalho com vista a estudar as medidas de âmbito municipal que possam induzir uma significativa melhoria dos projectos de edifícios novos ou grandes reabilitações na Cidade. 1 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios, DL 78/2006.2 Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios, DL 80/2006. Aplica-se tipicamente em edifícios residenciais.3 Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios, DL 79/2006. Aplica-se tipicamente em grandes edifícios de serviços. Observatório para a Sustentabilidade Energético-Ambiental dos Edifícios na Cidade do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=241A Agência de Energia do Porto (AdEPorto) assinou, a 19 de Janeiro, dois protocolos, com a Câmara Municipal do Porto e a Porto Vivo - Sociedade de Reabilitação Urbana, com vista à criação do Observatório para a Sustentabilidade Energético-Ambiental dos Edifícios na Cidade e na Baixa do Porto. A cerimónia, que teve lugar na Sala D. Maria do edifício dos Paços do Concelho, contou com a participação do Vereador do Pelouro do Urbanismo e Mobilidade, Lino Ferreira, de Rui Quelhas da Porto Vivo e do Presidente e do Vogal do Conselho de Administração da AdEPorto, Eduardo de Oliveira Fernandes e Paulo Pinto de Almeida, respectivamente. No seu discurso, que destacou o impacto desta iniciativa na qualidade do ambiente e do bem estar dos cidadãos do Porto", Eduardo de Oliveira Fernandes alertou para a actual responsabilidade das autarquias em matéria de energia e ambiente, e sublinhou a importância da cidade do Porto ir subscrever proximamente, em Bruxelas, juntamente com outros 120 municípios europeus, o Pacto dos Autarcas - um compromisso lançado pela Comissão Europeia que tem como objectivos o aumento da eficiência energética, a redução das emissões de CO2 e o aumento da penetração das energias renováveis, quantificados em 20% cada, até 2020. A custo, ucranianos e russos parecem ter chegado a acordohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=23A custo, ucranianos e russos parecem ter chegado a acordo para o gás natural voltar a correr nos gasodutos europeus, mas o problema está longe de resolvido e longe de ser europeu. "Temos um problema mundial de energia e não é para deixar de dormir. É para tomarmos acções, para nos libertarmos do impacto das crises do problema", aconselha Eduardo Oliveira Fernandes, "pai" da linha política do plano energético do actual Governo e defensor de soluções sustentáveis apoiadas nas energias renováveis. Garante que nos próximos anos não há alternativa ao gás natural, por muito que se condene a crescente dependência europeia e a aparente contradição face aos objectivos de desenvolvimento das energias renováveis na União Europeia. Se há ciclo lento de mudança é na energia e as previsões indicam que o petróleo continuará a dominar por mais umas décadas. "Daqui a 20 anos, estaremos a consumir mais 20 a 30 por cento de petróleo do que hoje - está para durar - e sabemos que o gás natural vai aguentar mais uns 50 anos", afirma este académico. Contudo, reconhece que para a opinião pública, "custa a entender" essa previsão, perante tantas iniciativas em defesa das energias limpas. A importância do gás natural não cresceu apenas devido às imensas reservas em países como a Rússia e o Irão, mas sobretudo porque é o menos poluente dos combustíveis fósseis e com elevado poder calorífico. "É o herdeiro das energias fósseis e, neste momento, o grande companheiro das energias renováveis para assegurar a transição de paradigma". Não há, aparentemente, volta (realista) a dar em relação ao gás natural. A dependência das economias vai aumentar para alimentar as muitas centrais de ciclo combinado que se planearam, sobretudo na Europa, mesmo que uma parte nunca arranque. Perante a evidência de que o gás natural será o combustível de substituição por excelência do petróleo, precisam-se de "boas estratégias". Em vez de contas rigorosas sobre cenários que não se controlam, o que desfaz qualquer estudo bem intencionado - como mostraram os últimos meses - "deve-se ter uma posição estratégica sobre o assunto e de valores não perecíveis". Os preços caíram, quando todas as previsões apontavam para a pressão altista, e com isso os grandes investimentos estão hoje em causa: "Não sabemos o valor deles daqui a dez anos". Nestas crises que se sucedem na Europa de leste e central quando chega o rigor do Inverno, Portugal tem sido sobretudo espectador. A beneficiar das "decisões louváveis", do final dos anos 80 e início de 90, de construção do gasoduto para a Argélia e do terminal em Sines, por serem "investimentos absolutamente essenciais para o próximo meio século", o país - diz Oliveira Fernandes - tem, mesmo assim, "andado a dormir na forma". Refere-se ao seu potencial estratégico internacional, por "ter condições para ser porto de entrada de gás para a Europa", dando mais estabilidade e melhor acesso aos recursos, e à necessidade de um uso mais eficiente desta matéria-prima. Dá mais importância a estes pontos do que ao sobe e desce dos preços. Este é apenas "um fenómeno de vibração". A aposta no uso eficiente de gás passa pelos lares mas também pelas empresas. Nestas, o problema que também é a solução chama-se co-geração, a tecnologia de grande eficiência que converte o gás em electricidade e calor ao mesmo tempo. Contudo, a co-geração tem sido sobretudo incentivada através de subsídio às tarifas eléctricas, sendo a produção de calor "subalternizada". Cruzar gás com solar "A co-geração não pode ter como objectivo produzir electricidade e o 'resto' ser aproveitamento de calor. O calor tem de ter preço, é a mais-valia desta operação e o que faz aumentar o seu rendimento", defende este especialista. Ou seja, as empresas não podem procurar a co-geração apenas por causa da electricidade, têm de consumir efectivamente calor ou frio, caso contrário a eficiência não passa de teoria. Quanto ao consumo doméstico, Oliveira Fernandes tem na cidade do Porto, a cuja agência de energia preside, uma boa explicação para o que foi um mau exemplo. "Foi durante muitos anos instrumentalizada para utilizar apenas electricidade e agora tem necessariamente resistências à mudança para gás natural". Essa substituição constitui um dos grandes objectivos da agência pelo impacto que tem na redução de emissões de carbono do país, sabendo-se que as cidades são as maiores produtoras de CO2. Por exemplo, aquecer uma chávena de chá com gás produz metade do dióxido de carbono do aquecimento a electricidade. Como? Fazendo contas às emissões das centrais a carvão do sistema eléctrico, às suas taxas efectivas de rendimento (60 por cento no ciclo combinado) bem como às perdas no transporte (10 por cento). O carvão "chega" aos lares com rendimentos que podem chegar a 30 por cento, garante este especialista. Oliveira Fernandes defende que na racionalização de recursos e incentivos, o Estado devia apostar em dar condições às distribuidoras de gás natural e aos consumidores para uma maior generalização do gás natural nas cozinhas e para aquecimento de água, em projectos eventualmente associados com água aquecida por painéis solares térmicos -a tendência do futuro. "Isso sim, permite reduzir significativamente as emissões", comenta. Seriam recursos mais bem empregues, na sua opinião, do que em auditorias energéticas aos edifícios do Estado. "Vai-se gastar dinheiro e a eficácia vai ser baixa". É essa racionalidade que defende existir no sistema de co-geração que alimenta a Parque Expo desde há uma década e do qual foi o autor. "Antecipámos na altura que um cidadão na Expo consumiria metade da energia do que um cidadão das chamadas avenidas novas e com emissões mais de 50 por cento inferiores". As soluções que cruzam gás natural e energia solar tendem a crescer no futuro. "Setenta por cento de sol e trinta por cento de gás é a melhor combinação", sustenta, para um decréscimo real de pressão na rede e de emissões de carbono. Um quarto da factura energética das famílias é em água quente nos banhos e na cozinha. É por isso que defende que uma nova política para o consumo de gás natural em Portugal deve passar também por uma nova regulação, que premeie soluções inteligentes no uso combinado de gás natural e energia solar. Aí sim, as emissões baixarão e não será graças ao mercado de licenças de emissões de CO2, que se dinamizou com o baixo preço da tonelada de carbono e a disponibilidade em pagar (para poluir), "e não por existir um programa bem sucedido de eficiência".Casa Termicamente Optimizada visitada por mais um grupo de estudanteshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=21A Casa-Laboratório Termicamente Optimizada (CTO) foi na passada semana visitada por estudantes com o objectivo de realizarem um trabalho no âmbito da disciplina de Área Projecto. A CTO, também designada por Casa Solar, foi construída em 1984, numa iniciativa conjunta do Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação (INETI) e do Grupo de Fluidos e Calor do Departamento de Engenharia Mecânica da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) com o suporte da Direcção-Geral de Energia e de inúmeras empresas. Desde Agosto de 2007 que a Agência de Energia do Porto promove, divulga e organiza visitas à CTO, fruto da celebração de um protocolo com o INETI e a FEUP. A realização e a dinamização das visitas à CTO resultam também de uma parceria com a Fundação de Serralves e a Mundo Científico para o projecto Viver com Energia", através do qual se pretende incutir, aos jovens, valores sociais e ambientais, e em particular, relacionados com o uso eficiente e racional da energia. Durante o ano de 2008 e ao abrigo destes protocolos, a CTO recebeu mais de 300 estudantes, predominantemente, alunos que frequentam o ensino secundário.Plano de actividades aprovado em assembleia-geralhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=20O plano de actividades para 2009 da Agência de Energia do Porto foi aprovado, na passada sexta-feira, por unanimidade, durante a realização da quinta assembleia-geral da associação. Plano de Actividades 2009 Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto na TSFhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=19O Presidente do Conselho de Administração da Agência de Energia do Porto, Eduardo de Oliveira Fernandes, foi o convidado da edição de 18 de Novembro do programa Mais Cedo ou Mais Tarde, da TSF, da responsabilidade de João Paulo Meneses. Descarregar podcast TSFBairros municipais vão economizar energiahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=17A CMP, através da Empresa Municipal DomusSocial e em conjunto com a EDP, está a desenvolver uma acção de distribuição de lâmpadas economizadoras por todos os bairros municipais, dando assim um contributo significativo para a poupança energética e para a melhoria ambiental na cidade.A campanha, que decorrerá ao longo de dois meses (até 23 de Dezembro), foi hoje simbolicamente lançada no Conjunto Habitacional Parceria e Antunes, pela Vereadora da Habitação e Acção Social, Matilde Alves, e pelo administrador da EDP -Energias de Portugal, Jorge Cruz Morais.Para receber as novas lâmpadas economizadoras, os inquilinos municipais devem apresentar, junto de uma carrinha itinerante devidamente identificada, ou nas próprias instalações do Gabinete do Inquilino Municipal (GIM), uma lâmpada usada e um comprovativo da morada (por exemplo, um recibo de renda, de água ou de luz).Em troca, receberão quatro lâmpadas economizadoras e um pequeno guia com conselhos sobre a poupança de energia. Entrevista do Presidente do Conselho de Administração da AdEPorto à revista Porto Semprehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=239Decorre justamente no Dia Mundial do Ambiente, o que constitui um excelente mote para lhe pedir um diagnóstico sucinto sobre o actual estado da cidade, nesse domínio específico. Ou seja, como é que está (como é) o ambiente no Porto? A resposta, em termos rigorosos, não deve ser simplista. Poderei dizer que há boas perspectivas em termos dos indicadores habituais (resíduos urbanos, água, energia, qualidade do ar ambiente, ruído, espaços verdes), mas deveremos esperar, para que possa responder com mais propriedade, até que seja elaborada a proposta de Estratégia para a Sustentabilidade da cidade, a qual se encontra presentemente em preparação e será entregue à Câmara pela Agência de Energia, no fim deste ano de 2008. A AdEPorto nasceu em Março de 2007 por iniciativa da CMP. De um modo sintético e em termos facilmente compreensíveis pelo comum dos portuenses, o que é e para que serve, no concreto, esta Agência de que o Sr. Professor é presidente? Se atentarmos na resposta à pergunta anterior, saberemos identificar aí alguns actores das políticas de gestão dos resíduos (Lipor), da água (Águas do Porto), etc. A Agência de Energia será mais um desses actores, que nasceu para responder ao desafio que, também na abordagem da questão energética, se coloca hoje às autarquias, já que a energia é um recurso essencial ao progresso e ao bem-estar das comunidades. Todavia, também tem fortes repercussões negativas no ambiente, nomeadamente na poluição do ar e - soubemo-lo ainda há pouco tempo - no aquecimento global do planeta, que nos vai trazer as alterações climáticas. Então, a AdEPorto é uma entidade especializada de apoio à boa gestão da energia no Município do Porto, através do envolvimento da Câmara, mas também dos principais actores, no âmbito das políticas públicas (águas, transportes, resíduos, património edificado público, habitação social, entidades do desporto e do lazer, etc.) e das empresas da área da energia (electricidade, gás, combustíveis) e dos cidadãos em geral, através das associações mais diversas. E contará, certamente, com o contributo especializado do sistema científico da Universidade. Em que medida é que pode contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas? Por outras palavras: que mais-valia representa a criação deste organismo para a cidade do Porto? Vai permitir à CMP dispor de uma entidade especializada, que lhe dê suporte às medidas, que, em termos de políticas, identificou para o futuro: uma cidade do Porto, ambientalmente exemplar também no que respeita à energia, o que significa uma cidade causadora de menos poluição, em particular com menos emissões de CO2 (dióxido de carbono) per capita. Numa frase, vai contribuir, de forma muito especial, para que o Porto possa, de facto, vir a corresponder ao compromisso que se prepara para assumir, solenemente, no contexto europeu: ser uma cidade sustentável. Energia e Ambiente são duas vertentes indissociáveis dos padrões da qualidade de vida urbana. No caso da cidade do Porto, como tem sido possível casar" estes dois aspectos, no âmbito da esfera de competências da AdEPorto?Certificação de Edifícioshttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=238A partir do dia 1 de Julho de 2008 entrará em vigor a segunda fase da calendarização do SCE, o Sistema de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. A partir desta data, estarão abrangidos por aquele diploma (DL 78/2006) todos os edifícios novos, independentemente da sua área ou fim, cujos pedidos de licenciamento ou autorização de edificação sejam apresentados à entidade competente".AdEPorto referida na visita dos Reis da Noruegahttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=15Na sessão solene de recepção aos Reis da Noruega, o Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio, destacou a criação da Agência de Energia do Porto, definindo-a como 'catalisadora nos processos de transição para sistemas energéticos mais eficientes e sustentáveis, promovendo a inovação e as boas práticas'. [+] Discurso integralDefinição da estratégia de sustentabilidade para a cidade do Portohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=14Foi assinado a 17 de Dezembro de 2007, um protocolo entre a Câmara Municipal do Porto e a Agência de Energia do Porto (AdEPorto) para a definição da Estratégia de Sustentabilidade para a Cidade do Porto. A AdEPorto terá como tarefas a caracterização do suporte ambiental para a cidade (água, ar, solo, áreas verdes, paisagem, energia, etc.), tendo em conta a sua expressão territorial; a abordagem da problemática do ordenamento urbano com o urbanismo, as áreas verdes, os usos da água; a avaliação dos impactos das actividades na cidade, tais como o da construção e gestão do edificado existente (a recuperar e novo), nomeadamente nos aspectos da saúde, da segurança e eficiente uso dos recursos, bem como da mobilidade e dos transportes. A abordagem das questões da economia e do desenvolvimento humano, utilizando os indicadores económicos e sociais terão também lugar na estratégia a definir bem como os fundamentos, a motivação e os meios da participação dos cidadãos num novo registo de consciência cívica com forte expressão ambiental. [+] no site da CMPMicroprodução de electricidadehttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=13Foi publicado em Diário da República, a 2 de Novembro, o regime jurídico aplicável à produção de electricidade por intermédio de instalações de pequena potência (unidades de microprodução) e que entrará em vigor a 31 de Janeiro de 2008. Consulte aqui o Decreto-LeiÁgua Quente Solar: segundo 'round' 25 anos depoishttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=237Portugal depende de energia importada em quase 90%. Apenas 10% da energia primária vem de recursos endógenos: hidroelectricidade, eólica e biomassa. Aquelas só são úteis pela via da electricidade. A biomassa ainda é muito usada para a obtenção de calor ou co-geração de calor e de electricidade. E, claro, há a radiação solar.Portugal tem na energia solar um potencial (luz e calor) que não tem sabido utilizar. Enquanto factor ambiental, o sol é causa de amenidade climática favorável ao conforto nos edifícios sempre que a arquitectura e as tecnologias da construção sejam orientadas nesse sentido. O valor absoluto das necessidades de aquecimento, de Inverno e, em particular, de arrefecimento, de Verão, tendem a ser muito menores do que em países de climas extremos. Isto, se a arquitectura e a construção não tornarem o comportamento dos edifícios pior" do que o do clima, conforme diz o Prof. Rafael Serra da E. Politécnica de Barcelona, isto é, mais quentes no Verão e mais frios no Inverno, como já ocorre demasiado entre nós.Para além das tecnologias solares passivas (arquitectura e construção inteligentes), o sol oferece outras oportunidades tecnológicas, quase todas mágicas e sofisticadas, mas de efeito muito próximo do cidadão. É o caso da iluminação natural, hoje em dia quantificavel e simulavel por modelos rigorosos - veja-se o exemplo da nova Igreja da Santíssima Trindade em Fátima - que desloca/reduz significativos consumos de energia eléctrica.Veículo Inteligente e Ecológicohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=12Trata-se de um projecto que corresponde a um conceito inovador de locomoção, pensado para a utilização pública ou privada e que responde às novas orientações tecnológicas no que diz respeito à mobilidade sustentada nas cidades, através da utilização de veículos interactivos e sem emissões, segundo informou Miguel Rodrigues, representante da Retroconcept, a empresa construtora.O ECO VINCI será desenvolvido pelo Centro de Engenharia da Maia, através do Laboratório Europeu de Mobilidade Sustentada aí sedeado.A IT-Automotive - Sistemas Interactivos e a Microsoft Automotive irão desenvolver todos os sistemas a integrar no veículo, que permitirão a sua interactividade entre o utilizador e a cidade, desenvolvendo assim o conceito de Veículo Inteligente. No fundo, como observou aquele responsável, «é quase como falar de um computador com rodas, capaz de interagir com a cidade, com o meio e com os outros veículos».A construção do primeiro protótipo funcional, que irá testar todos os sistemas integrados na cidade do Porto, está prevista para o verão do próximo ano, após o que terá início a comercialização das primeiras unidades.O contributo da Agência de Energia do Porto consiste, segundo o seu Presidente, Oliveira Fernandes, que se encontrava acompanhado por Manuel Cabral, na qualidade de Vice-Presidente do respectivo C. A., em ajudar o município a fazer do Porto uma cidade sustentável.«Esta proposta, à qual a Agência está associada, encaixa perfeitamente no paradigma da sustentabilidade. Primeiro, porque volta a utilizar a energia eléctrica em termos de transportes, aspecto em que o Porto tem enormes e reconhecidas tradições, em segundo lugar, porque responde a iniciativas da própria sociedade civil e, finalmente, desta maneira dão-se sinais em que é necessário dar passos na mobilidade, uma vez que os transportes são, porventura, a área de mais difícil intervenção política», explicou Oliveira Fernandes.Por seu lado, Rui Rio destacou a mobilidade como uma das prioridades da sua gestão autárquica, contextualizando a assinatura deste convénio num quadro global de poupança e substituição de fontes energéticas (petróleo por electricidade), enfatizando, igualmente, a componente da defesa ambiental, bem como a importância, em termos de competitividade económica, do «casamento» entre conhecimento e produção. Projecto REMODECEhttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=11 O projecto REMODECE - Residential Monitoring to Decrease Energy Use and Carbon Emissions in Europe pretende contribuir para o conhecimento mais detalhado da forma como se processa o consumo de energia eléctrica nas unidades de alojamento da U.E.-25+2 , desagregado pelas principais categorias de equipamentos. Pretende-se também inferir algumas conclusões sobre as tendências futuras no consumo de energia eléctrica neste sector com base nos hábitos de utilização dos equipamentos e dos requisitos de conforto adoptados. Este projecto permitirá assim avaliar o potencial de economias de energia eléctrica existentes no sector residencial na Europa, pela utilização de equipamentos energeticamente mais eficientes e/ou pela eliminação/redução dos consumos de stand-by. Neste sentido, e com o intuito de obter dados nacionais, a ADENE lançou um questionário que visa a caracterização dos consumos de energia eléctrica no sector residencial. Colabore nesta iniciativa, preenchendo o Questionário Remodecee enviando-o para: geral@adene.pt. Se residir na área de Lisboa, poderá beneficiar de uma das 25 auditorias que a ADENE está a oferecer aos interessados em conhecer o consumo eléctrico dos equipamentos a monitorizar na respectiva residência. Para inscrições e/ou informações adicionais contactar a ADENE - Agência para a Energia (Engº Pedro Lima; tel.: 214722800; e-mail: pedro.lima@adene.pt) ou visitar o site do projecto. O projecto REMODECE é financiado pelo Programa Energia Inteligente - Europa da Comissão Europeia (contrato nº. EIE/05/124/S12.419657), sendo coordenado pelo ISR-UC (Instituto de Sistemas e Robótica da Universidade de Coimbra) e conta com a participação de 14 parceiros em representação de doze países. Está previsto que este projecto se conclua em Junho de 2008. Seminário Ambiente e energia no desenvolvimento da regiãohttp://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=7O Presidente do Conselho Coordenador da RENAE, Prof. Doutor Joaquim Borges Gouveia, participou no seminário promovido pela ENA com a comunicação "O futuro das agências de energia: oportunidades e constrangimentos...O Presidente do Conselho Coordenador da RENAE, Prof. Doutor Joaquim Borges Gouveia, participou no seminário promovido pela ENA com a comunicação "O futuro das agências de energia: oportunidades e constrangimentos...Sistema de Informação Multicritério da cidade do Porto (SIM Porto)http://adeporto.eu/noticia_detalhe.php?id_noticia=10Recuperação de edifícios dá créditos de construção que podem ser vendidos O coeficiente da eficiência energética previsto em cada recuperação vai ser levado em linha de conta na atribuição de créditos de construção Quem reabilitar um edifício situado na Área Crítica de Recuperação e Reconversão Urbanística (ACRRU) da cidade do Porto recebe créditos de construção que podem ser transaccionados e utilizados dentro desta área ou fora dela. Entre outras soluções, um proprietário poderá, por exemplo, ceder a área de construção concedida pela câmara a um construtor (que pode utilizá-la num novo empreendimento) e, em troca, esse construtor reabilita o seu imóvel. Os metros quadrados de construção a que cada proprietário terá direito serão definidos por uma vistoria a efectuar pelos serviços camarários. Os resultados desta vistoria poderão ser ainda mais favoráveis para o proprietário caso a reabilitação leve em conta a valorização da eficiência energética, em coerência com a recente legislação nacional relativa ao desempenho energético dos edifícios. Este estímulo para a recuperação de prédios situados na área da ACRRU estava previsto no Plano Director Municipal do Porto, sendo caso único a nível nacional, e fica agora regulamentado pelo Sistema de Informação Multicritério da cidade do Porto (SIM Porto), que foi anteontem aprovado, por unanimidade, na assembleia municipal (AM) portuense. Reconhecendo a complexidade de um documento como o SIM Porto, o vereador do Urbanismo na autarquia, Lino Ferreira, anunciou que irá ser elaborada uma pequena brochura explicativa que facilitará a respectiva compreensão por parte dos munícipes. Ferreira sublinha que este regulamento "é uma grande alavanca no sentido de recuperar a Baixa da cidade do Porto".